As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

César Vallejo

Liubov Popova, Amostra de Tecido Impresso
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre as novas edições brasileiras da obra do poeta peruano

Poucos nomes da literatura latino-americana são tão reconhecidos mundialmente e tão pouco divulgados no Brasil quanto o de César Vallejo (1892-1938). Alçado ao nível de poetas como Neruda, Girondo e Huidobro, o peruano semeou a sua vida atribulada com poesia, prosa, teatro e artigos militantes.

A primeira edição completa de seus poemas no Brasil teve a tradução de Thiago de Melo, publicada em 1984. Pelo caráter vanguardista de sua poesia, com elementos formais inovadores, já havia chamado a atenção dos concretistas brasileiros. Uma nova tradução foi lançada este ano, pelas mãos de Fabricio Corsaletti e Gustavo Pacheco (Editora 34). Em 2021 a editora Iluminuras lançou o romance Tungstênio, que aborda a exploração das minas peruanas e a miséria dos trabalhadores indígenas.

A prosa de César Vallejo acaba de ganhar uma edição preciosa da editora Bandeirola. O volume reúne Escalas Melografiadas, narrativas breves escritas na prisão, e Fábula Selvagem, publicadas em 1923. Nesse mesmo ano o autor deixou o Peru e partiu para a Europa. Primeiramente para a França, de onde foi expulso, e depois a Espanha, onde conheceu Garcia Lorca e Rafael Alberti, e se juntou ao movimento antifascista.

Nos 112 dias em que ficou preso em Trujillo, no Peru, acusado de “instigação intelectual”, Vallejo produziu as fantásticas narrativas curtas das Escalas, que levam os sugestivos nomes de Muro Noroeste, Muro Antártico, Muro Este, Muro Duplo e Muro Ocidental, que é composto por apenas uma frase misteriosa. A exceção é o pungente Parapeito, onde um episódio de infância é rememorado de forma… digamos, vallejiana.

Na segunda parte, Coro de Ventos, estão alguns dos mais célebres contos do peruano, onde a loucura parece rondar vários personagens. Mirtha, a bela jovem do conto homônimo, pode muito bem ter inspirado a última obra de Buñuel, Este obscuro objeto de desejo, onde um homem se envolve com uma mulher, que é interpretada por duas atrizes. No conto, todos os amigos do protagonista veem duas mulheres, menos ele, apaixonado. Embora os créditos do filme indiquem que foi inspirado num romance do francês Pierre Louÿs (La femme et le pantin), as ligações poéticas e afetivas do universo buñuelesco com a literatura de César Vallejo não parecem ser apenas coincidência.

Surrealismo? Não no sentido estrito. A literatura do mestiço andino antes mergulha nos mistérios da realidade, no espelho estilhaçado da vida, em que as imagens não formam um todo cartesiano e coerente. Como apontou Mariátegui, “em sua literatura, Vallejo é sempre uma alma ávida de infinito, sedenta de verdade. A criação é nele, simultaneamente, inefavelmente dolorosa e exultante”.

A narrativa Fábula Selvagem, publicada no mesmo ano de Escalas Melografiadas, trabalha justamente com o simbolismo do espelho, que ao se partir começa a transforma a vida do camponês Balta. Ele passa a se sentir perseguido por um estranho visto de relance nos cacos, que pode ou não ser real. Projeção inconsciente, sombra ancestral de um rival que perturbará seu feliz casamento com a chola Adelaida. Descrevendo com detalhes o ambiente rural andino, é a última obra publicada pelo autor em sua pátria. Parte para o exílio no mesmo ano, unindo militância política e poesia numa vida sofrida e miserável, e sempre inconformista.

A escrita de César Vallejo ora remete a Franz Kafka, ora lembra Edgar Alan Poe, e em muitos momentos antecipa o realismo fantástico que se tornaria um estilo da literatura latino-americana. Sua marca mais original é a presença ostensiva da poesia, seja através de imagens, de construções inusitadas ou de adjetivações metafóricas. Cintilam em cada página achados poéticos de alto calibre. Um pastor açoita “as costelas do vento”, o apaixonado abriga-se “sob a unha anil do firmamento”, o chinês aposta tudo nos “belos cubos divinos”, sentimos a “cor das colheitas da tarde limão”. Vallejo se revela um autor profundamente original e surpreendente, nestes tempos tão desprovidos de beleza.

A edição especial do espanhol Antonio Merino para Escalas Melografiadas e Fábula Selvagem serviu de base para a edição da editora Bandeirola. A tradução é de Ellen Maria Vasconcellos, e contou com um iluminador prefácio de João Mostazo (“A Literatura em que o ético, o poético e o político se complementam”), que situa com precisão César Vallejo na história e no panorama literário mundial.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eleutério F. S. Prado Fernão Pessoa Ramos Carlos Tautz João Carlos Salles Annateresa Fabris Paulo Fernandes Silveira Claudio Katz Paulo Capel Narvai Plínio de Arruda Sampaio Jr. Michael Löwy Daniel Brazil Alexandre Aragão de Albuquerque Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tales Ab'Sáber Paulo Martins Bento Prado Jr. Daniel Afonso da Silva Luiz Roberto Alves Henry Burnett Daniel Costa Vinício Carrilho Martinez Rubens Pinto Lyra Jean Pierre Chauvin Ladislau Dowbor Jorge Branco Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Boff Otaviano Helene Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Avritzer Milton Pinheiro Marcus Ianoni José Costa Júnior Juarez Guimarães Vladimir Safatle José Geraldo Couto Antonino Infranca Marcos Silva Gerson Almeida Marcos Aurélio da Silva Celso Favaretto Anselm Jappe Sandra Bitencourt Luís Fernando Vitagliano Paulo Sérgio Pinheiro Igor Felippe Santos Elias Jabbour Alexandre de Freitas Barbosa Eugênio Bucci Gabriel Cohn Anderson Alves Esteves Lincoln Secco Thomas Piketty Ricardo Antunes Celso Frederico João Paulo Ayub Fonseca Michael Roberts Marcelo Módolo José Luís Fiori Marilena Chauí Chico Whitaker Eleonora Albano José Machado Moita Neto Walnice Nogueira Galvão Maria Rita Kehl Liszt Vieira Gilberto Maringoni José Raimundo Trindade Luiz Eduardo Soares Vanderlei Tenório Chico Alencar Jean Marc Von Der Weid Salem Nasser Marilia Pacheco Fiorillo Eugênio Trivinho Renato Dagnino Rodrigo de Faria Atilio A. Boron Antonio Martins Tarso Genro João Lanari Bo Samuel Kilsztajn Valério Arcary Luiz Marques Luis Felipe Miguel Jorge Luiz Souto Maior Henri Acselrad Mariarosaria Fabris Benicio Viero Schmidt Alexandre de Lima Castro Tranjan Yuri Martins-Fontes Antônio Sales Rios Neto Andrew Korybko Rafael R. Ioris Afrânio Catani Marjorie C. Marona Leda Maria Paulani João Carlos Loebens João Adolfo Hansen Luiz Bernardo Pericás Remy José Fontana Caio Bugiato Osvaldo Coggiola Denilson Cordeiro Ricardo Fabbrini Luciano Nascimento Francisco de Oliveira Barros Júnior Roberto Noritomi Kátia Gerab Baggio Ricardo Musse Ronaldo Tadeu de Souza Valerio Arcary Berenice Bento Heraldo Campos Marcelo Guimarães Lima Slavoj Žižek José Dirceu Gilberto Lopes Priscila Figueiredo Ricardo Abramovay Érico Andrade André Márcio Neves Soares Eduardo Borges Francisco Pereira de Farias Fábio Konder Comparato André Singer Boaventura de Sousa Santos Julian Rodrigues Mário Maestri João Sette Whitaker Ferreira Everaldo de Oliveira Andrade Bruno Machado Luiz Costa Lima Alysson Leandro Mascaro Armando Boito Tadeu Valadares Carla Teixeira Dennis Oliveira Luiz Renato Martins Ronald Rocha Lorenzo Vitral José Micaelson Lacerda Morais Sergio Amadeu da Silveira Bernardo Ricupero Ari Marcelo Solon Roberto Bueno Flávio Aguiar Fernando Nogueira da Costa Lucas Fiaschetti Estevez Ronald León Núñez Manuel Domingos Neto Manchetômetro Eliziário Andrade Leonardo Sacramento João Feres Júnior Airton Paschoa Luiz Werneck Vianna Flávio R. Kothe Luiz Carlos Bresser-Pereira Dênis de Moraes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada