As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O nacionalismo de Bolsonaro

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ARMANDO BOITO JR.*

O nacionalismo bolsonarista é um nacionalismo de tipo fascista que lança contra a esquerda a acusação de que ela divide e degenera o coletivo homogêneo e sadio que seria a nação

Por ocasião do 7 de Setembro, o campo democrático e popular deparou-se novamente com a questão: o Governo Bolsonaro e o movimento que o apoia é, de fato, nacionalista? Alguns intelectuais e agrupamentos de esquerda respondem negativamente a essa questão. Afirmam que o nacionalismo de Bolsonaro é vazio, demagógico ou que não seria um “verdadeiro nacionalismo”. Não pensamos que essa seja uma maneira correta de analisar a questão e vamos tentar explicar por que.

A dúvida de alguns sobre o nacionalismo de Bolsonaro deve-se, como se sabe, ao fato de o seu governo ser entreguista no plano da economia e subserviente aos Estados Unidos no plano da política externa. Lembremos que ele deu sequência, nessa matéria, ao que fora iniciado pelo Governo Temer: alinhamento com a política dos EUA para a América Latina, desnacionalização dos aeroportos; venda de parte da Petrobrás; modificação, a pedido das petroleiras internacionais, do regime de exploração do petróleo do pré-sal; entrega da Base de Alcântara aos Estados Unidos etc.

Mas, aqui, já se pode observar um fato interessante: o Governo Temer era entreguista, tal qual o de Bolsonaro, mas o primeiro, diferentemente do segundo, não ostentava um discurso nacionalista. Praticava discretamente o entreguismo, enquanto o Governo Bolsonaro pratica-o alardeando nacionalismo. E pensar que se trata justamente do presidente que fez continência para a bandeira estadunidense! Temos algo novo aí. Mera demagogia para enganar as massas? Não cremos.

O nacionalismo de Bolsonaro tem substância própria e pode, a justo título, reivindicar-se nacionalista. Não se trata de um discurso usurpador. Por que? Porque existem vários tipos de nacionalismo e todos eles, sem exceção, descendem de um tronco comum. O tronco comum é a ideia de nação que todos os nacionalismos compartilham, a despeito de poderem, na luta de ideias e na luta prática, colocarem-se em campos opostos.

Qual ideia de nação é essa? A de um coletivo de cidadãos, habitantes de um mesmo território e que seriam dotados de valores e interesses comuns. Essa ideia de comunidade de interesses e de valores não decorre do território, de uma língua ou de uma história comum. Há povos que falam a mesma língua e estão organizados em nações diferentes, como há nações cuja população fala diferentes línguas. Tampouco decorre de perfis culturais e psicológicos que abrangeriam todo um “povo”. Essa concepção culturalista de povo ou de nacionalidade não encontra apoio empírico nas nações modernas. Qual é o traço cultural ou o perfil psicológico que caracterizaria o conjunto dos brasileiros? A cordialidade, a extroversão e a hospitalidade, como ainda acreditam alguns? Fosse assim, o Brasil não teria produzido o bolsonarismo.

Na verdade, a nação, como unidade política e como ideia, foi uma criação das revoluções políticas burguesas. Como? Realizando duas transformações jurídicas e políticas que, combinadas, produziram aquele resultado.

Aquela revolução dissolveu as antigas ordens (de um lado, homens livres, de outro, servos ou escravos) e estamentos (nobres e plebeus) e implantou a igualdade jurídica entre os cidadãos. Essa transformação abriu caminho para a segunda que consistiu em liquidar o monopólio que a classe dominante detinha dos postos do Estado – monopólio que era viabilizado pela reserva, legalmente estabelecida, de tais postos à ordem superior (homens livres) ou até mesmo apenas ao estamento superior da ordem superior (nobres) – e substituí-lo pela abertura formal, jurídica, de tais postos a indivíduos egressos de todas as classes sociais.

Operário, camponês, profissional de classe média, industrial ou banqueiro, nada obsta – do ponto de vista jurídico – que qualquer um deles assuma qualquer posto em qualquer um dos ramos do Estado. Na prática, a grande maioria dos postos de mando é ocupada por indivíduos provenientes de famílias burguesas ou abastadas, mas seria um erro concluir daí que nada mudou. O fato de tais postos serem juridicamente acessíveis para os indivíduos provenientes de famílias das classes trabalhadoras e o fato de que, embora minoritariamente, indivíduos egressos das classes populares ocupem, de fato, altos postos de mando no Estado, esses fatos produzem efeitos ideológicos fundamentais.

O resultado da dupla transformação é o seguinte. Os indivíduos se tornam formalmente iguais, e por isso potencialmente dotados de interesses que seriam comuns, e o Estado, que aparentemente a todos acolhe, pode se apresentar como se fosse a instituição que a todos representa. Forma-se, então, o coletivo imaginário que denominamos “nação”.

O coletivo é imaginário porque esses cidadãos habitantes de um mesmo território estão divididos, já que esposam valores e possuem interesses conflitantes ou contraditórios: valores e interesses de classe, de gênero, de raça etc. Em tal situação, isto é, num cenário em que a grande maioria se vê como integrante do coletivo nacional e o valoriza, a tendência é que as classes e demais segmentos sociais, caso não rompam com a ideologia da nação, procurem torcê-la para colocá-la a serviço dos seus valores e interesses específicos. Esse é o caminho para apresentar como universais valores e interesses que, de fato, são particulares – caminho espontaneamente buscado pela maioria das ideologias.

Nos países imperialistas, a burguesia, e os aliados que ela lograr conquistar nas classes dominadas, irão esgrimir a ideia de interesses nacionais para legitimar políticas imperialistas que negam aos povos oprimidos o direito à afirmação nacional. É nacionalismo negando nacionalismo. Nos países dependentes, as classes dominadas podem lançar mão da ideia de nação para legitimar um nacionalismo econômico e político, visando ao usufruto das riquezas do território nacional pela grande maioria dos seus habitantes e visando à necessária soberania do Estado nacional para lograr o controle de tais riquezas. Esse será um nacionalismo democrático e popular, oposto ao nacionalismo imperialista anteriormente citado.

Tem mais. Um governo ou regime fascista poderá, como a história ilustra à saciedade, lançar mão da ideia de nação, esse coletivo imaginário, homogêneo e legitimado pela grande maioria, para combater e criminalizar a luta de classes – entenda-se: a luta da classe operária pelo socialismo. Hitler e Mussolini foram nacionalistas. Em seu livro Lições sobre o fascismo, o dirigente comunista italiano PalmiroTogliatti sustenta que o elemento ideológico mais importante do fascismo é o “nacionalismo exacerbado”.

O nacionalismo do Governo Bolsonaro e do bolsonarismo é um nacionalismo de tipo fascista. Ele consiste em lançar contra os movimentos de trabalhadores, de mulheres, de negros, contra a população indígena e LGBT a acusação de que estão dividindo e conspurcando a nação. O raciocínio dos bolsonaristas – na verdade, o seu procedimento instintivo já que o ideólogo pratica a sua ideologia sem conhecê-la – é este: a nação – no caso, o Brasil – é um coletivo homogêneo e aqueles que minam, corrompem e ameaçam essa homogeneidade devem ser combatidos como se combatem os criminosos. É um nacionalismo retrógrado e autoritário.

Recorrendo ao coletivo nacional imaginário, pretendem universalizar sua ideologia pró-capitalista, racista e patriarcal que seriam, para os bolsonaristas, os atributos da nacionalidade brasileira. Desprovido de um programa de afirmação da economia e do Estado brasileiro no cenário internacional, esse nacionalismo se expressa, seguindo o Governo Trump, no discurso contra o globalismo, contra as instituições multilaterais, e no mero fetiche de símbolos nacionais – a camisa amarela, a bandeira etc. Mas, o nacionalismo de Bolsonaro não é falso e nem demagógico, ele é conservador, fascista, uma das variantes possíveis da ideologia nacional.

As variantes da ideologia nacionalista são muitas e, embora diferentes e até antagônicas, descendem de um tronco comum. É possível fazer algumas generalizações que contribuam para discernir tais variantes. Nos países centrais, a ideologia nacional é no geral reacionária. A resposta conhecida dos operários europeus a essa ideologia foi o internacionalismo proletário e a negação de laços nacionais que uniriam classes antagônicas.

Nos países dependentes, a ideia de nação ainda tem um papel progressista a cumprir na primeira fase do processo revolucionário desses países. Tanto as tarefas dessa fase, quanto as forças que a integram em razão de sua inserção econômica e social, induzem a coesão do movimento revolucionário com o recurso à ideologia nacional. Esse movimento poderá falar em nome do “povo brasileiro”, mas o povo aqui é definido politicamente e não de modo culturalista. A ideia de povo e de nação expressará uma aliança política de classes que poderá reunir as classes populares – operariado, campesinato, classes médias, trabalhadores da massa marginal – e até de setores burgueses, como as pequenas e médias empresas. Assim, em tais países, podemos encontrar um nacionalismo democrático e popular, embora também haja espaço para o nacionalismo fascista.

Mas os revolucionários da África, da Ásia e da América Latina não podem se esquecer que a nação é uma criação da burguesia e que o objetivo do movimento operário socialista sempre foi o de superar a divisão nacional. Tal divisão é, no plano político e ideológico, uma criação das revoluções burguesas e uma realidade própria do capitalismo. Superar o capitalismo implica a superação do Estado nacional.

É certo que seria ilusão pleitear, aqui e agora, uma instituição supranacional e soberana – se tal instituição chegasse a existir, ela estaria sob o controle de uma ou mais potência imperialista. Contudo, tampouco se pode perder de vista que, já hoje, problemas candentes da humanidade – citemos apenas a crise ambiental e climática – não podem ser resolvidos dentro dos limites estreitos impostos pelos Estados nacionais.

*Armando Boito é professor titular de ciência política na Unicamp. Autor, entre outros livros, de Estado, política e classes sociais (Unesp).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Antunes João Adolfo Hansen Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Branco Francisco de Oliveira Barros Júnior Dênis de Moraes Heraldo Campos Carlos Tautz Slavoj Žižek Luiz Bernardo Pericás Gilberto Lopes Liszt Vieira Leda Maria Paulani Claudio Katz Sergio Amadeu da Silveira Antonio Martins Chico Whitaker Celso Frederico Tadeu Valadares Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Martins Luiz Marques Luiz Eduardo Soares Vladimir Safatle Valerio Arcary Marcos Silva José Raimundo Trindade Benicio Viero Schmidt Valério Arcary João Feres Júnior Kátia Gerab Baggio Denilson Cordeiro Atilio A. Boron Ricardo Fabbrini Sandra Bitencourt Carla Teixeira Ricardo Abramovay Luis Felipe Miguel Érico Andrade Fernão Pessoa Ramos Marilena Chauí Daniel Afonso da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Ari Marcelo Solon Francisco Pereira de Farias Vinício Carrilho Martinez Salem Nasser Fernando Nogueira da Costa Boaventura de Sousa Santos Jorge Luiz Souto Maior Antônio Sales Rios Neto Andrew Korybko Osvaldo Coggiola Bento Prado Jr. João Carlos Salles Yuri Martins-Fontes João Sette Whitaker Ferreira Julian Rodrigues Renato Dagnino Caio Bugiato Marcelo Guimarães Lima André Márcio Neves Soares Jean Marc Von Der Weid Afrânio Catani Berenice Bento Alexandre Aragão de Albuquerque José Micaelson Lacerda Morais Daniel Costa Lorenzo Vitral Michael Löwy Remy José Fontana Thomas Piketty Eleutério F. S. Prado Daniel Brazil João Carlos Loebens Antonino Infranca Igor Felippe Santos Ladislau Dowbor Luís Fernando Vitagliano Armando Boito Bruno Machado Francisco Fernandes Ladeira Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Capel Narvai José Dirceu Gilberto Maringoni Ronald León Núñez Marcus Ianoni Tarso Genro José Machado Moita Neto Rubens Pinto Lyra Luciano Nascimento Gerson Almeida Leonardo Avritzer Gabriel Cohn Anderson Alves Esteves Rafael R. Ioris Paulo Sérgio Pinheiro Lincoln Secco Marcelo Módolo Roberto Noritomi Milton Pinheiro Ricardo Musse Airton Paschoa Henry Burnett Eduardo Borges Luiz Renato Martins Eleonora Albano Jean Pierre Chauvin Ronald Rocha Michael Roberts Alysson Leandro Mascaro Maria Rita Kehl Manuel Domingos Neto Leonardo Sacramento Celso Favaretto Priscila Figueiredo Paulo Fernandes Silveira Fábio Konder Comparato Eugênio Bucci Samuel Kilsztajn Marilia Pacheco Fiorillo Annateresa Fabris Marcos Aurélio da Silva José Costa Júnior José Geraldo Couto João Paulo Ayub Fonseca Luiz Costa Lima Alexandre de Lima Castro Tranjan José Luís Fiori Marjorie C. Marona Mariarosaria Fabris Elias Jabbour André Singer Mário Maestri Henri Acselrad Flávio Aguiar Dennis Oliveira Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Werneck Vianna Juarez Guimarães Flávio R. Kothe Rodrigo de Faria Eugênio Trivinho Leonardo Boff Walnice Nogueira Galvão Manchetômetro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Anselm Jappe Bernardo Ricupero Eliziário Andrade João Lanari Bo Lucas Fiaschetti Estevez Plínio de Arruda Sampaio Jr. Chico Alencar Luiz Roberto Alves Otaviano Helene Tales Ab'Sáber Vanderlei Tenório Roberto Bueno

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada