As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O novo formato do BRICS

Imagem: Ave Calvar Martinez
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FYODOR LUKYANOV*

A ideia de dar ao BRICS um claro viés antiocidental estava incorreta – com exceção da Rússia, nenhum membro pretende manter um antagonismo com o Ocidente

Em discurso no final da cúpula do BRICS em Joanesburgo, em 24 de agosto, o ministro das relações exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, tranquilizou aqueles que se perguntavam como soaria o acrônimo após a adição de seis novas letras: “Todos são a favor de manter o mesmo nome, ele já se tornou uma marca”. Ciente disso ou não, o diplomata fez uma observação importante. A marca adquiriu vida própria, embora não exista mais como entidade.

Ela deu lugar a uma nova forma. Continuando com o tema metafórico, podemos dizer que os BRICS do modelo original transferiram a franquia para outra criatura.

Até este mês, o BRICS era um grupo com a possibilidade de se transformar em uma organização mais ou menos estruturada ou, em vez disso, em uma comunidade de formato livre. A segunda opção foi a escolhida.

Há muito tempo se fala na ampliação do BRICS. Mas as discussões pareciam inúteis porque não havia critérios para que isso acontecesse. A estrutura é deliberadamente informal, sem estatuto, procedimentos ou órgãos de coordenação. Assim, a diplomacia clássica tem funcionado – com negociações diretas, sem o envolvimento de instituições internacionais – para conciliar os interesses nacionais. A única plataforma de tomada de decisões são as reuniões dos líderes dos Estados membros e, se eles concordarem amigavelmente, tudo funciona. Foi assim que os novos estados foram convidados – isso foi discutido e decidido.

É claro que a seleção causou confusão – por que eles, qual é a lógica? Mas não havia nenhuma, foi apenas acordado.

Este é um acontecimento importante. Não se trata do número e da qualidade das potências anfitriãs, mas da escolha do modelo de desenvolvimento. Até agora, o BRICS tem sido um grupo compacto cujos membros, apesar de todas as suas diferenças, têm permanecido unidos por sua capacidade e vontade de traçar um curso independente, livre de restrições externas. Há poucos estados no mundo que podem se orgulhar disso – alguns não têm potencial militar e econômico suficiente, e outros já têm compromissos com outros parceiros.

Mas os cinco se encaixam mais ou menos nesse perfil. Por essa razão, o BRICS foi visto como um protótipo de uma estrutura que seria um contrapeso ao G7 (por trás do qual há uma rígida unidade atlântica). Daí a expectativa de que o BRICS aprofundaria e institucionalizaria a interação por meio da criação de estruturas comuns e gradualmente se tornaria uma força unificada no cenário mundial.

Mas esses cálculos eram infundados. Não tanto por causa das diferenças entre os países, mas por causa de seu tamanho, o que não implica autocontenção para o bem de ninguém, inclusive de pessoas com a mesma opinião. A ideia de dar ao BRICS um claro viés antiocidental também estava incorreta – com exceção da Rússia, nenhum membro agora pretende manter um antagonismo com o Ocidente. Em suma, o BRICS-5 teria permanecido um protótipo promissor e muito simbólico sem a perspectiva de se tornar um modelo funcional.

O futuro BRICS-11 – e além – é uma abordagem diferente. A ampliação dificilmente é compatível com uma institucionalização completa, pois seria muito complicada. Mas não há necessidade disso; a expansão das fronteiras da comunidade agora é evidente. Os critérios não são essenciais. E daí que a Argentina ou a Etiópia estejam endividadas e não tenham quase nada do que originalmente era considerado a marca registrada dos BRICS? Mas estes, e provavelmente alguns outros candidatos da próxima onda, estão expandindo a esfera de interação não ocidental.

Essa, a propósito, é a única condição para um convite: não participar de coalizões militares e políticas ocidentais. Os outros parâmetros são condicionais.

A China é a principal defensora da ampliação. A nova configuração é conveniente para uma potência que promove o slogan de “um destino comum” não especificado e sem compromissos. A franquia do BRICS está mais alinhada com as tendências globais do que o tipo anterior de BRICS. Uma estrutura rígida é impopular; a maioria dos países do mundo quer um relacionamento flexível com escopo máximo para não perder oportunidades.

Essa nova abordagem é aceitável para a Rússia. Não é realista transformar o BRICS em um aríete contra a hegemonia ocidental. Mas é do interesse da Rússia expandir a esfera de interação, contornando o Ocidente e criando gradualmente ferramentas e mecanismos apropriados. Na verdade, é do interesse de todos, porque a hegemonia não aquece mais o coração de ninguém, apenas limita as oportunidades.

O sucesso não é garantido; a ampliação pode levar à adição automática de novos países em um princípio formal. Mas, em geral, a separação branda entre o Ocidente e o não-Ocidente é um processo objetivo para os próximos anos.

Assim, a popularidade da franquia BRICS crescerá.

*Fyodor Lukyanov é jornalista e analista político.

Tradução: Fernando Lima das Neves.

Publicado originalmente no portal RT.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Slavoj Žižek Maria Rita Kehl Everaldo de Oliveira Andrade Julian Rodrigues Marcos Silva Bruno Machado Bento Prado Jr. Vladimir Safatle José Dirceu Gilberto Maringoni Yuri Martins-Fontes Airton Paschoa Luiz Roberto Alves Carla Teixeira Luiz Marques Plínio de Arruda Sampaio Jr. Annateresa Fabris José Costa Júnior Ricardo Fabbrini João Paulo Ayub Fonseca Benicio Viero Schmidt Daniel Afonso da Silva Luís Fernando Vitagliano Caio Bugiato Alexandre Aragão de Albuquerque José Raimundo Trindade Claudio Katz Henri Acselrad Michael Roberts Remy José Fontana Renato Dagnino Ronald León Núñez Valerio Arcary João Adolfo Hansen Samuel Kilsztajn Marjorie C. Marona Afrânio Catani Chico Whitaker Marcelo Módolo Ronald Rocha Gilberto Lopes Eliziário Andrade Alysson Leandro Mascaro Flávio Aguiar Gabriel Cohn Denilson Cordeiro Dennis Oliveira Roberto Noritomi Eduardo Borges Berenice Bento Marcus Ianoni Antonio Martins Otaviano Helene João Sette Whitaker Ferreira Roberto Bueno Francisco de Oliveira Barros Júnior Luis Felipe Miguel Manuel Domingos Neto Henry Burnett Elias Jabbour Juarez Guimarães Marcos Aurélio da Silva Anselm Jappe João Lanari Bo Milton Pinheiro Sergio Amadeu da Silveira Luiz Bernardo Pericás Tadeu Valadares Priscila Figueiredo José Luís Fiori João Carlos Salles Mário Maestri Vanderlei Tenório Armando Boito Leonardo Boff Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rubens Pinto Lyra Anderson Alves Esteves Jean Pierre Chauvin Fábio Konder Comparato Leonardo Sacramento Manchetômetro José Geraldo Couto Heraldo Campos Luiz Werneck Vianna Ari Marcelo Solon Boaventura de Sousa Santos Francisco Fernandes Ladeira André Singer Antonino Infranca Flávio R. Kothe Luciano Nascimento Gerson Almeida José Micaelson Lacerda Morais André Márcio Neves Soares Atilio A. Boron Bernardo Ricupero Paulo Fernandes Silveira Tales Ab'Sáber Érico Andrade Celso Frederico Mariarosaria Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Eugênio Trivinho Michael Löwy Andrew Korybko Lorenzo Vitral Chico Alencar Dênis de Moraes Ricardo Antunes Luiz Eduardo Soares Francisco Pereira de Farias Ladislau Dowbor Leonardo Avritzer Paulo Martins Lincoln Secco Fernão Pessoa Ramos Rafael R. Ioris Eleonora Albano Marcelo Guimarães Lima Carlos Tautz Paulo Sérgio Pinheiro João Feres Júnior Walnice Nogueira Galvão Daniel Costa Marilena Chauí José Machado Moita Neto Vinício Carrilho Martinez Osvaldo Coggiola Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Renato Martins Ricardo Musse Fernando Nogueira da Costa Paulo Nogueira Batista Jr Tarso Genro Ronaldo Tadeu de Souza Jean Marc Von Der Weid Liszt Vieira Antônio Sales Rios Neto Jorge Luiz Souto Maior Kátia Gerab Baggio Thomas Piketty Marilia Pacheco Fiorillo Rodrigo de Faria Leda Maria Paulani Eugênio Bucci Celso Favaretto Daniel Brazil Igor Felippe Santos Jorge Branco Salem Nasser Paulo Capel Narvai Eleutério F. S. Prado Luiz Costa Lima Ricardo Abramovay João Carlos Loebens Alexandre de Freitas Barbosa Sandra Bitencourt Alexandre de Lima Castro Tranjan Valério Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada