O lumpen empresariado

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO AVRITZER*

Considerações sobre as eleições de 2022 e o iliberalismo dos liberais brasileiros

O episódio envolvendo o cancelamento pela corretora XP, um dos maiores players do mercado financeiro no Brasil, da publicação de uma pesquisa eleitoral que apontava a consolidação da liderança do ex-presidente Lula nas eleições desse ano, nos faz voltar a um tema que está no ar desde que o mercado aderiu, entusiasmadamente em 2018, à candidatura Jair Bolsonaro, um candidato que não era democrático e nem ao menos liberal. Sabemos hoje que as inclinações antigas do ex-capitão conseguiram prevalecer em relação ao suposto representante do liberalismo no governo, o ministro Paulo Guedes, que não passa de um liberal típico latinoamericano, aquele que confunde liberalismo com privatismo e conservadorismo com autoritarismo.

Uma parte da nossa imprensa – decepcionada não com as atitudes autoritárias do presidente ou com os seus ataques à democracia, mas com o seu comportamento errático na economia – adotou um rótulo que está na moda na Europa e começou a chamar o ex-capitão de presidente iliberal. Vale a pena enumerar o conjunto de equívocos presentes nesse rótulo. O primeiro deles deve-se ao fato de o conceito ou pseudoconceito ter sido usado pela primeira vez pelo primeiro-ministro da Hungria, Victor Orban, em um discurso em uma universidade húngara no verão de 2014.[1] Ali, ele afirmou “que a nação húngara não constitui uma simples soma de indivíduos, mas uma comunidade, reforçada e desenvolvida, e nesse sentido o novo estado que estamos construindo é um estado iliberal”.[2]

É raro, mas não impossível, a apropriação de um conceito com um significado inverso ao pretendido pelo autor, mas foi o que ocorreu com a ampla apropriação do conceito de estado iliberal, ou iliberalismo, na América Latina. Cabe nos perguntarmos por que. Tenho uma resposta que remete à censura da pesquisa Ipespe pela XP, que se disse pressionada por grandes investidores do agronegócio. Atos ainda mais questionáveis – tais como o apoio generalizado dos atores econômicos no pós-impeachment a um programa que não havia sido eleito nas urnas e, mais recentemente, o apoio do mercado a uma política de equiparação dos preços do petróleo aos preços internacionais –, sob o argumento da manutenção das reformas liberais (sic), complementam os traços da atitude do empresariado brasileiro na conjuntura nacional. Irei elaborar cada um dos elementos a seguir.

A apropriação do conceito da democracia iliberal no Brasil tem como objetivo esconder um fato visível, mas não teorizado pelos comentaristas econômicos da mídia corporativa: em boa parte da década passada, foi o liberalismo que atacou a democracia ao questionar resultados eleitorais, patrocinar impeachments e até mesmo remover um governo democraticamente eleito por meio de um golpe clássico na Bolívia. Todos esses elementos sugerem que existe um liberalismo antidemocrático na América do Sul.

O não reconhecimento do resultado das eleições peruanas pelo corifeu do liberalismo na região, Mario Vargas Llosa, independentemente da confirmação do resultado por todas as fontes independentes, foi apenas mais um fato a sugerir que uma parte dos liberais latino-americanos tem pouco ou nenhum compromisso com a democracia e com as eleições. O posicionamento desses liberais mostra que tivemos uma involução no liberalismo na América do Sul. Hoje, ele tem pouca preocupação com a autonomia moral, não entende a economia a partir de um conceito de liberdade contratual e deriva os seus princípios exclusivamente da ideia de um privatismo patrocinado pelo Estado – e ninguém representa esse conjunto melhor que Paulo Guedes.

A recente discussão sobre os preços do petróleo e a privatização da Petrobras apontam na mesma direção. Acredito que nem Miriam Leitão ousaria argumentar que existe um livre mercado de petróleo no nível internacional. Todos sabem que o preço do petróleo é estabelecido por um conjunto de países produtores, entre os quais, um deles, a Arábia Saudita, tem a capacidade de estabelecer o preço, seja porque pode aumentar a sua produção instantaneamente, seja porque pode decidir, em conjunto com outros países e grandes empresas, não fazê-lo, tal como decidiu nesse momento.

Os outros países se situam em dois campos diferentes, os que têm petróleo e condição de fazer uma política independente e os que não têm. Apenas o Brasil se situa em um terceiro campo, o dos países que têm condição de fazer uma política própria mas não o fazem porque os liberais dizem que seria contra o livre mercado que, como vimos, não existe de fato no que diz respeito ao petróleo.

O que explica, então, essa postura do empresário brasileiro, que defende petróleo caro, nega pesquisas e aplaude um governo e uma proposta política que nega os princípios mais básicos do liberalismo econômico em torno do próprio liberalismo? Tenho uma hipótese. Formou-se no Brasil um lumpen empresariado. Marx no livro 18 Brumário falava de “lumpen proletariado” e o definia da seguinte forma:  pessoas de “… duvidosos meios de vida e de duvidosa procedência, junto a descendentes degenerados e aventureiros da burguesia, vagabundos, licenciados de tropa, ex-presidiários, fugitivos da prisão, escroques, saltimbancos… etc.”. Nos dias que correm no Brasil, eu arriscaria dizer que essa definição retrata bem o empresariado bolsonarista e seus líderes.

Não existe nada de liberalismo na representação conceitual desse grupo de empresários. Há apenas interesses econômicos de curto prazo, de predação e rentismo do Estado. A atitude da XP, representante por excelência dessa nova concepção de capitalismo extrativo e predatório, associada aos aplausos calorosos recebidos por Bolsonaro na Associação Comercial do Rio de Janeiro, em uma fala recheada de ataques ao STF e ao Estado de direito, demonstram a natureza desse novo empresariado que está em consolidação no Brasil e utiliza o liberalismo apenas como mote para um processo de destruição do Estado.

O fato de que a corretora, antes do processo eleitoral, se disponha a não publicar uma pesquisa de intenção de voto reforça as suspeitas de que os instrumentos da democracia estão sendo questionados por amplos setores no início do processo eleitoral e de que a pesquisa eleitoral, um instrumento legítimo da aferição da opinião pública, será atacada nesse processo.

*Leonardo Avritzer é professor titular do departamento de Ciência Política da UFMG. Autor, entre outros livros, de Impasses da democracia no Brasil (Civilização Brasileira).

 

Notas


[1] Alguns defensores do conceito irão remetê-lo a um artigo da revista Foreign Affairs, escrito por Farreed Zakaria, que questionava a falta de pluralismo em algumas democracias es especial na Europa do Leste. O artigo permaneceu com baixa influência até os próprios governantes na Hungria e na Polônia passarem a adotar o termo.

[2] https://budapestbeacon.com/full-text-of-viktor-orbans-speech-at-baile-tusnad-tusnadfurdo-of-26-july-2014/

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Dirceu Luiz Werneck Vianna Renato Dagnino Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Musse João Carlos Salles Ladislau Dowbor Luiz Carlos Bresser-Pereira João Sette Whitaker Ferreira Alexandre Aragão de Albuquerque João Carlos Loebens Henri Acselrad Alysson Leandro Mascaro Leonardo Avritzer Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Raimundo Trindade Andrés del Río Marilia Pacheco Fiorillo Carla Teixeira Paulo Nogueira Batista Jr Carlos Tautz Yuri Martins-Fontes Ronaldo Tadeu de Souza Leonardo Boff Michel Goulart da Silva Elias Jabbour Mariarosaria Fabris Francisco Pereira de Farias Vanderlei Tenório Leonardo Sacramento José Micaelson Lacerda Morais Fernão Pessoa Ramos Alexandre de Freitas Barbosa Vinício Carrilho Martinez Bernardo Ricupero Salem Nasser Eliziário Andrade Bruno Machado Marcus Ianoni Luciano Nascimento Denilson Cordeiro Antonino Infranca Ronald Rocha Priscila Figueiredo Anderson Alves Esteves Dênis de Moraes Afrânio Catani Eleonora Albano Luiz Bernardo Pericás Alexandre de Lima Castro Tranjan Otaviano Helene João Paulo Ayub Fonseca Luís Fernando Vitagliano Daniel Afonso da Silva Jorge Branco Luiz Roberto Alves Celso Frederico Antonio Martins Luis Felipe Miguel Juarez Guimarães Anselm Jappe Jean Pierre Chauvin Mário Maestri Luiz Eduardo Soares Rafael R. Ioris José Costa Júnior Ronald León Núñez Eugênio Bucci Chico Whitaker Gabriel Cohn Antônio Sales Rios Neto Liszt Vieira Sergio Amadeu da Silveira Fernando Nogueira da Costa Sandra Bitencourt Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Sérgio Pinheiro Rubens Pinto Lyra Dennis Oliveira Eugênio Trivinho João Adolfo Hansen Tadeu Valadares Henry Burnett Everaldo de Oliveira Andrade Flávio R. Kothe João Lanari Bo João Feres Júnior Marcelo Guimarães Lima Annateresa Fabris Heraldo Campos Berenice Bento Marilena Chauí Marcos Silva Valerio Arcary Manchetômetro Luiz Marques Remy José Fontana Atilio A. Boron Jorge Luiz Souto Maior Tales Ab'Sáber André Márcio Neves Soares Benicio Viero Schmidt Marcos Aurélio da Silva José Geraldo Couto José Machado Moita Neto Lincoln Secco Jean Marc Von Der Weid Michael Löwy Walnice Nogueira Galvão Claudio Katz Celso Favaretto Flávio Aguiar Matheus Silveira de Souza Lorenzo Vitral Marjorie C. Marona Érico Andrade Paulo Capel Narvai Valerio Arcary Ari Marcelo Solon Airton Paschoa Paulo Martins Maria Rita Kehl Leda Maria Paulani Eduardo Borges Armando Boito Samuel Kilsztajn Daniel Brazil Daniel Costa Fábio Konder Comparato André Singer Luiz Renato Martins Andrew Korybko Bento Prado Jr. Eleutério F. S. Prado Ricardo Antunes Marcelo Módolo Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Fernandes Silveira Michael Roberts Manuel Domingos Neto Gilberto Lopes Kátia Gerab Baggio Slavoj Žižek Osvaldo Coggiola Ricardo Fabbrini Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Abramovay Boaventura de Sousa Santos Caio Bugiato Chico Alencar Milton Pinheiro Tarso Genro Gilberto Maringoni Thomas Piketty Vladimir Safatle Igor Felippe Santos Rodrigo de Faria Julian Rodrigues José Luís Fiori Gerson Almeida

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada