As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Parasita: o fim do “sonho coreano”

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Pela primeira vez desde a década de 1950, a sociedade sul-coreana se polariza socialmente, aumentando a percepção de que as portas abertas da ascensão social estão a se fechar e intensificando a “luta de classes”

Por Ricardo Pagliuso Regatieri*

A arte não é mera reprodução do real, mas a boa produção artística capta e transfigura sinais da realidade. Compreendido desde essa perspectiva, Parasita, filme do diretor sul-coreano Bong Joon-ho (em coreano, o sobrenome, Bong, vem antes do nome, Joon-ho) ilumina aspectos do presente histórico da Coreia do Sul. O filme de Bong, que antes havia dirigido, entre outros, O hospedeiro (2006), Snowpiercer (2013) e Okja (2017), ganhou a Palma de Ouro em Cannes, com decisão unânime do júri.

Desde o armistício que interrompeu, sem nunca formalmente encerrar, a Guerra da Coreia em 1953, mas especialmente a partir da década de 1960 com o governo ditatorial de Park Chung-hee, a parte sul da península que foi dividida em duas levou a cabo um vertiginoso processo de modernização em vista do qual o sociólogo sul-coreano Chang Kyung-sup forjou o conceito de “modernidade comprimida”[1]. Dos processos de modernização autoritária da segunda metade do século XX, o sul-coreano se tornou o mais célebre e provavelmente o mais celebrado.

O case de sucesso sul-coreano é por vezes tomado como prova de que a mobilidade entre periferia e centro do capitalismo global é sim possível, o que desmentiria abordagens como a teoria da dependência de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto e a teoria do sistema-mundo de Immanuel Wallerstein. Nessa interpretação, o contexto peculiar que possibilitou o desenvolvimento sul-coreano não é reconstruído.

Com efeito, esse desenvolvimento só teve lugar em virtude de, após 1953, a Coreia do Sul se ter tornado um pequeno bastião do capitalismo norte-americano face a um território contínuo de países socialistas que ia da União Soviética à Coreia do Norte, passando pela China. No cenário da Guerra Fria, a Coreia do Sul foi beneficiada por investimentos de capital norte-americano, acesso privilegiado a mercados e pela articulação de seu desenvolvimento à reconstrução do Japão pelos norte-americanos após a Segunda Guerra.

A “modernização retardatária”[2] sul-coreana e o salto do país de rural e pobre a produtor dos celulares Samsung que hoje levamos no bolso são mal compreendidos se não se leva em conta esse cenário geopolítico dentro do qual o Estado autoritário sul-coreano conduziu sua política de incentivo àqueles que deveriam se tornar os “campeões nacionais” – os grandes conglomerados de empresas familiares chamados de chaebol, dos quais a Samsung, LG e Hyundai são exemplos. A promiscuidade entre a esfera pública e a esfera privada embutida nesse modelo levou o sociólogo sul-coreano Oh Ingyu a chamá-lo de “Estado mafioso”[3].

De todo modo, a Coreia do Sul logrou em grande medida realizar, na metade final do século 20 e início do século 21, aquilo que Aníbal Quijano aponta como fundamental para um processo de nation-building bem sucedido: a “homogeneização” social.[4] Diferenças e disparidades de classe não desapareceram, mas nesses quase setenta anos as massas pobres rurais de um país destruído passaram por um processo de integração social e de urbanização que transformou e elevou seu padrão de vida. Esse processo foi levado a cabo com base numa arregimentação e numa exploração brutais da classe trabalhadora pelo “capitalismo de caserna” sul-coreano[5].

Esse é o contexto no qual, na última década, a indústria cultural sul-coreana passou a exportar um gênero que vem fazendo sucesso em diversos países, entre eles o Brasil: o K-Pop ou pop sul-coreano. O universo do K-Pop – cujos produtos principais são clipes musicais, séries e cosméticos (cosméticos e cirurgias plásticas são manias nacionais sul-coreanas, sendo a Coreia do Sul o país que tem o mais alto índice de cirurgias estéticas per capita) – mobiliza, como elementos centrais, o consumo, a tecnologia e o glamour, além de um romantismo açucarado.

Referindo-nos ao American dream do século XX, Constanza Jorquera e eu propusemos a ideia de que, nesse início do século 21, o imaginário do K-Pop representa aquilo que chamamos de “sonho coreano”[6]. Essencialmente, o sonho coreano – que tem levado jovens de diversos países da periferia do capitalismo a aprender coreano, querer morar em Seul e desejar ter um(a) namorado(a) sul-coreano(a)[7] – se constrói em torno do consumo e da ascensão social.

Ele é a tradução feliz e festiva do “milagre do Rio Han”[8], e nele habitam tecnologia, beleza estética e uma imensa coleção de mercadorias em movimento. O sonho coreano, que é ativamente promovido pelo governo sul-coreano no plano internacional como instrumento de soft power, expressa também uma consciência social enraizada na sociedade sul-coreana: a de que, do mesmo modo que o fez o país, também as famílias e os indivíduos podem “chegar lá”. Os meios para isso são o trabalho duro e um diploma universitário.

Mas é possível que, antes mesmo de se ossificar, o sonho coreano tenha chegado ao fim. Se o K-pop veicula e difunde o sonho coreano, Parasita é uma representação de seu epílogo. Se o desenvolvimentismo sul-coreano de fato levou a cabo um processo de integração social, os extremos em termos de classe e renda, nunca deixaram de existir.

Ainda assim, a promessa que animava o sonho coreano era a ascensão social, ao menos para a geração seguinte – pais trabalhadores e/ou pobres que, conseguindo enviar seus filhos à escola e depois à universidade, garantiriam para eles um futuro mais próspero. Nos últimos dez anos, porém, justamente ao passo em que o K-Pop era difundido internacionalmente e disseminava o sonho coreano para os quatro cantos do mundo, os sul-coreanos têm tido crescentemente a percepção de que, no plano doméstico, as portas abertas da ascensão social estão a se fechar.

Estudo realizado a cada dois anos pela Statistics Korea entre pessoas com 19 anos ou mais mostra que, em 2009, 48,3% delas acreditavam que a geração de seus filhos teria altas chances de mobilidade social, enquanto em 2019 apenas 28,9% acreditavam nisso[9]. O governo de Moon Jae-in, político “progressista” eleito na sequência do impeachment da presidente Park Geun-hye (filha do ditador Park Chung-hee) em 2017, não foi capaz de cumprir suas promessas de diminuir o fosso social; pelo contrário, desde o início de seu governo esse se aprofundou ainda mais.

Pela primeira vez desde a década de 1950, ao invés de convergir para o centro, a sociedade sul-coreana se polariza socialmente. Na linguagem cotidiana, criou-se inclusive uma categorização que expressa essa polarização: a oposição entre os “colheres de ouro” (금수저 ou geumsujeo) e os “colheres sujas” (흙수저 ou heuksujeo). Os primeiros são a elite privilegiada do país, que conta com altos rendimentos e propriedades, bem como acesso às melhores universidades da Coreia do Sul e dos Estados Unidos. Os últimos caracterizam o estrato mais baixo da sociedade sul-coreana, para os quais não resta mais nada do que levar sua própria pele ao mercado precário e sobreviver com os baixos rendimentos daí obtidos.

Parasita retrata precisamente a “luta de classes” entre esses dois extremos. Se, de fato, as chances de ascensão social se esfumaram no ar, em lugar do trabalho duro e honesto, restam a desonestidade e a farsa como modo de vida. Quando vemos o primeiro movimento de Kim Ki-woo, pensamos ser ele o parasita do título do filme. Quando toda a família Kim se envolve na impostura, parece-nos que se trata de uma família de parasitas. Quando descobrimos o segredo guardado pela antiga empregada e seu modo de vida sumamente parasitário, temos certeza que encontramos o desfrutador.

Mas, nas apoteóticas cenas da festa na parte final do filme, suspeitamos que parasita pode ser uma referência ao Sr. Park e ao estilo de vida de sua família e dos amigos que comparecem à garden party postiçamente ocidental[10] organizada de última hora, de forma “casual”, por sua esposa. Os acontecimentos da festa sugerem que o pacto de classes nacional-desenvolvimentista sul-coreano chegou a seu final, com o sonho coreano se transformando, a passos largos, em pesadelo.

* Ricardo Pagliuso Regatieri é professor do Departamento de Sociologia da Universidade Federal da Bahia

Notas


[1] Chang, Kyung-sup. South Korea under Compressed Modernity: Familial Political Economy in Transition. New York: Routledge, 2010.

[2] Kurz, Robert. O colapso da modernização: da derrocada do socialismo de caserna à crise da economia mundial. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1999.

[3] Oh, Ingyu and Varcin, Recep. “The mafioso state: state-led market bypassing in South Korea and Turkey”. Third World Quarterly 23 (4): 711-723, 2002.

[4] Quijano, Aníbal. “Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina”. In: Quijano, Aníbal. Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Buenos Aires: CLACSO, 2014, p. 807 e segs.

[5] Em O colapso da modernização, Kurz nomeia o sistema soviético e os regimes a ele vinculados, como a Coreia do Norte, de “socialismo de caserna”. Penso que a modernização retardatária sul-coreana oferece um exemplo prototípico do que, nessa mesma linha, poderia ser chamado de “capitalismo de caserna”. Diferentemente do vizinho do norte, a modernização autoritária no sul não foi movida por nenhum espírito “socialista”; muito pelo contrário, buscou sempre ativamente se contrapor a ele.

[6] Regatieri, Ricardo Pagliuso. “Development and dream: on the dynamics of K-Pop in Brazil”. Development and Society 46 (2): 505-522, 2017.

[7] Para uma análise comparativa do fenômeno do K-Pop em cinco países latino-americanos (Argentina, Brasil, Chile, México e Peru), ver: Regatieri, Ricardo Pagliuso. “The Sweet Scent of Development: Korean Pop Culture in Latin America”. In: Korea Institute for International Economic Policy. Studies in Comprehensive Regional Strategies Collected Papers (International Edition). Seoul: Korea Institute for International Economic Policy, 2016.

[8] Expressão que se refere ao acelerado crescimento econômico sul-coreano, especialmente a partir da década de 1960, aludindo ao rio que corta Seul.

[9] The Korea Times. “Koreans become more skeptical about upward social mobility”. 25/11/2019. Extraído de: https://www.koreatimes.co.kr/www/biz/2019/11/367_279308.html

[10] A adoração dos Park pelo Ocidente se faz presente de cabo a rabo em Parasita: Ki-woo entra na vida da família como tutor particular de inglês da filha – entre a classe média e a elite sul-coreanas, o aprendizado de inglês é uma obsessão que as leva a gastar rios de dinheiro, preferencialmente contratando professores norte-americanos –, a cabaninha do filho veio dos EUA, assim como os petiscos do cachorro, etc.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jorge Branco Fernando Nogueira da Costa Paulo Sérgio Pinheiro Jean Marc Von Der Weid Lorenzo Vitral Elias Jabbour Chico Whitaker Luis Felipe Miguel Eugênio Bucci Ari Marcelo Solon José Luís Fiori Afrânio Catani Alexandre de Freitas Barbosa Eliziário Andrade Samuel Kilsztajn Julian Rodrigues Vinício Carrilho Martinez Thomas Piketty Chico Alencar Caio Bugiato Luiz Werneck Vianna José Costa Júnior Armando Boito Ronaldo Tadeu de Souza Yuri Martins-Fontes Mário Maestri Marcos Aurélio da Silva Tadeu Valadares João Paulo Ayub Fonseca Mariarosaria Fabris Igor Felippe Santos Daniel Afonso da Silva Kátia Gerab Baggio Osvaldo Coggiola Ricardo Fabbrini Ricardo Musse Luiz Renato Martins Valerio Arcary Anderson Alves Esteves Bernardo Ricupero Carlos Tautz Érico Andrade Heraldo Campos Paulo Capel Narvai Jean Pierre Chauvin Luiz Carlos Bresser-Pereira José Dirceu Dennis Oliveira Marcos Silva Celso Frederico Daniel Costa Luciano Nascimento Carla Teixeira André Márcio Neves Soares Paulo Fernandes Silveira Francisco Fernandes Ladeira Eleutério F. S. Prado Rodrigo de Faria Roberto Noritomi Remy José Fontana Eleonora Albano Marcelo Módolo Antônio Sales Rios Neto Ladislau Dowbor Manuel Domingos Neto Gilberto Lopes Gabriel Cohn Flávio Aguiar Luiz Roberto Alves Sandra Bitencourt Alysson Leandro Mascaro Luiz Costa Lima Gilberto Maringoni Celso Favaretto Lucas Fiaschetti Estevez João Carlos Salles Roberto Bueno Flávio R. Kothe Fernão Pessoa Ramos Gerson Almeida Airton Paschoa Bento Prado Jr. Fábio Konder Comparato Alexandre de Lima Castro Tranjan Tales Ab'Sáber Tarso Genro Paulo Nogueira Batista Jr Alexandre Aragão de Albuquerque Leda Maria Paulani Marilia Pacheco Fiorillo Vanderlei Tenório Marilena Chauí Ricardo Antunes Antonino Infranca Leonardo Boff Luiz Eduardo Soares Benicio Viero Schmidt Ronald León Núñez Bruno Machado Michael Löwy João Adolfo Hansen Valério Arcary João Carlos Loebens Denilson Cordeiro Jorge Luiz Souto Maior Rafael R. Ioris Renato Dagnino Sergio Amadeu da Silveira José Machado Moita Neto Maria Rita Kehl Andrew Korybko Claudio Katz João Sette Whitaker Ferreira Ronald Rocha Francisco Pereira de Farias Henri Acselrad Boaventura de Sousa Santos José Micaelson Lacerda Morais João Lanari Bo Luiz Bernardo Pericás Leonardo Avritzer José Geraldo Couto Slavoj Žižek Berenice Bento Marcus Ianoni Antonio Martins Francisco de Oliveira Barros Júnior João Feres Júnior Otaviano Helene Anselm Jappe José Raimundo Trindade Liszt Vieira Manchetômetro Marjorie C. Marona Luiz Marques Ricardo Abramovay Eugênio Trivinho Henry Burnett Leonardo Sacramento Paulo Martins Plínio de Arruda Sampaio Jr. Dênis de Moraes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luís Fernando Vitagliano Everaldo de Oliveira Andrade Priscila Figueiredo Atilio A. Boron Salem Nasser Michael Roberts Milton Pinheiro Lincoln Secco Rubens Pinto Lyra Juarez Guimarães Walnice Nogueira Galvão Daniel Brazil Annateresa Fabris Vladimir Safatle Marcelo Guimarães Lima Eduardo Borges André Singer

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada