O mal-estar francês

Imagem: Skylar Kang
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL AFONSO DA SILVA*

As manifestações não são pelos dois anos a mais de cotização previdenciária

Gritam as ruas francesas. Protestos progressivos tomam conta de, praticamente, todas as grandes cidades e regiões do país. Nada parece dissolver o mal-estar. Nenhum recuo ou concessão do governo produz algum refluxo na tensão. Nada, simplesmente, nada altera o sentimento de revolta, angústia e agonia generalizado. Todos os ódios franceses convergiram nessa contestação da reforma previdenciária sugerida pelo presidente Emmanuel Macron. A mudança de 62 para 64 anos a idade de partida foi recebida como inadmissível. Não há argumento que demova ou convença do contrário.

Mas, olhando de perto, a questão não é a reforma em si. Há variáveis muito profundas em jogo. A integralidade da classe política perdeu a sua legitimidade histórica e moral. Nada que venha dela recebe acolhimento tranquilo. Passou-se dos tempos de expectativas decrescentes para os tempos de tormentas inclementes.

A terceira alínea do artigo 49 da Constituição francesa, o famoso “49.3”, possibilita ao presidente da República a adoção de qualquer projeto de lei sem deliberação parlamentar. Esse dispositivo foi idealizado pelo general Charles de Gaulle e pelo seu ministro Michel Debré para a instalação de alguma racionalização do parlamentarismo francês que, sob a Quarta República Francesa, de 1946 a 1958, promoveu instabilidades permanentes com a intermitência de obstruções e votos de desconfiança. Trata-se de uma medita, sim, autoritária, mas, à época, entendida e reconhecida como legítima e necessária para a imposição do interesse nacional sobre os demais interesses.

O general havia abdicado da vida pública em 1946 justamente por antever essa anomia política da Quarta República instalada no após 1945. Quando foi convocado ao poder em 1958, o seu reflexo foi no sentido de ampliar os níveis autoridade e autonomia de ação presidencial. Em outras palavras, deixar bem claro que manda.

Emmanuel Macron utilizou o recurso “49.3” para fazer passar à força a presente reforma previdenciária. A resposta das ruas veio forte e imediatamente. Não restam dúvidas que o instrumento – “49.3” – é legal. Afinal, está gravado, preto no branco, na Constituição. É, portanto, sim, legal. Mas deixou de ser legítimo. Virou politicamente imoral e anacrônico.

Essa agonia dos franceses não é diferente da de muitos povos mundo afora tragados pela pasmaceira mundial presente. O rebaixamento social, especialmente, a partir do achatamento do poder de compra de todos os segmentos sociais de praticamente todos os países do planeta é um fato irremediável desde a crise financeira de 2008. O choque inflacionário causado pelo após pandemia de covid-19 e pela intercorrência do conflito ucraniano agudiza ainda mais tudo isso.

Entre os franceses, o após crise financeira de 2008, crise do euro de 2009-2011 e crise europeia do Brexit a partir de 2012 produziu o incansável movimento dos coletes amarelos, “gilets jaunes”. Logo nos primeiros momentos da primeira presidência de Emmanuel Macron, a partir de maio de 2017, esses derrotados da globalização inundaram, ato contínuo, as ruas das principais cidades do país.

A capital francesa foi tomada e bloqueada fins de semana a fio. Tudo se viu, ouviu e sentiu e não se encontrou saída. O biênio pandêmico de 2020-2021 arrefeceu o movimento e deu um suspiro ao governo. Mas a tentação de reformar a previdência dos franceses reavivou todo a mal-estar de outrora. E, como outrora, agora, não se vê saída.

Trata-se, claramente, de uma questão de sociedade. Mas essas questões de sociedade, nesta quadra de crises sucessivas – financeira, europeia, sanitária e mundial, proveniente do conflito ucraniano –, virou uma guerra sem fim pela reabilitação de um tipo de conforto social que, talvez, nunca mais volte a existir.

Nas noites de junho de 2013 pelo Brasil dizia-se que “não eram pelos vinte centavos”. Os franceses, agora, nestes infinitos dias e noites de março de 2023, parecem dizer, enfaticamente, que “não são pelos dois anos a mais de cotização previdenciária”.

O problema é maior. Os ódios são múltiplos. O mal-estar, parece, insuperável. Et alors, quoi faire? (e agora, o que fazer?). Eis a pergunta que, no fundo, o mal-estar francês lança e todos, franceses e não franceses, queremos ver respondida. Sem respostas, restam os gritos.

*Daniel Afonso da Silva é professor de história na Universidade Federal da Grande Dourados. Autor de Muito além dos olhos azuis e outros escritos sobre relações internacionais contemporâneas (APGIQ).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Dênis de Moraes Luiz Eduardo Soares Ricardo Antunes Érico Andrade Ricardo Fabbrini Ladislau Dowbor Dennis Oliveira Thomas Piketty Boaventura de Sousa Santos Leonardo Sacramento Jorge Branco Antônio Sales Rios Neto Valerio Arcary Carla Teixeira Mário Maestri Yuri Martins-Fontes Paulo Fernandes Silveira Priscila Figueiredo Juarez Guimarães Claudio Katz Luis Felipe Miguel Bruno Machado Airton Paschoa Chico Whitaker Armando Boito Fernão Pessoa Ramos Daniel Brazil Celso Frederico Marilena Chauí Renato Dagnino Leonardo Boff José Geraldo Couto José Dirceu Flávio Aguiar Eduardo Borges Denilson Cordeiro Antonino Infranca Daniel Costa Gilberto Lopes Alexandre de Freitas Barbosa Lincoln Secco Paulo Capel Narvai João Adolfo Hansen Igor Felippe Santos Tarso Genro Jean Pierre Chauvin Vanderlei Tenório Bernardo Ricupero Leda Maria Paulani Ricardo Abramovay Bento Prado Jr. Tales Ab'Sáber Liszt Vieira Rodrigo de Faria Marcelo Guimarães Lima Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jorge Luiz Souto Maior Eleonora Albano João Feres Júnior Sandra Bitencourt Mariarosaria Fabris Chico Alencar Vladimir Safatle Antonio Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira Fernando Nogueira da Costa Tadeu Valadares Alysson Leandro Mascaro Anderson Alves Esteves Gerson Almeida Luiz Bernardo Pericás Heraldo Campos Anselm Jappe Maria Rita Kehl Marcus Ianoni Francisco de Oliveira Barros Júnior Manchetômetro Afrânio Catani Marilia Pacheco Fiorillo João Carlos Salles Alexandre Aragão de Albuquerque Lucas Fiaschetti Estevez Daniel Afonso da Silva Matheus Silveira de Souza Samuel Kilsztajn José Costa Júnior Luiz Werneck Vianna Luiz Marques Leonardo Avritzer Francisco Fernandes Ladeira Luiz Roberto Alves João Lanari Bo André Márcio Neves Soares Eleutério F. S. Prado Lorenzo Vitral Ronald Rocha Luís Fernando Vitagliano Ricardo Musse Salem Nasser Celso Favaretto Andrés del Río Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fábio Konder Comparato Annateresa Fabris Carlos Tautz Atilio A. Boron Gilberto Maringoni Jean Marc Von Der Weid Ronaldo Tadeu de Souza Michael Roberts Paulo Martins Luiz Renato Martins João Sette Whitaker Ferreira Julian Rodrigues Benicio Viero Schmidt Ari Marcelo Solon José Luís Fiori Eliziário Andrade Marcos Silva Marcos Aurélio da Silva Michel Goulart da Silva Eugênio Bucci Marjorie C. Marona Rafael R. Ioris João Paulo Ayub Fonseca Vinício Carrilho Martinez José Micaelson Lacerda Morais Sergio Amadeu da Silveira João Carlos Loebens Michael Löwy Remy José Fontana José Raimundo Trindade Rubens Pinto Lyra Everaldo de Oliveira Andrade Andrew Korybko Caio Bugiato Manuel Domingos Neto Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald León Núñez Berenice Bento Osvaldo Coggiola Francisco Pereira de Farias Paulo Nogueira Batista Jr Kátia Gerab Baggio Milton Pinheiro Flávio R. Kothe Henry Burnett André Singer Marcelo Módolo Luciano Nascimento Walnice Nogueira Galvão Gabriel Cohn Otaviano Helene Valerio Arcary Eugênio Trivinho Henri Acselrad Elias Jabbour Paulo Sérgio Pinheiro José Machado Moita Neto Slavoj Žižek

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada