Os velhos do Restelo

Imagem: Eleanore Stohner
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PEDRO BENEDITO MACIEL NETO*

O Velho do Restelo errou nas críticas, como erram todos que pedem menos Estado, as grandes navegações tornaram Portugal, um pequeno país, num país rico

Os dias que se seguem ao Natal são longos e preguiçosos, pelo menos essa é a minha percepção, por essa razão os ocupo lendo, escrevendo, assistindo algumas séries nos serviços online de streaming e, eventualmente, visitando o sol que se oferece generoso nesse verão de inédito calor.

Escrevo para espantar a solidão
Letras constroem, pacientemente, palavras.
Essas desenham o contorno da alma
Agora revelada a todos
E a ninguém…

Tenho o hábito de empilhar os livros da pequena biblioteca que mantenho em casa, o faço com honesta intenção de ler ou reler cada um deles, fracasso sempre (ainda bem que a Rosana, bibliotecária que nos atende com paciência tibetana, recoloca tudo no lugar, etiqueta e tenta me educar, em vão, a manter tudo “arrumadinho”).

Dentre os livros que retirei das prateleiras está Os Lusíadas, obra de Luís de Camões que todos conhecem, mas poucos leram, o que remete a Hildebrando Siqueira: “Há homens eruditos que lembram garçons. Os garçons conhecem todo mundo… De vista”.

O poema de Luís de Camões, obra de sua vida, tem o objetivo a celebração da identidade nacional portuguesa.

Do ponto de vista estrutural está dividido em dez cantos, estruturas que equivalem aos capítulos de uma narrativa em prosa; o nome “canto” vem das epopeias clássicas, tem origem na Grécia antiga e em Roma, eram originalmente cantados, Os Lusíadas são para serem declamados e não cantados, mas, o nome canto é usado como tradição necessária.

Aprendi com a D. Maura, mãe de minha mãe, que, para entender o poema de Luís de Camões temos que ter em mente as partes lógicas, ou etapas do raciocínio, que são: proposição, invocação, dedicatória, narração e epilogo (além de vencer a dificuldade relacionada a algumas palavras e expressões, como, por exemplo, “É em toda esta terra certa escala”; “Possuída da Malina; “[Vênus] convoca as alvas filhas de Nereu / Com toda a mais cerúlea companhia…”; “Aonde pera sempre se acabasse”).

Uma das partes que reli está no Canto IV e é denominada “As despedidas e o Velho do Restelo”.

Imaginem a festa. Uma frota aparelhada tendo como capitão Vasco da Gama, partiria de Belém, às margens do Tejo, em busca de riquezas, honra e aventuras. Na época “praia de Restelo”, onde hoje está a Torre de Belém, mas, no momento da partida, quando de todas as partes acorria gente para despedida, surge, um homem velho: o “Velho do Restelo”, uma figura venerável que dentre a multidão se levanta e faz um discurso condenatório da aventura em que se metiam os portugueses, pontuando os efeitos nefastos dos gastos do Estado, diz ainda que tal investimento acabaria com a família portuguesa, só faltou dizer que Portugal transformar-se-ia numa Venezuela em seis meses.

O Velho do Restelo diz:

Sagaz consumidora conhecida
De fazendas, reinos e impérios
Chamam-te Ilustre, chamam-te súbita
Sendo dina de infame vitupérios
Chamam-te fama e glória soberana!
Nomes com que se o povo néscio engana!

Pelo que se vê a crítica aos investimentos do Estado e ao seu protagonismo são antigas, poéticas e, em muitos casos, apenas preconceituosas, pois, foi o Estado ao longo da História que, no papel de agente normativo e regulador da atividade econômica, financiou e realizou as grandes transformações; no Brasil da primeira metade do século XX, coube ao Estado criar a Petrobrás, a Vale do Rio Doce, a Companhia Siderúrgica Nacional, pilares do desenvolvimento industrial do país; a criação da Petrobrás, e sua manutenção como empresa controlada pelo Estado, custou a vida de um presidente e, seis décadas depois, a sanha privatista levou outro presidente ao cárcere, mesmo à míngua de provas.

O Velho do Restelo errou nas críticas, como erram todos que pedem menos Estado, as grandes navegações tornaram Portugal, um pequeno país, num país rico.

Na época, Portugal reunia condições políticas, econômicas, comerciais e geográficas que tornaram possível seu papel pioneiro; o resultado desse investimento foi a “descoberta” de diversos locais desconhecidos pelos europeus, além da abertura de novas rotas e o surgimento de novas possibilidades de comércio. Para os portugueses, todo esse processo culminou na chegada da expedição de Pedro Álvares Cabral ao Brasil, em 1500.

Talvez o Velho do Restelo não tenha levado em conta que no século XV, Portugal era uma nação politicamente estável. Essa estabilidade foi garantida pela Revolução de Avis, no século XII. Com isso, Portugal teve melhores condições para investir no desenvolvimento do comércio e da tecnologia náutica. Em comparação, as nações vizinhas (Espanha, França e Inglaterra) que ainda procuravam estabilidade política nesse mesmo período, sem paz institucional não há progresso.

Outro fator era a questão territorial, uma vez que o território português já havia sido consolidado desde o século XIII, quando a região de Algarve foi reconquistada dos mouros (muçulmanos que invadiram a Península Ibérica no século VIII). Os vizinhos espanhóis, por exemplo, só garantiram certa unificação territorial no final do século XV.

Sem o investimento do Estado português não haveria a Escola de Sagres e toda a tecnologia e conhecimento náutico ali desenvolvido não existiria; lá promoviam-se pesquisas de desenvolvimento de melhores técnicas de navegação, ou seja, apesar do que pensam os “velhos do Restelo”, o investimento do Estado em tecnologia é fundamental, sem qualquer preconceito em relação ao investimento privado, pois, vale destacar que Lisboa recebeu grandes investimentos de comerciantes genoveses, que estavam interessados em transformar a cidade em um grande centro comercial.

A soma de todos esses fatores fez com que Portugal tivesse as condições necessárias para ser a nação pioneira das Grandes Navegações, processo que resultou em grandes “descobertas” desde 1415; o pioneirismo de Portugal catalisou uma série de mudanças, já em curso na Europa desde o século XII; a Europa iniciou sua passagem para a Idade Moderna e deu prosseguimento ao fortalecimento do comércio e da moeda, garantindo, assim, o mercantilismo, práticas econômicas que fizeram a transição do feudalismo para o capitalismo, ou seja, sem o Estado nada aconteceria, sem o investimento e a regulação estatal nada teria ocorrido.

O Velho do Restelo é símbolo dos pessimistas de ontem e de hoje; representa aqueles que antanho não acreditaram no sucesso da epopeia das navegações e, no presente, aqueles liberais que, apesar de saberem de tudo, nunca leram nem Adam Smith, nem Luís de Camões.

*Pedro Benedito Maciel Neto é advogado e mestre em processo civil pela PUC SP. Autor de Reflexões sobre o estudo do direito (Komedi).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Afrânio Catani Vladimir Safatle Marcos Silva Luiz Eduardo Soares Walnice Nogueira Galvão Jorge Luiz Souto Maior Atilio A. Boron João Sette Whitaker Ferreira Valerio Arcary Flávio R. Kothe Daniel Afonso da Silva Juarez Guimarães Denilson Cordeiro Samuel Kilsztajn Maria Rita Kehl Ladislau Dowbor Andrés del Río Salem Nasser Plínio de Arruda Sampaio Jr. Osvaldo Coggiola Ronaldo Tadeu de Souza Eliziário Andrade Antônio Sales Rios Neto Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre de Lima Castro Tranjan Anselm Jappe João Adolfo Hansen Luís Fernando Vitagliano João Paulo Ayub Fonseca José Micaelson Lacerda Morais Henri Acselrad Ronald León Núñez Fernando Nogueira da Costa Benicio Viero Schmidt Tarso Genro Jean Pierre Chauvin Gabriel Cohn Leda Maria Paulani Jorge Branco Matheus Silveira de Souza Paulo Sérgio Pinheiro Berenice Bento Marcos Aurélio da Silva Vinício Carrilho Martinez Francisco Pereira de Farias Luiz Marques Ricardo Musse Francisco Fernandes Ladeira José Dirceu João Carlos Loebens Everaldo de Oliveira Andrade André Singer Armando Boito Manchetômetro Leonardo Boff Tadeu Valadares Fábio Konder Comparato Rodrigo de Faria Gilberto Maringoni Marilena Chauí Carla Teixeira Daniel Brazil Lorenzo Vitral Remy José Fontana Lucas Fiaschetti Estevez Renato Dagnino Jean Marc Von Der Weid Tales Ab'Sáber Lincoln Secco Ricardo Fabbrini Marcus Ianoni Flávio Aguiar Paulo Nogueira Batista Jr Airton Paschoa Ronald Rocha Andrew Korybko Chico Whitaker José Raimundo Trindade Paulo Capel Narvai Antonino Infranca Yuri Martins-Fontes Ricardo Abramovay Chico Alencar Ari Marcelo Solon João Lanari Bo André Márcio Neves Soares Paulo Fernandes Silveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Daniel Costa Caio Bugiato Elias Jabbour Anderson Alves Esteves Luiz Renato Martins Marjorie C. Marona Luiz Werneck Vianna Kátia Gerab Baggio Bernardo Ricupero Priscila Figueiredo Alexandre Aragão de Albuquerque Celso Favaretto Luciano Nascimento Thomas Piketty Luis Felipe Miguel Marcelo Módolo Rafael R. Ioris Henry Burnett Francisco de Oliveira Barros Júnior Leonardo Avritzer Michael Roberts Fernão Pessoa Ramos José Geraldo Couto Manuel Domingos Neto Eugênio Bucci Ricardo Antunes Gilberto Lopes José Luís Fiori Bruno Machado Bento Prado Jr. Michael Löwy José Machado Moita Neto Rubens Pinto Lyra Carlos Tautz Érico Andrade Valerio Arcary Otaviano Helene Marcelo Guimarães Lima Luiz Roberto Alves Julian Rodrigues Eleonora Albano Mário Maestri Liszt Vieira Dênis de Moraes Vanderlei Tenório Sergio Amadeu da Silveira Annateresa Fabris Luiz Bernardo Pericás Marilia Pacheco Fiorillo Michel Goulart da Silva Gerson Almeida Sandra Bitencourt Heraldo Campos João Feres Júnior Claudio Katz Alexandre de Freitas Barbosa Dennis Oliveira Celso Frederico Eugênio Trivinho Slavoj Žižek José Costa Júnior Leonardo Sacramento Alysson Leandro Mascaro Milton Pinheiro Eleutério F. S. Prado Igor Felippe Santos Eduardo Borges Boaventura de Sousa Santos Paulo Martins Antonio Martins João Carlos Salles Mariarosaria Fabris

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada