As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Os debates de tevê são a anti-democracia

Imagem: Stephen Sutcliffe
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARILIA AMORIM*

A atual forma de debate reafirma os vícios dos dispositivos de poder nada democráticos

Antes de tudo, uma advertência: não trataremos aqui da questão de saber ou de prever se os debates na tevê mudam os votos ao aumentar ou diminuir a possibilidade de cada candidato ser eleito no primeiro ou no segundo turno. Sabemos que a questão é controversa e preferimos aguardar os resultados das urnas.

Neste momento de importância histórica para o país em que sonhamos com a volta da plena democracia, parece-nos de importância crucial refletir sobre as formas tradicionais das campanhas eleitorais naquilo que elas trazem como modo de informação para que o eleitor exerça seu direito de voto em plena consciência e liberdade.

Uma dessas formas é o debate na tevê e para tratarmos dele tal como praticado no Brasil, tomaremos como referência o último debate presidencial do primeiro turno na Rede Globo. Pode-se dizer que o formato adotado pelo “padrão Globo de qualidade” constitui-se como paradigma de análise uma vez que expõe de forma pura a essência do dispositivo, sem os tropeços das demais redes onde, por exemplo, uma apresentadora pode errar o tom ao falar como se estivéssemos diante de um programa de entretenimento e não de um debate presidencial. É unanimidade que o tom e o “jeito Bonner de ser” são impecáveis para o gênero em questão.

Uma vez que se trata do “gênero debate”, estamos diante de um dispositivo discursivo em que os modos de distribuição da palavra no espaço e no tempo incidem naquilo que é dito e participam ativamente da produção de seu sentido. Temos aqui um caso exemplar do que o filósofo da linguagem Mikhaïl Bakhtin designa pelo conceito de cronotopo: a unidade espacio-temporal que escande e organiza as narrativas.[i]

Comecemos pelo tempo. Conceder apenas um ou dois minutos para um candidato argumentar é algo que impede o desenvolvimento de qualquer argumentação. Ainda mais se contarmos com o fator surpresa. Ele é surpreendido a cada vez por ser convocado, pelo tema da questão e pelo interlocutor que lhe é atribuído. Assim, ao não ter tempo de pensar, ele é incitado a lançar algumas ideias e frases preparadas de antemão que servem mais ou menos para toda situação o que, em si, já subtrai uma parte de autenticidade da sua fala e contribui para o caráter repetitivo de seus argumentos. É algo como uma prova oral de colégio com a diferença de se conceder um tempo mínimo ao aluno para expor sua decoreba.

A limitação temporal é agravada pelos cortes bruscos do microfone que obedecem algoritmamente aos segundos marcados. Estamos aí na figura discursiva do cogitus interruptus que tomamos a liberdade de nomear ao derivá-la da conhecida expressão, o coitus interruptus. O candidato volta ao seu lugar e se prepara talvez para concluir o raciocínio quando for novamente chamado e caso o tema permita. Nesse mesmo tempo, ele deve se preparar para as novas surpresas se é que isso não é uma contradição entre os termos.

Não se deve, entretanto, pensar que o cogitus interruptus é uma figura de discurso que apenas impede, reprime, subtrai. Ela é também facilitadora e incitadora de certo tipo de fala: aquela que, justamente, não é da ordem do raciocínio e da argumentação. A fala espasmódica de frases desconectadas e abruptas é perfeitamente compatível com o dispositivo temporal em questão. Ele favorece falas como, por exemplo, as de Jair Bolsonaro e as de padres fakes. Jorros de acusações e insultos não necessitam de tempo para serem elaborados.

Para prosseguir a reflexão, tomemos a fala do presidente Lula que é a antítese discursiva de Jair Bolsonaro. Ela tem as características daquilo que se convencionou chamar de discurso caudaloso. Como riacho que nasce de uma fonte, segue seu curso a se enriquecer de novas águas até se avolumar e desaguar em cachoeira imponente. É a já célebre potência discursiva de Lula que o dispositivo do debate televisivo impede. Ficamos assim privados da emoção que ela poderia nos causar e saímos dali com interpretações variadas acerca de um suposto cansaço do Lula, de uma suposta fragilidade de saúde, etc. Afinal, onde foi parar aquela força? Atribui-se então ao locutor um problema que não é dele, mas do dispositivo.

Passemos agora à questão do espaço tal como ela se configurou no paradigma aqui adotado, qual seja o debate da rede Globo. Vimos um grande espaço clean, despojado e esmerado a confirmar o estilo da emissora em suas produções. Os candidatos sentados ao longe, em relação ao apresentador, eram convocados a se levantar, vir até a tribuna e ao final, voltar a seus lugares. Vários aspectos merecem ser analisados. Em primeiro lugar, ao fazer o candidato se deslocar a cada vez, parece se querer marcar uma disciplina e uma ritualização que supostamente garantiriam a ordem e a obediência às regras durante o debate.

Quanto ao espaço da tribuna, ele contrasta com essa distância reguladora na medida em que coloca os candidatos face a face, em um espaço de pequena distância que os obriga a uma proximidade frontal. Como se a mensagem fosse: agora vocês vão falar com o olho no olho. Que esse posicionamento possa contribuir para o diálogo e a interlocução é algo discutível. Conhecemos outras cenas de debate em que os candidatos se falam perfeitamente a uma distância razoável um do outro. Ali, mais parecia um espaço de luta a evocar uma briga de galos em que se lançam os animais na arena, bem próximos um do outro, enquanto o público assiste e torce pela morte de um deles. O que não é apenas metáfora uma vez que assistimos a insultos descontrolados que, se não levaram às vias de fato, consumaram uma violência nunca vista em eleições passadas.

Nesse ponto, é necessário tratar do lugar do mediador, nesse caso, o William Bonner. Sua distância física dos candidatos denota o lugar de mediação, de autoridade responsável pelo bom desenrolar do debate. Se nada há a dizer sobre a conduta do apresentador em questão, muito se poderia refletir sobre a natureza da mediação que o dispositivo do debate de tevê instaura. Para resumir, a autoridade exercida por um apresentador não pode ir além daquela cujo poder se resume em fazer cumprir as regras. Ele é o representante autorizado do regulamento, mas não da lei uma vez que não lhe compete agir de modo a distinguir a verdade da mentira. Ao dirigir-se aos candidatos, ele pode mandar sentar, mandar levantar, mandar se calar.

A cena é quase escolar: Fulano, venha ao quadro! Volte para sua cadeira! Entretanto, é difícil pensar a autoridade do apresentador de tevê como um equivalente do professor em sala de aula. Mais uma vez, a distinção verdade/mentira é apanágio da ciência e do conhecimento e o professor deve ser capaz de fazê-la operar no seio dos discursos. Assim, se quisermos manter a analogia da cena do debate com a cena da sala de aula, o equivalente mais justo para o apresentador de tevê seria a figura do bedel.

Ao ter um poder que se resume ao regulamento, nada pode fazer quando os galos de briga tentam se destruir com a arma da mentira. Um candidato de última hora aparece vestido de padre e não se consegue saber se ele é ou não é aquilo que diz ser. Um candidato acusa o outro de ter roubado um milhão, seu interlocutor dobra a aposta e o acusa de ter roubado dois milhões e assim sucessivamente, sem que o espectador possa saber quem é o mentiroso, se um deles ou se os dois. Chegamos ao requinte no último debate quando um candidato acusa o outro do crime que foi cometido por ele próprio. Foi o caso de Jair Bolsonaro a acusar Lula de ter deixado morrer gente por falta de oxigênio.

Novamente, é preciso ter cuidado para não se deduzir do exposto uma simetria nos prejuízos causados aos diferentes candidatos. É a Jair Bolsonaro que a impossibilidade de distinguir entre mentira e verdade interessa. Ele pertence como Trump à classe dos tiranos bouffons como bem teorizou Christian Salmon.[ii] Esse tipo de tirano pós-moderno se alimenta e alimenta suas tropas da degradação do sistema e das instituições. Trabalham para ridicularizar, achincalhar e degradar a democracia. Para um bolsonarista, assim como para um trumpista, não importa que uma informação seja mentirosa. Na maior parte dos casos, ele sabe que é mentira. Porque a mentira agrega: vale pela força do golpe desferido contra o “inimigo”. Quanto mais caluniosa a informação, mais ela desarma o “inimigo” e seus seguidores.

A aparência de igualdade de condições para que ganhe o melhor, sublinhada pelo regulamento rígido, é só aparência já que a mentira, a farsa e o deboche não estão interditados. O dispositivo discursivo do debate de tevê, tal como posto em cena pela Globo, tem seu funcionamento perverso disfarçado pela imponência espacial e o rigor temporal. Espaço e tempo articulam-se nessa cena de estética futurista revisitada a lembrar o expressionismo de Fritz Lang no filme Metrópolis.

Na tomada de câmera em que o espectador vê o que Bonner vê, com os candidatos ao longe sentados comportadamente e prontos para serem chamados à arena, descortina-se o verdadeiro centro de poder. Invisível como lhe cabe, panóptico por tradição, é o poder da rede de tevê quem dá as cartas. A rede cria as regras, cria os dispositivos, cria os acontecimentos e sabemos que, ao longo da nossa história, ela pôde até criar candidatos então desconhecidos, fazer desaparecer candidatos favoritos que o mundo inteiro conhecia e decidir o resultado das eleições.

Quanto à questão de saber qual forma de debate romperia com os vícios do dispositivo atual de poder, ela demandaria uma reflexão mais ampla e assumida pelos coletivos que militam por novos tempos. Que a democracia volte a vigorar plenamente neste país e que se possam corrigir erros passados, muitas vezes fatais, notadamente aqueles relativos ao poder da mídia hegemônica e anti-democrática.

*Marilia Amorim é professora aposentada do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e da Universidade de Paris VIII. Autora, entre outros livros de Petit Traité de la Bêtise Contemporaine [Pequeno tratado da burrice contemporânea] (Ed. Érès) (https://amzn.to/48du8zg).

Notas


[i] BAKHTIN, M. Teoria do Romance II. As formas do tempo e do cronotopo, tradução de Paulo Bezerra, São Paulo, 2018, Ed. 34.

[ii] Salmon, C. La tyrannie des bouffons. Sur le pouvoir grotesque. Paris, 2020, Ed. LLL (Les Liens qui Libèrent).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco Pereira de Farias Paulo Fernandes Silveira Francisco de Oliveira Barros Júnior Ladislau Dowbor Manuel Domingos Neto Marilena Chauí José Machado Moita Neto Alexandre de Freitas Barbosa Antonio Martins Denilson Cordeiro Ari Marcelo Solon André Márcio Neves Soares Tadeu Valadares Valerio Arcary Jean Marc Von Der Weid Leonardo Avritzer Sergio Amadeu da Silveira Priscila Figueiredo Daniel Afonso da Silva Marcus Ianoni Carla Teixeira Afrânio Catani Fernando Nogueira da Costa Érico Andrade Tales Ab'Sáber Daniel Brazil Luís Fernando Vitagliano João Sette Whitaker Ferreira Luis Felipe Miguel Ricardo Fabbrini Ronald Rocha Mário Maestri João Paulo Ayub Fonseca Lucas Fiaschetti Estevez João Carlos Loebens Flávio R. Kothe Eduardo Borges Paulo Martins Daniel Costa Gabriel Cohn Mariarosaria Fabris Henri Acselrad Valério Arcary Lorenzo Vitral Michael Löwy Marcelo Módolo Luiz Eduardo Soares Caio Bugiato João Lanari Bo Michael Roberts Andrew Korybko Juarez Guimarães Berenice Bento Gilberto Maringoni Anderson Alves Esteves José Costa Júnior Leonardo Sacramento Francisco Fernandes Ladeira Vladimir Safatle Boaventura de Sousa Santos Slavoj Žižek Eleutério F. S. Prado Luiz Carlos Bresser-Pereira Rodrigo de Faria Thomas Piketty Chico Whitaker Marcos Silva Chico Alencar Ricardo Abramovay Milton Pinheiro Airton Paschoa Benicio Viero Schmidt Salem Nasser Antônio Sales Rios Neto Marjorie C. Marona João Adolfo Hansen Paulo Capel Narvai José Micaelson Lacerda Morais Luiz Marques José Geraldo Couto Bernardo Ricupero Luiz Werneck Vianna Renato Dagnino Alysson Leandro Mascaro Flávio Aguiar Manchetômetro Anselm Jappe Celso Frederico André Singer Vinício Carrilho Martinez Samuel Kilsztajn Luiz Roberto Alves Osvaldo Coggiola Heraldo Campos Remy José Fontana Dennis Oliveira Otaviano Helene Alexandre Aragão de Albuquerque José Luís Fiori Luiz Bernardo Pericás Claudio Katz Rafael R. Ioris Roberto Noritomi Rubens Pinto Lyra Julian Rodrigues Fernão Pessoa Ramos Vanderlei Tenório Eleonora Albano Annateresa Fabris Sandra Bitencourt José Raimundo Trindade José Dirceu Lincoln Secco Walnice Nogueira Galvão Igor Felippe Santos João Carlos Salles Antonino Infranca Gerson Almeida Jorge Luiz Souto Maior Luciano Nascimento Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fábio Konder Comparato Liszt Vieira Ricardo Musse Paulo Sérgio Pinheiro Marcos Aurélio da Silva Maria Rita Kehl Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Costa Lima Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Antunes Elias Jabbour Henry Burnett Gilberto Lopes Eugênio Trivinho Leda Maria Paulani Atilio A. Boron Carlos Tautz Dênis de Moraes Bento Prado Jr. Luiz Renato Martins Yuri Martins-Fontes Armando Boito Ronald León Núñez Jorge Branco Roberto Bueno Jean Pierre Chauvin Tarso Genro Eliziário Andrade João Feres Júnior Eugênio Bucci Marcelo Guimarães Lima Celso Favaretto Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Boff Bruno Machado Kátia Gerab Baggio Alexandre de Lima Castro Tranjan Bruno Fabricio Alcebino da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada