As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Até os estertores da morte

Imagem: Nicolas Postiglioni
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JEAN PIERRE CHAUVIN*

Quero deixar minha vida em ordem, em perfeito acordo com os costumes da santa inquisição neopentecostal

Estimada leitora, ou estimado leitor, data vênia, eu estava completamente errado. Perdoe-me por levar 49 anos e oito meses para percebê-lo. Felizmente, não há mal que tanto perdure, haja vista o cultivo da ciência e da cultura favorecido pela evidente harmonia social que nos une – como se percebe no modo como cultivamos a democracia, a laicidade e o combate aos preconceitos, ainda que persistentes.

Desculpe-me por citar um livro meio antigo, mas Aristóteles ensinava, na Poética, que o ethos do herói se forja nos momentos de escolha. Eis, portanto, o relato da minha decisão, para registro e reconhecimento de firma: “A esta altura desta vida mirrada, frente a acontecimentos tão egrégios, rasgarei todas as camisetas e camisas-polo avermelhadas; farei a mochila vermelha em pedaços; depositarei o novo estojo de lápis vermelho na lixeira mais próxima (nunca se sabe a consequência de doá-lo para outra vítima)”.

Ficou bom assim? Digo mais. Felizmente, sempre achei cueca vermelha cafona e, por sorte, ou graça de deus, nunca recorri a meias vermelhas, pois não teria o que combinar com elas. Melhor ainda, tive três automóveis: um deles era cor de chumbo; o segundo, bordô; o terceiro, vermelho vivo (não por minha culpa, mas por recomendação da concessionária). Ainda bem que me desfiz de todos eles. Não haverá melhor ginástica que correr atrás do ônibus e trabalhar o peitoral, esmagado entre gentes, quando no metrô. Mas conversávamos sobre arrependimento contrito. Voltemos ao tema.

Ao me livrar do vermelho e dependurar a bandeira com as cores de Bragança no lustre, tento imitar um sujeito relativamente ilustre do século V. Quando se converteu ao cristianismo, Santo Agostinho gastou centenas de páginas para contar a sua infância e sua curiosa relação com os maniqueus. Se me permite o reparo, note como sou inovador. Levo sobre ele a vantagem de fazê-lo em cinco ou seis parágrafos, o que me aproxima de um Brás Cubas, mas também do Quincas Borba, quando escreve uma carta violenta (e que faz rir) ao futuro herdeiro Rubião.

Convenhamos: tão elevado poder de síntese só se explica de duas formas: (1) como não sei um milésimo do que o Bispo de Hipona sabia, nada mais justo que me limitar a um brevíssimo artigo de autocensura; (2) a tomada de consciência ufano-patriótica e moral teísta permitirá que eu transite pelas ruas da Pauliceia em segurança, evitando que os brutamontes, em bandos, convertam-me a votar em outro candidato a tapas.

Você não imagina como está sendo libertador subordinar-me compulsoriamente a um regime totalitário, destruidor, mitômano, sádico, piegas e negacionista. Mas, para isso, é preciso disciplina e coragem. Acima de tudo, será preciso abandonar qualquer espírito crítico; simultaneamente, evitar discutir a concepção unidimensional dos apologetas do neonazismo em São Paulo e no Brasil.

Nada será mais tranquilizante que trabalhar (se ainda houver emprego) até os estertores da morte: sensação quase eterna de produtividade. Puxa, somente agora ocorreu que preciso recusar o convite honroso a prefaciar livros; evitar a redação de artigos não lucrativos ou sem serventia; deixar de orientar alunos de iniciação científica, do mestrado e do doutorado (especialmente aqueles que levam a pesquisa tão a sério que não podem continuar a fazê-lo sem bolsa). A acusação de que sou desocupado por contar com duas “férias” por ano talvez faça sentido para um sujeito antiuspiano.

Mas, de volta à paleta de cores. Acabo de perceber que terei que destruir o mouse vermelho sangue, para que o próximo prestador de serviços que porventura vier não irradie misérias a esse respeito e despeje meu nome no cadastro dos inimigos do Führer – sujeito tão patriótico que deseja compartilhar o pouco que resta do território com os ricos irmãos do Norte. Puxa, agora lembrei que a sanduicheira tem coloração rubra. Deixe-me pegar o martelo novamente. Pronto. Nenhuma ameaça imediata. À vontade. Pode entrar. O apartamento é modesto. Vossa mercê não repare na bagunça. Aquela loucinha é de hoje cedo. Madruguei para vender aula… Ah, não lhe contei que sou profissional e não amador? Sabe o que é? Como não tenho patrocínio, por não ser tão bom esportista, preciso vender minha força de trabalho. Sim, leio e escrevo, basicamente.

Você viu como não sobrou qualquer eletrodoméstico, utensílio ou cartaz subversivo por aqui? Deve ter sido a intuição que mandou encomendar estantes e prateleiras brancas… Como é? Aquele livro lá em cima? Perdoe-me: como estou sem óculos não consigo discernir bem. Imagine se eu teria um nicho com obras de Friedrich Engels e Karl Marx na sala de visitas! Jamais… Coisas ultrapassadas e de mau-gosto. Ah, bem, não foram esses que você viu… Puxa, tem razão: ainda tenho uns treze livros de lombada vermelha, incluindo A Nova Razão do Mundo, de Dardot e Laval. De que ele trata? Como lhe respondo sem me comprometer?  O senhor releve: mal me recordo do teor. Deve ser o cansaço diário, despendido em variadas formas de resistência.

Não, não. Não frequento terreiro. Mas, sua senhoria me perdoe: também passo longe dos templos. Igreja? Raro, raro: quando entrava em uma era mais por interesse histórico. Isso, isso: coisa de professor. Ultimamente, evito entrar, mesmo. É que, vez ou outra, aparecem sujeitos que gostam de ofender os padres. Não é crítica, não. Foi o que li em alguns jornais e escutei dos depoimentos. Nesse aspecto, estou mais tranquilo. Tento ser virtuoso, a despeito do ateísmo. Acho, inclusive, que meu CPF está limpinho. O score não é tão alto porque estou pagando pelo novo financiamento habitacional. Sabe como é, né? Somos tão bem remunerados, tão bem reconhecidos pelo nosso ofício que mantenho conta em dois bancos para me distrair.

Ah, agora você está curioso por minha vida pessoal? Sem problema algum. O que quer saber? Mande lá… Sim, fui casado. Hoje só namoro, entende? Ah, estou em pecado? E rachadinha, também é errado? E sigilo secreto? Ah, não vem ao caso… compreendo: são os velhos-novos critérios do desgoverno. Puxa, então preciso correr. Longe de mim buscar encrenca com os cidadãos de bem.

Quero deixar minha vida em ordem, em perfeito acordo com os costumes da santa inquisição neopentecostal, também importada dos EUA, feito Coca-Cola, quadrinhos e pipoca de micro-ondas. Vai que vossa senhoria manda um emissário da ordem e dos bons costumes revistar o apartamento. Darei um basta exemplar nessa relação perniciosa com a guria, levando a ela não provas, mas convicções. Senão hoje, amanhã faço isso na primeira hora. Como? Convoco a sujeita para uma entrevista e digo que está tudo terminado. Você tem razão: preciso evitar que volte a pintar um clima.

*Jean Pierre Chauvin é professor na Escola de Comunicação e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de Mil, uma distopia (Luva Editora).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre Aragão de Albuquerque Marjorie C. Marona José Luís Fiori Remy José Fontana Igor Felippe Santos Bernardo Ricupero Leda Maria Paulani Bruno Machado Armando Boito Eduardo Borges Lincoln Secco Everaldo de Oliveira Andrade João Carlos Loebens Caio Bugiato Anderson Alves Esteves Antonio Martins Bento Prado Jr. Ronald León Núñez Luiz Eduardo Soares João Lanari Bo Samuel Kilsztajn Jean Marc Von Der Weid Celso Favaretto José Machado Moita Neto Eleonora Albano Alexandre de Freitas Barbosa Milton Pinheiro Ricardo Abramovay João Feres Júnior Chico Whitaker José Costa Júnior Alysson Leandro Mascaro Atilio A. Boron José Micaelson Lacerda Morais Leonardo Avritzer Gerson Almeida Ladislau Dowbor Luiz Marques André Singer Thomas Piketty Sergio Amadeu da Silveira Renato Dagnino Rodrigo de Faria Rubens Pinto Lyra Chico Alencar Mariarosaria Fabris Paulo Fernandes Silveira Daniel Brazil Luciano Nascimento José Geraldo Couto João Carlos Salles Andrew Korybko Marcus Ianoni Afrânio Catani Paulo Martins Jorge Luiz Souto Maior Tales Ab'Sáber Maria Rita Kehl Luiz Costa Lima André Márcio Neves Soares Ronald Rocha Eleutério F. S. Prado Marilia Pacheco Fiorillo Juarez Guimarães Leonardo Sacramento Fernando Nogueira da Costa José Dirceu Luís Fernando Vitagliano Claudio Katz Ricardo Musse Marcelo Guimarães Lima Ronaldo Tadeu de Souza Osvaldo Coggiola Ari Marcelo Solon Sandra Bitencourt Elias Jabbour Manuel Domingos Neto Marcos Aurélio da Silva Paulo Capel Narvai Henry Burnett Berenice Bento Jorge Branco Luiz Bernardo Pericás Heraldo Campos Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Sérgio Pinheiro Annateresa Fabris Airton Paschoa Luiz Roberto Alves Daniel Afonso da Silva Vinício Carrilho Martinez Mário Maestri Marcelo Módolo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antonino Infranca Walnice Nogueira Galvão Otaviano Helene Anselm Jappe José Raimundo Trindade Antônio Sales Rios Neto Fábio Konder Comparato Tadeu Valadares Ricardo Antunes Vladimir Safatle Valério Arcary Kátia Gerab Baggio Érico Andrade Eliziário Andrade Flávio R. Kothe Eugênio Bucci Valerio Arcary Alexandre de Lima Castro Tranjan Gilberto Lopes Lucas Fiaschetti Estevez Manchetômetro Gabriel Cohn João Sette Whitaker Ferreira Luiz Werneck Vianna Eugênio Trivinho Carla Teixeira Jean Pierre Chauvin Celso Frederico Dênis de Moraes Daniel Costa Ricardo Fabbrini Marilena Chauí Leonardo Boff João Adolfo Hansen Lorenzo Vitral Francisco Pereira de Farias João Paulo Ayub Fonseca Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Carlos Bresser-Pereira Luis Felipe Miguel Fernão Pessoa Ramos Michael Roberts Marcos Silva Henri Acselrad Yuri Martins-Fontes Salem Nasser Luiz Renato Martins Boaventura de Sousa Santos Roberto Bueno Benicio Viero Schmidt Carlos Tautz Julian Rodrigues Rafael R. Ioris Slavoj Žižek Vanderlei Tenório Denilson Cordeiro Flávio Aguiar Dennis Oliveira Gilberto Maringoni Priscila Figueiredo Francisco Fernandes Ladeira Michael Löwy Liszt Vieira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Roberto Noritomi Tarso Genro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada