As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Caricaturas políticas

Damien Hirst, Monumento aos Vivos e aos Mortos, 2006
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

O que é Bolsonaro senão um Dick Vigarista que anda de moto e que tem muitos “seguidores”

Houve um tempo em que o teatro ocupava o imaginário das pessoas com fantasias, ídolos e exemplos de bem e de mal. Não só os arquétipos gregos, até hoje lembrados, mas os personagens de Shakespeare, Moliére ou Rostand, no século XVII, também criaram modelos de comportamento que se refletem até nossos dias. Era comum nos séculos seguintes as pessoas serem classificadas, de acordo com seu comportamento, aparência ou algum feito inusitado, como Romeus, Julietas, Tartufos, Dons Juans ou Cyranos de Bergerac (este um personagem real, celebrizado pela peça de Rostand).

A literatura tornou-se o veículo ideal para a disseminação de personagens que acabam tornando-se modelos comparativos de comportamento. Figuras como o sonhador Quixote, a insatisfeita Emma Bovary, o ciumento Bentinho ou o dividido Raskolnikov ainda são lembradas pelos mais cultos ao se depararem com figuras reais que emulam aqueles comportamentos.

O cinema, arte do século XX, introduziu novos parâmetros culturais, absorvendo e adaptando os exemplos teatrais e literários, mas também criando novos personagens paradigmáticos. Muitos homens tentaram imitar Humphrey Bogart, Errol Flynn ou John Wayne, em seus papéis mais famosos, enquanto as mulheres queriam ser Olivia de Havilland, Vivian Leigh ou Rita Hayworth. Ou melhor, as personagens que viveram nas telas.

O cinema falado é o grande culpado de promover esta sutil alteração na construção de modelos. Introduz personagens sem passado. Não têm história, não têm vivência, surgem feitos e morrem – quando morrem – como surgiram, sem alterar suas características. Personagens-síntese, modelos, arquétipos, que têm seu epítome nos heróis de histórias em quadrinhos e desenhos animados.

E o grande público foi se acostumando – ou sendo acostumado – a isso: a não precisar de história, de construção psicológica e histórica, contentando-se com ações e aparências. É uma espécie de regressão intelectual, se compararmos com o público do teatro grego ou elisabetano, com as românticas leitoras de folhetim do século XIX, com os leitores do século XX. A televisão, como mais poderoso meio de comunicação de nosso tempo, exerce papel fundamental nesse status quo. Não é à toa que os roteiristas mais espertos de cinema e quadrinhos perceberam isso, procurando construir um passado psicologicamente mais elaborado para alguns personagens, como Batman, Coringa ou Homem-Aranha.

Já os desenhos animados, teoricamente destinados a um público infantil, dispensam este aprofundamento. A criança quer ver ação e conhecer as qualidades e defeitos presenciais de seus heróis e vilões, dispensando seu passado. É comum, e natural, vermos crianças assumir gestos e comportamentos de personagens de animação. O preocupante é ver cada vez mais jovens e adultos fazerem o mesmo.

Um forte sintoma de que a humanidade se adaptou bem a essa infantilização cultural é o fato de que os protagonistas do cenário político mundial cada vez mais se assemelham a personagens de desenho animado. Pinochet, Ulstra, Boris Johnson, Trump, Bozo, são caricaturas do mal. Seres de biografia obscura, que se firmam no imaginário popular mais pelo aspecto grotesco que por algum conteúdo humano.

Alguns dirão que o Papa, Mandela ou Lula também são caricaturáveis. Bem, todos nós somos, mas nem todos somos caricaturas. A diferença é que o ex-presidente tem uma biografia conhecida, construída em termos sociais e humanísticos, desde que era um líder operário, assim como Bergoglio ou Madiba. Quem conhece de fato a biografia de Trump? Ou de Dória, Musk ou Moro? O que é Bolsonaro senão um Dick Vigarista que anda de moto e cujos golpes acabam dando errado, e que mesmo assim tem muitos “seguidores”?

Mas embora esse retrato raso (e também caricatural) se encaixe bem em ambições eleitorais e outras atividades escusas, é preciso frisar sempre que representam mais que isso. São fantoches, mas manipulados por interesses maquiavélicos e totalitários, que sufocam cada vez mais a cultura, o conhecimento e a história, buscando um novo período de trevas. Para estes, o ideal é um mundo onde a política seja reduzida a um filme de má qualidade, para ser assistido no sofá, comendo pipoca, enquanto devastam o planeta.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Daniel Brazil Luiz Marques Atilio A. Boron José Machado Moita Neto Fábio Konder Comparato Luiz Roberto Alves Alexandre de Lima Castro Tranjan Renato Dagnino Ronald León Núñez Flávio R. Kothe Caio Bugiato Dennis Oliveira José Dirceu Henry Burnett Gabriel Cohn Yuri Martins-Fontes Kátia Gerab Baggio Celso Frederico Andrew Korybko Rafael R. Ioris Anderson Alves Esteves João Lanari Bo Luiz Bernardo Pericás Michael Roberts Marilena Chauí Alexandre de Freitas Barbosa Heraldo Campos Eleonora Albano Paulo Martins Ricardo Musse José Micaelson Lacerda Morais Jorge Luiz Souto Maior Leonardo Sacramento Igor Felippe Santos Juarez Guimarães Francisco de Oliveira Barros Júnior Gilberto Lopes Sergio Amadeu da Silveira Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Renato Martins João Adolfo Hansen Annateresa Fabris Daniel Afonso da Silva Alysson Leandro Mascaro Michael Löwy Chico Alencar João Paulo Ayub Fonseca Liszt Vieira Ladislau Dowbor Walnice Nogueira Galvão Manchetômetro Jean Pierre Chauvin Celso Favaretto Roberto Noritomi Marcelo Guimarães Lima Elias Jabbour Francisco Fernandes Ladeira Afrânio Catani Mário Maestri Gerson Almeida João Carlos Salles Salem Nasser Rubens Pinto Lyra André Singer Luis Felipe Miguel Marjorie C. Marona Leda Maria Paulani Tarso Genro Érico Andrade Luiz Eduardo Soares Bruno Machado Luciano Nascimento Eliziário Andrade Ricardo Fabbrini Ronaldo Tadeu de Souza Boaventura de Sousa Santos José Geraldo Couto Sandra Bitencourt Jorge Branco João Feres Júnior Eugênio Trivinho Maria Rita Kehl Anselm Jappe Lorenzo Vitral Ronald Rocha Bento Prado Jr. Alexandre Aragão de Albuquerque Vanderlei Tenório Luiz Costa Lima Dênis de Moraes Marilia Pacheco Fiorillo Vinício Carrilho Martinez Milton Pinheiro Daniel Costa José Raimundo Trindade Antonino Infranca Eduardo Borges Lucas Fiaschetti Estevez Gilberto Maringoni João Carlos Loebens Plínio de Arruda Sampaio Jr. Denilson Cordeiro Paulo Fernandes Silveira Fernão Pessoa Ramos Bernardo Ricupero Leonardo Avritzer Mariarosaria Fabris José Costa Júnior Marcus Ianoni Antonio Martins Slavoj Žižek Chico Whitaker Luís Fernando Vitagliano Otaviano Helene Rodrigo de Faria Armando Boito Benicio Viero Schmidt Tadeu Valadares Francisco Pereira de Farias Paulo Sérgio Pinheiro Samuel Kilsztajn Tales Ab'Sáber Carla Teixeira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio Aguiar Airton Paschoa Roberto Bueno Marcos Silva Henri Acselrad Priscila Figueiredo Ricardo Antunes André Márcio Neves Soares Valério Arcary Claudio Katz Marcelo Módolo Osvaldo Coggiola Vladimir Safatle Marcos Aurélio da Silva João Sette Whitaker Ferreira Ari Marcelo Solon Remy José Fontana Jean Marc Von Der Weid Berenice Bento Ricardo Abramovay José Luís Fiori Leonardo Boff Antônio Sales Rios Neto Carlos Tautz Manuel Domingos Neto Thomas Piketty Eugênio Bucci Valerio Arcary Everaldo de Oliveira Andrade Julian Rodrigues Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Capel Narvai Luiz Werneck Vianna Fernando Nogueira da Costa Eleutério F. S. Prado Lincoln Secco

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada