As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O Jesus brasileiro

Imagem Lucia Barreiros Silva:
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO FERNANDES LADEIRA*

Se Jesus nascesse no Brasil de hoje, seria crucificado pelos “cidadãos de bem”

Em qualquer país minimamente democrático, religião é uma questão restrita ao âmbito privado. Ou seja, cada um exerce de forma livre sua crença, porém não tenta impor sua religião para a coletividade; tampouco deseja que os preceitos constitucionais sejam baseados em algum livro considerado “sagrado”.

No entanto, infelizmente, isso não acontece no Brasil. E o que é pior, em nosso país, aqueles indivíduos que mais defendem a mistura entre política e religião – os autointitulados “cidadãos de bem” – na prática, apresentam posturas totalmente diferentes daquele que dizem seguir: no caso, Jesus.

Sendo assim, neste texto, faço um breve exercício imaginativo sobre o que ocorreria se Jesus vivesse no Brasil contemporâneo, a partir do conteúdo presente na Bíblia, livro sagrado do cristianismo.

De acordo com as chamadas Escrituras, Jesus, filho de uma família pobre, nasceu num estábulo, lugar onde eram guardados animais. Portanto, por analogia, se o Messias voltasse em alguma grande metrópole brasileira, muito provavelmente teria nascido em uma favela; seu tom de pele seria escuro. Evidentemente, não pertenceria a nenhum clã que reside em área nobre. Isso significa que, só por sua condição de nascença, ele já seria odiado pelo “cidadão de bem”, que o consideraria o estereótipo do bandido.

Assim como os soldados romanos perseguiam o “Jesus judeu”, sua versão tupiniquim constantemente seria abordada pela polícia; não por cometer um “crime”, mas por sua cor e origem. Ele também teria dificuldades para dar um rolezinho no shopping com seus amigos: ou levaria uma “geral” da PM, ou seria alvo de olhares recriminatórios por parte do “cidadão bem” (afinal de contas, estaria frequentando um “lugar” que não é para “gente de sua laia”).

O “Jesus brasileiro” provocaria a ira de alguns pastores evangélicos de sua comunidade (que, assim como seus congêneres, os vendilhões do Templo de Jerusalém, utilizam-se da fé alheia para enriquecimento pessoal). Como todo pacifista, certamente ele não frequentaria cultos onde as pessoas fazem “arminhas com as mãos”. Definitivamente, não seria eleitor do “mito”.

Suas ideias de “igualdade social” fariam com que o “Jesus brasileiro” fosse rotulado como “comunista” e “esquerdopata” pelo “cidadão de bem”. Frases como “é mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha, do que um rico entrar no Reino de Deus” ou “se queres ser perfeito, vai, vende os teus bens, dá o dinheiro aos pobres”, soariam para o “cidadão de bem” como coisa de invejoso, “preconceito contra rico” e incentivo a ociosidade do pobre.

De acordo com a Bíblia, Jesus andava com os marginalizados de seu tempo, o que hoje entendemos por “minorias sociais”. Consequentemente, por não discriminar pretos, pobres, prostitutas e homossexuais, o “Jesus brasileiro” seria caluniado por defender “ideologia de gênero” em grupos de WhatsApp bolsonarista.

Conforme uma conhecida passagem bíblica – a “Perícopa da Adúltera” – Jesus impediu o apedrejamento de uma mulher acusada de adultério, ocasião em que proferiu a emblemática frase: “Quem dentre vós não tiver pecado, que atire a primeira pedra”. Uma atitude similar, hoje, valeria a acusação de “defensor de bandido” por parte do “cidadão de bem”. Nessa mesma linha, se o “Jesus brasileiro” perdoasse ladrões, como feito há dois milênios, estaria “passando pano para bandido”, como gosta de dizer o “cidadão de bem”.

Aliás, por contestar o status quo e pertencer ao setor marginalizado da população, o próprio “Jesus brasileiro”, tal como ocorrera na antiga Judeia, seria considerado “bandido”. Mas sua vida, igual a de outros milhões de pobres e pretos, não importaria, seria “só mais um Silva que a estrela não brilha”. Afinal de contas, como diz o principal mantra do “cidadão de bem”: “bandido bom, é bandido morto”.

*Francisco Fernandes Ladeira é doutorando em geografia na Unicamp. Autor, entre outros livros, de A ideologia dos noticiários internacionais (CRV).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rodrigo de Faria Marcos Aurélio da Silva Luís Fernando Vitagliano Gilberto Maringoni Lincoln Secco Samuel Kilsztajn José Luís Fiori Carla Teixeira Jean Pierre Chauvin Afrânio Catani João Lanari Bo Salem Nasser Ricardo Antunes Yuri Martins-Fontes Plínio de Arruda Sampaio Jr. Elias Jabbour Carlos Tautz Henri Acselrad Berenice Bento Ronald León Núñez Luiz Marques André Márcio Neves Soares Heraldo Campos Celso Favaretto Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Branco Dennis Oliveira Andrew Korybko Priscila Figueiredo Luiz Renato Martins Otaviano Helene Leda Maria Paulani Michael Roberts Daniel Costa Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Pereira de Farias Rubens Pinto Lyra Bernardo Ricupero Osvaldo Coggiola Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Abramovay Luiz Eduardo Soares João Feres Júnior Annateresa Fabris Eliziário Andrade Flávio R. Kothe Anderson Alves Esteves Fernando Nogueira da Costa Ricardo Musse Luiz Carlos Bresser-Pereira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Thomas Piketty Marcos Silva Everaldo de Oliveira Andrade Daniel Afonso da Silva Renato Dagnino Benicio Viero Schmidt Rafael R. Ioris Lucas Fiaschetti Estevez Celso Frederico Alysson Leandro Mascaro Vladimir Safatle João Paulo Ayub Fonseca Tales Ab'Sáber André Singer Antonino Infranca Luiz Bernardo Pericás Francisco de Oliveira Barros Júnior João Carlos Salles José Raimundo Trindade Antônio Sales Rios Neto Armando Boito Sandra Bitencourt Manchetômetro Atilio A. Boron Ronaldo Tadeu de Souza José Costa Júnior Caio Bugiato Valerio Arcary Tarso Genro Denilson Cordeiro Jorge Luiz Souto Maior Flávio Aguiar José Micaelson Lacerda Morais Julian Rodrigues Luiz Roberto Alves Eleonora Albano Jean Marc Von Der Weid Airton Paschoa Alexandre Aragão de Albuquerque Fernão Pessoa Ramos Liszt Vieira Lorenzo Vitral Maria Rita Kehl Roberto Noritomi Paulo Fernandes Silveira José Geraldo Couto Marjorie C. Marona Antonio Martins Luiz Costa Lima Érico Andrade Eugênio Trivinho Slavoj Žižek Vinício Carrilho Martinez Milton Pinheiro Eduardo Borges Kátia Gerab Baggio Bruno Machado Vanderlei Tenório Leonardo Sacramento Daniel Brazil Manuel Domingos Neto Marcelo Módolo Ari Marcelo Solon Leonardo Avritzer Leonardo Boff Valério Arcary Chico Alencar Claudio Katz Henry Burnett José Dirceu Gerson Almeida Ricardo Fabbrini Ladislau Dowbor Marilena Chauí Paulo Capel Narvai João Sette Whitaker Ferreira Gabriel Cohn Dênis de Moraes Mariarosaria Fabris Paulo Sérgio Pinheiro Luciano Nascimento Marcelo Guimarães Lima Bento Prado Jr. Luiz Werneck Vianna Walnice Nogueira Galvão Mário Maestri Gilberto Lopes Alexandre de Lima Castro Tranjan José Machado Moita Neto Igor Felippe Santos Francisco Fernandes Ladeira Remy José Fontana Eugênio Bucci Fábio Konder Comparato Paulo Martins Tadeu Valadares Luis Felipe Miguel Marilia Pacheco Fiorillo Marcus Ianoni João Carlos Loebens João Adolfo Hansen Boaventura de Sousa Santos Anselm Jappe Juarez Guimarães Chico Whitaker Roberto Bueno Ronald Rocha Michael Löwy Eleutério F. S. Prado

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada