O amparo militar a Bolsonaro

Imagem_Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANUEL DOMINGOS NETO*

Alguns passam a perguntar: até quando o militar apoiará o Presidente? Outros querem saber se o militar ampararia o sonho de Bolsonaro de fechar o Supremo e o Congresso. Há ainda quem, com propriedade, indague se um possível golpe militar descartaria Bolsonaro

O ativismo militar para eleger Bolsonaro e garantir seu governo escancarou a fragilidade da democracia brasileira. Um dia, esse ativismo será descrito pormenorizadamente como exemplificação de nossa endêmica corrupção institucional. Hoje, para os que amam a liberdade, o mais premente é captar a relação estabelecida entre o militar e a presidência.

Por “militar”, entenda-se o conjunto de integrantes diretos e agregados dos aparelhos de força do Estado. Esse conjunto de extraordinária capilaridade hegemonizado pelo Exército é por vezes designado como “família militar”, expressão que, por si, arranha a distinção entre o público e o privado. Não cabe ao Estado sustentar irmandades armadas. A maioria dessa família é composta por reservistas e reformados. Estes são os grandes atores no quadro político atual. Todos olham temerosos (ou esperançosos) para os que estão de armas na mão ou exercem cargos governamentais. Enquanto isso, os de pijama atuam desabridos: são milhões agindo freneticamente nas redes sociais tentando convencer a si mesmos e a todos da sacralidade da missão de enterrar a esquerda bandida, derrotar o chinês perverso e exaltar Bolsonaro. Sem essa militância abnegada, seria difícil Bolsonaro manter a aceitação indicada pelas pesquisas.

Alguns paisanos torceram para que o militar garantisse “racionalidade” ao governo e amargaram decepções. O Presidente comete crimes de responsabilidade aos borbotões, agride a ciência, o bom senso e a civilidade; ofende juízes, parlamentares, governadores e jornalistas; alimenta a idiotia coletiva e prepara o caos contando com uma rede disseminadora de mentiras. As instituições não o contêm, a oposição não mostra força e o militar não o domina. Alguns passam a perguntar: até quando o militar apoiará o Presidente? Outros querem saber se o militar ampararia o sonho de Bolsonaro de fechar o Supremo e o Congresso. Há ainda quem, com propriedade, indague se um possível golpe militar descartaria Bolsonaro.

Declarações de autoridades militares jurando fidelidade à Carta aprofundam a angústia cidadã. Os que detêm conhecimento histórico básico sabem da falsidade de tais juramentos. O militar é formado e organizado para cumprir missões por cima de pau e de pedra. Para efeito, não hesitam em engodar e tramar ardilosamente. Soldado que não aprende a dissimular e camuflar não chega ao posto de cabo. Hoje, o militar não teria motivos nem poderia abandonar sua cria. Ao contrário, tem mil razões para defender e proteger o governo Bolsonaro.

À sua maneira, o presidente cumpre o papel esperado pelo militar: garantir que a América do Sul não saia da órbita da potência hegemônica, anular a projeção mundial obtida nos governos democráticos, conter a superação das iniquidades do legado colonial escravagista, impedir mudanças culturais libertárias, franquear amistosamente as riquezas nacionais aos homens de negócios escusos, inclusive aquelas riquezas que estão sob os pés de povos originários.

Advindo um quadro de descontrole, Bolsonaro poderia deixar de ser funcional e tornar-se-ia descartável. Golpes dentro de golpes são rotineiros. Mas, no ambiente atual, não há motivos para que o militar abandone Bolsonaro, inclusive porque a “esquerda”, atordoada e na defensiva, poderia, quem sabe, dar a volta por cima. Pensa o militar: essa gente vil e criminosa, encarnação do mal, trancaria o cofre, perseguiria e cobraria pelo que fiz e pelo que deixei de fazer. Além disso, há o risco de descontrole das fileiras. Segmentos ou frações da “família militar” ficariam aborrecidos e trincariam a unidade, quem sabe, iniciando a guerra civil. Há paramilitares incentivados, protegidos e galvanizados pelo “Mito”. Sincronizados com a militância religiosa fundamentalista, os milicianos agiriam como feras incontroláveis.

Abandonando Bolsonaro em plena crise, depois ter preparado sua cadeira, o militar poria em risco o sistemático esforço que lhe garantiu o retorno ao mando por vias transversas. No mais, o Grande Irmão do Norte teria seu planejamento guerreiro prejudicado; seria levado a refazer seus projetos para a América do Sul.

Não seria fácil operar a “renúncia” de Bolsonaro, mesmo garantindo que não seja preso com seus filhos e que lhes seja permitido um exílio na Hungria: o homem é imprevisível e pode desrespeitar a “omertà”, a exemplo de Sérgio Moro. Contando o que sabe, Bolsonaro implodiria de vez autoproclamados salvadores da pátria.

Tirar Bolsonaro da cadeira presidencial seria bem mais complicado do que a sofisticada operação para elegê-lo. Substituí-lo por Mourão… Esse general endossa a agenda governamental e encarna o retrocesso agressivo. Teria o apoio dos homens de negócios escusos. Não se cansa de cortejá-los. Mas não incendeia corações, o pobre. Não teria votos para se eleger vereador em Porto Alegre, onde nasceu. É duvidoso que preserve a pequena, aguerrida e indispensável claque bolsonarista.

Mourão poderia tentar governar com a força bruta. Mas o comandante Pujol, com seu colegiado de estrelas, teria que assentir. Pujol sempre foi o primeiro da turma nas escolas militares. Com tantas apostilas para decorar, nem sei se teve tempo de ler um clássico. Por exemplo, Horácio, o romano que viveu antes de Jesus e lacrou: “A força bruta, quando não é governada pela razão, desmorona sob o seu próprio peso”.

*Manuel Domingos Neto é professor aposentado da UFC/UFF, ex-presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e ex-vice-presidente do CNPq.

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • A disputa de Taiwan e a inovação tecnológica na ChinaChina Flag 20/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A China já é hoje a líder mundial em 37 das 44 tecnologias consideradas mais importantes para o desenvolvimento econômico e militar do futuro
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza
  • A radicalidade da vida estéticacultura 04 20/07/2024 Por AMANDA DE ALMEIDA ROMÃO: O sentido da vida para Contardo Calligaris
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES