PSDB, um partido sem futuro

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIS FELIPE MIGUEL*

Bruno Covas, desaparecido precocemente, representava a esperança, ainda que tênue, de reencontro do PSDB com suas origens.

O processo de desconstrução da ordem constitucional brasileira teve como alvo privilegiado a esquerda e, em particular, o Partido dos Trabalhadores. O PT perdeu a presidência da República em 2016, com o golpe que depôs Dilma Rousseff, e foi impedido de voltar a ela em 2018, com o veto à candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva. Juízes, procuradores, policiais, empresas de mídia e, quando necessário, chefe militares se uniram na conspiração conhecida como Operação Lava Jato, com o objetivo de criminalizar o PT. Foram anos de perseguição intensa, sem tréguas.

No entanto, o PT chegou ao segundo turno das eleições presidenciais de 2018. Perdeu cadeiras, mas continuou elegendo a maior bancada na Câmara dos Deputados. Nas eleições municipais de 2020, mostrou alguma recuperação em relação a quatro anos antes. E, mais importante de tudo, apesar do esforço para a construção de um cenário em que as alternativas políticas relevantes seriam apenas Bolsonaro e a oposição de direita, a esquerda – em particular, novamente, o PT – conseguiu se impor como interlocutora política incontornável. Para a disputa do próximo ano, Lula, com seus direitos políticos restabelecidos, é favorito indiscutível. Em suma: o PT sobreviveu.

O diagnóstico é mais complicado no caso do PSDB. Durante 20 anos, pareceu que PT e PSDB vertebrariam o sistema partidário brasileiro – que continuaria fragmentado, regionalmente disperso e mesmo gelatinoso, como a literatura da Ciência Política não cansa de repetir, mas contaria com dois polos, um na centro-esquerda e outro na centro-direita, organizando as disputas nacionais. Só que o PSDB acabou engolfado pelo processo de fragilização institucional que ele mesmo ajudou a desencadear e hoje encontra dificuldade para se manter como ator político de primeira grandeza.

A rigor, o PSDB não nasceu com a vocação de liderar a centro-direita. Quando surgiu, em meio aos trabalhos da Assembleia Nacional Constituinte, rompia com um PMDB degradado pelo exercício do poder. O herdeiro das lutas contra a ditadura, que deveria comandar a redemocratização, tornara-se uma agremiação sem projeto, que reunia todo o tipo de oportunistas. O PSDB, então, buscava resgatar os compromissos perdidos, com uma definição programática mais clara e uma régua ética mais exigente. Sua “socialdemocracia” nunca foi mais do que um nome de fantasia. Tratava-se antes de um liberalismo progressista e, sobretudo, de uma intenção civilizadora. O objetivo do novo partido era agrupar os setores mais esclarecidos das elites brasileiras e aproximar o país das democracias capitalistas avançadas.

Um partido, em suma, posicionado no centro, mas um centro que, nas condições atrasadas da política brasileira, bem passaria por centro-esquerda.

Porém, o PT, após chegar ao segundo turno das eleições de 1989, ocupou o espaço da esquerda, que o PSDB talvez ambicionasse para si. Com Fernando Henrique Cardoso tornado, graças ao Plano Real, a tábua de salvação que permitiu evitar uma vitória de Lula em 1994, coube aos tucanos pilotar uma ampla coalizão de direita. Estabeleceram, em particular, uma parceria íntima com o PFL (hoje DEM), sigla que inicialmente abrigara os trânsfugas da ditadura que aderiram à transição negociada para a democracia. O PSDB parecia destinado a ocupar o lugar do PMDB e se tornar o verdadeiro partido da Nova República.

O governo tucano promoveu não propriamente o “choque de capitalismo” que Mário Covas anunciara em discurso célebre, mas um mergulho no ajuste neoliberal. Aderiu à ideia de redução do Estado e a práticas thatcheristas de estrangulamento do movimento sindical. Atravessou escândalos de grande monta, como a compra de votos para a emenda da reeleição e as privatizações “no limite da irresponsabilidade”, sem grandes arranhões graças ao controle sobre o Congresso e sobre os órgãos de fiscalização.

O partido inchou com adesistas, muitos dos quais o abandonaram quando perdeu o governo. Manteve sempre seu funcionamento como uma oligarquia ferreamente controlada por um punhado de líderes. Alguns caciques faleceram (Franco Montoro, Mário Covas), outros foram cooptados (Aécio Neves, Geraldo Alckmin), mas o PSDB prosseguia com seu perfil de partido pragmático com viés de centro-direita. A socialdemocracia permaneceu no nome, mas a fantasia que os tucanos passaram a projetar era a de uma “terceira via” à la Tony Blair, devidamente tropicalizada. Continuavam com o discurso dos direitos humanos, das liberdades democráticas e da justiça social; usavam o vocabulário moderno da “participação” e da “cidadania”, ao ponto da cientista política Evelina Dagnino diagnosticar a “confluência perversa” entre o governo liberal e a agenda progressista da oposição.

O sucesso dos governos petistas desestabilizou o PSDB. Políticas voltadas ao resgate da dívida social eram cuidadosamente combinadas com a preocupação de não assustar os grupos privilegiados; a ordem definida pela Constituição de 1988, aquela que os parlamentares do partido se recusaram a assinar, era o horizonte final do governo. Ou seja: por uma ironia da história, foi o PT, afinal, que se tornou o partido da Nova República.

Lula enfrentou as turbulências do mensalão e se reelegeu bem. Terminou o segundo mandato batendo recordes de popularidade e fez de uma quase desconhecida sua sucessora. As políticas sociais fidelizaram para o PT um eleitorado que antes costumava ser guiado pelos partidos conservadores. Como a maior parte dos políticos adesistas preferiu migrar para a base do novo governo, o PSDB viu seus aliados assumirem cada vez mais a face de uma direita ideológica. Nas eleições de 2010 e 2014, os candidatos tucanos assumiram discursos em que temáticas abertamente reacionárias ganhavam crescente centralidade – a oposição ao aborto legal, a defesa da redução da maioridade penal, a “meritocracia”, o punitivismo.

Quando o caminho do golpe começou a ser trilhado, após a derrota de Aécio Neves em 2014, já se invertera a situação anterior, em que a presença do PSDB como centro-direita civilizada servia para moderar seus aliados mais extremados. Eram os tucanos que cediam ao discurso dos radicais. Julgavam que poderiam se beneficiar da maré montante da antipolítica e que seus aliados de ocasião – fanáticos religiosos, saudosos da ditadura militar, olavistas, obscurantistas de todos os naipes – aceitariam passivamente voltar à posição de coadjuvantes.

Não podiam estar mais errados – como bem demonstrou o fiasco nas eleições presidenciais de 2018, em que o partido perdeu 85% dos votos que conquistara quatro anos antes. E, depois de decidir uma envergonhada “neutralidade” como posição oficial no segundo turno, marchou em peso ao lado de Bolsonaro.

A ruptura com os preceitos básicos da civilidade política, a adesão ao vale tudo, teve impacto também na vida interna do partido. Quando o então governador Geraldo Alckmin, desejoso de ampliar seu poder no PSDB, impôs a candidatura esdrúxula de João Doria à prefeitura de São Paulo, estava trazendo a raposa para dentro do galinheiro. Sem vivência partidária, sem experiência política, Doria quebrou o equilíbrio dos caciques tucanos. Seu personalismo truculento tem multiplicado ressentimentos, muitos deles possivelmente insanáveis. Seu oportunismo de curto prazo é incompatível com um projeto de construção partidária. A perda de valor da marca PSDB é tão grande que até o próprio Alckmin, fundador do partido, ex-governador, duas vezes candidato presidencial, está pronto a trocar de legenda.

O objetivo ostensivo de Doria é chegar à presidência da República no próximo ano. Apesar de todo o esforço, da máquina do governo paulista e do indecoroso marketing da vacinação, está patinando, segundo as últimas pesquisas, na casa dos 3% das intenções de voto. Não consegue unificar nem o próprio partido, muito menos a centro-direita. Muitos tucanos de alta plumagem se esforçam para encontrar um nome alternativo, qualquer que seja. Há aqueles, como o senador Izalci Lucas (DF), que não escondem a predileção por Bolsonaro; já o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, tomado por arrependimento tardio, insinua voto em Lula. O presidente do DEM declarou diretamente que com Doria não há conversa.

Ao embarcar no golpe e na desconstrução do pacto constitucional de 1988, o PSDB desbaratou seu diferencial como representante de uma direita civilizada. Ao abrir terreno para um aventureiro como Doria, torna-se cada vez menos capaz de funcionar como o partido que um dia foi. O desaparecimento precoce de Bruno Covas se reveste, assim, de um trágico simbolismo. Pelo sobrenome, pelo cargo que mesmo tão jovem já ocupava e pelo compromisso mais sólido com alguns valores democráticos, ele representava a esperança, ainda que tênue, de reencontro do PSDB com suas origens.

É difícil não ver, na morte do prefeito, um anúncio de que esta porta está fechada. O PSDB se encontra carente de uma fisionomia própria. O projeto pessoal de Doria não é capaz de supri-la, nem o antipetismo, que é usado com maior desenvoltura por outros grupos da direita.

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da UnB. Autor, entre outros livros, de O colapso da democracia no Brasil (Expressão Popular).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Yuri Martins-Fontes Daniel Costa Andrew Korybko José Micaelson Lacerda Morais Anselm Jappe Gilberto Maringoni Gabriel Cohn Samuel Kilsztajn Luiz Bernardo Pericás Fernão Pessoa Ramos Celso Favaretto Afrânio Catani Luiz Roberto Alves Igor Felippe Santos Mariarosaria Fabris Benicio Viero Schmidt Matheus Silveira de Souza Vinício Carrilho Martinez João Carlos Loebens João Carlos Salles Mário Maestri Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco Pereira de Farias Marcos Aurélio da Silva Caio Bugiato Alexandre Aragão de Albuquerque Daniel Afonso da Silva Julian Rodrigues Airton Paschoa Fábio Konder Comparato Otaviano Helene Armando Boito Bruno Machado Valerio Arcary Fernando Nogueira da Costa Carlos Tautz Luiz Eduardo Soares Plínio de Arruda Sampaio Jr. Chico Alencar Dennis Oliveira Jean Marc Von Der Weid Francisco Fernandes Ladeira Ladislau Dowbor Ari Marcelo Solon Priscila Figueiredo Leonardo Avritzer João Sette Whitaker Ferreira Manuel Domingos Neto Thomas Piketty Annateresa Fabris Chico Whitaker Sandra Bitencourt Ronaldo Tadeu de Souza Tadeu Valadares Lincoln Secco Marilena Chauí Everaldo de Oliveira Andrade Flávio R. Kothe Luciano Nascimento Gilberto Lopes Antonio Martins João Adolfo Hansen Paulo Martins Marcelo Guimarães Lima Francisco de Oliveira Barros Júnior Antonino Infranca Leda Maria Paulani Alysson Leandro Mascaro Valerio Arcary Jorge Luiz Souto Maior Luiz Renato Martins Luiz Werneck Vianna Denilson Cordeiro Marcos Silva João Feres Júnior João Lanari Bo Michael Roberts José Luís Fiori Luis Felipe Miguel Daniel Brazil Marcelo Módolo Ricardo Musse Leonardo Boff Paulo Nogueira Batista Jr Eugênio Bucci Heraldo Campos Ricardo Antunes Kátia Gerab Baggio Elias Jabbour Tarso Genro Eleutério F. S. Prado Eugênio Trivinho Dênis de Moraes Henri Acselrad Antônio Sales Rios Neto Henry Burnett Rodrigo de Faria Anderson Alves Esteves Luís Fernando Vitagliano José Geraldo Couto João Paulo Ayub Fonseca Remy José Fontana Paulo Capel Narvai Jorge Branco Paulo Sérgio Pinheiro Eduardo Borges Flávio Aguiar José Costa Júnior Manchetômetro Renato Dagnino Celso Frederico Eliziário Andrade Alexandre de Freitas Barbosa Milton Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Marcus Ianoni José Raimundo Trindade Luiz Marques Ricardo Abramovay Eleonora Albano Rubens Pinto Lyra Sergio Amadeu da Silveira André Márcio Neves Soares Salem Nasser Carla Teixeira José Dirceu Bruno Fabricio Alcebino da Silva Maria Rita Kehl Érico Andrade Tales Ab'Sáber Lucas Fiaschetti Estevez André Singer Ricardo Fabbrini Marjorie C. Marona Jean Pierre Chauvin Ronald Rocha Claudio Katz Berenice Bento Liszt Vieira Slavoj Žižek Walnice Nogueira Galvão Bento Prado Jr. Paulo Fernandes Silveira Alexandre de Lima Castro Tranjan Michael Löwy Rafael R. Ioris Lorenzo Vitral Osvaldo Coggiola Michel Goulart da Silva Vladimir Safatle Andrés del Río Leonardo Sacramento Vanderlei Tenório Juarez Guimarães Boaventura de Sousa Santos Gerson Almeida Atilio A. Boron José Machado Moita Neto Ronald León Núñez Bernardo Ricupero

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada