As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Desconstrução, autoafirmação e redes sociais

Imagem_Oto Vale
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Lucas Machado*

As mídias sociais só podem ser uma ferramenta extremamente tensa e paradoxal de desconstrução: elas giram em torno da aparência e do querer parecer

Não existe nesse mundo absolutamente ninguém desconstruído. Só existe desconstrução. E não há nada menos “desconstruído” do que, em algum momento, você se achar “o” desconstruído, como se esse fosse um processo que pode chegar a um fim. Por isso também, não há nada menos “desconstruído” do que querer passar a aparência de ser desconstruído. Precisamente porque a aparência se apoia em uma ideia de imediatez e fixidez – se quero transmitir a aparência de desconstruído, quero parecer imediata e inteiramente assim. Mas isso, justamente, contradiz a própria ideia da desconstrução como um processo, como algo que exige ir além do que somos ou do que parecemos ser imediatamente e refletirmos criticamente sobre isso.

É por isso que as mídias sociais só podem ser uma ferramenta extremamente tensa e paradoxal de desconstrução: elas giram em torno da aparência e do querer parecer. Mas a desconstrução exige irmos além da aparência, nos postarmos criticamente em relação a ela. Por isso, a desconstrução, nas mídias sociais, se transforma e se inverte, não com pouca frequência – de fato, talvez mesmo via de regra – em ferramenta de autoafirmação. A desconstrução é instrumentalizada, cooptada precisamente pelo mecanismo de autoafirmação que ela deveria colocar em xeque. Ela se solidifica na “aparência do desconstruído”, que nos esforçamos, então, para transmitir e preservar a todo custo.

Se é assim, devemos nos perguntar: será que o melhor meio de desconstruirmos a nós mesmos, e de propormos a desconstrução aos outros, é pelas mídias sociais – pelo menos na forma com que as utilizamos atualmente? Será que não devemos buscar outros meios, para não transformar a desconstrução em autopromoção? De fato, me parece importante lembrar, aqui, o papel que o silêncio e o recolhimento têm nesse processo. Para podermos realmente refletir sobre quem somos, temos de sair do burburinho das redes sociais, da preocupação constante em se afirmar e se posicionar. A exigência de expressarmos apenas opiniões “certas”, de parecermos sempre certos e, por isso, termos de nos defender a todo custo, impede, justamente, a reflexão sincera sobre nossas opiniões. Por que, então, não deixar um pouco de falar, para poder refletir em silêncio?

É preciso encontrar outros espaços de crítica e reflexão além daqueles que as nossas mídias sociais atuais, focadas na aparência e na autopromoção, podem fornecer. E, talvez, sobretudo, encontrar o espaço dentro de nós mesmos em que podemos nos questionar livremente, sem a preocupação com a aparência que esse questionamento produzirá.

Isso não quer dizer que não devamos usar de modo algum as redes sociais. Apenas, que devemos, em primeiro lugar, não apenas não tratá-las como a ferramenta privilegiada de nossa desconstrução, mas também, em segundo lugar, de alguma maneira, enquanto nos falta outras redes ou outros meios mais apropriados, subverter os seus usos. Em outras palavras: se as mídias sociais são pensadas para serem ferramentas de autopromoção e autoafirmação, devemos subvertê-las para transformá-las, contra a sua intenção originária, em ferramentas de abertura ao outro e de criação de espaços comuns de reflexão.

Isso significa, a meu ver, em primeiro lugar, parar de compartilhar simplesmente opiniões (quer as minhas diretamente, quer as de outros, que expressem indiretamente as minhas), para compartilhar debates, livros, artigos, filmes, enfim, *referências*, e não *opiniões*.

Isso não quer dizer, é importante notar, que deve ser banido todo o espaço para expressão da própria opinião, ou mesmo de autopromoção. O que deve mudar não é a presença ou não desses elementos em mídias sociais, mas sim o foco neles para o foco no debate em si. Façamos do foco das mídias sociais não o Eu, não a autoafirmação e a autopromoção, mas sim o debate, o diálogo, a reflexão a partir de referências, que permite criar o espaço comum com o outro.

Essa seria a verdadeira subversão das mídias sociais. E é ela que, acredito, deveríamos fazer, enquanto não tivermos à nossa disposição outras mídias, pensadas e arquitetadas com uma outra finalidade do que, justamente, a finalidade da autopromoção. Mídias que, acredito, são inteiramente possíveis de serem criadas, uma vez que compreendamos a importância e centralidade delas para reconfigurar o espaço atual de nossas relações sociais e de nossos modos de nos relacionarmos com o outro e com nós mesmos.

*Lucas Machado é doutor em filosofia pela USP

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco de Oliveira Barros Júnior José Dirceu José Costa Júnior José Micaelson Lacerda Morais Vinício Carrilho Martinez Carla Teixeira Dênis de Moraes Jorge Branco Bruno Fabricio Alcebino da Silva Manchetômetro Jean Marc Von Der Weid Paulo Capel Narvai Annateresa Fabris Claudio Katz Fernando Nogueira da Costa Eugênio Bucci Ronaldo Tadeu de Souza Antonino Infranca Daniel Brazil Francisco Fernandes Ladeira Luiz Marques Flávio R. Kothe Eleutério F. S. Prado Lucas Fiaschetti Estevez Julian Rodrigues João Carlos Salles Juarez Guimarães André Márcio Neves Soares Marcelo Módolo Luiz Bernardo Pericás Daniel Afonso da Silva José Geraldo Couto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Igor Felippe Santos Chico Whitaker Anselm Jappe Fábio Konder Comparato João Carlos Loebens Slavoj Žižek Luiz Eduardo Soares Salem Nasser Henry Burnett Tadeu Valadares Rafael R. Ioris Marilena Chauí Ari Marcelo Solon Érico Andrade Marcos Aurélio da Silva Mariarosaria Fabris Anderson Alves Esteves Mário Maestri Ricardo Antunes Marcos Silva Luiz Werneck Vianna Gabriel Cohn Michael Löwy Boaventura de Sousa Santos Jean Pierre Chauvin João Sette Whitaker Ferreira João Paulo Ayub Fonseca Rodrigo de Faria Atilio A. Boron Remy José Fontana Luiz Roberto Alves Alexandre de Freitas Barbosa Walnice Nogueira Galvão Bernardo Ricupero Ronald Rocha Yuri Martins-Fontes Paulo Fernandes Silveira Lincoln Secco Antonio Martins Eduardo Borges Celso Frederico Armando Boito Sergio Amadeu da Silveira Luiz Renato Martins Kátia Gerab Baggio Benicio Viero Schmidt Flávio Aguiar Paulo Martins Jorge Luiz Souto Maior Thomas Piketty Ricardo Fabbrini Elias Jabbour Andrew Korybko Carlos Tautz Ricardo Musse Marjorie C. Marona João Feres Júnior Leonardo Avritzer Eugênio Trivinho Bruno Machado Bento Prado Jr. Michael Roberts Sandra Bitencourt Dennis Oliveira Liszt Vieira Airton Paschoa Roberto Bueno Chico Alencar José Machado Moita Neto Samuel Kilsztajn João Adolfo Hansen Antônio Sales Rios Neto Ricardo Abramovay Daniel Costa Tales Ab'Sáber Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Carlos Bresser-Pereira Milton Pinheiro Renato Dagnino Gilberto Lopes Eleonora Albano Berenice Bento Marcelo Guimarães Lima Priscila Figueiredo Tarso Genro Eliziário Andrade Leonardo Sacramento João Lanari Bo Marilia Pacheco Fiorillo Denilson Cordeiro Leda Maria Paulani José Raimundo Trindade André Singer Francisco Pereira de Farias Everaldo de Oliveira Andrade Vanderlei Tenório Manuel Domingos Neto Luciano Nascimento José Luís Fiori Luis Felipe Miguel Ronald León Núñez Luís Fernando Vitagliano Alexandre de Lima Castro Tranjan Rubens Pinto Lyra Fernão Pessoa Ramos Caio Bugiato Gerson Almeida Alexandre Aragão de Albuquerque Heraldo Campos Gilberto Maringoni Marcus Ianoni Luiz Costa Lima Valério Arcary Henri Acselrad Osvaldo Coggiola Leonardo Boff Paulo Nogueira Batista Jr Alysson Leandro Mascaro Afrânio Catani Maria Rita Kehl Ladislau Dowbor Roberto Noritomi Celso Favaretto Valerio Arcary Lorenzo Vitral Otaviano Helene Vladimir Safatle

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada