As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Em Porto Alegre

Dora Longo Bahia. Ocupação (Brasileira), 2011, Acrílica sobre tela 305 x 587 cm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

A vitória soturna da mentira e do medo

No sábado que precedeu o domingo eleitoral uma falsa pesquisa da Datafolha anunciava a vitória do candidato que fora encurralado e devastado, na noite anterior, por uma Manuela serena e segura das suas convicções, depois do maior tufão de mentiras, calúnias, impropriedades e ataques morais, jamais despejados – certamente por bases organizadas de criminosos, dentro e fora do país – contra qualquer candidato à Prefeitura de Porto Alegre, em toda a sua história.

Esta eleição em Porto Alegre esgota a legitimidade das eleições democráticas na cidade e abre – caso Melo se associe a um destino bolsonarista que parece estar em andamento – um ciclo de perversões sem fim, em direção a uma ruptura sem volta, entre as forças políticas da cidade.

Em eleições sempre ocorrem “sujeiras” -voluntárias ou não- originárias frequentemente de ambos os lados, mas estas, quando são emitidas em escala industrial como plano de “limpeza” e chacina moral de adversários, tornados inimigos, só são possíveis quando a técnica clandestina se torna – em escala global – pensamento fascista organizado pela extrema direita, que já escolheu se tornar diretamente comunidade criminosa. Esta é a lógica concreta dos Campos de Concentração que as tropas soviéticas e americanas mostraram ao mundo no fim da 2a. Guerra: a engenharia, a técnica, a química moderna tornada -lembrando um conto de Onetti- fazem o “inferno tão temido, que retorna sempre ao presente quando a noite das crises vem parir seus monstros, antes do alvorecer.

No dia das eleições, caminhões estridentes percorreram os bairros da cidade e relataram que a vitória de Manuela e Rosseto seria o espectro do comunismo rondando  Porto Alegre e  mais, tentavam fazer esquecer a pobreza argumentativa e a confusão mental do seu candidato, no debate da noite anterior, com informações surpreendentes. Dos amplificadores dos caminhões saiam, com fagulhas de ódio construído, que o destino da cidade seria – Manuela vitoriosa – comer “carne de cachorro” e ver os templos da cidade “fechados”. Depois que a necropolítica foi naturalizada com o elogio da morte e os símbolos da “arminha”, as pessoas aceitam tudo isso – num processo eleitoral – com a naturalidade pasteurizada daquela parte majoritária da mídia golpista, que ajudou a derrubar Dilma, forjando o “fake-crime” orçamentário.

No ocaso deste ciclo da democracia liberal, a “mamadeira de piroca” e a obrigatoriedade da “carne de cachorro” não geram convicções, mas afastam a dúvida de quem já foi capturado pela insanidade: em cada episódio das disputas sobre o futuro deve ser localizado no “outro”, no diferente, no marginal, no pobre, no adverso político, os fatores da minha infelicidade e a angústia de viver num mundo injusto. Com esta ideia na cabeça, a soma de pequenas noites de cristais e de pequenas Marcha sobre Roma, vão construindo -pelo medo- os que devem ser abatidos de qualquer forma. A tensão social se torna o caldo da mentira e esta se torna o elixir que sufoca a dúvida razoável.

Os resultados eleitorais demonstraram que a estratégia funcionou, pois os votos brancos e nulos – somados às abstenções – foram superiores à votação de qualquer dos candidatos, isoladamente, ou seja: a “não-eleição” – pela indiferença – foi superior à eleição pela escolha. Na cidade que acolhe os resultados sem alegria e sem utopia ficamos pasmados pela desmaio da energia que a cidade começava a ensaiar, com a vitória de Manuela e Rosseto. Esta colocaria Porto Alegre de novo no mundo da solidariedade democrática, como contraponto à crise, que passa a gerar – não somente o retorno à fome à miséria- mas também às eleições soturnas do nada

Nesta vitória soturna e distópica automóveis passaram por alguns pontos da cidade dizendo da derrota do “comunismo”, mas não saudaram a vitória de nada, precisamente porque foi o “nada” que ganhou a eleição. E este, não promove festas nem alegria. Ele não diz respeito ao candidato vitorioso, como ser humano, mas ao não-projeto que ele representou para vencer o pleito: impedir os cidadãos de comerem carne de cachorro e permitir que os templos -que nunca seriam fechados – permaneçam abertos para sempre.

A tristeza se abateu, ao que parece, sobre a maior parte da cidade e a vitória soturna do medo começou a cobrar seu preço, pois pandemia, miséria moral e manipulação, só promovem vitórias numéricas e de curta permanência no espírito. Amanhã será outro dia e nós, os utópicos da igualdade, os que jamais estendemos as mãos para o fascismo ou negociamos com racistas e milicianos, vamos continuar. E reviver.

Esta é a síntese de uma vitória ilegítima que começou seus alicerces lá na negação da política, com a glamourização dos movimentos de junho, para demonizar a esquerda e que agora aposta no “centrão”, para trazer Bolsonaro à sanidade. O fenômeno depois ocorreu por dentro da “teoria dos dois extremos”, para eleger  Bolsonaro contra Haddad e agora abre espaços para que o “mormaço” do velho MDB, seja substituído pela violência e pela insegurança que se espalha na cidade do diálogo e da tolerância.

Aguardemos que a mídia de sempre comece a exigir a instalação de um próximo Banco de Talentos, para semear quadros “técnicos” na Prefeitura da cidade, para substituir a inépcia dos políticos. Poderá ser uma equipe melhor do que aquela composta pelos que bolaram a estratégia da carne de cachorro? Bem…este é, na verdade, um problema de quem ganhou a eleição!

*Tarso Genro foi governador do Estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gilberto Maringoni José Geraldo Couto Bruno Fabricio Alcebino da Silva Dennis Oliveira Roberto Noritomi Paulo Capel Narvai Everaldo de Oliveira Andrade Salem Nasser Ricardo Fabbrini Leonardo Sacramento Gilberto Lopes Francisco Fernandes Ladeira Claudio Katz Mariarosaria Fabris Rubens Pinto Lyra Marcos Silva Ricardo Musse Daniel Afonso da Silva Luiz Renato Martins Armando Boito Jorge Branco Atilio A. Boron Berenice Bento Ronald Rocha Michael Roberts Manchetômetro Sandra Bitencourt Igor Felippe Santos Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rafael R. Ioris Bruno Machado Andrew Korybko Valério Arcary Anderson Alves Esteves Tadeu Valadares Paulo Sérgio Pinheiro Milton Pinheiro Remy José Fontana Lorenzo Vitral Liszt Vieira João Lanari Bo Henry Burnett Boaventura de Sousa Santos Benicio Viero Schmidt Celso Frederico Ladislau Dowbor André Márcio Neves Soares Paulo Martins Luiz Werneck Vianna Paulo Nogueira Batista Jr Eduardo Borges Jean Pierre Chauvin José Micaelson Lacerda Morais Mário Maestri José Costa Júnior Marcelo Guimarães Lima Marcus Ianoni Michael Löwy Dênis de Moraes Leonardo Avritzer Yuri Martins-Fontes Priscila Figueiredo Érico Andrade Marilena Chauí Sergio Amadeu da Silveira Paulo Fernandes Silveira Flávio Aguiar João Sette Whitaker Ferreira Henri Acselrad Leda Maria Paulani Alexandre de Lima Castro Tranjan Gabriel Cohn Alysson Leandro Mascaro Luiz Bernardo Pericás Celso Favaretto João Carlos Salles João Adolfo Hansen Luiz Costa Lima Osvaldo Coggiola João Paulo Ayub Fonseca Otaviano Helene Heraldo Campos Eliziário Andrade Lincoln Secco Eugênio Bucci Lucas Fiaschetti Estevez Roberto Bueno Eleutério F. S. Prado João Carlos Loebens Luciano Nascimento Anselm Jappe Ronaldo Tadeu de Souza André Singer Luis Felipe Miguel Eleonora Albano Caio Bugiato Vinício Carrilho Martinez Bento Prado Jr. Bernardo Ricupero Walnice Nogueira Galvão Renato Dagnino Leonardo Boff Carlos Tautz Chico Alencar José Luís Fiori Ari Marcelo Solon Chico Whitaker Samuel Kilsztajn Gerson Almeida Eugênio Trivinho Marcos Aurélio da Silva Ricardo Abramovay Daniel Costa Alexandre de Freitas Barbosa Manuel Domingos Neto Thomas Piketty Marcelo Módolo Slavoj Žižek Tarso Genro Francisco de Oliveira Barros Júnior Julian Rodrigues João Feres Júnior Juarez Guimarães Airton Paschoa Alexandre Aragão de Albuquerque Luís Fernando Vitagliano Flávio R. Kothe Vanderlei Tenório Daniel Brazil Francisco Pereira de Farias Annateresa Fabris José Raimundo Trindade Antonio Martins Jean Marc Von Der Weid Valerio Arcary Jorge Luiz Souto Maior Fábio Konder Comparato Maria Rita Kehl Elias Jabbour José Machado Moita Neto Ronald León Núñez Marjorie C. Marona Carla Teixeira Antônio Sales Rios Neto Luiz Eduardo Soares Rodrigo de Faria Afrânio Catani Tales Ab'Sáber Antonino Infranca Denilson Cordeiro Kátia Gerab Baggio Vladimir Safatle José Dirceu Luiz Roberto Alves Ricardo Antunes Luiz Marques Fernando Nogueira da Costa Luiz Carlos Bresser-Pereira Fernão Pessoa Ramos Marilia Pacheco Fiorillo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada