Carta ao cidadão Lula

Imagem: Kaique Rocha
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ DE PAULA RAMOS JR.*

Considerações sobre a conjuntura atual e treze sugestões para um eventual governo Lula

Segundo estudo da FGV, o próximo governo herdará o prejuízo fiscal de R$ 430 bilhões. Quase 6% do PIB. Só esse dado dá dimensão ao verdadeiro descalabro na gestão da economia do governo Bolsonaro, que ostenta índice de cerca de 11% de desemprego e empurrou para a miséria e a fome milhões de brasileiros, que chegam a buscar comida no lixo. A inflação atingiu dois dígitos, com a consequente corrosão da renda das famílias e o rebaixamento da qualidade de vida.

No âmbito da educação, assistimos perplexos a troca de ministros problemáticos à frente do MEC. O primeiro foi Ricardo Vélez Rodriguez, seguidor do charlatão Olavo de Carvalho. Nos três meses em que ocupou a pasta, sua gestão ficou marcada com a proposta de reescritura dos livros de história para caracterizar o golpe de estado de 1964 como um “contragolpe” para barrar o comunismo.

Desgastado por atritos com os militares, foi substituído por Abraham Weintraub, também discípulo de Olavo de Carvalho, que permaneceu à frente do MEC por um ano e dois meses. Nesse período, envolveu-se com polêmicas. Foi responsável por questionamentos sobre o Enem de 2019 e tentou interferir na nomeação de reitores nas universidades federais. Extrapolando suas funções, participou de atos contra o STF chamando seus membros de “vagabundos”, além de propor a prisão de alguns deles e pedir o fechamento do Congresso.

Foi substituído por Carlos Decotelli, que não chegou a assumir, pois revelou-se a tempo o plágio em sua dissertação de mestrado e a mentira de seu currículo, segundo o qual seria doutor pela Universidade de Rosário (Argentina) e pós-doutorado pela Universidade de Wuppertal (Alemanha), títulos negados pelas instituições. Bolsonaro anunciou, então, o nome do pastor evangélico Milton Ribeiro para o MEC. Sua gestão durou dezoito meses e foi marcada por declarações que levaram a Procuradoria-Geral da República a denunciá-lo ao STF por crime de homofobia. Posicionou-se contra a convivência de crianças com deficiência nas escolas e foi alvo de acusações que levaram a Polícia Federal a abrir inquérito para apurar corrupção, tráfico de influência e prevaricação em sua gestão. Vários servidores do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) demitiram-se alegando gestão inoperante, assédio moral e ingerência indevida na autarquia. Exonerado da pasta, Milton Ribeiro chegou a ser preso.

No âmbito político-militar, Jair Bolsonaro é pivô de uma crise inaudita na história da República. O então ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, foi demitido por se negar a desrespeitar a Constituição, tal como desejava Bolsonaro. Na sequência desse episódio, os comandantes do Exército (general Edson Leal Pujol), da Marinha (almirante Ilques Barbosa) e da Aeronáutica (brigadeiro Antônio Carlos Bermudez) apresentaram suas renúncias, em solidariedade ao exonerado ministro da Defesa.

Em contraponto, militares dóceis a Bolsonaro são contemplados com remunerações de supersalários, como é o caso do almirante Bento de Albuquerque, que recebeu em dois meses de 2020 mais de um milhão de reais brutos. O general Walter Braga Netto, atual candidato à vice-presidência da República, auferiu recentemente mais de R$ 900.000,00. Mas esses não são casos isolados. Há uma multidão de militares que auferem supersalários, o que vem a ser um escárnio a milhões de brasileiros com renda de um salário mínimo.

O garimpo ilegal, principalmente na Amazônia, devasta os rios, poluídos com mercúrio. O devastamento das florestas alcançou índices recordes, com a multiplicação de madeireiras ilegais e queimadas criminosas. Extensões equivalentes à área do estado de São Paulo tornam-se terras arrasadas.

Porém, entre outros malefícios do (des)governo Bolsonaro, avulta o descaso com a saúde da população em tempos de pandemia do coronavírus. Declarações e ações contra a vacinação da população. O presidente ostenta que não se vacinou e faz a propaganda de remédios ineficazes como a cloroquina. Com quase 700.000 (setecentos mil) vítimas do coronavírus, é inegável a responsabilidade de Jair Bolsonaro perante esse índice, que levou parte da opinião pública a chamá-lo genocida.

Nunca se imaginou que o Brasil fosse vilipendiado pelo próprio presidente da República, como ocorreu na reunião com embaixadores de vários países. Seu ataque às urnas eletrônicas, louvado internacionalmente como um modelo, vem a ser uma vergonha perante a comunidade internacional, que se pronunciou adversa ao discurso do presidente. Nunca o Brasil esteve tão esculhambado perante o concerto das nações.

Cidadão Lula, em face de tanto descalabro e tanta vergonha, e na hipótese de que vença a eleição para a presidência da República, neste ano de 2022, creio que você terá a rara oportunidade de entrar para a história do Brasil como um grande estadista. Para isso, deverá enfrentar com coragem e competência enormes desafios. Nesse sentido e a título de colaboração faço, singelamente, treze sugestões, entre outras que possam ser feitas.

(1) Que nos quatro anos de mandato o Brasil cumpra a meta de 100% de tratamento de esgoto. O saneamento pode ser entendido como medicina preventiva, em benefício de milhões de pessoas, que em muito aliviaria os custos do SUS.

(2) Aporte material de recursos para que o SUS apresente um serviço de qualidade e excelência.

(3) Destinação de 20% do PIB para a educação, com valorização da profissão de professor cujo piso salarial deve ser, no mínimo (já em 2023), R$ 8.000,00 (oito mil reais) por uma jornada de quarenta horas semanais: vinte horas por exercício de magistério em sala de aula e vinte horas dedicadas a estudo, preparação de aulas, preparação e avaliação de provas e trabalhos discentes, entre outros trabalhos pedagógicos.

(4) Destinação de, ao menos, 5% do PIB para a pesquisa científica e a tecnologia nas três grandes áreas de conhecimento: humanidades, exatas e biológicas.

(5) Criação de um Ministério dedicado à agricultura, pecuária e pesca, com políticas que favoreçam tais atividades.

(6) Ativação de um Ministério dedicado à indústria e ao comércio, com políticas de incentivo ao desenvolvimento e à geração de empregos formais.

(7) Taxação de grandes fortunas e implementação de políticas públicas que diminuam as disparidades sociais e favoreçam a geração de empregos formais.

(8) Extinção do serviço militar obrigatório, com a profissionalização das Forças Armadas.

(9) Forte investimento no transporte ferroviário.

(10) Fortalecimento do IBAMA para uma radical defesa da biosfera (ecosfera), em combate ao desmatamento, às queimadas e ao aquecimento global.

(11) Investimento em formas renováveis de energia e, especialmente, construção de usinas nucleares, melhor solução energética limpa.

(12) Reforma política, com adoção do voto distrital misto e cláusulas de restrição à abundância de partidos políticos inexpressivos.

(13) Defesa intransigente do Estado Democrático de Direito.

*José de Paula Ramos Jr. é professor do Departamento de Jornalismo e Editoração da ECA-USP. Autor de Leituras de Macunaíma: Primeira Onda (1928-1936) (Edusp).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre Aragão de Albuquerque José Machado Moita Neto Remy José Fontana Claudio Katz Paulo Sérgio Pinheiro Bento Prado Jr. Elias Jabbour Francisco Pereira de Farias Celso Frederico Vanderlei Tenório Eugênio Bucci Mário Maestri Ricardo Antunes Michel Goulart da Silva Ronaldo Tadeu de Souza José Dirceu João Paulo Ayub Fonseca Valerio Arcary Dennis Oliveira Marilena Chauí Manuel Domingos Neto Gilberto Maringoni Igor Felippe Santos Michael Roberts Leda Maria Paulani Anderson Alves Esteves Afrânio Catani Gerson Almeida Antonino Infranca Renato Dagnino Ladislau Dowbor Maria Rita Kehl Eleonora Albano Osvaldo Coggiola Sergio Amadeu da Silveira Marilia Pacheco Fiorillo Celso Favaretto Paulo Fernandes Silveira Walnice Nogueira Galvão Salem Nasser Luís Fernando Vitagliano Jorge Branco João Carlos Salles Ricardo Abramovay Marcelo Módolo Liszt Vieira Paulo Capel Narvai Tales Ab'Sáber Ricardo Fabbrini Daniel Afonso da Silva Ronald Rocha Vinício Carrilho Martinez André Márcio Neves Soares Luciano Nascimento Francisco de Oliveira Barros Júnior Andrew Korybko Luiz Bernardo Pericás Chico Whitaker Gilberto Lopes Bruno Machado Luiz Werneck Vianna Leonardo Boff Manchetômetro Airton Paschoa Gabriel Cohn Armando Boito Paulo Martins Marcus Ianoni Andrés del Río Atilio A. Boron José Costa Júnior Alysson Leandro Mascaro Luiz Eduardo Soares Priscila Figueiredo João Lanari Bo Alexandre de Lima Castro Tranjan Matheus Silveira de Souza Luiz Carlos Bresser-Pereira Yuri Martins-Fontes Rubens Pinto Lyra Marcelo Guimarães Lima Ari Marcelo Solon Tarso Genro João Sette Whitaker Ferreira Boaventura de Sousa Santos Fábio Konder Comparato Henry Burnett Chico Alencar Ronald León Núñez Jean Pierre Chauvin Jean Marc Von Der Weid Leonardo Avritzer Daniel Brazil José Geraldo Couto Michael Löwy Vladimir Safatle João Feres Júnior Rodrigo de Faria José Raimundo Trindade Alexandre de Freitas Barbosa Sandra Bitencourt João Adolfo Hansen Marjorie C. Marona Julian Rodrigues Luiz Marques Ricardo Musse Eduardo Borges Daniel Costa Fernão Pessoa Ramos João Carlos Loebens Everaldo de Oliveira Andrade Antônio Sales Rios Neto Annateresa Fabris Dênis de Moraes Samuel Kilsztajn Kátia Gerab Baggio Francisco Fernandes Ladeira Valerio Arcary Milton Pinheiro Eugênio Trivinho Otaviano Helene Denilson Cordeiro Flávio Aguiar Plínio de Arruda Sampaio Jr. Heraldo Campos Eleutério F. S. Prado Carlos Tautz Marcos Aurélio da Silva Berenice Bento Flávio R. Kothe Leonardo Sacramento Lincoln Secco Henri Acselrad Carla Teixeira Jorge Luiz Souto Maior Caio Bugiato Rafael R. Ioris José Micaelson Lacerda Morais Slavoj Žižek Lucas Fiaschetti Estevez Marcos Silva Tadeu Valadares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Érico Andrade Eliziário Andrade Mariarosaria Fabris Luiz Renato Martins Juarez Guimarães Lorenzo Vitral Luiz Roberto Alves Antonio Martins André Singer Benicio Viero Schmidt Luis Felipe Miguel Thomas Piketty Bernardo Ricupero Fernando Nogueira da Costa Anselm Jappe Paulo Nogueira Batista Jr José Luís Fiori

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada