Os crimes de guerra em Gaza

Área residencial bombardeada em Gaza por Israel / Reprodução Telegram
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Se não articularmos razão e sensibilidade, mente e coração, dificilmente nos movemos para defender quem está sendo sacrificado e martirizado

Em pleno século XXI estamos assistindo àquilo que foi chamada “a era da guerra eterna” levada a efeito particularmente pelos Estados Unidos da América em todas as partes onde seu domínio sobre o mundo todo é colocado em xeque. Vivem a ideologia do “destino manifesto” de serem “o novo povo de Deus”, para levarem ao mundo a democracia (burguesa), os direitos humanos (individuais, esquecendo os sociais e ecológicos) e o valor supremo do indivíduo (base da acumulação capitalista). Nessa crença sustentam a ferro e fogo a unipolaridade consoante o motto: “um só mundo-um só império”, o deles. Farão guerra para impedir a multipolaridade.

Enquanto estamos escrevendo, está acontecendo um massacre cruel de todo um povo, o palestino da Faixa de Gaza, denunciado como um verdadeiro genocídio, perpetrado sob o sionista Benjamin Netanyhau, com o incondicional apoio dos USA. Está operando a razão ensandecida sem nenhum coração e sem sensibilidade humana, exercendo sua lógica fria e sem quaisquer escrúpulos e limites éticos.

Sabemos que a razão sensível e cordial é mais ancestral que a razão pensante. A primeira surgiu há 125 milhões de anos quando, no processo da evolução, irromperam os mamíferos com o assim chamado cérebro límbico, sede do mundo dos afetos e da cordialidade. A fêmea ao dar à luz se enche de cuidados e de sensibilidade para com a sua cria. Nós seres humanos esquecemos que somos mamíferos racionais, portanto, portadores de sensibilidade, de cuidado, de afeto e de amor. Tal fato pertence ao DNA de nossa natureza. Somente a partir de 7-8 milhões de anos atrás, formou-se o cérebro neocortical, base do pensamento e da racionalidade conceptual. Apenas nos últimos 100 mil anos emergiu o homo sapiens sapiens do qual somos herdeiros.

Note-se que o mais ancestral não é o logos, mas o pathos, a razão emocional, cordial e sensível. Somos seres racionais, mas assentado sobre o universo dos afetos, da sensibilidade, numa palavra: a mente lança raízes no coração. Neste vivem os grandes valores que nos orientam, como o amor, a empatia, a amizade e a compaixão. Como afirmava um representante da etnia Pueblo do Novo México (USA) ao grande psicanalista C. G. Jung que os visitou: “vocês são loucos porque presumem que pensam com a cabeça. Nós, no entanto, pensamos com o coração”. Esta resposta fez o grande psicanalista mudar sua percepção da psiqué humana que ele tanto estudava. Jung entendeu o porquê os europeus conquistaram o mundo pela violência e pelas guerras: porque usaram só a cabeça sem o coração. Haviam perdido a dimensão da sensibilidade e da compaixão. Por isso cometeram o maior holocausto da história. Em menos de 50 anos, consoante a pesquisa mais recente de Marcelo Grondin e Moema Viezzer (Abya Yala, genocídio dos povos originários das Américas) eliminaram cerca de 61 milhões de habitantes das Américas a (os USA a partir de 1607). Foi o nosso esquecido Holocausto, o maior da história.

O drama do homem atual é ter perdido a capacidade de sentir o outro como seu semelhante, de viver um sentimento de pertença à mesma humanidade, coisa que as religiões e as éticas humanitárias sempre ensinaram. O que se opõe à religião não é o ateísmo ou a negação de Deus. O que se opõe, é a incapacidade de ligar-se e religar-se com os diferentes e com a natureza com um laço de afeto e de reconhecimento. Hoje, um grande número de pessoas estão desenraizadas, desconectadas dos seus semelhantes humanos, da natureza e da Mãe Terra. Na linguagem de Jung recalcaram a dimensão da anima que responde pela expressão da sensibilidade, do cuidado, da relacionalidade com os outros e com a espiritualidade.

Se não articularmos razão e sensibilidade, mente e coração, dificilmente nos movemos para defender quem está sendo sacrificado e martirizado como as mais de 10500 crianças assassinadas e mais de 1500 sob os escombros dos ataques aéreos e terrestres por parte do exército do insensível e sem coração Benjamin Netanyhau.

A mera razão analítico-instrumental não acompanhada da inteligência emocional se torna irracional e insana a ponto de praticar o Holocausto de 6 milhões de judeus pelos nazistas e os 61 milhões de representantes de nossos povos originários.

Uma ciência com consciência, cuidadosa, sensível a tudo o que existe e vive que une mente e coração é pré-condição para evitarmos massacres e o genocídio como estamos assistindo na Faixa de Gaza. Além do mais, garantiremos que não vamos nos devorar mutuamente e salvaguardaremos a vitalidade do planeta Terra. Caso contrário, ele pode continuar, girando ao redor do sol, mas sem nós.

Leonardo Boff é teólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de  Direitos do coração (Paulus).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vladimir Safatle Claudio Katz Francisco Fernandes Ladeira Francisco Pereira de Farias João Feres Júnior Ronald León Núñez Luis Felipe Miguel Annateresa Fabris Carlos Tautz Mário Maestri José Luís Fiori João Adolfo Hansen Rafael R. Ioris Osvaldo Coggiola Eduardo Borges Manchetômetro Priscila Figueiredo Francisco de Oliveira Barros Júnior Antonino Infranca José Geraldo Couto José Raimundo Trindade Lorenzo Vitral Boaventura de Sousa Santos Ronald Rocha Paulo Fernandes Silveira José Costa Júnior Marjorie C. Marona Michel Goulart da Silva André Márcio Neves Soares Ricardo Abramovay Berenice Bento Fernão Pessoa Ramos Celso Frederico Alysson Leandro Mascaro Jorge Luiz Souto Maior Vinício Carrilho Martinez José Machado Moita Neto Marilena Chauí Walnice Nogueira Galvão Yuri Martins-Fontes Michael Löwy Remy José Fontana Eugênio Trivinho João Carlos Salles Valerio Arcary Renato Dagnino Chico Whitaker Kátia Gerab Baggio Afrânio Catani Fábio Konder Comparato Carla Teixeira Celso Favaretto Marcus Ianoni Maria Rita Kehl Rodrigo de Faria Paulo Sérgio Pinheiro Sergio Amadeu da Silveira Daniel Costa Tadeu Valadares Luiz Roberto Alves Luiz Renato Martins Érico Andrade Andrew Korybko Paulo Martins Thomas Piketty Samuel Kilsztajn Luciano Nascimento Luiz Eduardo Soares Leonardo Sacramento João Lanari Bo Chico Alencar Milton Pinheiro Atilio A. Boron Antonio Martins Gabriel Cohn Dênis de Moraes Dennis Oliveira Flávio Aguiar Gilberto Lopes Ricardo Musse Liszt Vieira Gilberto Maringoni Alexandre Aragão de Albuquerque Armando Boito Bruno Machado Eleutério F. S. Prado Fernando Nogueira da Costa Sandra Bitencourt Juarez Guimarães Caio Bugiato Marcos Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marilia Pacheco Fiorillo Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Marques Eleonora Albano Slavoj Žižek Lincoln Secco Leda Maria Paulani Otaviano Helene Ricardo Antunes Antônio Sales Rios Neto Eliziário Andrade Elias Jabbour Heraldo Campos Jean Pierre Chauvin Manuel Domingos Neto Anderson Alves Esteves Eugênio Bucci Anselm Jappe Benicio Viero Schmidt Salem Nasser Jean Marc Von Der Weid Gerson Almeida Bernardo Ricupero José Dirceu Ricardo Fabbrini Ladislau Dowbor Marcos Aurélio da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Tales Ab'Sáber Jorge Branco Lucas Fiaschetti Estevez Ronaldo Tadeu de Souza João Paulo Ayub Fonseca Mariarosaria Fabris Ari Marcelo Solon Paulo Capel Narvai Luís Fernando Vitagliano Denilson Cordeiro Leonardo Boff Andrés del Río Luiz Werneck Vianna Marcelo Guimarães Lima Luiz Bernardo Pericás Henry Burnett José Micaelson Lacerda Morais Michael Roberts Matheus Silveira de Souza André Singer João Sette Whitaker Ferreira Valerio Arcary Airton Paschoa Igor Felippe Santos Marcelo Módolo Vanderlei Tenório Daniel Afonso da Silva João Carlos Loebens Rubens Pinto Lyra Bento Prado Jr. Alexandre de Freitas Barbosa Everaldo de Oliveira Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Julian Rodrigues Tarso Genro Henri Acselrad Luiz Carlos Bresser-Pereira Leonardo Avritzer Flávio R. Kothe Daniel Brazil

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada