A soberania alienada

Imagem: Eugênio Barboza
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JAIR PINHEIRO & JOHN KENNEDY FERREIRA*

O Brasil nunca foi um país independente

Segundo o jornal Valor Econômico, na edição do dia 27 de outubro de 2021, para o general Braga Neto “privatizações de Eletrobras e Petrobras em nada afetam a soberania”. Para quem alienou os interesses e, por conseguinte, o destino do Brasil ao imperialismo estadunidense, a afirmação é uma necessidade, quase uma autodefesa. A rigor, Braga Neto não é o primeiro general dessa lavra de entreguistas a manifestar surpreendente e alienante visão de soberania; antes dele outros já manifestaram, (e, provavelmente, outros ainda o farão) a opinião de que soberania é meramente de integridade territorial. Por isso, podem abrir mão dos instrumentos de planejamento econômico, como é o caso de uma empresa de energia.

A ideia básica de comunidade de destino, como conteúdo precípuo da de nação, simplesmente desaparece. Entretanto, esse desaparecimento não é um acaso fortuito, pois uma comunidade de destino é tudo que o Brasil não foi desde 1822.

Nossa construção hipertardia, destinou à oligarquia e burguesia uma exclusividade política sobre o Estado e uma práxis autocrática que se revela numa vigia permanente aos de baixo e impede, portanto, a  incorporação ativa (não subordinada, mero digitador da urna eletrônica) das classes populares ao sistema político e a capacidade do Estado decidir soberanamente os destinos dessa nação, sem subserviência vexatória ao Império do norte porque, supostamente, sempre estivemos ao lado deles. como afirmou o então comandante da Marinha, almirante Ilques Barbosa Junior, que nossos destinos estão alinhados com os EUA, bradando que “que o Brasil enfrentou ‘três guerras mundiais’ ao lado dos EUA (Isto É 09/01/2019). Aliás, é famosa a máxima do ex-secretário de Estado, John Foster Dulles, de que “os EUA não têm amigos, têm interesses”. Entretanto, nossos generais pensam serem amiguinhos deles.

Essa visão subordinada, está vinculada aos interesses ideológicos e aos lastros econômicos subalternos predominantes dentro da elite econômica e da burguesia brasileira.

Essa visão alienante de soberania é funcional não apenas para afastar as classes populares – os farialimers têm acesso livre a Brasília – do debate sobre as grandes questões nacionais, mas também para travar uma guerra (ora aberta, ora velada) aos direitos trabalhistas e sociais[i]. A guerra é aberta nos massacres aos povos originários, ataques armados a quilombolas, aos pobres das periferias, aos movimentos de sem teto e sem terra, aos ribeirinhos, assassinatos nunca suficientemente apurados de líderes sociais etc.; é velada nos discursos supostamente modernizadores que sustentam uma produção legislativa de destruição dos direitos trabalhistas e sociais, preconizada pela famosa Uma Ponte para o Futuro[ii], programa político do golpista Michel Temer, revogando de fato o título VIII da Constituição de 1988.

Como nenhuma guerra é improvisada, pelos menos da parte do atacante, já que o atacado pode ser surpreendido, esta também foi meticulosamente planejada, ainda que seja heterogêneo o conjunto dos atores que concertaram a conspirata antinacional e antipopular consubstanciada no golpe jurídico-midiático-parlamentar-militar. Na primeira fase do golpe, entre 2016 e 2018, o parlamento e a mídia representaram a face pública dos golpistas. 2019 e 2020 o Partido Militar, bem acomodado no governo, representou essa face pública e as manifestações dos seus próceres indicam que estiveram o tempo todo por trás dos acontecimentos.

Fracassado o governo, como era previsível por qualquer análise que não se prenda às vulgaridades rasas do chamado mercado, o Partido Militar[iii] emite sinais de abandono da figura nefasta que escolhera para consecução do seu projeto, sem abrir mão do projeto[iv]. Ou seja, continuam apostando nas vulgaridades rasas do mercado, embora não tenham nenhum exemplo histórico bem-sucedido para nele se apoiarem.

A pátria amada está refém dessas forças reacionárias, a República é historicamente tutelada pelas forças militares, desde a 1889. O desafio das forças populares é retomar a iniciativa política e resgatar a ideia de pátria como comunidade de destino com poder decisório soberano sobre tal destino, o que, evidentemente, exige a mais ampla democracia, conceito que vai muito além de digitar um número na urna eletrônica, requer ampla participação no debate sobre as grandes questões nacionais e mecanismos de controle efetivo sobre os governantes.

No ano em que se comemora o bicentenário da independência é hora de popularizar o tema da independência nacional. Um povo tutelado e miserável, não obstante as riquezas naturais do território que ocupa, não é independente. Um povo que tem medo do guarda da esquina, porque ele tem licença para matar, não é independente.

Um povo que não pode celebrar livremente a sua diversidade, porque calar a diferença é concebido como unidade, não é independente. É tudo isso que deve ser proclamado no bicentenário da independência; independência de fato, não uma mera separação jurídico-política da metrópole.

*Jair Pinheiro é professor de ciência política na UNESP-Marília.

*John Kennedy Ferreira é professor do Departamento de Sociologia e Antropologia da UFMA.

 

Notas


[i] Jair Pinheiro. “O golpe e a guerra às classes trabalhadoras”. In: Lutas Sociais, São Paulo, vol. 23, n.º 42, p. 109-123, jan/jun. 2019.

[ii] Fundação Ulysses Guimarães, 29 de outubro de 2015. Disponível em: <file:///C:/Users/Usuario/AppData/Local/Temp/UMA-PONTE-PARA-O-FUTURO.pdf>

[iii] Marcelo Pimentel Jorge de Souza, “A palavra convence e o exemplo arrasta”. In: João Roberto Martins Filho (org.). Os Militares e a Crise Brasileira. São Paulo: Alameda, 2021.

[iv] Além do famoso twit do general Vilas Bôas, então comandante do Exército, de 07/04/18, de ameaça ao STF, cito alguns exemplos de engajamento do Partido Militar na construção da tragédia que se abate entre nós. O inusual lançamento de uma candidatura presidencial na AMAN: Bolsonaro é recepcionado por aspirantes da AMAN (NOV/2014) https://www.youtube.com/watch?v=MW8ME9S87SI

General Santos Cruz em campanha: “Bolsonaro representa democracia, representa a liberdade; o Haddad representa a ditadura, representa o fascismo, representa nazismo, representa racismo, divisão do país em cores, regiões etc., então é a hora da opção o gigante acordou…” https://twitter.com/JJaimeBr/status/1457102189877415937  e, em tom de advertência, como se tivesse fundamento o que dizia, General de divisão Ajax Porto Pinheiro fala sobre o que está por vir ao Brasil !!!; 14 de out. de 2018 https://www.youtube.com/watch?v=bAFhQT21vBo

Por fim, uma matéria jornalística que estranhamente não repercutiu no Brasil: Bolsonaro presidente, el proyecto secreto de la cúpula militar, disponível em: https://www.letrap.com.ar/nota/2018-10-5-20-42-0-bolsonaro-presidente-el-proyecto-secreto-de-la-cupula-militar

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Martins Manuel Domingos Neto Marcelo Guimarães Lima Gilberto Lopes José Dirceu Gabriel Cohn João Paulo Ayub Fonseca Maria Rita Kehl Paulo Sérgio Pinheiro Fernando Nogueira da Costa Heraldo Campos Valerio Arcary Luiz Werneck Vianna Carla Teixeira Gerson Almeida Igor Felippe Santos José Geraldo Couto Tales Ab'Sáber Flávio R. Kothe Antônio Sales Rios Neto Atilio A. Boron José Micaelson Lacerda Morais Denilson Cordeiro Berenice Bento Slavoj Žižek Paulo Nogueira Batista Jr Eugênio Bucci Marcos Aurélio da Silva Ladislau Dowbor Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Fábio Konder Comparato Jean Pierre Chauvin Claudio Katz Luis Felipe Miguel Leda Maria Paulani Ronald León Núñez Celso Favaretto Tarso Genro Afrânio Catani Luiz Marques Alexandre de Lima Castro Tranjan Luís Fernando Vitagliano Carlos Tautz Alexandre de Freitas Barbosa Eleonora Albano Ronald Rocha Samuel Kilsztajn Ricardo Antunes Vinício Carrilho Martinez Leonardo Avritzer Alexandre Aragão de Albuquerque Francisco de Oliveira Barros Júnior Mário Maestri Rafael R. Ioris Ronaldo Tadeu de Souza José Raimundo Trindade Airton Paschoa Ricardo Musse Eduardo Borges Leonardo Boff Jean Marc Von Der Weid Everaldo de Oliveira Andrade Lucas Fiaschetti Estevez Rubens Pinto Lyra Otaviano Helene Michael Löwy André Singer Ari Marcelo Solon Leonardo Sacramento Luiz Eduardo Soares Luiz Renato Martins Lincoln Secco Vladimir Safatle Julian Rodrigues Marcus Ianoni Caio Bugiato Marcos Silva Michael Roberts Rodrigo de Faria Dennis Oliveira Chico Alencar Eliziário Andrade Priscila Figueiredo Marcelo Módolo Elias Jabbour Valerio Arcary Eleutério F. S. Prado Paulo Fernandes Silveira Anselm Jappe Jorge Luiz Souto Maior Vanderlei Tenório João Feres Júnior Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Fabbrini Francisco Pereira de Farias Marjorie C. Marona Henri Acselrad Flávio Aguiar Luiz Bernardo Pericás Andrés del Río André Márcio Neves Soares Milton Pinheiro Walnice Nogueira Galvão Luciano Nascimento Manchetômetro Chico Whitaker Annateresa Fabris Matheus Silveira de Souza Juarez Guimarães Daniel Costa Liszt Vieira Bruno Machado Remy José Fontana Sergio Amadeu da Silveira Osvaldo Coggiola Gilberto Maringoni Boaventura de Sousa Santos Thomas Piketty Bruno Fabricio Alcebino da Silva Kátia Gerab Baggio Sandra Bitencourt Marilia Pacheco Fiorillo Antonino Infranca José Costa Júnior Lorenzo Vitral Renato Dagnino Luiz Roberto Alves Salem Nasser Michel Goulart da Silva Armando Boito Érico Andrade Dênis de Moraes Alysson Leandro Mascaro Paulo Capel Narvai João Carlos Loebens José Machado Moita Neto Eugênio Trivinho Bento Prado Jr. Luiz Carlos Bresser-Pereira Jorge Branco Celso Frederico Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tadeu Valadares João Lanari Bo João Sette Whitaker Ferreira Henry Burnett Benicio Viero Schmidt Daniel Afonso da Silva Andrew Korybko Antonio Martins Ricardo Abramovay Yuri Martins-Fontes Daniel Brazil João Adolfo Hansen Marilena Chauí Fernão Pessoa Ramos Bernardo Ricupero Mariarosaria Fabris João Carlos Salles José Luís Fiori

NOVAS PUBLICAÇÕES