Pensamento decolonial e desenvolvimento sustentável

Imagem: Christian Thöni
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ITALO EMMANOEL MESQUITA DE MOURA*

Uma visão crítica daquilo que está posto socialmente como “o padrão”, “o certo” e “o ideal”

O movimento decolonial tem como proposta dar outra visão para as relações sociais estabelecidas no período colonial, em que as grandes potências econômicas eram reconhecidas por sua capacidade de desbravar os oceanos para “descobrir” novas terras. O discurso do colonizador foi imposto, sendo o mais aceito e valorizado por representarem as burguesias financeiras mundiais que afirmam levar desenvolvimento para regiões desprovidas de uma estrutura, como aquelas das metrópoles, a partir da exploração dos recursos naturais. A perspectiva dos povos colonizados foi apagada (o que inclui sua cultura de forma geral, os rituais, religiões, idiomas, ensinamentos e etc) sob a justificação da difusão da fé católica.

Mesmo com o passar de muitos anos, a relação de poder entre colonizador e colonizado não mudou, mas se readaptou aos novos contextos. Para identificá-los é necessário ver além da opacidade da língua, nas informações que se recebe, para entender a posição-sujeito daquele locutor e suas condições de produção. Ao fazer isso, questiona-se o que é o mais aceito e abre um pequeno espaço para valorizar aquilo que por muito tempo foi propositalmente apagado e esquecido. Esse movimento representa uma mudança cultural sob o que está posto.

Na perspectiva ambiental, a readaptação das relações de colonização é mantida no reforço ao sentimento de extrema necessidade de acumular bens materiais, que chega até as pessoas através das redes sociais, grande mídia e a educação. No curso de engenharia de produção, normalmente, há apenas uma disciplina para tratar das ciências ambientais que pouco conversa com as outras disciplinas do curso.

Assim, em um momento, o estudante recebe uma visão de uso sustentável de recursos naturais com busca pela valorização dos aspectos sociais, enquanto em todas as outras é ensinado um conjunto de técnicas para se alcançar cada vez mais a maior eficiência da produção. O resultado é que as questões ambientais passam a ser tratadas apenas como um tópico que deve ser verificado no lançamento de um produto ou na gestão de uma empresa, sob pena de não haver aceitabilidade no mercado e, consequentemente, retorno financeiro.

Na música Ouro de Tolo, de Raul Seixas (1973)[i], o autor repete em várias estrofes que deveria estar contente por ter conseguido algumas conquistas profissionais e materiais (“ter emprego, ganhar quatro mil cruzeiros, ser artista, ter um Corcel 73 e morar em Ipanema”), mas que isto o deixou decepcionado. O mesmo ainda critica a arrogância humana com a aceitação passiva de um modelo de sucesso (que exige exploração desenfreada da natureza), mesmo diante da limitação que o homem tem (“Que só usa dez por cento/ De sua cabeça animal”).

Os valores da sociedade moderna baseados no consumo desenfreado repetem o padrão colonial de que se deve sacrificar todos os recursos naturais, todas as terras indígenas e todas as riquezas culturais em nome de algo maior que cada indivíduo. Assim, Raul aponta para a insignificância do modo de viver consumista, que traz um bem-estar que é inalcançável. O autor questiona conquistas como a propriedade privada e a chegada do homem à lua (“Porque longe das cercas/ Embandeiradas”) como coisas que não fazem sentido e não são relevantes para a real melhoria da sociedade.

Por outro lado, os povos originários não têm a mesma necessidade de acumular bens materiais e de possuir propriedades como os colonizadores. O pensamento decolonial ajuda a entender isso. Nestas comunidades indígenas o homem é entendido como parte indissociável da natureza, de forma que sua exploração seria uma forma de autodestruição. A conexão homem e natureza é forte o suficiente para que a relação de dependência mútua seja respeitada e repassada entre as gerações. Todo o discurso consumista e capitalista é repelido.

O pensamento decolonial traz uma visão crítica daquilo que está posto socialmente como “o padrão”, “o certo” e “o ideal”. É preciso apresentar nas escolas, produções acadêmicas e cinematográficas e nas políticas públicas os discursos que foram apagados, para que possamos questionar as desigualdades sociais e lutar por justiça ambiental. No desenvolver dos objetivos do desenvolvimento sustentável, quanto sociedade, não podemos aceitar que os aspectos econômicos dominem as decisões, em detrimento dos aspectos sociais e ambientais. Isto seria aceitar herdar a degradação ambiental do passado, contribuir com ela e transferir um fardo ainda maior para as próximas gerações.

Italo Emmanoel Mesquita de Moura, engenheiro de produção, é doutorando em Desenvolvimento e Meio Ambiente na UFPI.

Nota


[i] https://www.youtube.com/watch?v=Kc9OO1VVGyU


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Matheus Silveira de Souza Benicio Viero Schmidt Walnice Nogueira Galvão João Carlos Loebens Paulo Nogueira Batista Jr Érico Andrade Airton Paschoa Otaviano Helene Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Abramovay Antonio Martins Jean Pierre Chauvin Henri Acselrad Claudio Katz Eleonora Albano Jorge Branco José Micaelson Lacerda Morais Michel Goulart da Silva José Luís Fiori Fernão Pessoa Ramos Paulo Martins Ricardo Antunes Dênis de Moraes Ricardo Musse Rodrigo de Faria Alexandre de Lima Castro Tranjan Michael Löwy Flávio Aguiar Marcelo Guimarães Lima Daniel Brazil Liszt Vieira João Carlos Salles Ladislau Dowbor Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eugênio Bucci Rubens Pinto Lyra Boaventura de Sousa Santos Annateresa Fabris Andrew Korybko Celso Frederico Luiz Renato Martins Gilberto Lopes Leonardo Sacramento Marcos Aurélio da Silva Marcelo Módolo Bento Prado Jr. André Márcio Neves Soares Juarez Guimarães Ricardo Fabbrini Gilberto Maringoni Francisco de Oliveira Barros Júnior Gabriel Cohn Salem Nasser Mário Maestri Eliziário Andrade Fábio Konder Comparato Vinício Carrilho Martinez Priscila Figueiredo Bernardo Ricupero Luiz Eduardo Soares Eugênio Trivinho Luiz Roberto Alves Mariarosaria Fabris Osvaldo Coggiola Luiz Bernardo Pericás Berenice Bento Renato Dagnino Heraldo Campos Antônio Sales Rios Neto Eduardo Borges Dennis Oliveira Fernando Nogueira da Costa Manchetômetro João Sette Whitaker Ferreira Manuel Domingos Neto Leonardo Boff João Paulo Ayub Fonseca Lincoln Secco João Adolfo Hansen Daniel Afonso da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Rafael R. Ioris Igor Felippe Santos Anselm Jappe Tarso Genro Antonino Infranca Luis Felipe Miguel Gerson Almeida Slavoj Žižek Tales Ab'Sáber Afrânio Catani Lorenzo Vitral Luciano Nascimento Michael Roberts Leda Maria Paulani Marcus Ianoni José Geraldo Couto José Raimundo Trindade Alexandre de Freitas Barbosa Leonardo Avritzer João Feres Júnior André Singer Luiz Carlos Bresser-Pereira Carla Teixeira João Lanari Bo Ronald León Núñez Luiz Werneck Vianna Ronald Rocha Thomas Piketty Bruno Machado Paulo Fernandes Silveira Atilio A. Boron Alysson Leandro Mascaro Vladimir Safatle Vanderlei Tenório Milton Pinheiro Jean Marc Von Der Weid Chico Alencar Everaldo de Oliveira Andrade Daniel Costa Armando Boito Marcos Silva Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Francisco Fernandes Ladeira Ari Marcelo Solon Tadeu Valadares Denilson Cordeiro Henry Burnett Kátia Gerab Baggio Alexandre Aragão de Albuquerque Marilena Chauí José Costa Júnior Eleutério F. S. Prado Francisco Pereira de Farias Plínio de Arruda Sampaio Jr. Caio Bugiato Sandra Bitencourt Chico Whitaker Marjorie C. Marona Paulo Capel Narvai José Dirceu Samuel Kilsztajn Celso Favaretto Jorge Luiz Souto Maior Carlos Tautz Andrés del Río José Machado Moita Neto Valerio Arcary Luís Fernando Vitagliano Julian Rodrigues Lucas Fiaschetti Estevez Remy José Fontana Elias Jabbour Maria Rita Kehl Marilia Pacheco Fiorillo Yuri Martins-Fontes Flávio R. Kothe Valerio Arcary Luiz Marques

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada