Pop-lulismo

Marina Gusmão, The colloquial dream. Ilustração digital feita sob o som de Mingus, A Colloquial Dream.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EUGÊNIO BUCCI*

O favoritismo de Lula sobe com o perfil de um movimento cultural, sem adquirir exatamente os contornos formais de uma frente ampla

Mais uma vez, as leis da política perdem a corrida para as leis do entretenimento. Na falta de uma frente ampla articulada por líderes de partidos diversos, com base em acordos programáticos, a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva vai crescendo por meio de adesões descosturadas umas das outras, animadas por charges de WhatsApp e dancinhas de TikTok. Não há um pacto organizado, negociado; não há um programa mínimo. O que existe é um “clima” de adesão em cima da hora.

A coisa vem em ondas como o mar, numa empolgação meio carnavalesca. Um dia, Caetano Veloso faz uma declaração de apoio sorridente e cativante. No outro, o ex-ministro Henrique Meirelles, até então fã de João Doria, embarca na campanha do petista. Nesse ínterim, dirigentes do PDT deixam Ciro Gomes falando sozinho e conclamam os eleitores a votar em Lula para liquidar a disputa já no primeiro turno. Um grupo de cantores e cantoras grava mais um clipe que rapidamente viraliza. A conjuntura ganha o embalo de uma corrente festiva, sem plataforma suprapartidária. O favoritismo de Lula sobe com o perfil de um movimento cultural, sem adquirir exatamente os contornos formais de uma frente ampla.

É pouco? Sim, é pouco, mas é melhor, muito melhor do que nada. Estão em baixa os procedimentos próprios da política, com suas reuniões de lideranças, suas convenções ampliadas e seus palanques compartilhados, mais ou menos como aconteceu na campanha das Diretas-Já entre 1983 e 1984. O que está em alta é a linguagem do entretenimento, com seus apelos melodramáticos e seus andamentos de trilha musical hollywoodiana. Essa é a linguagem que vem explicitando a gravidade da decisão que os brasileiros precisam fazer.

Eles terão de optar entre, de um lado, o polo do incumbente e seus discursos que elogiam a ditadura, a tortura, o machismo e o negacionismo, e, de outro, o da candidatura de Lula, que agrega democratas de diferentes matizes. Nessa batalha, os memes, os refrões, as blagues, os filmetes e as celebridades são mais eficientes que os ideólogo s e os estrategistas de partidos.

A tal “terceira via” – além da quarta, da quinta e da sexta – não emplacou: não conquistou contingentes eleitorais expressivos (nos termos da ciência política) porque não arrebatou corações sentimentais (nos termos do entretenimento e da propaganda melosa que grassa na televisão). No diapasão do entretenimento, são duas alternativas, não mais. Só há uma oposição viável. Desenha-se no horizonte das urnas um duelo bem ao gosto dos filmes de mocinho.

Para entender o que se passa, a gente precisa combinar noções da cultura pop com certas categorias da ciência política. Comecemos pelo conceito de “lulismo”, cunhado por André Singer. Num resumo apressado e certamente falho, podemos dizer que o lulismo se estabeleceu como um reformismo fraco que mesclava ações distributivas e estabilidade econômica, dando conta de costurar o apoio das classes populares e funcionar como um ponto de equilíbrio em meio a tensões sociais. Mais do que a idolatria da figura de Lula, o lulismo seria, enfim, uma forma possível de pacificação política, tendendo à esquerda.

Agora, o lulismo volta numa embalagem pop. A idolatria readquire seu peso. O pop tem o condão de retirar um signo de dentro de um nicho linguístico e promover a sua universalização. Tonico e Tinoco eram sertanejos que moravam num nicho; Chitãozinho e Xororó são pop e estão além do nicho. Além de universalizar, o pop estreita e achata – reduz o sujeito a uma caricatura de si mesmo. Quando Che Guevara saiu da vida como guerrilheiro para entrar na história como estampa de camiseta de butique, virou pop. Quando o papa João Paulo II foi alçado à condição de celebridade, mais famoso do que John Lennon, virou pop.

É verdade que “o pop não poupa ninguém”, como cantaram os Engenheiros do Hawaii, mas não é todo mundo que chega ao pop. Lula é pop, mas Ciro e Simone Tebet não são. O presidente que aí está não é pop – no máximo, é um parasita do pop, um penetra, um tipo estranho que sequestra imagens (como tentou fazer no funeral da rainha da Inglaterra) e, depois, não consegue carregá-las.

Por fim, uma nota de rodapé. A expressão “pop-lulismo” lembra o substantivo “populismo”. É de propósito. Lula pode ser chamado de líder populista, mas isso não é necessariamente um “mal”, como bem argumentam Thomás Zicman de Barros e Miguel Lago no ótimo livro Do que falamos quando falamos em populismo (Companhia das Letras), que foi lançado este mês.

Segundo os autores, o populismo é “esteticamente transgressivo”, “culturalmente popular” e tem potência para mudar as instituições, mas há populismos que destroem e outros que constroem a ordem democrática. Eles sustentam que entre os populismos destrutivos está o do incumbente – e entre os mais benignos, que combatem a desigualdade e fortalecem as instituições democráticas, estaria o de Lula. O pop adora o que parece benigno.

O poder se trama pela estética, pelo sensível, pelos afetos, pelo desejo. É estranho, mas é pop.

*Eugênio Bucci é professor titular na Escola de Comunicações e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de A superindústria do imaginário (Autêntica).

Publicado originalmente no jornal O Estado de S. Paulo.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Celso Frederico Michael Löwy Fábio Konder Comparato Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronald Rocha Luiz Marques Luis Felipe Miguel Boaventura de Sousa Santos Fernando Nogueira da Costa Renato Dagnino Antonino Infranca José Costa Júnior Marjorie C. Marona Leonardo Boff Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Rubens Pinto Lyra Vanderlei Tenório Samuel Kilsztajn Valerio Arcary João Carlos Salles Rodrigo de Faria Afrânio Catani Ricardo Abramovay Matheus Silveira de Souza Ari Marcelo Solon Valerio Arcary Slavoj Žižek Luiz Carlos Bresser-Pereira Thomas Piketty Ladislau Dowbor Luiz Renato Martins Luiz Roberto Alves Ricardo Antunes Paulo Martins Carlos Tautz Maria Rita Kehl Francisco Pereira de Farias Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jorge Branco André Márcio Neves Soares Gilberto Lopes Daniel Brazil Dênis de Moraes Milton Pinheiro Eduardo Borges Mário Maestri André Singer João Carlos Loebens Luiz Werneck Vianna João Adolfo Hansen Yuri Martins-Fontes Armando Boito Bento Prado Jr. Jean Pierre Chauvin Tales Ab'Sáber Rafael R. Ioris José Luís Fiori Vladimir Safatle Manuel Domingos Neto Carla Teixeira Marcos Silva Priscila Figueiredo Liszt Vieira Ronaldo Tadeu de Souza Bernardo Ricupero Claudio Katz Marcus Ianoni Tarso Genro Michel Goulart da Silva Antônio Sales Rios Neto Flávio R. Kothe Flávio Aguiar Érico Andrade Ricardo Fabbrini Atilio A. Boron Ricardo Musse João Lanari Bo Henri Acselrad Julian Rodrigues João Feres Júnior Airton Paschoa Jean Marc Von Der Weid Jorge Luiz Souto Maior Paulo Nogueira Batista Jr Salem Nasser Fernão Pessoa Ramos Everaldo de Oliveira Andrade Gabriel Cohn Gerson Almeida Tadeu Valadares Benicio Viero Schmidt Gilberto Maringoni Leda Maria Paulani Francisco Fernandes Ladeira José Machado Moita Neto Andrés del Río Paulo Sérgio Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Berenice Bento Kátia Gerab Baggio Daniel Afonso da Silva Lorenzo Vitral José Geraldo Couto Luciano Nascimento Marilena Chauí Marcelo Módolo Juarez Guimarães Annateresa Fabris Eleonora Albano Sergio Amadeu da Silveira Celso Favaretto Lincoln Secco Manchetômetro Alexandre de Freitas Barbosa Chico Whitaker José Dirceu Alysson Leandro Mascaro Luiz Bernardo Pericás Leonardo Avritzer Igor Felippe Santos Ronald León Núñez Luiz Eduardo Soares Alexandre Aragão de Albuquerque Eugênio Bucci Vinício Carrilho Martinez Elias Jabbour Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Antonio Martins Eleutério F. S. Prado Walnice Nogueira Galvão Paulo Fernandes Silveira Henry Burnett Dennis Oliveira Eugênio Trivinho João Sette Whitaker Ferreira Bruno Machado João Paulo Ayub Fonseca Leonardo Sacramento Paulo Capel Narvai Sandra Bitencourt Chico Alencar Remy José Fontana Daniel Costa Mariarosaria Fabris Heraldo Campos Michael Roberts José Micaelson Lacerda Morais Lucas Fiaschetti Estevez Marcelo Guimarães Lima Anselm Jappe José Raimundo Trindade Osvaldo Coggiola Andrew Korybko Caio Bugiato Marcos Aurélio da Silva Luís Fernando Vitagliano Denilson Cordeiro Otaviano Helene Eliziário Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES