Zona de Turbulência

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ALFREDO SAAD FILHO*

Frente ao fascismo há turbulência, conflito, nevoeiro e incerteza, sim; mas a neutralidade é por definição impossível.

A esquerda encontra a sua coerência no princípio da construção da igualdade – a característica fundamental deste campo político – e na aderência aos ideais iluministas: a existência tem lógica, a natureza tem regras, a ciência pode entendê-las, e a sociedade pode navegar as restrições naturais e sociais de modo a construir um mundo melhor. O problema da esquerda é a falta de capacidade para implementar esses ideais: em outras palavras, a esquerda tem visão, mas lhe falta poder.

A direita encontra a sua coerência na produção de valor e na captura da riqueza. Estes objetivos egoístas tendem a ser velados pelo discurso da “eficiência” (trabalhar mais e melhor para produzir mais riqueza), “produtividade” (produzir um volume maior de mais-valia por unidade de tempo), “redução do desperdício” (mais dinheiro no cofre), e “recompensa ao mérito” (mais dinheiro para mim, que mereço, e menos para os outros, que são preguiçosos ou parasitas). O problema da direita é a falta de legitimidade desses ideais: a direita tem poder, mas lhe falta capacidade de inspirar a maioria. Por isso a necessidade, para a direita, de um véu ideológico para justificar o seu monopólio do poder.

Entre direita e esquerda tende a existir uma zona de turbulência política e ideológica, que é frequentemente ocupada pelas camadas médias e pelos pobres “empreendedores”. Enquanto as camadas médias se dividem entre os ideais políticos democráticos e socialmente igualitários, e a busca do interesse próprio com o objetivo de ascensão individual à camada social mais rica, os “empreendedores” hoje em dia vivem embebidos pela teologia da prosperidade, que racionaliza tanto o desespero atual quanto a esperança de sair do pântano da necessidade material ainda nesta vida – ao invés de precisar esperar pela salvação dos pobres após a morte. Enquanto o apocalipse não chega, a caixinha da igreja sempre precisa de mais contribuições. Não é fácil manter o jatinho do bispo, e muito menos financiar mais um canal de TV.

Essa zona de turbulência social e ideológica, hoje, está refletida nas resistências crescentes ao governo Bolsonaro. A formação de uma frente democrática gasosa, capitaneada por Fernando Henrique Cardoso, que continua pairando sobre a política nacional como um renitente fantasma, inclui também uma ampla gama de raposas, cachorros grandes, aves amestradas, pilantras profissionais e ladrões contumazes. Essa frente, da qual Lula notoriamente escapuliu pela claraboia, se propõe a domesticar o Presidente da República, chegando a um acordo pelo qual ele conteria seus arroubos autoritários em troca do término do mandato – código para “chega de criar confusão e deixa o Guedes completar o programa”.

A frente, então, não se estrutura em torno da democracia; essa ideia é apenas o véu. Afinal, muitos dos seus membros votaram em Bolsonaro sabendo perfeitamente de quem se tratava, enquanto outros fingiram neutralidade, sabendo perfeitamente que não há campo neutro frente ao fascismo: turbulência, conflito, nevoeiro e incerteza, sim; mas a neutralidade é por definição impossível. A frente, então, é pela paz no curto prazo e pelo Guedes no longo prazo, e daí não passa, exceto pela esperança de que, desarmado e domesticado, Bolsonaro deixaria de polarizar a política nacional e seria derrotado em 2022.

Esse plano é inviável, porque ele se atraca à lógica egoísta da direita, e abandona a coerência iluminista da esquerda. Bolsonaro não existe fora do fascismo; ele não pode deixar de sabotar a democracia, empoderar as milícias, distribuir armas e reclamar dos seus oponentes. É da natureza da besta, assim como o escorpião da conhecida fábula, que, sem razão aparente, e com consequências suicidas, aferroa o caridoso sapo que lhe carrega para a outra margem do rio. Essa ação não tem lógica – do ponto de vista da lógica formal da esquerda. Mas do ponto de vista de quem existe para sabotar a democracia, faz perfeito sentido a Bolsonaro prometer o que for necessário para escapar do apuro imediato, conter o “caso Queiroz”, e voltar a atacar as instituições do Estado por baixo do pano, assim que a situação se acalmar. Nesse sentido, e paradoxalmente, a “tranquilidade” política serve aos interesses fascistas.

Uma frente democrática é essencial para conter o fascismo, desmontar a aliança militar-miliciana no coração do Estado, restaurar a ordem constitucional, conter a pandemia, e reverter a barbárie neoliberal na economia. Mas essa frente só virá a existir com uma esquerda mais forte. Até o momento, apesar de seus esforços, a esquerda continua marginalizada e dividida, acuada no cantinho escuro da política brasileira por uma grande imprensa implacavelmente hostil, pela desarticulação do movimento sindical, e pela impotência de seus números no Congresso Nacional. A condição essencial para a formação de uma frente democrática no Brasil, portanto, é o fortalecimento da esquerda, que traz à mesa os ideais essenciais para a reconstrução da República democrática.

Para conter Bolsonaro e sua gangue de psicopatas é essencial desenvolver ações unificadas no plano institucional. Mas isso é apenas parte do momento da resistência: esse é o primeiro passo, mas ele não basta para a jornada. Para alavancar um projeto de revigoramento da democracia no Brasil, é preciso ganhar apoio, polarizar o debate, e deslocar a zona de turbulência política para mais perto do clã dos Bolsonaros. Para isso, é essencial atrair as camadas trabalhadoras para um projeto de salvação da vida durante a pandemia, e pela melhoria da vida após a catástrofe. Para avançar esse projeto, a esquerda precisa crescer, e o primeiro passo é a unidade de forças e propósitos dentro do campo radical. Humildade para dentro, ofensividade para fora; a derrota do fascismo demanda que tudo o mais – todos os projetos pessoais – sejam abandonados.

A hora é agora.

*Alfredo Saad Filho é professor no King’s College London. Autor, entre outros livros, de O valor de Marx (Unicamp).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Sette Whitaker Ferreira Maria Rita Kehl Priscila Figueiredo Paulo Nogueira Batista Jr Samuel Kilsztajn Marcelo Guimarães Lima Lincoln Secco Andrew Korybko Renato Dagnino Eleonora Albano Matheus Silveira de Souza Jorge Branco Milton Pinheiro Fábio Konder Comparato Michael Roberts Ronald Rocha Luiz Eduardo Soares Juarez Guimarães Sandra Bitencourt Ari Marcelo Solon Leonardo Sacramento Michel Goulart da Silva Eliziário Andrade Flávio R. Kothe Dennis Oliveira Eugênio Bucci Marcos Aurélio da Silva Boaventura de Sousa Santos Andrés del Río Bento Prado Jr. Daniel Brazil Alexandre de Lima Castro Tranjan Manchetômetro Kátia Gerab Baggio Jean Marc Von Der Weid Slavoj Žižek José Geraldo Couto André Singer Rodrigo de Faria Everaldo de Oliveira Andrade Anderson Alves Esteves Marcus Ianoni Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bruno Machado Ricardo Antunes Marcos Silva Airton Paschoa Paulo Capel Narvai Mariarosaria Fabris Antonino Infranca Luiz Marques Valerio Arcary Gabriel Cohn Elias Jabbour Rubens Pinto Lyra Atilio A. Boron Bernardo Ricupero Liszt Vieira João Lanari Bo Valerio Arcary Marilia Pacheco Fiorillo André Márcio Neves Soares Chico Whitaker Annateresa Fabris Marjorie C. Marona Alexandre de Freitas Barbosa Leonardo Boff Remy José Fontana Gilberto Lopes Francisco Pereira de Farias Tadeu Valadares Paulo Martins Luiz Renato Martins Jorge Luiz Souto Maior Flávio Aguiar Berenice Bento Leda Maria Paulani Vanderlei Tenório Gerson Almeida Celso Favaretto Marilena Chauí Lorenzo Vitral José Luís Fiori Vladimir Safatle Fernão Pessoa Ramos Carlos Tautz Heraldo Campos Eduardo Borges Celso Frederico Anselm Jappe Érico Andrade Afrânio Catani Caio Bugiato Eugênio Trivinho Leonardo Avritzer Igor Felippe Santos Luciano Nascimento Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronaldo Tadeu de Souza Sergio Amadeu da Silveira Paulo Sérgio Pinheiro Thomas Piketty José Micaelson Lacerda Morais Luiz Bernardo Pericás Vinício Carrilho Martinez José Dirceu Henri Acselrad Francisco Fernandes Ladeira Alexandre Aragão de Albuquerque Luis Felipe Miguel Luiz Roberto Alves Ricardo Fabbrini Julian Rodrigues Henry Burnett Armando Boito Rafael R. Ioris Dênis de Moraes João Feres Júnior Ronald León Núñez Yuri Martins-Fontes Ladislau Dowbor Chico Alencar Benicio Viero Schmidt João Adolfo Hansen Daniel Costa João Paulo Ayub Fonseca Salem Nasser Ricardo Musse Tarso Genro Lucas Fiaschetti Estevez Antônio Sales Rios Neto Osvaldo Coggiola João Carlos Loebens Marcelo Módolo Walnice Nogueira Galvão Jean Pierre Chauvin Plínio de Arruda Sampaio Jr. Michael Löwy Manuel Domingos Neto Luiz Werneck Vianna Gilberto Maringoni Carla Teixeira José Machado Moita Neto Otaviano Helene Mário Maestri Ricardo Abramovay Daniel Afonso da Silva Claudio Katz Paulo Fernandes Silveira João Carlos Salles José Costa Júnior Denilson Cordeiro Antonio Martins Tales Ab'Sáber José Raimundo Trindade Alysson Leandro Mascaro Fernando Nogueira da Costa Luís Fernando Vitagliano Eleutério F. S. Prado Luiz Carlos Bresser-Pereira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada