As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Os direitos das mulheres

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RACHEL MORENO*

O Governo bolsonaro quer reduzir as mulheres à condição de meras reprodutoras, ignorantes e complacentes, estimulando um retorno aos valores medievais

“O governo de Jair Bolsonaro aprofunda uma postura ideológica em negociações diplomáticas sobre uma resolução da ONU que condena a discriminação de gênero e tenta fortalecer o direito das mulheres”, diz o jornalista Jamil Chade, em sua coluna no UOL.

Está em questão um texto, apresentado pelo México, que visa “eliminar todas as formas de discriminação contra mulheres e meninas”, reforçando a luta pela igualdade de gênero como um dos objetivos das metas de 2030.

Mas a estranheza não é só do Jamil Chade. Camila Asano, diretora de programas da Conectas Direitos Humanos, também diz:

“O Brasil mais uma vez dá um vexame internacional e se firma no grupo de países que adotam as posturas mais retrógradas nas discussões sobre gênero nas Nações Unidas”.

“O Itamaraty vai contra todo o consenso construído ao longo de décadas no assunto e passa a ser visto com descrédito. A postura do órgão não condiz com as políticas adotadas no Brasil há anos e com os compromissos internacionais assumidos pelo país em matéria de gênero e direitos sexuais e reprodutivos”, disse ela.

O texto em questão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, ganhou importância principalmente no momento em que a pandemia revela a disparidade com que a crise vem afetando de forma desproporcional as mulheres no mundo.

Mas, diante dessa situação, o ministro Ernesto Araujo, representando o Brasil, fechou posição com alguns dos governos mais repressivos contra mulheres, como os sauditas e os de países islâmicos.

A Rússia também adotou posturas parecidas com as do Itamaraty, sob esta atual e vergonhosa direção.

Já os europeus, Israel e latino-americanos apoiam o texto proposto na ONU

Alegando que a recomendação brasileira visa não permitir o uso de “expressões que geram controvérsias”, o Itamaraty afirma que “Planejamento familiar é um assunto de liberdade do casal e o estado é responsável por prestar recursos a esse direito, sem coerção”, completou.

Para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) os 193 países-membros das Nações Unidas adotaram oficialmente a nova agenda de desenvolvimento sustentável, intitulada “Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”, na Cúpula de Desenvolvimento Sustentável, realizada na sede da ONU em Nova York, em setembro de 2015. Essa agenda contém 17 Objetivos e 169 metas.

Reproduzo a seguir um resumo publicado no site da organização multilateral sobre as conquistas brasileiras.

Dentre as conquistas em relação aos ODMs no Brasil estão:

Metas 01 Erradicação da pobreza e Meta 02 Fome Zero – em que as metas internacionais e nacionais foram alcançadas em 2012, depois dos dois governos Lula e início da gestão da Presidenta Dilma Roussef. A pobreza extrema caiu de 25%, em 1990, para 3%, em 2013.

Meta 04 Educação de qualidade – busca assegurar a educação inclusiva e equitativa de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas e todos. Na educação básica a desigualdade do acesso à escola pelas crianças de 7 a 14 anos foi superada graças às sucessivas políticas de universalização do ensino. Quanto aos jovens de 15 a 24 anos com pelo menos seis anos completos de estudo, a percentagem passou de 59,9% em 1990, para 84% em 2012.

Meta 03 Saúde e bem estar – impacta positivamente na saúde da mulher com a meta da mortalidade infantil alcançada, com redução para 17,7 óbitos por mil nascidos vivos em 2011, com tendência progressiva de melhora, além da Saúde materna com a taxa de mortalidade materna brasileira caindo em 55%, de 1990 a 2011. Intensificou-se o acompanhamento da gestante.

Meta 05 Igualdade de Gênero – busca alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas. Atualmente, as mulheres brasileiras têm maior acesso à educação que os homens e também houve progresso quanto à participação feminina no mercado de trabalho e à representação política das mulheres.

Neste ano (2020), um dos objetivos seria ainda o de tratar da sobreposição – ou intersecção – de discriminações sofridas por mulheres. Mas o atual ministro chefe do Itamaraty, Ernesto Araújo,  pede que o parágrafo inteiro que tenta definir o conceito de intersecção seja excluído. A proposta do Brasil é também apoiada por países islâmicos como Paquistão, Iraque ou Indonésia.

Num outro trecho, o Brasil ainda pede a eliminação de referências aos direitos reprodutivos e saúde sexual para mulheres, desnudando o caráter machista e retrógrado, indo contra os avanços sociais e civilizatórios conquistados com a Constituição Brasileira de 1988.

Junto com os sauditas, o Itamaraty desse governo atual, que merece o estigma de estar nos devolvendo à idade média, quando as mulheres não tinham direitos, sugere ainda suprimir um parágrafo no projeto sobre acesso a “planejamento familiar e métodos modernos de contracepção”.

Aqui, quadro se fecha

No Brasil, a ministra Damares, minimizando irresponsavelmente a violência contra as mulheres, e indo contra todos os indicadores sobre a violência de gênero, já diagnosticou autocraticamente que ela seria consequência da demanda das feministas por igualdade – “as feministas pedem igualdade, e aí os meninos pensam que as meninas aguentam a violência do mesmo jeito que eles, e batem nelas!”. Uma atitude tendenciosa, ignorante e autoritária por parte da ocupante do Ministério de Estado da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

E que, hoje, reúne profissionais selecionados para desenvolver política de abstinência sexual, como “política de governo”.

Mais recentemente, o novo secretário de ciência, tecnologia e insumos estratégicos (onde se monitoram os estudos clínicos sobre medicamentos e se avalia a sua eficácia), Hélio Angotti Neto, além de se declarar Olavista, e de defender o uso da cloroquina em todas as coletivas de imprensa, também persegue declaradamente os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres.

Em uma recente entrevista, Angotti teria declarado

“Há uma grosseira manipulação de expressões como saúde e direito, de forma que a tentativa de legalizar o assassinato da própria prole, de nossos filhos, torna-se um direito reprodutivo e saúde reprodutiva. É manipulação semântica de baixíssima qualidade, mas que convence pessoas despreparadas em termos filosóficos. Que se considere saudável, digno ou justo matar fetos indefesos é sinal claro de que há sim uma postura controversa em relação à vida humana e a sua dignidade.”

E, agora, o Brasil se junta a países islâmicos contra resolução da ONU pelos direitos das mulheres, e pede a eliminação de referências aos direitos reprodutivos e saúde sexual para as mulheres, além da supressão do parágrafo que fala de “acesso a planejamento familiar e métodos modernos de contracepção”, bem como à educação sexual.

Alinhado como está, este governo quer reduzir as mulheres à condição de meras reprodutoras, ignorantes e complacentes, estimulando um retorno aos valores medievais.

Esta atitude se soma ao empenho em outras áreas (saúde, educação, economia, tratamento às e aos jornalistas, alinhamento político e subalterno) em levar o País para tempos sombrios, carregados de ignorância, mediocridade, e de violência desferida contra os que discordam dessa intenção.

O quadro não se fecha só nos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres. Teremos, ainda, a acusação referente ao tratamento do Bolsonaro aos jornalistas em geral, e às mulheres jornalistas, mais particularmente.

Bianca Santana tomará a palavra para apresentar o seu caso (em maio, ela foi acusada pelo presidente de escrever ‘fake news’, depois que publicou um artigo sobre a relação entre familiares e amigos de Bolsonaro com os acusados de assassinar a vereadora Marielle Franco).

Isso, para além da denúncia de uma série de entidades brasileiras (entre os quais o Movimento de Pequenos Agricultores, a Coordenação das Nações Indígenas, os remanescentes de Quilombos do Para e outros), nessa mesma reunião em Genebra, contra o desmonte das políticas ambientais do governo Bolsonaro, alertando ainda quanto à postura do ministro de Meio Ambiente – Ricardo Salles – de “passar a boiada”, aproveitando a distração da população e da mídia, com a pandemia.

Tempos ignóbeis que nos envolverão até as próximas gerações, caso não façamos algo para impedi-los, e já!

*Rachel Moreno é psicóloga e militante feminista. Autora, entre outros livros, de A imagem da mulher na mídia (Expressão popular).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Costa Júnior Vanderlei Tenório Francisco Pereira de Farias Roberto Bueno João Adolfo Hansen Henry Burnett Rodrigo de Faria Luciano Nascimento Fernão Pessoa Ramos João Paulo Ayub Fonseca Eleonora Albano Alexandre de Lima Castro Tranjan Chico Alencar Ricardo Abramovay José Geraldo Couto Mariarosaria Fabris Thomas Piketty Celso Frederico Ari Marcelo Solon Walnice Nogueira Galvão Marcos Silva Michael Löwy Lincoln Secco Eduardo Borges Lorenzo Vitral Atilio A. Boron Slavoj Žižek Flávio Aguiar Eleutério F. S. Prado Plínio de Arruda Sampaio Jr. Henri Acselrad Marcos Aurélio da Silva Daniel Costa Otaviano Helene Fernando Nogueira da Costa Paulo Martins Jean Marc Von Der Weid André Singer Roberto Noritomi Andrew Korybko Antônio Sales Rios Neto Mário Maestri Leonardo Sacramento Milton Pinheiro Daniel Afonso da Silva Alysson Leandro Mascaro Luiz Marques Marcelo Módolo Valerio Arcary Gabriel Cohn Anselm Jappe Eugênio Trivinho Juarez Guimarães Tadeu Valadares Carla Teixeira Airton Paschoa João Sette Whitaker Ferreira Bruno Machado Sandra Bitencourt Fábio Konder Comparato Paulo Nogueira Batista Jr Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre Aragão de Albuquerque André Márcio Neves Soares Elias Jabbour Manchetômetro Ricardo Fabbrini Luiz Costa Lima Leonardo Boff Ladislau Dowbor Francisco Fernandes Ladeira Igor Felippe Santos José Raimundo Trindade Jorge Branco Marilia Pacheco Fiorillo Marcelo Guimarães Lima Paulo Capel Narvai Marilena Chauí Rafael R. Ioris Chico Whitaker Ricardo Antunes Boaventura de Sousa Santos Marcus Ianoni Daniel Brazil Samuel Kilsztajn Annateresa Fabris Luis Felipe Miguel Ronald Rocha Celso Favaretto Eliziário Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Kátia Gerab Baggio Julian Rodrigues Ronald León Núñez Flávio R. Kothe Liszt Vieira Remy José Fontana Luiz Bernardo Pericás João Carlos Salles Berenice Bento Vinício Carrilho Martinez Maria Rita Kehl Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Renato Martins Bernardo Ricupero Afrânio Catani Denilson Cordeiro Priscila Figueiredo Leda Maria Paulani Valério Arcary Alexandre de Freitas Barbosa Heraldo Campos Manuel Domingos Neto Renato Dagnino Dênis de Moraes Anderson Alves Esteves Tarso Genro João Feres Júnior Francisco de Oliveira Barros Júnior Claudio Katz Dennis Oliveira José Micaelson Lacerda Morais José Machado Moita Neto Antonino Infranca José Dirceu Gilberto Lopes Lucas Fiaschetti Estevez Rubens Pinto Lyra José Luís Fiori Everaldo de Oliveira Andrade Vladimir Safatle Michael Roberts Jean Pierre Chauvin Luiz Eduardo Soares Leonardo Avritzer Bento Prado Jr. Carlos Tautz Gilberto Maringoni Paulo Fernandes Silveira João Carlos Loebens Érico Andrade Eugênio Bucci Luís Fernando Vitagliano Luiz Werneck Vianna Antonio Martins Salem Nasser Gerson Almeida Caio Bugiato Armando Boito Jorge Luiz Souto Maior Tales Ab'Sáber Luiz Roberto Alves João Lanari Bo Marjorie C. Marona Ricardo Musse Yuri Martins-Fontes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Osvaldo Coggiola Sergio Amadeu da Silveira Benicio Viero Schmidt

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada