“Virar jacaré”

Imagem: Nout Gons
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HENRIQUE BRAGA & MARCELO MÓDOLO*

Linguagem figurada não é sinônimo de literatura

Na recente e comentada entrevista ao Jornal Nacional, o candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) se defendeu da acusação de ter sido desrespeitoso na declaração de que, pelo efeito da vacina, as pessoas poderiam “virar jacaré”. Segundo o mandatário, ele usou uma figura de linguagem e, em suas palavras, “isso faz parte da literatura portuguesa” – o que legitimaria a escolha retórica.

Essa associação direta entre linguagem figurada e linguagem literária é, porém, um equívoco comum, inclusive entre os que sugerem – honestamente ou não – prestigiar a arte literária. Portanto, em nome da verdade, convém distinguir as duas coisas.

 

Metáforas da vida cotidiana

No já distante ano de 1980, os linguistas George Lakoff e Mark Johnson publicaram o celebrado Metaphors we live by (ou “Metáforas da vida cotidiana”, tal como publicado em português). Em linhas gerais, a obra aborda como o próprio desenvolvimento da linguagem se deve à capacidade humana de criar metáforas.

Adotando uma perspectiva cognitivista, os estudiosos mostram que a metáfora não está apenas na expressão linguística, mas na nossa própria concepção do mundo. Para os autores, utilizamos metáforas para, por meio de nossa experiência concreta, tornar tangíveis noções mais abstratas.

É o que ocorre, por exemplo, com a nossa forma de conceptualizar a ideia de relação amorosa. Segundo os autores, quando se diz que duas pessoas apaixonadas resolveram “andar juntas pela estrada da vida”, ou que “seus caminhos se cruzaram”, ou que, após uma desilusão, “cada uma tomou seu próprio rumo”, toma-se como referência um elemento da nossa experiência concreta (o deslocamento ao longo de uma trajetória) para conceptualizar uma noção mais abstrata (a relação amorosa de um casal).

Desse modo, a refinada teoria linguística de Lakoff e Johnson exige reconhecer que as metáforas (bem como outras relações figuradas) não se limitam ao texto literário, o que não significa dizer que elas não podem ser parte dele. Nesse sentido, o que diferenciaria uma metáfora literária de outra, ordinária?

 

Jakobson e a função poética

Com seu olhar detido sobre a função poética da linguagem, o linguista russo Roman Jakobson (1896 – 1982) nos ajuda a entender que figuras de linguagem não são sinônimo de literatura. Em seu ensaio Linguística e poética, Jakobson, além de estabelecer uma alentada sistematização das funções da linguagem, propõe ainda que não ignoremos sobreposições existentes entre elas.

Entre outros exemplos, ele analisa o slogan político “I like Ike”, que fez parte da campanha pela eleição de Eisenhower – 34º presidente dos EUA (1953-1961). Para Jakobson, é inegável que o enunciado se vale de recursos expressivos (como assonância e aliteração), que são sim elementos associados à função poética. No entanto, isso não faz o texto publicitário, em que predomina a função apelativa da linguagem, integrar os gêneros literários. Antes, o que vemos é um enunciado com claras funções persuasivas (no caso, eleger um candidato) apropriar-se de estratégias retóricas associadas à literatura.

 

Linguagem figurada e persuasão: o valor da expressividade

Não é por fins meramente estéticos que o discurso político se vale da linguagem figurada. Expressões não literais podem servir para tornar acessível a compreensão de ideias mais abstratas ao público (o que ocorre quando se compara a formação de um ministério à composição de um time de futebol, por exemplo), ou ainda para produzir alto impacto na audiência, atribuindo assim maior relevância ao conteúdo veiculado. A declaração de que o indivíduo vacinado poderia se transformar em um “jacaré” parece incluir-se em ambos os critérios.

Desse modo, valendo-se de um recurso expressivo, o presidente conseguiu dar destaque à tese de que as vacinas poderiam provocar efeitos colaterais imprevisíveis, indesejáveis, extremos e irreversíveis – tal como ocorreria com alguém que se transformasse em um réptil tido como perigoso. O uso da linguagem figurada, nesse caso, foi uma poderosa arma não apenas para desencorajar a vacinação, como também para promover negacionismo e teorias conspiratórias. É difícil, portanto, concluir que se trata de “literatura portuguesa”. Menos ainda de boa literatura.

*Henrique Santos Braga é doutor em Filologia e Língua Portuguesa pela USP.

*Marcelo Módolo é professor de filologia na Universidade de São Paulo (USP).

Uma primeira versão deste artigo foi publicada no Jornal da USP .

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ronald León Núñez Flávio Aguiar Daniel Costa Tadeu Valadares Benicio Viero Schmidt Marcos Silva Luiz Marques Marcus Ianoni Priscila Figueiredo Marjorie C. Marona Antonio Martins Ricardo Fabbrini Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Luiz Souto Maior Bruno Machado Rodrigo de Faria Tarso Genro Thomas Piketty Heraldo Campos Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Bernardo Ricupero Manuel Domingos Neto José Luís Fiori Eleonora Albano Tales Ab'Sáber Francisco Pereira de Farias Liszt Vieira Salem Nasser Luiz Renato Martins Manchetômetro Claudio Katz Vladimir Safatle João Paulo Ayub Fonseca Berenice Bento Michel Goulart da Silva Matheus Silveira de Souza José Dirceu Igor Felippe Santos Yuri Martins-Fontes José Raimundo Trindade Antônio Sales Rios Neto Luiz Roberto Alves Marcelo Módolo Daniel Brazil Bruno Fabricio Alcebino da Silva André Márcio Neves Soares Eugênio Bucci Paulo Fernandes Silveira Anselm Jappe Luciano Nascimento Alexandre Aragão de Albuquerque Leonardo Sacramento João Carlos Loebens Antonino Infranca Valerio Arcary Luiz Bernardo Pericás Vinício Carrilho Martinez Luiz Carlos Bresser-Pereira Mariarosaria Fabris Otaviano Helene Andrew Korybko Caio Bugiato Rafael R. Ioris Gerson Almeida Dennis Oliveira Afrânio Catani Flávio R. Kothe Michael Roberts Chico Whitaker Fábio Konder Comparato Armando Boito Jorge Branco Henry Burnett Mário Maestri Alexandre de Lima Castro Tranjan Leda Maria Paulani Marilena Chauí José Geraldo Couto Ladislau Dowbor Airton Paschoa Walnice Nogueira Galvão Maria Rita Kehl Marilia Pacheco Fiorillo Atilio A. Boron Boaventura de Sousa Santos Daniel Afonso da Silva Denilson Cordeiro José Costa Júnior Ronaldo Tadeu de Souza Everaldo de Oliveira Andrade Alysson Leandro Mascaro José Machado Moita Neto Lorenzo Vitral Eduardo Borges Gabriel Cohn João Feres Júnior João Adolfo Hansen André Singer Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Antunes Leonardo Avritzer Slavoj Žižek Kátia Gerab Baggio Fernão Pessoa Ramos Alexandre de Freitas Barbosa Milton Pinheiro Leonardo Boff Marcos Aurélio da Silva Vanderlei Tenório Carla Teixeira Elias Jabbour Sandra Bitencourt Érico Andrade Luis Felipe Miguel Jean Pierre Chauvin Ari Marcelo Solon Dênis de Moraes Fernando Nogueira da Costa Osvaldo Coggiola Henri Acselrad Andrés del Río Valerio Arcary Jean Marc Von Der Weid Marcelo Guimarães Lima Gilberto Maringoni Francisco Fernandes Ladeira Remy José Fontana João Carlos Salles João Lanari Bo Paulo Capel Narvai Bento Prado Jr. Sergio Amadeu da Silveira José Micaelson Lacerda Morais Annateresa Fabris Gilberto Lopes Juarez Guimarães Ricardo Musse Julian Rodrigues Luiz Eduardo Soares João Sette Whitaker Ferreira Celso Favaretto Ronald Rocha Eleutério F. S. Prado Eliziário Andrade Chico Alencar Celso Frederico Eugênio Trivinho Luís Fernando Vitagliano Luiz Werneck Vianna Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Martins Lucas Fiaschetti Estevez Michael Löwy Ricardo Abramovay Lincoln Secco Samuel Kilsztajn Rubens Pinto Lyra Renato Dagnino Carlos Tautz Francisco de Oliveira Barros Júnior

NOVAS PUBLICAÇÕES