O resgate das bruxas

Imagem: Cottombro
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por IRIS BOFF*

Educadas mais por mulheres conscientes e liberadas, as crianças de hoje começam a resgatar uma outra consciência dessa figura outrora execrada

Carregadas de sabedoria, as velhas bruxas, estão vivas dentro da mulher moderna, desse novo milênio que avança mais e mais. Enterradas no fundo das catedrais patriarcais, lugar de fontes de água em que se adoravam as deusas, elas ressurgem.

Do mesmo modo, como ressurgem, do fundo do templo de nossos corpos, quando a mãe, a filha a irmã, a avó, a amiga ou a amante se reúnem e lhes emprestam a voz no som dos cantos e encantos de nossas danças, falas, gestos e rituais.

Elas caminham conosco, nos dão alento e inspiração, na busca insana e tateante por nossa ainda nascente identidade feminina. Fomos aquilo que o homem quis, como o mostrou Simone de Beauovoir.

Daqui para frente, as velhas bruxas, como deusas eternas, em corpos jovens, velhos ou crianças, homens ou mulheres, vindas dos nossos sonhos mais ancestrais nos inspiram a sermos aquilo que o nosso desejo mais genuíno e honesto quer: ser plenamente nós mesmas como mulheres.

A duras penas assumindo os equívocos e responsáveis pelos próprios erros, não toleraremos mais que alguém no vai vigiar, dirigir, escolher ou ditar nossas vidas como mulheres. Nós tomaremos nossa história em nossas mãos.

A magia negra, os feitiços, os maus agouros, a figura feia tenebrosa dos contos de fada, escritos a partir do patriarcado, hão de desaparecer junto com ele. Em nome destas figuras milhares de mulheres, tidas por bruxas, foram mortas ou queimadas pela Inquisição.

A bruxa do nosso imaginário infantil, inventado por nossa cultura machista, constiti uma grande falácia. Foi um instrumento de dominação patriarcal sobre a mulher.

O homem não tinha o acesso, o controle e o conhecimento do poder de criar e recriar a própria vida, o manejo das ervas, o dom de cura, de benção, o cuidado e a proteção, que a mulher de sabedoria, a essência do ser bruxa, era investida.

Com a ascensão do patriarcado, esse negou todo o poder da mulher. impingiu-lhe uma imagem distorcida e bem à sua conveniência Por medo e inveja do seu poder, a bruxa era vista como má, asquerosa, perigosa, que, tendo pacto com o Demônio, precisava ser banida, castigada, negada, esquecida. Sua rebeldia merecia ser execrada e queimada viva em praça pública, como ocorreu com Joana D’Arc, em 1431, queimada viva com apenas 19 anos depois de ter comandado, vitoriosamente, parte do exército francês contra a ocupação inglesa. Curiosamente em 1920 foi proclamada santa e feita padroeira da França.

O que era bênção, se tornou maldição. Educadas mais por mulheres conscientes e liberadas, as crianças de hoje começam a resgatar uma outra consciência dessa figura outrora execrada.

Embalando o berço ou com os seios de fora, para amamentar essa nova geração, a mulher do século XX1, reinventa a vida, assume a cátedra, pesquisa e escreve, se serve do telefone, do whatsapp, das mídias sociais e do computador para re-escrever a sua história, não para destruí-la ou negá-la, mas para refazê-la e completá-la.

Aqui vai uma pequena observação crítica: reprodutora não só da espécie, lamentavelmente, não poucas mulheres se fizeram também as reprodutoras de falsos padrões de comportamento, ainda ditados por uma cultura machista ou por valores de uma religião misógina e pela supremacia do Masculino sobre o Feminino.

Mas assumindo nossa condição ode bruxas benfazejas, vamos montar na vassoura de nossa consciência, varrer e banir de uma vez por todas esse embuste para o nosso bem e de nossas crianças, finalmente também da família humana como um todo.

É bom re-escrever os contos infantis, aprendendo lidar e integrar o mal em lugar de projetá-lo em um ser como bode expiatório que seria a bruxa.

A humanidade nasceu e cresceu ao redor da fêmea e do poder matriarcal, a mais primordial fase de nossa história. Depois, por caminhos misteriosos, reafirmou-se o macho com seu poder patriarcal e obnubilou a herança ancestral do feminino.

Agora estamos vivendo um momento privilegiado. Pela primeira vez na história da humanidade ambos, o feminino e o masculino, o homem e a mulher como parceiros paritários, estão se reconciliando e criando uma aliança bem-aventurada.

A mulher, guardiã da alma, a grande velocidade, está saindo da caverna. E o homem cansado e desencantado quer voltar para casa, mas ela não existe mais como antes. Ambos, homem e mulher, vão limpar e reorganizar a própria casa. Entenderão a nova tarefa, a de cuidar da Casa Comum, da Mãe Terra, habitada pela nova família humana, nem matriarcal e nem patriarcal, mas andrógina para a saúde e bem das relações humanizadoras e benéficas para a inteira humanidade.

*Iris Boff, é escritora, feminista e eco-pedagoga.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES