As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Carlos Drummond de Andrade, cronista

Imagem: Ana Maria Pacheco (Jornal de Resenhas)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLORA SÜSSEKIND*

Trata-se de uma obra em que se imbricam marcas ligadas tanto ao trabalho como cronista, quanto ao exercício poético. E de um personagem bifonte: o poeta-cronista.

Para melhor compreender o Drummund poeta há uma pista sugerida numa bela série poética, “Canções de alinhavo”, incluída em Corpo (1984): “Stéphane Mallarmé esgotou a taça do incognoscível. / Nada sobrou para nós senão o cotidiano / que avilta, deprime.” Pista que em parte se encontra com outra, enunciada em “Carta a Stalingrado”, de A rosa do povo: “A poesia fugiu dos livros, agora está nos jornais”. É como se o poeta enfatizasse, nesses trechos, a sua trilha preferencial – de poeta-cronista –, num momento em que parecia caber à figura do poeta-crítico a função de personagem-chave da poesia moderna.

É como se Drummond, em meio ao trabalho sistemático com parte dos recursos dessa poesia, com o circunstancial, o fato e os efeitos de prosa, se visse obrigado a olhar sempre com certa desconfiança os volteios autorreflexivos da literatura e da crítica contemporâneas, descartando-os em prol de uma maior cumplicidade com o leitor. E, nesse sentido, o seu trabalho como cronista de jornal foi uma peça fundamental na formação desse pacto de não estranhamento, de um modo de ver as coisas, o cotidiano, semelhante ao de qualquer leitor potencial do Diário de Minas, da Tribuna Popular, de A Manhã, do Correio da Manhã ou do Jornal do Brasil, jornais em que trabalhou regularmente desde os anos 20 até 1984, quando abandona o ofício de cronista.

“Pobre cronista urbano, teus assuntos cheiram a reclamação e protestos, e acabarás ao lado da coluna de cartas de consumidores, aborrecidos com a má qualidade dos eletrodomésticos, que pifam uma semana depois de instalados, ou nem chegam a funcionar…”, dizia em outubro de 1979 num artigo que enfatizava justamente essa possível proximidade entre cronista e leitor, crônicas e cartas de reclamação. E esse enlace entre cronista e leitor parece se desdobrar num outro, entre o jornalístico e o poético, num vaivém constante para o qual chama a atenção Luiz Costa Lima em Lira e antilira: “O domínio do coloquialismo em Drummond está ligado a uma modalidade de percepção da realidade; a poesia se desespiritualiza pelo abandono dos temas sagrados – corroídos desde o início pela ironia – para que se mire o que é trivial: as pernas no bonde, os desastres cômicos que o amor provoca, cachaça, cabaré, pedras dispostas na metade do caminho”. Desespiritualização que invade a poesia drummondiana exatamente porque ela parece ter sido escrita às vezes com a pena do Drummond-cronista. Assim como, no jornal, por vezes o Drummond-poeta invadia o espaço da crônica e dava lugar à ‘não-notícia’, ao verso, à ficção.

Poeta com olhos de cronista, cronista com traços de poeta, o duplo ofício torna difícil traçar-lhe um perfil intelectual coeso. Não seria suficiente, no entanto, dizer que oscilava entre poesia e crônica. Ou que se tratava de um poeta também cronista. Trata-se, sim, de uma obra em que se imbricam marcas ligadas tanto ao trabalho como cronista, quanto ao exercício poético. E de um personagem bifonte: o poeta-cronista. Duplicidade oposta à que une as figuras do poeta e do crítico na modernidade e capaz de explicar, de certa forma, a unanimidade que se criou em torno do nome de Drummond como maior poeta brasileiro.

Tanto o poeta-cronista quanto o poeta-crítico, a seu modo, respondem à perda de uma linguagem comum, de referentes unívocos e de um público homogêneo e sem rachaduras de classe ou opinião com que se defronta o escritor moderno. Ora procurando restaurar, ora tornado mais decisivo o corte de possíveis laços de identidade com seu público. Enquanto a poesia crítica faz do poema objeto e interlocutor de um exercício literário que se constrói justamente sobre os vazios e rachaduras formados pelo distanciamento entre artista e público, e pelas divisões internas desse mesmo público, o poeta-cronista responde por outra via ao apagamento de tais identidades.

A poesia-crônica não trabalha com cortes, mas sobretudo com restaurações. Daí a apropriação da linguagem da prosa e do coloquialismo do texto de jornal. Doura-se a pílula literária e ela se torna de mais fácil assimilação por um leitor não especialmente interessado em poesia e por poetas que da poesia moderna só aceitam o que lhes servir de espelho. E, entre poeta e público, um mediador extremamente eficiente: a crônica. Ou, como se lê em “A bolsa e a vida”: “A vida é isso e tudo mais que o livro procura refletir em estado de crônica, isto é, sem atormentar ao leitor – apenas aqui e ali recordando-lhe a condição humana”.

Não é gratuito, portanto, o “Mallarmé esgotou a taça do incognoscível” do poema publicado em 1984. Sua opção foi outra. A do fato, do trivial, da crônica. Não a mallarmaica, sempre a um passo do silêncio. Ou a baudelaireana, em duelo constante com o leitor. Drummond escolhe a ampliação e o estreitamento dos laços com o leitor. Daí a literatura em estado de crônica. Daí o uso consciente de dispositivos jornalísticos, do cimento da prosa.

E se, com isso, trabalhava uma relação bem menos tensa do que a de um Cabral, por exemplo, com a linguagem corrente e as expectativas literárias de seu tempo, mantinha, ao mesmo tempo, exigente artesanato poético (veja-se, nesse sentido, o estudo de Hélcio Martins sobre a rima na poesia de Drummond), o que resultou, por exemplo, em poemas da qualidade de “A máquina do mundo” e “Paisagem: como se faz”. O que, por outro lado, não impediu a por vezes excessiva sentimentalização memorialista de sua última poesia, na qual, no entanto, sempre se incluíam textos da qualidade e “Escrituras do pai” ou das já citadas “Canções de alinhavo”.

É, pois, com o cimento da crônica, que procura transformar as “frases de pedra” (para usar expressão de João Cabral) da poesia e refazer, com uma poesia-crônica, os laços rompidos com o público pela poesia “opaca” e “difícil” da modernidade. O que tematiza, diretamente, em “Mário de Andrade desce aos Infernos”: “Daqui a vinte anos: poderei / tanto esperar o preço da poesia? / É preciso tirar da boca urgente / o canto rápido, ziguezagueante, rouco, / feito da impureza do minuto / e de voz em febre, que golpeiam / esta viola desatinada / no chão, no chão”. Ao se perguntar nesse poema de A rosa do povo pela poesia, proliferam expressões como “urgente”, “rápido”, “em febre”. Expressões que sugerem o “calor da hora” do texto de jornal. “Poderei tanto esperar o preço da poesia?”, perguntava no poema. E a resposta funciona como uma quase definição da duplicidade da poesia-crônica do próprio Drummond: “o canto rápido, ziguezagueante” e “feito com a impureza do minuto”.

*Flora Süssekind é professora de literatura brasileira na UniRio e pesquisadora da Casa de Rui Barbosa. Autora, entre outros livros, de Literatura e vida literária (Jorge Zahar).

Publicado originalmente no caderno Folhetim do jornal Folha de S. Paulo, em 21/08/1987.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ari Marcelo Solon Tales Ab'Sáber Gerson Almeida Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Werneck Vianna João Paulo Ayub Fonseca Valerio Arcary Vinício Carrilho Martinez Benicio Viero Schmidt Luis Felipe Miguel Bernardo Ricupero Luiz Costa Lima Tadeu Valadares Leonardo Sacramento Alexandre de Freitas Barbosa Sandra Bitencourt Daniel Afonso da Silva Eleutério F. S. Prado Luiz Carlos Bresser-Pereira Remy José Fontana José Micaelson Lacerda Morais Walnice Nogueira Galvão Ricardo Abramovay Flávio R. Kothe Everaldo de Oliveira Andrade Ronaldo Tadeu de Souza Ronald León Núñez Airton Paschoa Anderson Alves Esteves João Feres Júnior Fábio Konder Comparato Celso Frederico Armando Boito Luiz Eduardo Soares Maria Rita Kehl Lincoln Secco Ricardo Antunes Alexandre de Lima Castro Tranjan Berenice Bento Rafael R. Ioris Ricardo Musse Otaviano Helene Rodrigo de Faria Antonio Martins Luís Fernando Vitagliano Annateresa Fabris João Adolfo Hansen Kátia Gerab Baggio Paulo Martins Igor Felippe Santos Flávio Aguiar João Lanari Bo Gilberto Maringoni Francisco Fernandes Ladeira Antonino Infranca Lorenzo Vitral Samuel Kilsztajn Boaventura de Sousa Santos Jean Pierre Chauvin Yuri Martins-Fontes Henry Burnett Elias Jabbour Luiz Roberto Alves Heraldo Campos Francisco de Oliveira Barros Júnior João Sette Whitaker Ferreira Henri Acselrad Paulo Fernandes Silveira Carla Teixeira José Machado Moita Neto Marcus Ianoni Sergio Amadeu da Silveira Denilson Cordeiro Jorge Branco Vanderlei Tenório Marilia Pacheco Fiorillo Marjorie C. Marona Mariarosaria Fabris Gilberto Lopes Celso Favaretto Milton Pinheiro Liszt Vieira Leonardo Avritzer Rubens Pinto Lyra João Carlos Loebens José Luís Fiori Thomas Piketty Andrew Korybko Paulo Sérgio Pinheiro Roberto Noritomi Marcos Aurélio da Silva Érico Andrade Eliziário Andrade André Singer José Costa Júnior Bruno Machado José Dirceu Renato Dagnino João Carlos Salles Daniel Brazil Bruno Fabricio Alcebino da Silva Caio Bugiato Juarez Guimarães Salem Nasser Priscila Figueiredo Manchetômetro Chico Whitaker Alexandre Aragão de Albuquerque José Raimundo Trindade Roberto Bueno Leonardo Boff Osvaldo Coggiola Manuel Domingos Neto Fernão Pessoa Ramos Paulo Nogueira Batista Jr Slavoj Žižek Atilio A. Boron Daniel Costa Paulo Capel Narvai Fernando Nogueira da Costa Jean Marc Von Der Weid Dennis Oliveira Marcelo Módolo Claudio Katz Ladislau Dowbor Afrânio Catani Julian Rodrigues Dênis de Moraes Eugênio Bucci Ronald Rocha Eugênio Trivinho Tarso Genro Luciano Nascimento Chico Alencar Luiz Bernardo Pericás Eleonora Albano André Márcio Neves Soares Bento Prado Jr. Plínio de Arruda Sampaio Jr. Anselm Jappe Vladimir Safatle Luiz Renato Martins Valério Arcary José Geraldo Couto Francisco Pereira de Farias Jorge Luiz Souto Maior Alysson Leandro Mascaro Marcos Silva Mário Maestri Carlos Tautz Marilena Chauí Michael Löwy Marcelo Guimarães Lima Eduardo Borges Antônio Sales Rios Neto Gabriel Cohn Leda Maria Paulani Ricardo Fabbrini Luiz Marques Michael Roberts

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada