Uma intervenção militar defensiva

Imagem: Antonio Friedemann
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RIO MAESTRI*

ssia fora da Ucrânia! OTAN longe das fronteiras russas!

A restauração capitalista na China, a partir de 1978, e nos territórios da URSS e do “socialismo real”, desde 1989-91, foi derrota histórica dos trabalhadores. A hecatombe abriu era contrarrevolucionária que subsiste até hoje. Na nova ordem hegemônica, as perdas dos trabalhadores e da população através do mundo foram enormes. Vitorioso, o capital internacional, sob a direção do imperialismo ianque, vislumbrou diante de si um eterno “céu de brigadeiro”. A penetração rapaz nas antigas áreas de economia nacionalizada e planificada e a exacerbação da exploração através do mundo garantiriam-lhe uma centúria de bonança – o “Novo Século Americano”. Marchariam sobre os oprimidos, despreocupados com a sorte da humanidade.

O homem põe, deus dispõe. Sequer gozaram duas décadas de fartura canibalesca. Operações mundiais de imposição da nova ordem resultaram em imensos fracassos, consumindo riquezas inimagináveis – Iraque, Afeganistão, etc. E, sobretudo, na Rússia, a Era Yeltsin [1991-1999], em que a ex-URSS subsistia como quarto de despejo dos capitais internacionais, deu lugar à Era Putin, que reorganizou o espaço capitalista nacional, com aceitação-disciplina do capitalismo gangsteril vigente. Na nova reacomodação, desempenharam importante papel as grandes indústrias estatais petrolífera, armamentista, espacial.

Os ventos orientais foram ainda mais tóxicos. A China inseriu-se na divisão internacional do trabalho produzindo mercadorias de baixo valor agregado, com o suor de legiões de semi-escravos modernos, controlados por Partido Comunista renegado. A seguir, modernizou sua estrutura produtiva, apoiada em capitais nacionais, estatais e internacionais e no seu mercado e força de trabalho amazônicos. O dragão que despertara bafejando nuvens de fumacinha inocentes, passou a expelir labaredas através do mundo. Sob os olhos atônitos, sobretudo do capital ianque globalizado, “dono da bola e do campinho”, surgia o imperialismo chinês, exigindo espaço vital imprescindível para sua sobrevivência.

 

A fome pantagruélica da OTAN

Em 2008, o mundo capitalista conheceu a mais grave crise, desde a Grande Depressão, de 1929. Em estágio senil, a ordem capitalista mostra-se, há muito, incapaz de avançar as forças produtivas materiais, para manter sua taxa de lucro, a não ser produzindo destruição e barbarização social. Apesar da boa vontade de Putin com o Ocidente, para retomar o impulso de fôlego, o grande capital USA e europeu contava com a desorganização do Estado russo e retomada da balcanização iniciada quando da dissolução da URSS. Os imensos territórios russos e limítrofes tornariam-se uma semicolônia, em uma modernização do programa do capital monopólio alemão sob o nazismo.

O imperialismo estadunidense e europeu mantiveram permanente assédio à Rússia, servindo-se de todos os subterfúgios inimagináveis, com destaque inicial para o favorecimento do separatismo checheno. O eixo central da ofensiva foi a pressão militar, que contribuíra à explosão da URSS, em 1991. Apesar das promessas de bêbado, de 1990, de não expandir a OTAN um metro sequer para o Leste, empreendeu-se cavalgada a rédeas soltas, apertando sem dó o cerco militar das fronteiras russas. A OTAN engoliu, primeiro, os países-satélites da antiga URSS e, logo, suas repúblicas desgarradas. Em 1999, a República Tcheca e a Hungria; em 2004, a Bulgária, a Estônia, a Lituânia, a Letônia, a Romênia, a Eslováquia e a Eslovênia; em 2009, a Albânia e a Croácia; em 2017, Montenegro e em 2020, a Macedônia do Norte.

A Rússia de Putin iniciou a resposta a essa ofensiva enviando seus exércitos contra o expansionismo da Geórgia, em 2008. Porém, em salto de qualidade, os USA, com a concordância europeia, promoveram o golpe de estado na Ucrânia, em 2014, que entronizou governo filo-ocidental e russofóbico. Na vitória da “revolução colorida” da EuroMaidan colaboraram milícias neonazistas, herdeiras das hordas ucranianas que secundaram os carniceiros nazistas, na II Guerra Mundial.

 

2014: Odessa sob o terror neonazista

Em 2 de maio de 2014, na continuação do golpe imperialista, as milícias neonazistas queimaram vivos, na Casa dos Sindicatos de Odessa, 42 manifestantes e sindicalistas que se opunham ao golpe de Estado USA-OTAN. A mídia mundial noticiou aqueles e outros sucessos semelhantes como resultado de “confronto” entre pró e anti Euromaidan. Identificados, nenhum dos promotores do massacre foi preso e julgado, tendo progredido na nova ordem. Agora, as milícias neonazistas reivindicam reconhecimento como tropas oficiais.

Em pronta resposta, em 2014, o governo Putin reincorporou a Crimeia à Rússia. Em 1954, ela fora deslocada administrativamente para a Ucrânia, república da URSS. Na época, medida sem maiores consequências para a população local – 58% de etnia russa e 24% são ucranianos, em 2001. Foi Nikita Kruschev, dirigente stalinista com raízes políticas na Ucrânia, que promoveu reorganização administrativa. Ao mesmo tempo, movimento autonomista em Donbas, região operária e industrializada, de população sobretudo russófona, proclamou sua autonomia, originando às repúblicas de Donetsk  e Luhansk, decisão reafirmada, ali e na Crimeia, por plebiscito. Aquelas regiões, com memórias terríveis da ocupação nazista, temiam a nova ordem russofóbica, com tropas auxiliares neonazistas.

Com a resposta ao golpe pró-imperialista da Ucrânia, os céus desabaram sobre a Rússia, com “sanções” de todo tipo, para enfraquecer aquela nação, sensível às cotações do petróleo e do gás. As justificativas foram fantasiosas: intervenção nas eleições ianques; envenenamento de dissidente russo; ataques de hackers moscovitas, etc. As sanções causaram prejuízos enormes à Rússia. Em 2015, também em resposta à ofensiva imperialista, junto com o Irã, o apoio militar russo reverteu a situação pré-colapso da Síria, antiga aliada da URSS e da Rússia. Aquela nação fora ferida por campanha genocida, com meio milhão de mortos, impulsionada pelo conglomerado imperialista ocidental. Massacre festejado pela mídia mundial e não poucas organizações ditas de esquerda.

 

O bicho papão é a China

Mas foi a China imperialista que se tornara o bicho papão do imperialismo ianque, ao lhe disputar a primazia mundial econômica, industrial, financeira e tecnológica. Após inúmeros avisos de Putin, o assédio crescente à Rússia levou-lhe a voltar-se ao Oriente, estabelecendo relações econômicas e diplomáticas com a China que não cessam de crescer. O poder atômico e militar da Rússia e a potência econômica e financeira da China delineavam cenário em que os USA enfrentariam e eventualmente venceriam um confronto localizado com a Rússia ou com a China, separadas, mas não associadas.

Donald Trump ensaiou aproximação à Rússia, para dissociá-la da China, mas recuou sob o ataque do deep state. Com Biden, exacerbou-se a ofensiva anti-Rússia. Ela fora anunciada pela democrata Hillary Clinton, quando candidata à presidência, tendo, como justificativa, a intervenção de Putin na Síria. A Rússia é o ventre mole da aliança Moscou-Pequim. Têm economia relativamente frágil – 40% do PIB da Alemanha, igual ao do Brasil –; exportações centradas no petróleo, nos grãos, nas armas. Os USA mobilizam mais facilmente os súbditos europeus contra a Rússia, inimigo eterno morando ao lado, ao contrário da China, perdida no longínquo Oriente e fonte de bons negócios. A derrota-desorganização da Rússia é a antessala da ofensiva anti-chinesa, em condições significativamente melhores. Antecedida ou precedida do realinhamento forçado de Cuba, Irã, Síria, República Popular da Coreia.

Em 4 de fevereiro, na China, na abertura das Olimpíadas de Inverno, sob o boicote dos USA e aliados, Xi Jinping e Vladimir Putin acordaram certamente o apoio chinês contra as duríssimas retorsões que se seguiriam à invasão da Ucrânia. Sucessos que a China acompanha interessada, já que promete recuperar pelas armas a província desgarrada, caso declare sua independência. Taiwan, desde 1949 sob a proteção ianque, funciona como imenso porta-avião hostil plantado diante da costa chinesa.

A declaração conclusiva do encontro propunha a oposição a qualquer espraiar da OTAN e a reafirmação do direito da China a Taiwan. Os dois países vêm estreitado os laços militares, sem jamais assinarem tratado explícito de mútua defesa. A declaração afirma que prosseguirão, “sem descanso”, a coordenação estratégica de suas forças e se anteporão, em associação, às “ingerências externas e às ameaças à segurança regional”.

 

Ucrânia: prato forte

Com Joe Biden, a ofensiva anti-russa radicalizou-se. Em 23 de junho de 2021, o destróier inglês “HMS Defender” avançou sobre as águas territoriais russas, no mar Negro, em clara provocação. O prato forte da ofensiva imperialista seguiu sendo a incorporação crescente, de fato, da Ucrânia à OTAN, à espera da adesão formal. Avançou-se a padronização dos armamentos do país com os da OTAN, que passou a treinar tropas ucranianas. Integrou-se o sistema de controle militar ucraniano ao da Organização e planejaram-se manobras militares conjuntas, para 2022. Falou-se na construção de armas atômicas pela Ucrânia, com as condições para tal.

A constituição de um governo fantoche pró-imperialista e russofóbico, em 2014, prosseguiu com a eleição manipulada de presidente pré-fabricado. Ele se candidatou sugerindo aproximação com a a Rússia e ampliou as iniciativas contra as minorias russófonas e cristãs ortodoxas, em operação de limpeza étnico-cultural-linguística. As milícias neo-nazistas e ultra-nacionalistas seguiram agindo no país. A integração da Ucrânia à OTAN aproximaria armamentos balísticos das fronteiras russas, criando situação indefensável no caso de ataque preventivo. A incorporação à OTAN foi inscrita na Constituição ucraniana.

Trataria-se de golpe de graça na estrutura defensiva da Rússia, que perdeu, com a invasão alemã, em 22 de junho de 1941, mais de vinte milhões de habitantes. É uma frase vazia propor que a operação precaucional russa na Ucrânia não tem sentido pois o “arsenal nuclear da Rússia ainda é mais do que suficiente para protegê-la de qualquer país do mundo.” A Rússia teme, com a aproximação da OTAN a suas fronteiras, perder a situação de paridade, mesmo relativa, quanto à capacidade de resposta a um ataque preventivo. A distância do disparo missilístico é a vantagem mortal. Por isso, os USA impediram a colocação de armas atômicas em Cuba. Quanto a confrontos militares localizados, eles sempre se deram com tropas de terra, mar e ar, como agora na Ucrânia.

 

Biden preparou a invasão da Ucrânia

Com a faca cada vez mais próxima ao pescoço, o governo Putin propôs tratados que garantissem a segurança da Rússia. Ou seja, respeito ao acordo de 1990. Exigia a não incorporação de fato ou legal da Ucrânia à OTAN e o recuo da Organização das antigas nações-satélites da Rússia e de suas ex-repúblicas. Em 21 de fevereiro, em longa locução, quando do reconhecimento das Repúblicas populares de Donbas, lembrou, sem citar, as consequências desastrosas para a defesa da URSS, da contemporização de J. Stálin diante do inimigo nazista.

Os USA e o clube imperialista europeu responderam com desdém ao pedido de discussão, reafirmando o direito “democrático” da Ucrânia de incorporar-se a OTAN. Direito que os USA negaram, em 1961, à Cuba de proteger-se com armas atômicas. Reafirmaram cinicamente o pacifismo da OTAN, com uma longa e sangrenta ficha criminal, na Europa e fora dela. Biden não previu com uma bola de cristal a invasão da Ucrânia. Ele literalmente obrigou Putin a tal iniciativa, sem lhe deixar outra saída. A invasão da Ucrânia foi objetivo preparado e perseguido, para extrapolar ao infinito o ataque econômico à Rússia. Desta vez, com o apoio frenético das populações europeias e mundiais eletrizadas pela grande mídia e, o que é estranho, de partidos e movimentos que se reivindicam da esquerda.

 

A posição dos trabalhadores e dos socialistas

A Rússia é uma nação de economia capitalista, sob o governo autoritário de Putin, que reprime os trabalhadores, os sindicatos e todas as oposições. Governo que pratica orgulhoso o ataque a direitos civis básicos – das mulheres e homossexuais, sobretudo. Nada disso deve ser empecilho ou desculpa para os trabalhadores, os socialistas, os homens e mulheres de bem não hipotecarem apoio à Rússia, em sua intervenção militar defensiva na Ucrânia, país subsumido à ofensiva imperialista.

Não se trata da defesa, crítica ou ataque a um dirigente, a uma cultura e tradições, a uma ordem político-social. Mas sim da defesa da autonomia e independência nacional de uma nação assediada e atacada por nações imperialistas, que almejam sua destruição. Pouco importa que ele seja capitalista ou mesmo feudal. A defesa incondicional da Sérvia, contra o bombardeio assassino da OTAN, independia da avaliação sobre Slobodan Milošević. O mesmo ocorria com Saddam Hussein, para o Iraque; Bashar al-Assad, para a Síria; Muammar al-Gaddafi para a Líbia ou do herdeiro rechonchudo do poder na República Popular da Coreia. Essas lideranças são escusas para ataques imperialistas “democráticos” que buscaram e buscam destruir aquelas, para submetê-las plenamente a sua dominação.

Na esquerda, mergulhada na confusão, viceja a proposta que não interessam aos trabalhadores o sentido e o resultado do confronto USA-Rússia, já que se trataria de disputa entre nações capitalistas e imperialistas. A única contradição que importa seria a dos trabalhadores contra o capital. É lembrada a proposta de “derrotismo revolucionário”, a genial orientação de V. Lênin, agitada junto às tropas alemãs e tsaristas, na I Guerra Mundial. Na época, de avanço da revolução na Europa e na Rússia, com fortíssimas organizações operárias, essa consigna não era um pastel recheado de vento. Hoje, vivemos período contrarrevolucionário, de ofensiva geral do grande capital, com o mundo do trabalho em situação depressiva, sem um partido revolucionário com amplo apoio entre os trabalhadores.

 

A Rússia não é imperialista

Mesmo que não seja determinante para a presente discussão, é difícil definir a Rússia como nação imperialista, no sentido marxista do termo. Lenin propunha, como principal determinação do “imperialismo”, o domínio da exportação de capital monopólico, e não de mercadorias. Nessa fase “superior do capitalismo”, o capital financeiro realiza a exploração da força de trabalho sur place, na nação parasitada, onde obtém super-lucro, devido à sua dimensão e avanços tecnológicos. Como ocorre com os USA, China, Japão, França, Inglaterra, etc.

A economia russa é dominada pela exportação de petróleo, de gás, de grãos e de armamentos. Importa, e não exporta capitais. Convidamos nossos leitores a procurarem, em torno, no Brasil, indústrias monopólicas russas. A Rússia é, economicamente, uma nação semicolonial, dependente sobretudo do capital alemão e europeu. O que não impede que não se transforme em nação imperialista, em um futuro indeterminado. Na atual discussão, o determinante é ela ser nação agredida na autonomia nacional, independentemente de ser ou não imperialista.

A luta entre o trabalho e o capital não abrange todos os aspectos da vida social, mesmo sendo central e determinante para a solução das contradições não-classistas. Após 1917, os bolcheviques propuseram solução radical à tormentosa questão das contradições nacionais, que não eram de classes. Organizaram as grandes nacionalidades em repúblicas, com o direito de se tornarem independentes da URSS, se fosse a vontade da maioria de sua população. Puderam fazer isso pois haviam expropriado o grande capital e lutavam para mantê-lo longe de suas fronteiras.

 

A esquerda eternamente pró-imperialista

Essa solução, impensável para a época e para as forças burguesas, procurava satisfazer os anseios das comunidades nacionais e não deixar espaço ao domínio das grandes nacionalidades sobre as pequenas. Os bolcheviques temiam os sentimentos nacionais grã-russos, que se expressavam no interior do próprio partido. O chauvinismo da maioria eslava – russa – fora usado pelo tsarismo para dominar as nacionalidades menores do Império – “o cárcere dos povos”. A russificação das minorias foi prática permanente do tsarismo, retomada durante o período stalinista. Algo que ocorre, hoje, em sentido “reverso”, contra as populações de identidade russa, sobretudo no sul da Ucrânia.

Na esquerda que se propõe marxista-revolucionária, há aqueles, como a direção do PSTU, que exige que a Rússia se retire da Ucrânia, devolva a Crimeia, independentemente da vontade da sua população. E, em forma cínica, propõe que a Rússia, para “defender-se das tropas da OTAN em suas fronteiras, deveria apelar a uma grande mobilização dos povos ucranianos, europeus, norte-americanos… e russos, contra o avanço das tropas da OTAN […].” Proposta que lembra os posadistas conclamando o apoio extra-planetário para a revolução. Defende simplesmente as políticas imperialistas, o que fazem há décadas. O que mereceria análise mais detida.

Em sentido totalmente oposto, defende-se apoio incondicional à Rússia, ressaltando com razão que se trata de movimento defensivo. Mas hipoteca-se confiança total em Putin – portanto na burguesia russa – e silencia-se sobre os direitos nacionais ucranianos. Direitos que Putin revelou vontade de ignorar, até onde for possível, em retomada do chauvinismo grão-russo, que não é de agora. Intenção que deixou clara na intervenção de 21 de fevereiro, ao praticamente propor que a Rússia e a Ucrânia já foram a mesma coisa, sendo a última nação invenção das “loucuras” dos bolcheviques, em geral, e de Lenin, em especial.

 

Dar à Rússia e à Ucrânia o que é da Rússia e da Ucrânia

Putin, em forma contraditória, desanca, por um lado, o direito incontornável das nacionalidades de se auto-determinarem, velho horror do império tsarista, da URSS stalinista, e dos estados burgueses ingleses, espanhóis e por aí vai. E, por outro, sugere que, na Ucrânia, as comunidades das regiões de maioria de russofônicas decidam sua sorte democraticamente, esboçando a ideia de suas separação e incorporação, legal ou de fato, à Rússia. Essa proposta, do ponto da visão bolchevique das nacionalidades, é um direito que, entretanto, não deve ser exercido na ponta do fuzil.

O mundo do trabalho, a esquerda, os marxistas, as mulheres e homens de bem devem exigir a mais pronta e plena retirada das tropas russas da Ucrânia, com o concomitante afastamento geral da OTAN das fronteiras russas, para todo o sempre. Devem reclamar o respeito da independência das repúblicas de Donbas e de seu direito de incorporar-se à Rússia. E o direito de plena autonomia das regiões de fala russa da Ucrânia, extensivo, é claro, a todas as comunidades da Europa e do Mundo, na mesma situação. Iniciativas sancionadas por plebiscitos sem manipulações.

O atual confronto foi querido pelo conglomerado imperialista dirigido pelos USA, que agora impõe terrível ofensiva econômica geral contra a Rússia, com o objetivo de desmontar sua economia, insurrecionar sua população, criar tendências separatistas. Campanha que tem como objetivo estratégico a destruição da China e de todos os estados que se opõem a ele. O cuidado das tropas russas em realizar operação que fira ao mínimo a população civil ucraniana, e que não resulte em graves perdas russas, tem atrasado a intervenção, permitindo que o imperialismo prepare a transformação da Ucrânia em um novo Afeganistão russo.

Anunciam-se já tropas internacionais “democráticas” e neonazistas para lutarem contra os russos, como no Afeganistão, na Chechênia e na Síria. No Rio Grande do Sul, foi preso recrutador das milícias ucranianas nazistas. A derrota da ação mundial do imperialismo depende apenas dos trabalhadores e das classes populares, e jamais de Putin e dos exércitos russos. Entretanto, a eventual vitória da ofensiva contra a Rússia, com um salto de qualidade na hegemonia imperialista ianque, aprofundará terrivelmente o refluxo mundial das classes trabalhadoras e populares. A derrota da Revolução Afegã, nos anos 1980, e a morte de Muammar al-Gaddafi, em 2011, abriram caminho à barbárie regional, e não ao avanço das classes revolucionárias. Elas ensejaram ondas contrarrevolucionárias que se fazem sentir ainda hoje. A derrota da Rússia motivaria um tsunami de dimensão difícil de prever.

*Mário Maestri é historiador. Autor, entre outros livros, de O despertar do dragão: nascimento e consolidação do imperialismo chinês (1949-2021).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Elias Jabbour Dennis Oliveira Lincoln Secco Luciano Nascimento Manchetômetro Berenice Bento João Feres Júnior Fernando Nogueira da Costa Flávio Aguiar Luis Felipe Miguel Leonardo Avritzer Carla Teixeira Antônio Sales Rios Neto José Luís Fiori Francisco Fernandes Ladeira Claudio Katz Celso Favaretto Luís Fernando Vitagliano José Costa Júnior Rodrigo de Faria Kátia Gerab Baggio Ricardo Fabbrini Mário Maestri Osvaldo Coggiola Francisco Pereira de Farias José Machado Moita Neto Thomas Piketty Luiz Eduardo Soares Armando Boito Carlos Tautz João Sette Whitaker Ferreira Lucas Fiaschetti Estevez Vladimir Safatle Gerson Almeida Julian Rodrigues Marilia Pacheco Fiorillo Andrés del Río Gabriel Cohn Celso Frederico Denilson Cordeiro Walnice Nogueira Galvão José Dirceu Jean Marc Von Der Weid Airton Paschoa Anderson Alves Esteves Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcos Silva Maria Rita Kehl Heraldo Campos Eliziário Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alysson Leandro Mascaro Paulo Sérgio Pinheiro Vanderlei Tenório Salem Nasser Eduardo Borges Eleutério F. S. Prado Andrew Korybko Atilio A. Boron José Geraldo Couto João Lanari Bo Marilena Chauí Alexandre Aragão de Albuquerque João Adolfo Hansen Alexandre de Freitas Barbosa Valerio Arcary João Paulo Ayub Fonseca Ronald León Núñez Paulo Martins Marcos Aurélio da Silva Jorge Branco Ricardo Musse Vinício Carrilho Martinez Daniel Costa Chico Whitaker Luiz Werneck Vianna Ronald Rocha Otaviano Helene João Carlos Loebens Gilberto Lopes Mariarosaria Fabris Daniel Afonso da Silva André Márcio Neves Soares Luiz Bernardo Pericás José Micaelson Lacerda Morais Liszt Vieira Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronaldo Tadeu de Souza Marcus Ianoni Eugênio Trivinho Eleonora Albano Boaventura de Sousa Santos Matheus Silveira de Souza Tales Ab'Sáber Marcelo Módolo Luiz Marques Bernardo Ricupero Érico Andrade Slavoj Žižek Chico Alencar Jorge Luiz Souto Maior Anselm Jappe Valerio Arcary Ricardo Antunes Marcelo Guimarães Lima Henri Acselrad Manuel Domingos Neto Jean Pierre Chauvin Priscila Figueiredo Fábio Konder Comparato Daniel Brazil Tadeu Valadares Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rubens Pinto Lyra Marjorie C. Marona Yuri Martins-Fontes Remy José Fontana Lorenzo Vitral Tarso Genro Caio Bugiato Bento Prado Jr. Antonio Martins Paulo Capel Narvai Michel Goulart da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Bruno Machado Leonardo Sacramento Flávio R. Kothe Fernão Pessoa Ramos Leonardo Boff Michael Roberts Rafael R. Ioris Gilberto Maringoni Renato Dagnino Afrânio Catani Annateresa Fabris Samuel Kilsztajn Benicio Viero Schmidt Ladislau Dowbor Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Fernandes Silveira Luiz Roberto Alves André Singer Ari Marcelo Solon Igor Felippe Santos João Carlos Salles Juarez Guimarães Antonino Infranca Sandra Bitencourt Henry Burnett Ricardo Abramovay Leda Maria Paulani Eugênio Bucci Luiz Renato Martins Dênis de Moraes Luiz Carlos Bresser-Pereira José Raimundo Trindade Michael Löwy Sergio Amadeu da Silveira Milton Pinheiro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada