Por que o ano de 1968 ainda não terminou?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO SILVEIRA*

Apontamentos para outra oposição, agora referida ao tempo civilizatório: a oposição da ideologia à ética

Este título é uma referência explícita àquele que Zuenir Ventura há tempos nos presenteou. Quantas pistas foram abertas, fios que já foram puxados e outros ainda à espera de quem se aventure.

Aqui me aventuro num desses fios que, qual uma janela escancarada, continua aberto esperando o futuro. A meu ver um dos aspectos mais profundos daquele interminável momento histórico de 1968: seu caráter “civilizacional”; um tempo histórico mais lento, mais estrutural e sem dúvida mais profundo, ainda que só se possa notá-lo à superfície, ou seja, numa dada conjuntura sócio-histórica. Mesmo que não tenha estado diretamente à mesa dos debates de 1968, que preferiam, com razão, discutir questões mais candentes, não resta dúvida que no fundo mesmo dos debates, às vezes, e a quente, lá estava o avanço civilizacional moldando os debates e as palavras de ordem, quebrando tabus.

Aqui e acolá, na França como exemplo, não faltaram gestos exemplares de recursos extremados para funcionar como potentes freios para barrar o avanço que estava em curso. De Gaulle pedindo apoio a Alemanha (quem diria?); por aqui nada menos que o Ato Institucional nº 5 que, paradoxalmente, ajudava a sacramentar, como hino, o “Pra não dizer que não falei das flores” de Geraldo Vandré. Hoje, retroativamente, e talvez apenas assim, vale a lembrança do tão vaiado, mas premonitório “É proibido proibir” de Caetano Velloso.

Nem tantos, mas não por isso menos qualificados, já puseram o dedo nesta ferida civilizacional aberta pelo atual governo brasileiro, como se fosse o filhote bastardo daquele Ato Institucional nº 5. O próprio presidente, quando deputado, e mesmo depois, fez publicamente essa relação enaltecendo a tortura, a mais vil das relações sub-humanas. Humanas sim, pois até hoje não se soube que animais de outras espécies praticassem tais atos. E, (pasmem!) uma bastardia que resulta do fato de que este governo foi escolhido pela maioria dos eleitores brasileiros. Terrível escolha, a de fazer a roda da história girar para trás. Um rumo tão triste como covarde pelo seu medo de se confrontar com o futuro. Não me parece que para nossos filhos e netos tenhamos o direito de lhes barrar a saída para o futuro. A menos que queiramos lhes deixar uma herança (não há outra palavra) maldita.

A burguesia brasileira, com raríssimas exceções, mais uma vez insistiu (e ainda insiste) em revelar seu caráter, que Gunder Frank, com rara precisão, certa vez chamou de lumpem, lumpem-burguesia, para mostrar que o dinheiro e o lucro, como tantas outras vezes, ou melhor, sempre, se sobrepôs a qualquer sentido ético. Ético, sim, pois o avanço civilizacional é tributário de uma dimensão ética. Às vezes, a torto e a direito, o capital é suposto como sujeito – o capital isso, o capital aquilo, isto é, uma subjetivação que incrimina o capital sem compromisso com a precisão. Aqui, ao contrário, é a burguesia mesma que propõe o capital como sujeito, como sujeito civilizatório: a civilização do capital.

Não há dúvida, a historicidade do capital tem um lugar chave na formação da sociedade moderna; o fetichismo da mercadoria, é um atestado eloquente daquela historicidade, ao mesmo tempo que sinaliza para uma dimensão crucial de seu caráter ideológico, o de ser fundamento da … ideologia. Teoricamente já se opôs a ideologia à ciência (Althusser); aqui aponto para outra oposição, agora referida ao tempo civilizatório: a oposição da ideologia à ética.

Mas nessa marcha a ré civilizacional a burguesia brasileira foi acompanhada também por outros autores: militares, policiais militares, evangélicos, amplos setores da classe média. Ninguém como estes últimos têm os pés que parecem estar plantados na terra e para os quais o futuro já aconteceu no passado.  Luiz Marques, no site A Terra é Redonda, numa tirada elegante, chama a atenção para os “ressentidos” cujo lugar estaria especialmente marcado pela distância que separa a igualdade formal da desigualdade real.

Étienne Balibar, há alguns anos, propôs a sugestiva noção de “égaliberté”, que aqui interpreto livremente. De imediato ressoam fortemente ecos da Revolução de 1789 e da Declaração dos direitos do homem e do cidadão. Essa filiação da “égaliberté” traz implícita a ideia de uma nova revolução ou pelo menos da direção a seguir para atingi-la. A ordem de suas palavras-chave é invertida, liberdade e igualdade trocam de lugar. A igualdade passa a ser o objetivo principal; a liberdade como o meio necessário para se alcançar esse objetivo.

Liberdade para a igualdade; a igualdade com liberdade. O caminho dessa liberdade é estritamente vinculado à democracia: a democracia como seu chão. Balibar a relaciona a um processo histórico: a democratização da democracia. Revolução é imaginada, então, como esse processo – como um processo sempre inconcluso, sempre a advir.

Para trilhar este caminho é necessário pelo menos um compromisso inarredável com a democracia.

No Brasil, desde 1985 os sucessivos presidentes, a despeito de tantas diferenças, mantiveram esse compromisso, inclusive o governo Collor. No entanto, hoje, a sociedade brasileira está pagando caro, muito caro, por ter escolhido o ex-capitão para governá-la. Rodeado de generais estrelados, de evangélicos de índole duvidosa e do caráter vampiresco do dito Centrão que têm usufruído, especialmente os primeiros, em deixar parar no ar o espectro da ditadura. Assim, os ideais mais profundos daquele ano, o de 1968, são permanentemente golpeados, mas como uma fênix insistem de tantas formas em pedir passagem. Égaliberté talvez seja agora o seu lema. Quem quiser que embarque nessa.

*Paulo Silveira é psicanalista e professor aposentado do Departamento de Sociologia da USP. Autor, entre outros livros, de Do lado da história: uma leitura crítica da obra de Althusser (Polis).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marjorie C. Marona Luis Felipe Miguel Yuri Martins-Fontes Gerson Almeida Marilia Pacheco Fiorillo Luciano Nascimento Valerio Arcary João Carlos Salles Sergio Amadeu da Silveira Mário Maestri Paulo Martins Luiz Renato Martins Matheus Silveira de Souza Jean Marc Von Der Weid Bruno Machado Tadeu Valadares Sandra Bitencourt João Paulo Ayub Fonseca Fábio Konder Comparato Lincoln Secco Antônio Sales Rios Neto Celso Favaretto Ricardo Fabbrini Rodrigo de Faria João Lanari Bo Ronaldo Tadeu de Souza Ricardo Antunes Priscila Figueiredo Andrew Korybko Leda Maria Paulani Kátia Gerab Baggio Manchetômetro Airton Paschoa Milton Pinheiro Afrânio Catani Marcos Aurélio da Silva José Machado Moita Neto Ronald León Núñez Gilberto Lopes Eugênio Trivinho Berenice Bento Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Boff Vanderlei Tenório Igor Felippe Santos Jorge Luiz Souto Maior Fernão Pessoa Ramos Liszt Vieira Rafael R. Ioris Thomas Piketty Fernando Nogueira da Costa Walnice Nogueira Galvão Tales Ab'Sáber Celso Frederico Heraldo Campos Carlos Tautz Denilson Cordeiro Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Werneck Vianna Ladislau Dowbor Marcelo Módolo Ricardo Abramovay Marilena Chauí José Geraldo Couto Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Rubens Pinto Lyra Osvaldo Coggiola Paulo Fernandes Silveira Lorenzo Vitral André Márcio Neves Soares Elias Jabbour Slavoj Žižek Gilberto Maringoni Luiz Eduardo Soares Eleutério F. S. Prado Jorge Branco João Adolfo Hansen Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leonardo Avritzer Eleonora Albano Chico Alencar Paulo Capel Narvai João Carlos Loebens Ari Marcelo Solon Dennis Oliveira Bernardo Ricupero Luiz Carlos Bresser-Pereira Dênis de Moraes Francisco Pereira de Farias Carla Teixeira Caio Bugiato Atilio A. Boron Marcos Silva Maria Rita Kehl Gabriel Cohn Francisco de Oliveira Barros Júnior Anselm Jappe Eduardo Borges Daniel Brazil Manuel Domingos Neto Michel Goulart da Silva Boaventura de Sousa Santos Samuel Kilsztajn Salem Nasser Benicio Viero Schmidt Armando Boito Lucas Fiaschetti Estevez Marcus Ianoni Leonardo Sacramento Mariarosaria Fabris Luiz Bernardo Pericás Daniel Afonso da Silva Henri Acselrad Remy José Fontana Chico Whitaker Tarso Genro Annateresa Fabris Luís Fernando Vitagliano José Costa Júnior Érico Andrade Michael Löwy Luiz Marques Paulo Sérgio Pinheiro José Raimundo Trindade Luiz Roberto Alves Valerio Arcary Eugênio Bucci Henry Burnett Flávio R. Kothe João Feres Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vinício Carrilho Martinez Antonino Infranca Everaldo de Oliveira Andrade Renato Dagnino André Singer José Micaelson Lacerda Morais Jean Pierre Chauvin Julian Rodrigues Alysson Leandro Mascaro Marcelo Guimarães Lima Bento Prado Jr. Ricardo Musse João Sette Whitaker Ferreira Eliziário Andrade Claudio Katz José Dirceu Otaviano Helene Paulo Nogueira Batista Jr Michael Roberts Antonio Martins Andrés del Río Flávio Aguiar Alexandre Aragão de Albuquerque Alexandre de Freitas Barbosa Juarez Guimarães Daniel Costa José Luís Fiori Vladimir Safatle Ronald Rocha

NOVAS PUBLICAÇÕES