As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Lula no tempo certo

Imagem: Vincent Tan
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

O tempo de dar à segurança pública e à segurança do Estado a importância devida, não pode ser um tempo longo

Maquiavel no seu Livro VII do Da arte e da guerra diz que os príncipes italianos não compreendiam a necessidade de fazer as coisas no tempo certo “antes de experimentar os golpes dos guerreiros ultramontanos”. Imaginavam que o exercício de uma “resposta mordaz” e os “discursos de sutileza” poderiam lhes dar segurança para um mando sem sobressaltos, sem entender que poderiam se tornar “presa do primeiro assaltante.” E foi assim – prossegue o grande teórico da política moderna – “que três dos mais poderosos Estados italianos foram várias vezes pilhados e saqueados.” Penso que Lula, com esta viagem aos EUA, comprova que está fazendo as coisas no tempo certo, o que me faz lembrar que o tempo de dar à segurança pública e à segurança do Estado a importância devida, não pode ser um tempo longo.

No território Yanomami estão presentes vários problemas da globalização financeira do mundo, que, se é verdade que não foram previstos na estrutura do Estado – para serem atacados dentro dos limites do Direito Internacional e da nossa legalidade interior – não quer dizer que não existam. E não quer dizer que deixem de ser um poderoso acúmulo de fatos, que obrigam a reorganização das nossas defesas, em torno da soberania territorial nacional e da própria segurança do país: Segurança nacional, soberania territorial, segurança pública e segurança do Estado, nas suas funções de polícia e de proteção de direitos, estão ali vinculadas de forma plena e incontornável, até chegarem ao estatuto de naturalização de um genocídio.

No espaço do território Yanomami estão os grandes esquemas de depredação das condições ambientais, do tráfico de drogas, violação dos direitos das comunidades originárias, convivendo com a organização de regimes escravocratas de exploração do trabalho, tráfico de pessoas e animais silvestres, onde transita a circulação ilegal de vultuosas somas de dinheiro, rapidamente destinadas a circuitos “legais”, em transações internacionais obscuras, suspeitas ou simplesmente criminosas.

O contrabando e o roubo de riquezas naturais ganharam, a partir do garimpo estimulado por Jair Bolsonaro, cada vez mais espaço naquele território da nossa soberania, ocupado ilegalmente por grupos mafiosos – nacionais e internacionais – que instrumentalizam pessoas comuns para serem vanguarda de um processo de acumulação privada, sem lei e sem fronteiras. Na terra, entre o delírio da riqueza e a brutalidade dos bandeirantes da pós-modernidade, está o espírito do capitalismo periférico liquidando os Yanomamis. Cesare Pavese diria, vendo os olhos das meninas e meninos mortos, que às vezes “dá vontade de devolver o bilhete de entrada no universo”!

A penetração da “razão instrumental” – exercício de poderes sem abrigo em valores da comunidade política – no âmbito do sistema de poder moderno, já foi estudada de forma concreta por Maquiavel. Num exercício arriscado para atualizar seus conceitos pode-se dizer que aquela mesma “razão instrumental” – entrevista pelo veneziano – foi fortalecida e atualizada pela coerção dos organismos financeiros globais sobre o Estado, desnudando o déficit de organização da democracia liberal. Assim, mostrando como ela tem sido falha em atualizar os mecanismos de poder nacional estruturados na Constituição Federal de 1988, ainda sob o impulso da “guerra fria”.

O controle do território, a segurança do Estado e a segurança pública, compõem hoje a mesma ordem de problemas que refletem na segurança nacional, até hoje orientada para combater “ideias que vem de fora para alimentar grupos subversivos que estão dentro”, argumentos que – na verdade – se destinavam a proteger privilégios coloniais-imperiais, cada vez que a democracia permitia avanços sociais para os “de baixo.” Ocorre que hoje, “o dentro” e “o fora” não mais existem, nas questões fundamentais: são um mesmo tecido incindível de criminalidade comum, financeira e política, que opera em conjunto no espaço nacional e global.

Em nome de um anticomunismo para idiotas, Jair Bolsonaro se apropriou dos conceitos vencidos da “guerra fria” e passou a abrigar militares dentro do seu governo, para que ele pudesse se associar e associar seletivamente, alguns deles, a esta criminalidade, para torná-la então permanente, através de um golpe de Estado. Esta tentativa, de uma só vez, desmoralizou uma boa parte das nossas Forças Armadas e parte significativa dos aparatos de inteligência e segurança do nosso país, que simplesmente nada fizeram contra o genocídio Yanomami.

No Brasil, o desenvolvimento tecnológico (técnico e econômico, criminoso ou não) – neste momento – entra em franca contradição com a “racionalidade prático-moral da Constituição”, como ocorre em todas as sociedades que resistem ao assédio fascista. É que a estrutura do Estado não gerou instrumentos de defesa para situações novas, das quais é um exemplo o ocorrido no território Yanomami: indefeso, embora pacificado como território nacional e declarado na Constituição propriedade da União (art. 20 XI da Constituição Federal) – com direito de usufruto e posse para os indígenas (art. 231, par. 2º Constituição Federal).

É de esperar que o Presidente Lula retome o mais breve possível a ideia de compor um forte Ministério de Segurança Pública, que consiga abarcar as múltiplas e novas funções federativas e globais que, juntamente com as Polícias, os órgãos de inteligência do Estado e as demais estruturas com afinidade – com o apoio total das nossas Forças Armadas – possa ser um órgão superior de sustento institucional da segurança do Estado, na sua soberania em relação aos sistema de criminalidade global, e da segurança pública no país, como questão federativa de primeiro nível.

A questão que se coloca como estratégica, para que o Brasil possa compor uma irmandade sul-americana em defesa da democracia, é aglutinar em torno de alguns princípios a maioria significativa dos países da América do Sul, que respeitem as regras do jogo democrático. Não permitir uma reedição da barbárie que foi encetada contra o Yanomamis, é uma preliminar essencial de credibilidade perante o mundo.

Voltar o Ministério da Justiça para a sua missão histórica de coordenação das grandes políticas de Estado, na sua conexão permanente com os demais Ministérios e Secretarias de defesa de direitos e na sua relação com os poderes da República, é o segundo degrau do diálogo universal aberto neste momento. Coisa de estadista. Não de sociopatas que fazem “arminha”.

*Tarso Genro foi governador do estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil. Autor, entre outros livros, de Utopia possível (Artes & Ofícios).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Mariarosaria Fabris Chico Whitaker Rodrigo de Faria Jean Pierre Chauvin Ronald León Núñez Luiz Bernardo Pericás João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Abramovay Michael Löwy Igor Felippe Santos Henri Acselrad Bernardo Ricupero Leonardo Sacramento Ronald Rocha Alexandre Aragão de Albuquerque Valerio Arcary Luis Felipe Miguel Tales Ab'Sáber João Carlos Loebens Eleonora Albano João Feres Júnior Jorge Luiz Souto Maior Eduardo Borges Denilson Cordeiro Luciano Nascimento Daniel Afonso da Silva Eugênio Bucci Flávio Aguiar Juarez Guimarães Manuel Domingos Neto Berenice Bento Sergio Amadeu da Silveira Marcelo Guimarães Lima Vinício Carrilho Martinez Lorenzo Vitral Boaventura de Sousa Santos Walnice Nogueira Galvão Valério Arcary Fernando Nogueira da Costa Eliziário Andrade Tadeu Valadares Samuel Kilsztajn Ari Marcelo Solon Claudio Katz Celso Favaretto João Adolfo Hansen Michael Roberts Heraldo Campos André Singer Annateresa Fabris Caio Bugiato João Sette Whitaker Ferreira Marcelo Módolo Marilena Chauí Leda Maria Paulani Rafael R. Ioris Renato Dagnino Gerson Almeida João Carlos Salles Ricardo Antunes Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Machado Moita Neto Paulo Nogueira Batista Jr Francisco Pereira de Farias Sandra Bitencourt Érico Andrade Gilberto Lopes Luiz Eduardo Soares Slavoj Žižek Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Roberto Alves Vanderlei Tenório Henry Burnett Antonio Martins Gabriel Cohn Jorge Branco Gilberto Maringoni Antonino Infranca Plínio de Arruda Sampaio Jr. Andrew Korybko Roberto Bueno Ricardo Musse Marcus Ianoni Marcos Aurélio da Silva Yuri Martins-Fontes Ricardo Fabbrini Chico Alencar Priscila Figueiredo Eugênio Trivinho Paulo Capel Narvai Marjorie C. Marona Carla Teixeira Dennis Oliveira Paulo Martins José Raimundo Trindade Salem Nasser Celso Frederico Luiz Renato Martins Ronaldo Tadeu de Souza Manchetômetro Benicio Viero Schmidt Leonardo Avritzer Jean Marc Von Der Weid Bruno Machado Luiz Costa Lima Bento Prado Jr. Luís Fernando Vitagliano Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcos Silva André Márcio Neves Soares Dênis de Moraes Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Marques Leonardo Boff José Dirceu Ladislau Dowbor Antônio Sales Rios Neto Tarso Genro Lincoln Secco Alysson Leandro Mascaro Rubens Pinto Lyra Maria Rita Kehl Mário Maestri Milton Pinheiro Paulo Sérgio Pinheiro Afrânio Catani Elias Jabbour Daniel Costa Daniel Brazil Anderson Alves Esteves Everaldo de Oliveira Andrade Otaviano Helene Atilio A. Boron Carlos Tautz Alexandre de Lima Castro Tranjan José Luís Fiori Julian Rodrigues Francisco Fernandes Ladeira Liszt Vieira Thomas Piketty Vladimir Safatle Luiz Werneck Vianna José Geraldo Couto Kátia Gerab Baggio José Costa Júnior Fernão Pessoa Ramos Fábio Konder Comparato João Lanari Bo Eleutério F. S. Prado Airton Paschoa Armando Boito Osvaldo Coggiola Anselm Jappe Remy José Fontana Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Fernandes Silveira Roberto Noritomi Flávio R. Kothe Alexandre de Freitas Barbosa José Micaelson Lacerda Morais

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada