As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Zé Celso

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JEAN TIBLE*

Exu das artes cênicas, sai de cena miticamente com o fogo

José Celso Martinez Corrêa foi uma das figuras mais entusiasmantes, gostosas e gozosas da cultura, da política e da vida. Devorou o teatro revolucionário europeu de Stanislavski, Meyerhold, Artaud e Brecht, dando coletivamente corpo ao teat(r)o oficina uzyna uzona. Personagem do terceiro-mundismo, deslocou a incitação de Che Guevara pela multiplicação da subversão vietcongue, ao perceber o papel do teatro na “abertura de uma série de Vietnãs no campo da cultura – uma guerra contra a cultura oficial, de consumo fácil”.[1]

Zé Celso compõe essa geração que pensou-sonhou e tentou concretizar um brazyl – com/o Cacilda, Celso Furtado, Darcy, Guerreiro Ramos, Glauber… A descolonização como conduta e ética de sua vida-obra e a antropofagia como confluência e inspiração dessas experimentações subversivas, numa efervescência político-cultural que vai ser duramente golpeada em 1964 pelos militares e a classe dominante e novamente no fim de 1968 com o AI-5.

O Oficina viveu o maio parisiense de 68 com O Rei da Vela e na sequência, no Brasil, incendiaram a cena com Roda Viva, que será reprimida pelos grupos de extrema direita e proibida pela censura. Após prisão e tortura, Zé Celso habitará a Revolução dos Cravos em Lisboa e a celebração da vitória da independência em Maputo em 1974-1975. Mergulhou também no sertão e encenou o abolicionista Antônio Conselheiro na comuna-Canudos.

Nesse século não cessou de insistir na direção político-existencial dos povos indígenas e quilombolas e é nesses termos que vai compreender o embate entre Oficina e Grupo Silvio Santos. Como ocorre com os povos da terra e nas múltiplas ocupações na cidade e no campo, se escancara a incompatibilidade dos seus modos de vida com o universo capitalista, encenada recorrentemente na deglutição do inimigo, na radical sabedoria de se lidar com o antagônico.

Parque do Bixiga contra as fálicas torres e o projeto monocultural do Grupo SS. Nessa semana que foi a mais quente já registrada na história só se reforça a urgente atualidade de reavivar as águas e matas da cidade, inclusive em seu centro. A infraestrutura marxista ampliada, da economia para a vida.[2] Um teatro-rua, teatro-pista, teatro-multidão, teatro-carnaval, do janelão de vidro em sua conexão com a cidade, atravessado pela cesalpina, árvore totem – que nasce dentro do teatro de Lina e vai pra fora. O transbordar de uma cosmopolítica; terra e democracia sendo semeadas.[3] Zé Celso, nesses últimos meses, estava mergulhado na dramaturgia de A queda do céu de Davi Kopenawa e Bruce Albert, planejando o trabalho inédito com indígenas.

Zé Celso era de marcante generosidade com os jovens,[4] o Oficina lançando para o mundo inúmeras atrizes, atores e artistas. Sempre atento às novas irrupções – as incluindo a toda hora nas peças, em transformação permanente –, foi pioneiro, na linha do bárbaro tecnicizado de Oswald de Andrade, na filmagem e transmissão dos espetáculos. Em entrevista nas semanas seguintes às revoltas de junho de 2013, com a brasa ainda quente, Zé Celso situa a virada nos termos de uma retomada de “um espírito de aqui e agora, uma coisa que é ‘1968’. “Em duas semanas, o Brasil mudou. Tudo mudou, e tudo tem que mudar”.

Vai, ainda, pescar a dimensão subversiva dos vinte centavos e da proposta geral do MPL como “uma metáfora para o passe livre de tudo, inclusive do teatro”. E encara os protestos como um coro; não “os coros de musical americano, de levantar a perna na hora certa. São coros como o futebol, de indivíduos que jogam, que entram em contato com o público”.

Invocando Antonin Artaud e um panteão do teatro, diz “incentivar o poder humano neles, de se autocoroarem. De cada pessoa emanar o seu poder. Teatro é democracia direta. Instantanérrima”. Em contraposição a “todas as catracas, as jaulas, as coisas que fecham, você̂ tem que ir driblando, driblando, driblando para emergir, dar o que você̂ sabe e receber dos que sabem, dos que estão sabendo agora”.[5]

“Venho de uma coisa muito anterior a mim mesmo”, dizia ao ser perguntando sobre o futuro do Oficina e invocando Dioniso e Eros.[6] Pelo Zé Celso e pelo bairro (a bandeira do Vai-Vai cobrindo belamente seu caixão), devemos conquistar o Parque do Bixiga. A comuna-Oficina seguirá, mutação de apoteose, como um laboratório da felicidade guerreira de corpos elétricos no terreyro eletrônico. Vai re-exisitir, puxada pelas bacantes, nessa dimensão recorrentemente colocada por Zé Celso de “um trabalho de libertação, inclusive de si mesmo” que se conjuga ao “sentido de libertar a força de produção que todo mundo tem e, com a soma dessa força de produção, rebentar as relações de produção velhas que estão te reprimindo”, constituindo assim “o movimento revolucionário”.[7]

Exu das artes cênicas (honraria dada por Mãe Stella de Oxóssi), sai de cena miticamente com o fogo, como Sara Antunes tão bem colocou. Em toda sua existência Zé Celso professou e exerceu o luxo comunal, da classe que produz e cria (o emblema do Oficina sendo a bigorna), no ofício (e sacerdócio) teatral, nos amores e no modesto apartamento compartilhado. A beleza da vida coletiva.

*Jean Tible é professor de ciência política na USP. Autor, entre outros livros, de Política selvagem (Glac edições & n-1 edições).

Publicado originalmente na revista Democracia socialista.

Notas


[1] José Celso Martinez Corrêa. “O poder de subversão da forma (por Tite Lemos)” (1968) em Karina Lopes e Sergio Cohn (orgs). Zé Celso Martinez Corrêa (Rio de Janeiro, Azougue, 2008, p. 16).

[2] “A natureza é a infraestrutura da vida”, uma entrevista com José Celso Martinez Corrêa (por Hugo Albuquerque, James Hermínio e Gregorio Gananian): https://jacobin.com.br/2023/07/a-natureza-e-a-infraestrutura-da-vida/

[3] Vale ver a conversa “a voz dos que cultivam a terra” com Sonia Guajajara, Guilherme Boulos e Zé Celso ocorrida em junho de 2016 no Oficina: https://www.youtube.com/watch?v=_rf89zFaNT8

[4] Eu mesmo vivi isso. Quando fui lançar, em 2013, o livro Marx selvagem me veio a sensação de que o único lugar adequado era o Oficina. Conhecia Zé das peças e de manifestações, mas nunca havíamos conversado. Ele se entusiasmou e daí começou uma amizade-amor. O lançamento foi filmado e termina com uma linda fala dele, seguida de ciranda: https://www.youtube.com/watch?v=kdhQhqxZYTQ. Meu livro seguinte, Política selvagem, lançado no ano passado é dedicado a oito mestres – zé é um desses.

[5] “Entrevista com Zé Celso Martinez (por Daniel DOUEK)” (Centro de Pesquisa e Formação, SESC São Paulo, 12 de julho de 2013). Disponível em: https://centrodepesquisaeformacao.sescsp.org.br/noticias/entrevista-com-ze-celso-martinez. “‘Tenho muita libido, muito amor e sei levar ao êxtase’, diz Zé Celso aos 80” (entrevista por Iara Biderman) (Folha de S. Paulo, 18 de janeiro de 2018).

[6] Entrevista no Roda Viva, TV Cultura, em 2004: https://www.youtube.com/watch?v=9t2yIooPHbQ

[7] “A volta de Zé Celso” (por Heloísa Buarque de Hollanda e Carlos Alberto M. Pereira) (1979) em Karina Lopes e Sergio Cohn (orgs.). Zé Celso Martinez Corrêa (Rio de Janeiro, Azougue, 2008, p. 88).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Mariarosaria Fabris Heraldo Campos Atilio A. Boron Eleonora Albano Leonardo Sacramento Boaventura de Sousa Santos Jean Pierre Chauvin Slavoj Žižek Tales Ab'Sáber José Dirceu Airton Paschoa Fernão Pessoa Ramos Flávio Aguiar Renato Dagnino Rubens Pinto Lyra Leonardo Avritzer Dênis de Moraes João Carlos Loebens Anselm Jappe Valerio Arcary José Raimundo Trindade Caio Bugiato Luiz Eduardo Soares Eleutério F. S. Prado Fernando Nogueira da Costa Roberto Noritomi Ronald León Núñez Luiz Werneck Vianna Ricardo Antunes Salem Nasser Kátia Gerab Baggio Thomas Piketty Plínio de Arruda Sampaio Jr. Maria Rita Kehl Vladimir Safatle Eliziário Andrade Luiz Renato Martins Sandra Bitencourt Fábio Konder Comparato Andrew Korybko Julian Rodrigues Valério Arcary Ari Marcelo Solon Daniel Brazil João Lanari Bo Afrânio Catani Francisco de Oliveira Barros Júnior Francisco Pereira de Farias Lincoln Secco Remy José Fontana Alexandre de Lima Castro Tranjan Denilson Cordeiro Érico Andrade Lucas Fiaschetti Estevez Berenice Bento Manuel Domingos Neto Ricardo Fabbrini Alexandre de Freitas Barbosa Everaldo de Oliveira Andrade Ladislau Dowbor Gabriel Cohn Alexandre Aragão de Albuquerque Celso Favaretto Manchetômetro Marjorie C. Marona Jean Marc Von Der Weid Chico Whitaker Elias Jabbour Luiz Carlos Bresser-Pereira Otaviano Helene Luiz Roberto Alves Vanderlei Tenório Ricardo Musse Luis Felipe Miguel Gilberto Maringoni Daniel Costa Carla Teixeira Liszt Vieira Eduardo Borges Marilia Pacheco Fiorillo Henri Acselrad Marcus Ianoni José Costa Júnior Jorge Branco Francisco Fernandes Ladeira Antonio Martins Armando Boito Igor Felippe Santos André Singer Walnice Nogueira Galvão Ronaldo Tadeu de Souza Rodrigo de Faria Antônio Sales Rios Neto Paulo Fernandes Silveira Vinício Carrilho Martinez Ricardo Abramovay Luciano Nascimento Marilena Chauí Paulo Nogueira Batista Jr Juarez Guimarães Flávio R. Kothe Leda Maria Paulani Bento Prado Jr. José Machado Moita Neto Sergio Amadeu da Silveira Claudio Katz Tadeu Valadares João Adolfo Hansen Eugênio Bucci Mário Maestri Marcelo Guimarães Lima João Paulo Ayub Fonseca Luiz Marques Carlos Tautz José Geraldo Couto Annateresa Fabris Marcos Aurélio da Silva João Sette Whitaker Ferreira Luiz Costa Lima Anderson Alves Esteves Luiz Bernardo Pericás João Feres Júnior Bruno Machado Lorenzo Vitral José Micaelson Lacerda Morais Tarso Genro Celso Frederico Bernardo Ricupero Dennis Oliveira José Luís Fiori Luís Fernando Vitagliano Yuri Martins-Fontes Priscila Figueiredo João Carlos Salles Marcelo Módolo Paulo Martins Henry Burnett Chico Alencar Paulo Sérgio Pinheiro Gilberto Lopes Benicio Viero Schmidt Roberto Bueno Antonino Infranca Bruno Fabricio Alcebino da Silva André Márcio Neves Soares Jorge Luiz Souto Maior Paulo Capel Narvai Eugênio Trivinho Ronald Rocha Marcos Silva Gerson Almeida Michael Roberts Leonardo Boff Daniel Afonso da Silva Alysson Leandro Mascaro Samuel Kilsztajn Osvaldo Coggiola Michael Löwy Rafael R. Ioris Milton Pinheiro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada