Homenagem a Wilson Cano

Imagem: Elyser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Luiz Gonzaga Belluzzo*

Depoimento sobre o professor e economista Wilson Cano, falecido em 03 de abril de 2020.

No departamento de economia da Unicamp

Corria o Ano de 1966. Nos tempos e contratempos da ditadura civil-militar, o então Secretário de Educação do Município de São Paulo, Fausto Castilho, cuidou de convocar para terras paulistanas o Curso de Desenvolvimento Econômico da Cepal/Ilpes. Era um “intensivão”, aulas o dia inteiro, uma prova atrás da outra. Wilson deu aula de projetos. Quando o curso terminou o Antônio Barros de Castro, magnífico professor, disse para o Wilson Cano: “você vai para a Cepal”. Wilson topou. Então, uma decisão temerária: me convidou para substituí-lo na Universidade Católica.

Em 1967 surgiu o convite do reitor Zeferino Vaz, através do Fausto Castilho. Estávamos convocados criar o departamento de Planejamento Econômico. O Zeferino tinha um espírito muito criativo e inovador. Embarcamos na aventura, João Manuel Cardoso de Mello, Fausto Castilho, Ferdinando Figueiredo Lucas Gamboa, Osmar Marchese, Éolo Pagnani, o nosso Wilson Cano e eu. Fundamos o Departamento de Economia e Planejamento Econômico, o DEPE. Depois tornou-se DEPES – Planejamento Econômico e Social, na UNICAMP. O Zeferino teve a coragem de entregar isso a garotos de idade entre 24 e os 30 anos de Wilson, fora os 40 ou quase do decano Ferdinando Figueiredo.

Chegaram depois, já nos anos 1970, Maria da Conceição Tavares, Carlos Lessa, Antonio Barros de Castro Castro, Luciano Coutinho, José Carlos de Souza Braga, Liana Aureliano, Carlos Alonso Barbosa de Oliveira, Paulo Baltar, Jorge Miglioli, Sérgio Silva. Um pouco mais tarde, o grande amigo dos amigos, Frederico Mazzuchelli. Juntos tivemos a ventura de assistir ao desenvolvimento intelectual e físico da Unicamp. Acompanhamos todo o crescimento da Unicamp e a transformação da universidade no que é hoje. Tivemos a ventura de ver nascer, crescer, se desenvolver, se diferenciar. Eu falo nós porque fomos nós mesmos. Eu não gosto de falar na primeira pessoa porque não é o caso e nem a verdade.

A obra de Wilson Cano

Homenagear meu amigo exige examinar e celebrar a obra coletiva que ajudou a construir.

O trabalho intelectual desenvolvido no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, pelos professores fundadores do DEPES, sempre foi coletivo. As teses foram discutidas coletivamente, tanto as de doutoramento como as de livre-docência. Havia um ambiente de debate muito intenso dentro do instituto, e as teses foram todas feitas em torno desses dois temas: o desenvolvimento do capitalismo contemporâneo e a situação da economia brasileira nesse processo. Nenhuma das pesquisas, na verdade, escapou desse marco. Entre elas estava o livro de Wilson que considero um exemplo impecável do pensamento cepalino-unicampista: Raízes da concentração industrial em São Paulo (Difel, 1977).

Sua obra é vasta e sua visão esteve sempre concentrada nas questões que incomodam os pensadores dedicados à investigação da trajetória brasileira nos marcos dos movimentos do capitalismo global. Wilson, sem dúvida, é, sim, um dos principais arquitetos do “pensamento da Unicamp”. Certamente ele concordaria que precisamos ser mais modestos. O que temos é uma linha de investigação que singularizou, ao longo da história, o Instituto de Economia. Essa linha, digamos, mais influenciada pelo paradigma da economia política, da história econômica e social, nos levou ao debate público.

Na verdade, até hoje, os vários núcleos do Instituto de Economia continuam desenvolvendo essas linhas de pesquisa. Nossa abordagem é – e sempre foi – histórico-teórica, um esforço de revisão deve ser permanente. Não cristalizamos uma matriz teórica definitivamente, a não ser a orientação geral de que a economia é uma ciência histórica, social e moral. Portanto, a teoria está sempre sujeita aos efeitos e às influências da mudança nas condições em que ocorre a vida econômica. Rejeitamos essa ideia de que nós temos uma matriz teórica imutável, a partir da qual possam ser explicadas todas as transformações que ocorrem no capitalismo e na sociedade contemporânea.

Uma estória talvez ajude a compreender a aventura coletiva. Em 1973 organizamos na Universidade o seminário Desenvolvimento e Progresso Técnico. Convidamos vários professores do exterior: Paolo Sylos Labini, Josef Steindl, Vladimier Brus, Edward Nell. Na sessão de encerramento, os estrangeiros foram para a mesa. Ficamos sentados nas primeiras fileiras: Antonio Barros de Castro, João Manuel Cardoso Mello, Ferdinando, Wilson Cano e eu. Na mesa, Zeferino cochichou algo para o Labini. Labini começou a rir e não sabíamos por quê. Encerrado o seminário, o convidei para jantar em São Paulo na Baiuca. Perguntei por que era tão divertido o que havia dito o reitor. Labini me contou às gargalhadas: “Está vendo aqueles ali? São todos comunistas, mas são bons”.

*Luiz Gonzaga Belluzzo é professor titular do Instituto de Economia (IE) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). É autor, entre outros livros, de A escassez na abundância capitalista (Contracorrente).

Artigo publicado originalmente no Jornal GGN.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bento Prado Jr. Rubens Pinto Lyra Eleonora Albano Gabriel Cohn Marcos Aurélio da Silva Jean Marc Von Der Weid Chico Whitaker Paulo Sérgio Pinheiro Yuri Martins-Fontes Manchetômetro Fernão Pessoa Ramos Vanderlei Tenório Paulo Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Avritzer Bernardo Ricupero Ricardo Abramovay Ricardo Antunes Matheus Silveira de Souza Tarso Genro Caio Bugiato José Dirceu Gilberto Lopes Antonio Martins Antônio Sales Rios Neto João Sette Whitaker Ferreira José Raimundo Trindade Ronald León Núñez Daniel Brazil Anderson Alves Esteves Celso Favaretto José Costa Júnior Denilson Cordeiro Walnice Nogueira Galvão Henry Burnett Lorenzo Vitral Benicio Viero Schmidt Samuel Kilsztajn Thomas Piketty Eliziário Andrade Carla Teixeira Milton Pinheiro Claudio Katz Eleutério F. S. Prado Luiz Bernardo Pericás Luiz Roberto Alves Heraldo Campos Juarez Guimarães Everaldo de Oliveira Andrade Fábio Konder Comparato Michael Roberts Carlos Tautz José Machado Moita Neto Osvaldo Coggiola Manuel Domingos Neto Rodrigo de Faria João Adolfo Hansen Luis Felipe Miguel Otaviano Helene Paulo Fernandes Silveira Flávio R. Kothe Marilia Pacheco Fiorillo Andrew Korybko Chico Alencar Marcelo Guimarães Lima Fernando Nogueira da Costa Alysson Leandro Mascaro Atilio A. Boron Vladimir Safatle Ricardo Musse Priscila Figueiredo Renato Dagnino Érico Andrade Marilena Chauí Kátia Gerab Baggio Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Costa Leda Maria Paulani Remy José Fontana Ari Marcelo Solon Gerson Almeida Marcus Ianoni João Lanari Bo Anselm Jappe Berenice Bento Marcelo Módolo Mário Maestri Maria Rita Kehl Afrânio Catani Andrés del Río Celso Frederico Michael Löwy João Carlos Salles Slavoj Žižek Tales Ab'Sáber Sandra Bitencourt Luiz Werneck Vianna Tadeu Valadares Eduardo Borges José Geraldo Couto André Singer Dênis de Moraes Boaventura de Sousa Santos Michel Goulart da Silva Vinício Carrilho Martinez Marcos Silva Luiz Renato Martins Gilberto Maringoni Valerio Arcary Paulo Capel Narvai Flávio Aguiar Dennis Oliveira Lincoln Secco Eugênio Bucci Rafael R. Ioris Daniel Afonso da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Elias Jabbour Ladislau Dowbor Francisco de Oliveira Barros Júnior Annateresa Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Nogueira Batista Jr Antonino Infranca Lucas Fiaschetti Estevez Jorge Luiz Souto Maior Luciano Nascimento José Luís Fiori Leonardo Boff Igor Felippe Santos Armando Boito João Paulo Ayub Fonseca Valerio Arcary Jean Pierre Chauvin Luiz Marques Luiz Eduardo Soares Leonardo Sacramento Salem Nasser José Micaelson Lacerda Morais André Márcio Neves Soares Marjorie C. Marona Ronald Rocha Ronaldo Tadeu de Souza Henri Acselrad Eugênio Trivinho Luís Fernando Vitagliano Plínio de Arruda Sampaio Jr. Francisco Pereira de Farias Bruno Machado Sergio Amadeu da Silveira Mariarosaria Fabris João Feres Júnior João Carlos Loebens Ricardo Fabbrini Liszt Vieira Julian Rodrigues Airton Paschoa Jorge Branco

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada