As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Tchutchuca: ontologia e faniquito

Imagem: Thiago Kai
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EUGÊNIO BUCCI*

Foi em nome do mesmo preconceito que veio o faniquito do presidente

Na manhã de quinta-feira passada, um jovem ativista digital de direita, Wilker Leão, foi até a portaria do Palácio da Alvorada e xingou o presidente da República de “Tchutchuca do Centrão”. (A rima em “ão” não há de ser em vão.) O que veio na sequência foi uma arruaça lastimável, que todo mundo já viu no celular ou nos telejornais.

O presidente saía de sua residência para o expediente diário. O provocador, que se define nas redes como um “adepto do militarismo”, gritava repetidamente a palavra esdrúxula, tentando se aproximar do carro oficial do chefe de Estado. De celular em punho, filmava tudo. No muque, os seguranças procuravam contê-lo.

Enquanto transcorria o empurra-empurra, o governante ouviu a alcunha que lhe dirigiam e se irritou. Mandou parar o automóvel, saiu furibundo pela porta de trás e avançou na direção de Wilker Leão. Com uma das mãos, tentou agarrar o moço pelos colarinhos, mas não havia colarinho nenhum – a vítima vestia uma reles camiseta do São Paulo Futebol Clube, em cuja gola a iracunda autoridade fechou os dedos. Com a outra mão, o mandatário buscava arrancar o celular do são-paulino, intento no qual fracassou.

Não foi difícil de perceber que o governante estava possesso. Depois de contidos os ânimos de um e outro, é verdade, os dois até trocaram palavras duras entre si, sem se estapear, mas, naquele primeiro ato, quando irrompeu do veículo em estado colérico, o homem deu um chilique histórico.

Por que será? Já o chamaram de negacionista, de fascista, de genocida e ele apenas faz cara feia e resmunga, quando muito. Desta vez foi diferente. Por que um estrilo tão desmedido? De que modo podemos entender as fontes pulsionais de tamanho siricutico presidencial?

Essas perguntas nos conduzem necessariamente a uma reflexão acerca da essência do ente misterioso que responde pelo nome de – você já sabe – “tchutchuca”. O que define esse estranho ser? Em outras palavras, qual a sua natureza ôntica?

Na cultura funk, em que o termo se fixou para depois se popularizar, o ente foi consagrado por um hit, lançado há anos pelo grupo carioca denominado Bonde do Tigrão. A letra tem um jeito nada sublime de traduzir a afeição do poeta por sua musa: “Vem, vem, tchutchuca / Vem aqui pro seu tigrão / Vou te jogar na cama / E te dar muita pressão”.

(Não, a rima em “ão” não há de ser em vão.) Tangendo sua lira de pancadão, o menestrel diz, então, que quer “um rala quente” e pede à sua amada que escute o “refrão”.

Já se falou bastante sobre o caráter onomatopaico do substantivo em questão. Sua sonoridade, sua prosódia, evoca o verbo “chuchar”, que é onomatopeia pura, sugerindo que o amor dos corpos é como um cilindro que suga um pistão. (Agora, a rima virá em profusão.)

Essa metáfora mecânica de motor a combustão faz uma espécie de exaltação de uma forma de dominação que o macho exerce ao dar “pressão”, certo de que a mulher, tomada de paixão, sente prazer na servidão. O nome do macho é “tigrão”.

A “tchutchuca”, por definição, se deleita na submissão. Sua feminilidade reside na plena concessão, na aceitação, na passividade com sofreguidão, na objetificação sem restrição. Vai daí que o presidente aceitaria ser xingado de tudo, mas disso, não. Disso, nunca. Para piorar sua situação, a ofensa lhe soou ainda mais grave quando ele ouviu o complemento: “do Centrão”. Aí não.

Nesse ponto, é preciso ter em conta o peso insuportável do aumentativo masculino, em “ão”, para conferir um signo de hombridade ao que quer que seja. Especialmente na política. O Partido Comunista Brasileiro, por exemplo, o velho PCB, começou a ser chamado lá pelas tantas de “Partidão”. O apelido o tornou mais másculo, mais irrecorrível.

O mesmo princípio linguístico valeu para a corrupção: um mensalinho seria suportável, mais ou menos como um chopinho, um torresminho – não um mensalão. Tendo sido chamado de mensalão, pelo simples sufixo, o episódio adquiriu algo de tenebroso, de apocalíptico, de escandalosão. Em matéria de perversidade, ou de perversão, perdeu apenas para o petrolão.

Para pesadelo do inquilino do Alvorada, o Centrão se chama Centrão, de modo retumbante, feito maldição, e, neste namoro, o dele com o Centrão, o papel que lhe cabe não é bem o de Tigrão. Haja danação.

Com isso, chegamos ao final da nossa brevíssima investigação ontológica. Resulta mais do que evidente que o xingamento dirigido ao sujeito que passava no automóvel é, antes de uma ofensa a ele, uma ofensa à condição feminina. A carga semântica do substantivo que deu título a este modesto artigo já traz, sem que se diga mais nada, um preconceito atávico de todo tamanho, um preconceitão: mulher é um ser subalterno, heterônomo, que se derrete ao sentir a pressão do machão.

Pois foi em nome do mesmo preconceito que veio o faniquito, como se o tal se pusesse em brios: “O quê? Você está me xingando de mulher? Vem cá, seu bestalhão!” Nesse instante mágico, a extrema-direita caiu na armadilha da extrema-direita. De supetão. Que serviço Wilker Leão prestou para a nação.

*Eugênio Bucci é professor titular na Escola de Comunicações e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de A superindústria do imaginário (Autêntica).

Publicado originalmente no jornal O Estado de S. Paulo.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gilberto Lopes Alexandre de Freitas Barbosa Lincoln Secco Antonino Infranca Anselm Jappe Leda Maria Paulani Chico Alencar Anderson Alves Esteves Ricardo Musse Celso Favaretto Leonardo Avritzer Fernando Nogueira da Costa Bruno Machado José Geraldo Couto Érico Andrade Alysson Leandro Mascaro Rodrigo de Faria Slavoj Žižek Vinício Carrilho Martinez Luiz Renato Martins Dennis Oliveira João Paulo Ayub Fonseca Tales Ab'Sáber Fábio Konder Comparato Marcus Ianoni Manuel Domingos Neto Manchetômetro Paulo Fernandes Silveira Airton Paschoa Caio Bugiato Luiz Eduardo Soares Marcelo Módolo Daniel Afonso da Silva Jorge Branco Jorge Luiz Souto Maior José Raimundo Trindade Gabriel Cohn Tarso Genro Michael Roberts Eleonora Albano Armando Boito Antônio Sales Rios Neto Sandra Bitencourt Eugênio Trivinho Maria Rita Kehl Ricardo Fabbrini Luiz Carlos Bresser-Pereira Luís Fernando Vitagliano Mário Maestri Luiz Costa Lima Ricardo Abramovay Roberto Noritomi João Feres Júnior Salem Nasser Ari Marcelo Solon Roberto Bueno Leonardo Sacramento Luiz Werneck Vianna Paulo Capel Narvai Francisco Fernandes Ladeira Marcos Silva Marilena Chauí Daniel Brazil Andrew Korybko Henri Acselrad José Costa Júnior João Adolfo Hansen Igor Felippe Santos José Luís Fiori Mariarosaria Fabris Marjorie C. Marona Yuri Martins-Fontes Ronaldo Tadeu de Souza José Dirceu Benicio Viero Schmidt Gilberto Maringoni Boaventura de Sousa Santos Tadeu Valadares Annateresa Fabris Luiz Bernardo Pericás Chico Whitaker Lucas Fiaschetti Estevez Kátia Gerab Baggio Atilio A. Boron Francisco Pereira de Farias Daniel Costa Carlos Tautz Eduardo Borges Eleutério F. S. Prado Renato Dagnino Lorenzo Vitral Bernardo Ricupero Celso Frederico Ricardo Antunes Eliziário Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eugênio Bucci Ladislau Dowbor Julian Rodrigues Antonio Martins Claudio Katz Valério Arcary Jean Marc Von Der Weid André Márcio Neves Soares Osvaldo Coggiola Vladimir Safatle Walnice Nogueira Galvão Luis Felipe Miguel Everaldo de Oliveira Andrade Thomas Piketty Flávio Aguiar Fernão Pessoa Ramos José Machado Moita Neto Remy José Fontana Francisco de Oliveira Barros Júnior João Lanari Bo Valerio Arcary Heraldo Campos Sergio Amadeu da Silveira Dênis de Moraes Henry Burnett Paulo Martins Michael Löwy Marcelo Guimarães Lima João Carlos Loebens Bento Prado Jr. Denilson Cordeiro Marcos Aurélio da Silva Juarez Guimarães Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Marques Priscila Figueiredo Vanderlei Tenório José Micaelson Lacerda Morais Ronald León Núñez Elias Jabbour André Singer Milton Pinheiro Liszt Vieira Rafael R. Ioris João Carlos Salles Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Sérgio Pinheiro Luciano Nascimento Ronald Rocha Jean Pierre Chauvin Rubens Pinto Lyra Carla Teixeira Flávio R. Kothe Marilia Pacheco Fiorillo Otaviano Helene Berenice Bento Leonardo Boff Paulo Nogueira Batista Jr Afrânio Catani João Sette Whitaker Ferreira Samuel Kilsztajn Gerson Almeida Luiz Roberto Alves

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada