Carta a Geraldo Alckmin

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ CARLOS BRESSER-PEREIRA*

Tarifas ainda são o principal instrumento de qualquer política industrial bem-sucedida

Meu caro vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, escrevo-lhe esta carta para lhe falar de política industrial e de tarifas aduaneiras. Sim, tarifas aduaneiras. Li hoje uma excelente reportagem na revista Carta Capital sobre o projeto de política industrial que você e sua equipe estão prestes a concluir. Como seus assessores observam, é realmente uma nova política industrial.

Nova porque ela não se estrutura por setores, mas por missões: construir cadeias industriais sustentáveis, consolidar o complexo industrial da saúde, desenvolver a infraestrutura, promover a transformação digital, desenvolver a bioeconomia, desenvolver tecnologias estratégicas. Para cada missão haverá um grupo de trabalho a cuidar da implantação e da supervisão das políticas industriais. Parece-me tudo ótimo. Não tenho nada a acrescentar.

Quero, porém, discutir os instrumentos. Curiosamente, a expressão “política industrial” só passou a ser regularmente utilizada depois da “virada neoliberal” de 1980. Antes, os países em desenvolvimento praticavam a política industrial, mas não usavam esse nome, e, sim, política de substituição de importações.

O grande instrumento de política industrial que era então usado eram as tarifas aduaneiras. O neoliberalismo naturalmente criticou violentamente a política de substituição de importações, chamando as tarifas de “protecionistas”. Tiveram êxito porque, a partir dos anos 1980, o neoliberalismo se tornou dominante em toda parte e porque o modelo de substituição de importações já estava dando sinais de relativo esgotamento.

O que sobrou para o mundo subdesenvolvido, para nós, foi a política industrial, que também era criticada pela nova “verdade”, mas com menos ênfase. Porque estava baseada em subsídios fiscais e creditícios que o Império sabia serem limitados porque caros. Mesmo, portanto, que usássemos política industrial, não iríamos longe.

Na periferia do capitalismo, nos países em desenvolvimento, nós, economistas desenvolvimentistas, aceitamos docemente a nova ordem das coisas. Criticávamos duramente o neoliberalismo, mas esquecemos as tarifas, como se elas houvessem perdido sentido.

Meu caro Geraldo Alckmin, as tarifas não perderam sentido. Elas continuam ou devem continuar a ser o principal instrumento de qualquer política industrial bem-sucedida. Estou propondo que você as considere no seu projeto de política industrial.

Estaria sugerindo que voltemos à política de industrialização por substituição de importações? Não, a indústria brasileira já não é uma indústria infante. Pode sê-lo em novos setores, mas isso não legitima voltarmos a essa política. Ela foi fundamental no início da industrialização, mas essa fase está superada.

Como justificar, então, que voltemos a usar tarifas? As tarifas elevadas que tivemos até 1990 – o ano da desastrosa liberalização comercial – não se justificavam apenas pelo argumento da indústria infante (que não era mais aplicável), mas também pelo argumento da neutralização da doença holandesa. Como esse segundo fato não foi considerado, a liberalização comercial desencadeou um violento processo de desindustrialização.

Mas há uma justificação mais geral. Os dois argumentos anteriores – o da indústria infante e o da neutralização da doença holandesa – supõem que, não existindo os dois problemas, o mercado internacional garantirá que os recursos econômicos serão aplicados pelos países de forma ótima. Ora, sabemos que essa é a tese da ortodoxia neoliberal – que sempre se mostrou falsa quando aplicada.

Não estou propondo que voltemos às tarifas elevadas adotadas no período de grande desenvolvimento do Brasil (1950-1980) e ainda na crise dos anos 1980. Devemos, porém, usar tarifas aduaneiras sistematicamente. Usá-las como instrumento de política industrial ao lado dos subsídios.

Mas, poderão alguns arguir, o sistema tarifário brasileiro tem problemas –especialmente o fato de protegermos mais os insumos do que os bens acabados. Isso é verdade, mas daí não segue que devamos, primeiro, fazer uma reforma tarifária e depois usar as tarifas como instrumento de política industrial. Reduzir as tarifas de importação de insumos básicos envolve um processo difícil e demorado; usar tarifas aduaneiras no quadro da nova política industrial é algo que pode ser feito imediatamente.

*Luiz Carlos Bresser-Pereira é professor Emérito da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP). Autor, entre outros livros, de Em busca do desenvolvimento perdido: um projeto novo-desenvolvimentista para o Brasil (Ed. FGV).

Publicado originalmente no jornal Folha de S. Paulo.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Roberto Alves Manchetômetro Gabriel Cohn Liszt Vieira Tarso Genro Tadeu Valadares Bernardo Ricupero Ari Marcelo Solon Remy José Fontana Marcus Ianoni Daniel Costa Claudio Katz Ladislau Dowbor Milton Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Juarez Guimarães Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Bernardo Pericás Carla Teixeira Michel Goulart da Silva Yuri Martins-Fontes João Lanari Bo José Dirceu André Singer Paulo Capel Narvai Dennis Oliveira João Sette Whitaker Ferreira Luiz Carlos Bresser-Pereira Fernão Pessoa Ramos Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Carlos Salles Valerio Arcary Afrânio Catani Eugênio Bucci Lucas Fiaschetti Estevez Sergio Amadeu da Silveira Fernando Nogueira da Costa Rafael R. Ioris Paulo Martins Henri Acselrad Vanderlei Tenório José Luís Fiori Gilberto Lopes Alexandre de Freitas Barbosa Benicio Viero Schmidt José Machado Moita Neto Henry Burnett Daniel Afonso da Silva Denilson Cordeiro Samuel Kilsztajn Flávio R. Kothe Vladimir Safatle Kátia Gerab Baggio Bruno Machado Jorge Branco Andrés del Río Maria Rita Kehl Eleonora Albano Francisco Pereira de Farias Osvaldo Coggiola Paulo Nogueira Batista Jr Igor Felippe Santos Armando Boito Lincoln Secco Thomas Piketty Fábio Konder Comparato Marcelo Módolo Chico Alencar Eduardo Borges Ricardo Musse Gerson Almeida Chico Whitaker Mário Maestri Luís Fernando Vitagliano Paulo Fernandes Silveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Antonino Infranca Matheus Silveira de Souza José Geraldo Couto José Costa Júnior Marilena Chauí Ricardo Abramovay Marcos Aurélio da Silva Tales Ab'Sáber Caio Bugiato Luciano Nascimento Eliziário Andrade Mariarosaria Fabris Sandra Bitencourt Berenice Bento Eleutério F. S. Prado Priscila Figueiredo Leonardo Boff Ronald León Núñez Ricardo Fabbrini Atilio A. Boron Vinício Carrilho Martinez Michael Roberts Leda Maria Paulani Slavoj Žižek Antônio Sales Rios Neto Flávio Aguiar Anderson Alves Esteves Daniel Brazil Valerio Arcary Salem Nasser Ronald Rocha Marcelo Guimarães Lima André Márcio Neves Soares Boaventura de Sousa Santos Walnice Nogueira Galvão Carlos Tautz Annateresa Fabris Eugênio Trivinho Manuel Domingos Neto Otaviano Helene Bento Prado Jr. Alysson Leandro Mascaro Paulo Sérgio Pinheiro Andrew Korybko Julian Rodrigues Leonardo Avritzer Marcos Silva Ricardo Antunes Luiz Eduardo Soares Heraldo Campos Rubens Pinto Lyra Gilberto Maringoni João Feres Júnior Rodrigo de Faria Lorenzo Vitral Dênis de Moraes João Carlos Loebens Marjorie C. Marona Renato Dagnino Celso Favaretto Luis Felipe Miguel Anselm Jappe José Micaelson Lacerda Morais Jean Pierre Chauvin Airton Paschoa José Raimundo Trindade Celso Frederico Jorge Luiz Souto Maior Jean Marc Von Der Weid Elias Jabbour Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Fernandes Ladeira João Adolfo Hansen Luiz Werneck Vianna Luiz Marques Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Renato Martins Michael Löwy Érico Andrade Ronaldo Tadeu de Souza Leonardo Sacramento Alexandre Aragão de Albuquerque João Paulo Ayub Fonseca Antonio Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada