No coração da barbárie

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

Quantos mortos ainda precisam ser empilhados, para que os Poderes reajam junto com o povo?

“Antes do Congo eu era só um animal”, exclamou o aterrado Joseph Conrad, autor do magnífico Coração nas Trevas (1902), cujo tema nevrálgico no conceito de Vargas Llosa é a dialética entre “civilização” e “barbárie”. A obra gira em torno de Kurz – o pequeno Deus fugaz abrigado nos confins da Selva africana – e Marlow, que “chega na boca do grande rio” e sente a sua cabeça mergulhar na crua solidão da violência. Na selva se filtram e se esmagam os protocolos da guerra, em cujo caminho brilham corpos sem endereço.

O Congo era um território de domínio da Cia. Belga de Leopoldo II, Imperador cuja barbárie colonialista já estava no mesmo patamar dos “campos” nazis, aparecidos décadas depois. O poderoso filme Apocalipse Now, de Francis Ford Coppola (1979), foi inspirado nesta obra de Conrad, com a história nas selvas vietnamitas, onde a barbárie era a proposta “civilizatória”, confrontada com o Vietnam guerrilheiro da libertação nacional. Neste filme, como poderia ser num conto satânico, o diabo e o bom Deus trocaram de lugar: o inferno não é a selva sóbria e os deuses, que vinham dos céus, traziam os recados do inferno cuspindo o fogo e a morte.

Vargas Llosa disse que “Leopoldo II foi uma indecência humana, porém culta, inteligente e criativa”, mas durante os 21 anos em que sua empresa dominou o Congo “Belga”, a população da Colônia foi reduzida pela metade, tal a intensidade da exploração a que ela foi submetida. A confissão de Conrad, portanto, que antes de conhecer esta empreitada era “só um animal”, dizia respeito ao fato de que a sua acomodação na civilidade – criadora de monstros como Leopoldo II – comungava com a felicidade das elites colonialistas, com as quais convivera sem remorsos.

Lembro-me de um poema de Paulo Mendes Campos que proclama, inadvertidamente, o ideal inverso de Conrad com sua consciência culpada, ao expiar sua ignorância sobre a barbárie colonial. O poeta separa o verso de amor da história concreta, como sabem fazer os grandes poetas sem ferir alguém, ao dizer: “tua alma, minha amiga, é como a Bélgica suavizada de canais, mas a minha é como o Congo violentado de uma liberdade mau nascida”.

Creio que cabe uma analogia, fora do poema e dentro da história: o que podemos nos considerar antes de Bolsonaro? Rejeitado pelo Exército Nacional foi coordenado por militares de alto coturno para chegar à Presidência, defensor da tortura e de assassinatos de adversários políticos, foi apoiado por muitos destes – tanto de “centro”, como de direita –; elegeu-se pelos cânones da democracia formal, mas nunca negou desprezar todas as instituições da democracia política, colocando-se inclusive como “não político”.

Bolsonaro é aquele que cegou grande parte do povo (pelo ódio) e usou de todas as artimanhas da “velha política” para empalmar o poder, visando promover um golpe de extrema-direita. Ao designar o Exército Nacional como “meu Exército”, trata-o como se este não fosse uma instituição do Estado, mas uma milícia privada dependente dos humores do seu proprietário.

O cenário de fundo desta tragédia da democracia política, que não conseguiu neutralizar um político inútil em toda a sua vida pública (e que se deu o direito de ser um celebrador da morte e da tortura) é composto de duas atitudes cruéis, ilegais e mortíferas: o deboche permanente do isolamento social, que permitiria reduzir substancialmente o número de mortes e o desprezo à ciência, aos cientistas e aos epidemiologistas, ao sabotar a vacinação, atrasar dolosamente a compra, a produção e a reserva das vacinas, que permitiriam reduzir o contágio e a expansão descontrolada da doença.

Produzir um conflito entre a ciência e a religião foi a escolha dos mentores de Bolsonaro, que lhe colocou na ofensiva no vazio brutal que seguiu ao início do seu Governo: sem programa político que não fosse uma sucessão de enunciados preconceituosos, sem um programa econômico que não fosse o “acabar a corrupção” para a economia se “recuperar”, Bolsonaro tornou-se um vazio solitário, ocupado pelos esquemas mentais do fascismo, que sempre se serviu da religião para erguer a sua crista necrófila.

Sem conhecer o Brasil, que via apenas como paisagem da ótica alienada da extrema-direita militar, sem quadros políticos que não fossem apenas alguns despreparados sem experiência de Estado e de gestão, sem capacidade de persuasão estratégica que não fosse a brindada pelas “mídias” cúmplices da “escolha difícil”, Bolsonaro teve apenas um mérito como estrategista: soube vender-se às classes empresariais como um reformista de direita, para depenar o Estado e diluir os direitos sociais, e assim atrair para si o apoio da vilania das elites, que não tiveram condições de compor uma candidatura que as unificasse.

Numa das edições do “Fronteiras do pensamento” Marcelo Gleiser, em conferência sobre “Ciência, humanidade e sobrevivência” disse, ao meu ver corretamente, que a diferença entre a ciência e a fé é a seguinte: “em ciência a gente tem que ver para crer. Você observa a natureza, você observa o mundo, obtém dados sobre como o mundo funciona, analisa estes dados e entende. Pela fé, você crê para ver. A crença vem antes da visão. Você acredita naquilo, nem precisa ver nada…”

A utilização instrumental da religião e da fé para o domínio político caminha com a história da humanidade. No caso da estratégia bolsonarista caminha contra Humanidade. Ao não ver “nada” e desprezar deliberadamente a ciência, o Governo Bolsonaro empilha corpos por estratégia de dominação e para chocar o ovo da serpente. Conrad disse que “antes do Congo era só um animal”, talvez devêssemos desvendar mais rapidamente quem eram estas pessoas que levaram Bolsonaro ao poder – apesar de todas estas evidências da sua loucura – e que ainda contemplam insensíveis a destruição da nação e do seu povo.

Não somos animais. Quantos mortos ainda precisam ser empilhados, para que os Poderes reajam junto com o povo, para ver e crer na ciência e na democracia, retirando Bolsonaro do Poder, que já exerce de forma ilegítima?

*Tarso Genro foi governador do Estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jean Marc Von Der Weid Ladislau Dowbor Claudio Katz Ricardo Abramovay Lincoln Secco Érico Andrade Rafael R. Ioris Afrânio Catani Benicio Viero Schmidt Milton Pinheiro José Raimundo Trindade Elias Jabbour Andrés del Río Sandra Bitencourt João Adolfo Hansen Mário Maestri Gilberto Maringoni Berenice Bento Ronaldo Tadeu de Souza Caio Bugiato Gerson Almeida Marcos Aurélio da Silva Tadeu Valadares Luis Felipe Miguel Marjorie C. Marona Eleutério F. S. Prado João Sette Whitaker Ferreira Priscila Figueiredo Leonardo Boff Jorge Branco Luiz Roberto Alves Andrew Korybko Michael Löwy Gabriel Cohn João Paulo Ayub Fonseca Paulo Martins Celso Favaretto Fernão Pessoa Ramos Daniel Brazil José Luís Fiori Michel Goulart da Silva Daniel Afonso da Silva Yuri Martins-Fontes Luiz Eduardo Soares Ricardo Musse José Costa Júnior André Singer Paulo Sérgio Pinheiro Tarso Genro Mariarosaria Fabris Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Geraldo Couto Chico Alencar Vladimir Safatle Kátia Gerab Baggio Marcelo Módolo Lorenzo Vitral Marcos Silva Eleonora Albano Renato Dagnino Bruno Machado Ricardo Antunes Eliziário Andrade Luiz Marques João Lanari Bo Leda Maria Paulani Liszt Vieira Fábio Konder Comparato Juarez Guimarães Vanderlei Tenório Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Eugênio Trivinho Carlos Tautz Gilberto Lopes José Dirceu Antonio Martins Antonino Infranca Chico Whitaker Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre Aragão de Albuquerque Armando Boito Rodrigo de Faria Henry Burnett Jean Pierre Chauvin Heraldo Campos Manuel Domingos Neto Anselm Jappe Luís Fernando Vitagliano Marilena Chauí Celso Frederico Julian Rodrigues Flávio Aguiar Ronald León Núñez Francisco Fernandes Ladeira Paulo Capel Narvai Flávio R. Kothe Marcelo Guimarães Lima André Márcio Neves Soares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Remy José Fontana Henri Acselrad Alysson Leandro Mascaro Bernardo Ricupero José Machado Moita Neto Valerio Arcary Alexandre de Freitas Barbosa Ari Marcelo Solon Boaventura de Sousa Santos Marilia Pacheco Fiorillo Leonardo Sacramento Francisco de Oliveira Barros Júnior Everaldo de Oliveira Andrade João Feres Júnior Igor Felippe Santos Paulo Fernandes Silveira Osvaldo Coggiola Carla Teixeira Manchetômetro Dennis Oliveira Tales Ab'Sáber Atilio A. Boron Paulo Nogueira Batista Jr Rubens Pinto Lyra Denilson Cordeiro Matheus Silveira de Souza Leonardo Avritzer José Micaelson Lacerda Morais Eduardo Borges Ronald Rocha Francisco Pereira de Farias Valerio Arcary Lucas Fiaschetti Estevez Marcus Ianoni Salem Nasser Thomas Piketty Bento Prado Jr. João Carlos Salles Jorge Luiz Souto Maior Sergio Amadeu da Silveira Daniel Costa Luiz Renato Martins Vinício Carrilho Martinez Walnice Nogueira Galvão Luciano Nascimento Dênis de Moraes Eugênio Bucci Maria Rita Kehl Alexandre de Lima Castro Tranjan Slavoj Žižek Samuel Kilsztajn João Carlos Loebens Fernando Nogueira da Costa Antônio Sales Rios Neto Otaviano Helene Ricardo Fabbrini Airton Paschoa Annateresa Fabris Luiz Werneck Vianna Michael Roberts Luiz Bernardo Pericás

NOVAS PUBLICAÇÕES