As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Agradar o mercado não salvará o governo

Imagem: Magali Guimarães
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO SACRAMENTO*

De reunião em reunião do COPOM, com reduções medíocres de 0,25%, a crise é certa

A herança deixada pelo governo anterior é realmente maldita. No campo econômico, o mandarinato do ministro Paulo Guedes deixou granadas em diversos bolsos. As explosões dessas granadas são visíveis a olho nu. A gestão Guedes/Bolsonaro desossou os instrumentos do Estado de intervenção no domínio econômico. E em uma acaciana blague, o problema das consequências é que elas vêm depois.

Uma política de preços de combustíveis que penaliza toda a sociedade e só traz benefícios para os grandes acionistas da Petrobras. Ao mesmo tempo, a privatização dos ativos criou uma miríade de empreendimentos privados na área de refino e logística que não se sustentam sem os ganhos do domínio de toda a cadeia produtiva. A mesma situação se repete nos aeroportos, que são rentáveis apenas se fizerem parte de um sistema aeroportuário. A privatização subfaturada e sem critérios de portos, aeroportos e rodovias já traz majoração de custos logísticos no Brasil.

O esquartejamento do setor elétrico culminou na entrega do controle da Eletrobrás, pasmem, aos controladores das Lojas Americanas. A obra desses personagens no setor elétrico está demonstrada na virtual falência da distribuidora Light, no Rio de Janeiro.

O represamento de investimentos públicos e privados, somado à perda de densidade industrial, produz uma crise de oferta, que mostra seus efeitos na paralisação da indústria automotiva. Apesar da crise de microprocessadores entre Taiwan e China, com promessa de resolução em 2025, no caso brasileiro esse represamento é consequência, em grande parte, do aperto fiscal praticado pelo antigo ministério da economia, pois o aumento dos preços ocorreu de forma muito agressiva aos mais pobres, o triplo em comparação com os mais ricos. A relação profana entre empresas de aluguéis de carros e isenção fiscal, outra bomba do neoliberalismo na cadeia produtiva automobilística, potencializa a crise da perda da densidade industrial.

O caso das Lojas Americanas é a ponta do iceberg da crise do varejo brasileiro. Em que pesem as fraudes e inconsistências em balanços, o varejo tem perdido vendas, em função do desemprego e perda de renda. Essa crise do varejo se espalha na economia através de uma crise de crédito. Crise no crédito é mortal para a atividade econômica.

Há uma recessão contratada na economia brasileira. O Banco Central “independente” mantém uma taxa de juros básica que nem parte do setor financeiro consegue aguentar seu custo de carregamento. Ao mesmo tempo, o presidente bolsonarista guediano do Banco Central assiste impávido ao vai-e-vem da especulação cambial e nada faz para enfrentar a crise, mais uma, de liquidez que se avizinha.

O governo Lula já parte para dar respostas microeconômicas para a crise que se avizinha. Medidas como retomada de investimentos pontuais, implantar programas como o Desenrola, para tirar o povo do Serasa, e correção da tabela do imposto de renda são tímidas e insuficientes para enfrentar a gravidade do quadro.

São necessárias medidas macroeconômicas. Não dá para esperar avaliar a “independência” do Banco Central ao fim do mandato do atual nomeado por Bolsonaro/Guedes. E é preciso agir sobre as travas à ação governamental, como na questão da privatização da Eletrobras. O mesmo deve ser feito acerca da política de preços da Petrobras. São medidas que não dependem de votação no Congresso.

A esses desafios, o Ministro da Fazenda responde com barretadas ao mercado. As medidas propostas pelo ministro são estritas e restritas à microeconomia, baseadas no crédito da população. É importante, mas insuficiente. Se após a crise de 2008 o governo Lula utilizou o crédito como medida anticíclica, conseguiu em virtude de um enorme passivo de consumo estabelecido pela histórica desigualdade e miserabilidade. Havia muitos brasileiros que nunca tiveram acesso a itens básicos.

Os exemplos são muitos e cognoscitivamente simples. Se milhões viviam sem energia elétrica e passaram ter com o Programa Luz para Todos, o governo pôde direcionar crédito para a compra de linha branca, como geladeira. O mesmo para TV Smart e eletrodomésticos em geral. Contudo, o contexto é outro. Embora ainda existam brasileiros sem acesso à energia elétrica, a resolução do endividamento não resultará em solução macroeconômica, porque, além da demanda não resolver uma crise cuja origem é a oferta, nada indica que os desenrolados comprarão e trocarão o que compraram e se endividaram na década anterior. Se comprarem, nada indica que será em quantidade suficiente para superar uma crise.

Gabriel Galípolo, o número dois do Ministério da Economia, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, em 23 de fevereiro, afirmou que o foco do governo está em reverter a tendência de contração de crédito, efeito da fraude do trio das Americanas em que bancos diminuíram a oferta de crédito, com os juros altos, aplicados pelo Banco Central “independente”. Para tanto, o remédio anunciado é o programa Desenrola. Qual a relação do programa e seus efeitos com o diagnóstico do número dois é um mistério.

Ante o diagnóstico, o ministério tem dois caminhos complementares: dar liquidez aos bancos, o que já foi feito na pandemia com a liberação de parte substantiva do prometido R$ 1,3 trilhão de compulsórios por Paulo Guedes, e baixar os juros. Sobre o primeiro, o ministério nada diz. Prefere tratar como um problema da iniciativa privada com o judiciário e de confiança de mercado, mesmo que os efeitos negativos sobre a Eletrobrás, com potencial aumento de tarifas e de custos, sejam iminentes. Sobre o segundo, o atual ministro prefere bajular o garoto de recados de Paulo Guedes e da Faria Lima, como se viu no encontro do G20, disputando a diminuição de míseros 0,25% na próxima reunião do COPOM, em 21 e 22 de março, para tentar fazer cair mais alguma coisa, provavelmente mais 0,25%, em mais 45 dias (meados de maio). Até lá, o primeiro semestre já foi comprometido.

Juros altos, renda decadente, desemprego alto com tendência de aumento da informalidade e apagão estatístico são os elementos que o Ministério da Economia não enfrenta porque esse enfrentamento depende de mudanças significativas no Banco Central e de medidas macroeconômicas. Se o governo não controlar minimamente o câmbio e os juros, já que tenta controlá-los indiretamente por meio do regramento fiscal, a crise é certa. A economia não esperará o enquadramento fiscal proposto tampouco a reforma tributária. Os passivos e as bombas plantadas por Guedes e a Faria Lima nos seis anos do governo Temer/Bolsonaro estão por todos os lados. O IPCA de fevereiro foi 0,76% com alto desemprego e renda média baixa. Esse é o dado objetivo.

Nos últimos anos, Fernando Haddad esforçou-se para se aproximar do mercado. Um dos caminhos percorridos foi o de trabalhar no Insper, think tank neoliberal exclusivo do mercado. Para isso, afastou-se da docência na USP. A sua postura sobre a reoneração da gasolina acabou criando um problema para Lula, que viu o seu ministro ser publicamente fritado pela ala política em apenas dois meses. A mera formação de uma ala política em contraposição ao ministério demonstra didaticamente a sua posição predominantemente neoliberal. Lula fez do limão uma limonada: passou a utilizar a ala política para impor pautas ao mercado por meio do Fernando Haddad – caso pensado?

O país tem pressa nesse momento. De reunião em reunião do COPOM, com reduções medíocres de 0,25%, a crise é certa. Se Jair Bolsonaro vencesse, não seria um problema. O projeto no segundo mandato era de destruição total e rapinagem, com genocídio de indígenas legalizado e naturalizado e venda de todo o patrimônio nacional, de empresas sobrantes do primeiro mandato às praias. Mas o projeto de Lula é distinto e antagônico. Para um projeto de reconstrução e construção, a política de Roberto Campos Neto destruirá o governo de dentro para fora. As medidas relativas à microeconômia de Fernando Haddad terão o efeito de dipirona sobre um câncer avançado ou de cloroquina para Covid-19.

*Leonardo Sacramento é pedagogo no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Autor do livro A Universidade mercantil: um estudo sobre a Universidade pública e o capital privado (Appris).


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Julian Rodrigues Boaventura de Sousa Santos Jorge Branco Ricardo Musse Leda Maria Paulani Ronald León Núñez Marcos Aurélio da Silva Sandra Bitencourt Alexandre Aragão de Albuquerque Marilena Chauí Kátia Gerab Baggio Remy José Fontana Airton Paschoa Luiz Werneck Vianna João Sette Whitaker Ferreira Leonardo Avritzer Annateresa Fabris Lucas Fiaschetti Estevez Francisco Fernandes Ladeira Maria Rita Kehl Jean Marc Von Der Weid Paulo Capel Narvai Vladimir Safatle Leonardo Sacramento Paulo Sérgio Pinheiro Flávio R. Kothe Atilio A. Boron Carlos Tautz José Luís Fiori Eleonora Albano Jean Pierre Chauvin Tales Ab'Sáber Luis Felipe Miguel Slavoj Žižek Ronaldo Tadeu de Souza Celso Favaretto João Adolfo Hansen André Márcio Neves Soares Mário Maestri Renato Dagnino Daniel Brazil Gerson Almeida José Dirceu Daniel Afonso da Silva Vanderlei Tenório Armando Boito Priscila Figueiredo Ladislau Dowbor João Feres Júnior Marcelo Módolo José Micaelson Lacerda Morais Alexandre de Freitas Barbosa Lorenzo Vitral Paulo Martins Plínio de Arruda Sampaio Jr. Antonio Martins Sergio Amadeu da Silveira Bruno Machado Eugênio Bucci Henry Burnett José Machado Moita Neto Yuri Martins-Fontes Ricardo Fabbrini Afrânio Catani Henri Acselrad Luiz Marques José Geraldo Couto Elias Jabbour Ronald Rocha Igor Felippe Santos Marcos Silva Salem Nasser Ricardo Abramovay Anselm Jappe Alysson Leandro Mascaro Luiz Bernardo Pericás Everaldo de Oliveira Andrade Dennis Oliveira João Lanari Bo Caio Bugiato Berenice Bento Michael Löwy Flávio Aguiar Rafael R. Ioris Gabriel Cohn Otaviano Helene Paulo Nogueira Batista Jr Manuel Domingos Neto Chico Alencar Benicio Viero Schmidt Ari Marcelo Solon Gilberto Lopes Fernando Nogueira da Costa Marcelo Guimarães Lima Jorge Luiz Souto Maior Liszt Vieira Celso Frederico Tarso Genro Francisco de Oliveira Barros Júnior Leonardo Boff Roberto Noritomi Eugênio Trivinho Claudio Katz Rodrigo de Faria João Carlos Loebens Vinício Carrilho Martinez Dênis de Moraes André Singer Samuel Kilsztajn João Paulo Ayub Fonseca Juarez Guimarães Anderson Alves Esteves João Carlos Salles Valerio Arcary Luciano Nascimento Chico Whitaker Luiz Costa Lima Luís Fernando Vitagliano Eduardo Borges Bento Prado Jr. Michael Roberts Thomas Piketty Manchetômetro Marcus Ianoni Fernão Pessoa Ramos Antonino Infranca Tadeu Valadares Osvaldo Coggiola Daniel Costa Antônio Sales Rios Neto Lincoln Secco Denilson Cordeiro Fábio Konder Comparato Andrew Korybko Francisco Pereira de Farias Mariarosaria Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre de Lima Castro Tranjan Milton Pinheiro Roberto Bueno Eliziário Andrade Érico Andrade Marilia Pacheco Fiorillo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bernardo Ricupero Walnice Nogueira Galvão Luiz Renato Martins Eleutério F. S. Prado Luiz Roberto Alves Paulo Fernandes Silveira Carla Teixeira Rubens Pinto Lyra Marjorie C. Marona Heraldo Campos Luiz Eduardo Soares Gilberto Maringoni Ricardo Antunes Valério Arcary José Costa Júnior José Raimundo Trindade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada