As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Florestan Fernandes marxista

Imagem: Jan van der Zee
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANTONIO CANDIDO*

A sua firmeza teórica e prática é uma verdadeira demonstração da vitalidade do pensamento marxista

É significativo e oportuno que seja prestada homenagem a Florestan Fernandes no quadro de um simpósio dedicado a celebrar o centenário da morte de Frederico Engels,[i] pois Florestan era um marxista convicto, embora não dogmático. Mesmo porque chegou ao marxismo no curso de um processo intelectual complexo, que não anulou, mas incorporou outras linhas teóricas.

Basta dizer que ao mesmo tempo em que estudava a obra de Marx, nos anos 1940, pautava a sua investigação pelos princípios do positivismo sociológico francês e do funcionalismo anglo-americano. Naquela altura, de um lado traduziu e fez uma sólida introdução à Crítica da Economia Política, de Karl Marx; de outro lado, usou o arsenal teórico do funcionalismo para desvendar a organização social dos Tupinambá. Além disso, era militante no grupo trotskista liderado por Herminio Sacchetta, que tentou em 1945 formar uma frente ampla com o nome de Coligação Democrática Radical, que não deu certo, mas à qual o jovem Florestan dedicou muito esforço durante certo tempo.

Diante disso, pode-se perguntar: era um eclético? Não. Em primeiro lugar, notem que estou descrevendo a fase inicial de uma formação que ainda não amadurecera por completo. Em segundo lugar, porque vendo as coisas de hoje percebe-se que estava explorando, como socialista, linhas teóricas de maneira por assim dizer paralela, acabando por extrair da sua interação uma visão coerente e flexível. Assim foi que ao cabo de certo número de anos o seu paralelismo teórico chegou ao que se poderia chamar de marxismo enriquecido, que foi a sua fórmula pessoal. Marx também explorou diferentes linhas, por vezes potencialmente conflitantes, como a economia liberal, inclusive a teoria de Ricardo, o radicalismo democrático francês, o materialismo filosófico alemão, e nem por isso foi eclético.

Florestan Fernandes pode, portanto, ser considerado um marxista de formação lenta e compósita, mas muito pessoal. O seu grande feito sob este aspecto consistiu em fundir harmoniosamente o rigor da sociologia acadêmica com a perspectiva política. Quando chegou a isto, estava pronto o Florestan Fernandes maduro, o Florestan Fernandes que instituiu no Brasil um novo tipo de sociologia, transformando a sociologia científica neutra em sociologia participante, sem perder nada do rigor metodológico e da objetividade na investigação. Creio que ele foi o primeiro e até hoje o maior praticante no Brasil desse tipo de ciência sociológica, que é ao mesmo tempo arsenal da práxis, fazendo o conhecimento deslizar para a crítica da sociedade e a teoria da sua transformação.

Isso lhe fez sentir a necessidade de um desfecho lógico, isto é, a militância política propriamente dita, que praticara na mocidade, depois deixara de lado e afinal retomou a partir de 1985, quando entrou para o Partido dos Trabalhadores e se tornou um político amparado intelectualmente pela sua forte base teórica e traduzindo o seu pensamento em nível coletivo pela atividade jornalística. Foi então que canalizou a sua prodigiosa cultura e a sua experiência intelectual para a reflexão sobre o quotidiano, tornando acessíveis a centenas de milhares de pessoas o ponto de vista socialista sobre os problemas do momento.

Estava completa a sua trajetória, pois a práxis emergia depurada da farmácia sociológica e filosófica que montara com grande capacidade de síntese, mas uma síntese transfiguradora. Tendo começado com a escrita difícil para especialistas, própria da atividade universitária, acabou no jornalismo denso e límpido, feito para esclarecer o maior número possível de leitores, completando as etapas que definem um tipo muito fecundo de pensador socialista.

É importante assinalar que a consolidação da sua posição teórica, no decorrer dos anos de 1960, veio dar maior coerência à sua atuação política. Desde moço ele se engajou no socialismo, mas depois que deixou de militar no pequeno grupo trotskista a que me referi, foi sobretudo um militante solitário sui generis, sem ligação partidária, embora, como eu disse certa vez, valendo por si só um partido, como se viu na sua luta pela escola pública, no desdobramento de seus estudos sobre o preconceito racial, no combate pela reforma educacional em todos os níveis, na análise radical da estrutura e do comportamento das classes.

Dentro dos limites da minha pouca competência na matéria, penso poder dizer que o Florestan Fernandes que se consolidou a partir dos anos de 1950 foi à sua maneira um verdadeiro marxista. Nunca esteve interessado em vazar os seus trabalhos na terminologia ortodoxa, nem em forçar a realidade para justificar teorias e palavras de ordem. Ele se movia dentro do marxismo, não apenas com liberdade, mas com uma consistência e uma fidelidade que resistiram a todas as vicissitudes pelas quais vem passando em nossos dias a herança de Marx e Engels.

Na minha mocidade li um opúsculo alemão denominado Por que os marxistas renegam? Ora, Florestan Fernandes foi dos que nunca renegaram, e a sua firmeza teórica e prática é uma verdadeira demonstração da vitalidade do pensamento marxista, objeto de tanta vacilação e tanta deserção no momento presente. Essa coerência, essa fidelidade, correspondem à rara integridade que o caracterizava e lhe permitia inclusive não ter medo de estar fora da moda.

Elas se manifestavam no seu comportamento em qualquer setor, e por isso quero terminar dizendo que elas se manifestavam de modo excepcional na amizade. Portanto, ainda sob este aspecto é oportuna a homenagem a ele no centenário da morte de Frederico Engels, isto é, de um homem que soube ser um dos maiores amigos que a história registra.

*Antonio Candido (1918-2017) foi Professor Emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. Autor, entre outros livros, de Literatura e sociedade (Ouro sobre Azul).

Publicado no opúsculo Lembrando Florestan Fernandes, São Paulo, 1996, ed. do autor.

Nota


[i] O artigo foi lido na homenagem a Florestan Fernandes, por ocasião de Seminário sobre os 100 anos da morte de Friedrich Engels, realizado na USP em 10 de novembro de 1995.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rubens Pinto Lyra Jean Pierre Chauvin Carlos Tautz Roberto Noritomi Ricardo Musse Slavoj Žižek Fernando Nogueira da Costa Luiz Renato Martins Eugênio Trivinho Michael Roberts Chico Alencar João Carlos Loebens Dênis de Moraes Afrânio Catani Caio Bugiato Flávio Aguiar Ronald Rocha Lorenzo Vitral Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gerson Almeida Rafael R. Ioris Julian Rodrigues Paulo Fernandes Silveira Rodrigo de Faria Dennis Oliveira Paulo Martins Airton Paschoa Ari Marcelo Solon Antonino Infranca Tadeu Valadares João Adolfo Hansen Marcelo Guimarães Lima Roberto Bueno João Feres Júnior Michael Löwy Lucas Fiaschetti Estevez Manuel Domingos Neto Eleutério F. S. Prado Heraldo Campos Anselm Jappe Bento Prado Jr. Ricardo Antunes Francisco Fernandes Ladeira Carla Teixeira Luiz Eduardo Soares Boaventura de Sousa Santos Thomas Piketty Gilberto Lopes Andrew Korybko Liszt Vieira Vladimir Safatle Luiz Roberto Alves Gabriel Cohn Bernardo Ricupero Daniel Afonso da Silva Igor Felippe Santos Lincoln Secco Antônio Sales Rios Neto Otaviano Helene Alexandre de Freitas Barbosa Leda Maria Paulani Marcos Aurélio da Silva Ricardo Fabbrini Remy José Fontana Bruno Machado Marjorie C. Marona Luis Felipe Miguel Henry Burnett Eliziário Andrade Luiz Werneck Vianna Eduardo Borges André Márcio Neves Soares Salem Nasser Paulo Sérgio Pinheiro Leonardo Boff Manchetômetro Renato Dagnino João Sette Whitaker Ferreira Daniel Costa Ricardo Abramovay Luiz Costa Lima Benicio Viero Schmidt Daniel Brazil Elias Jabbour Maria Rita Kehl João Carlos Salles Vanderlei Tenório Eugênio Bucci Gilberto Maringoni Sandra Bitencourt Vinício Carrilho Martinez Celso Favaretto Yuri Martins-Fontes Tales Ab'Sáber Sergio Amadeu da Silveira Berenice Bento Anderson Alves Esteves Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Micaelson Lacerda Morais Jorge Luiz Souto Maior José Dirceu Kátia Gerab Baggio Leonardo Sacramento José Costa Júnior João Lanari Bo Flávio R. Kothe Leonardo Avritzer José Luís Fiori Osvaldo Coggiola José Geraldo Couto Érico Andrade Marcelo Módolo Ronald León Núñez Claudio Katz Luciano Nascimento André Singer Francisco de Oliveira Barros Júnior Walnice Nogueira Galvão Denilson Cordeiro Francisco Pereira de Farias Mariarosaria Fabris Luís Fernando Vitagliano José Machado Moita Neto Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Marc Von Der Weid Alexandre Aragão de Albuquerque Henri Acselrad Marilena Chauí Valério Arcary Juarez Guimarães Marcus Ianoni Everaldo de Oliveira Andrade Priscila Figueiredo Celso Frederico Marcos Silva Samuel Kilsztajn Alysson Leandro Mascaro Milton Pinheiro Luiz Bernardo Pericás Valerio Arcary Atilio A. Boron Jorge Branco Fernão Pessoa Ramos Paulo Capel Narvai Luiz Marques Tarso Genro Antonio Martins Marilia Pacheco Fiorillo Eleonora Albano João Paulo Ayub Fonseca Armando Boito Paulo Nogueira Batista Jr José Raimundo Trindade Ladislau Dowbor Ronaldo Tadeu de Souza Annateresa Fabris Chico Whitaker Mário Maestri Luiz Carlos Bresser-Pereira Fábio Konder Comparato

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada