As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Radicalidade neoliberal: golpes, autoritarismo e destruição da soberania nacional

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por José Raimundo Trindade*

“Eu me alugo para sonhar” (Gabriel Garcia Máquez)
“O passado é mudo? Ou continuamos sendo surdos?“ (Eduardo Galeano)

Vivemos em um momento temeroso e arriscado na América Latina, porém nossos povos sempre viveram com suas “veias abertas”. O Brasil é uma condição necessária na vida e realidade do continente, o quanto caminhará para o despenhadeiro histórico da destruição social, como outros povos antes já o fizeram, demarcará o destino do fantástico continente de Garcia Márquez e Eduardo Galeano. Este texto volta a analisar os fatores de fundo que implicam na atual transição autoritária e de imposição de um modelo neoliberal de radical exclusão social, autoritarismo e de perda da soberania nacional.

De um modo geral seis pontos característicos do neoliberalismo enquanto “ideologia da crise do sistema mundial”, são pontos macroestruturais fundamentais e que desde a segunda metade dos anos 1990 nos acompanham ciclicamente e seduzem a burguesia nativa brasileira e que no atual quadro conjuntural se revestem de maior radicalidade e autoritarismo:

A) A maior intervenção financeirizada do Estado, com elevação do esforço fiscal para fazer frente à permanente elevação da divida pública, dentro de uma lógica de produzir e expandir a divida pública para transferir rendas nacionais para o centro capitalista. A burguesia subserviente brasileira impôs a Emenda Constitucional 95/16, estabelecendo a mais rígida regra de controle fiscal da história do capitalismo como parte do sistema rentista que direciona o fluxo de riquezas produzidas nas sociedades coloniais para o centro imperial. Essa regra tem uma função geopolítica central: a destruição das condições de manutenção de qualquer sistema minimamente soberano e impondo a sociedade brasileira a sua completa subordinação ao poder de império estadunidense. Qualquer condição de resistência nacional passa pela imediata revogação dessa espúria condição neocolonial.

No caso brasileiro e de outros países (periféricos e semi-periféricos) a dívida pública se vincula ao próprio mecanismo de refinanciamento da mesma, o que se denomina de reciclagem de capital fictício. Como historicamente podemos observar a política estabelecida ainda no período ditatorial de 1964 se deu com base na colocação de títulos públicos com correção monetária a posteriori (ORTNs e LTNs).

Vale notar, que o sistema de “recompra” dos títulos se estabeleceu desde a década de 1970, configurando parte do modelo brasileiro que praticamente eliminou o risco do sistema financeiro. Esse modelo se projetou permanentemente desde então, tendo consequência notáveis: i) o crescimento da dívida bruta mesmo em ambiente não deficitário; ii) tornou a dívida uma condição de liquidez do sistema financeiro, tanto anulando qualquer risco do sistema, como transferindo valor líquido da economia nacional para os patronos do setor financeiro, principalmente externos, a principal forma de subordinação da economia brasileira ao centro capitalista.

Assim temos ao longo dos últimos anos dois fenômenos aparentemente contraditórios: A) Se impõe uma brutal redução dos gastos primários (sociais) do Estado – o que se denomina de Estado Mínimo é basicamente o Estado Mínimo Social -, imposto como regra fiscal através da famigerada EC 95/16; ii) o neoliberalismo condicionou a dívida pública somente aos componentes rentistas da mesma, ou seja, a dívida financia novos títulos que transfere riqueza (na forma de juros e parte do orçamento fiscal) para os controladores da dívida, não sendo destinada a divida ao fundamento fiscal do financiamento de investimentos ou gastos em infraestrutura social.

Assim, foi estruturalmente estabelecido um mecanismo de rolagem através de carta de recompra e da chamada zeragem automática de qualquer possível perda pelos controladores da divida pública (dilers), estabelecendo um sistema de divida estatal que de um lado pressiona permanentemente a capacidade fiscal do Estado e, por outro, garante as instituições financeiras rentabilidade sem riscos. Como nos informa os dados da Secretaria do Tesouro Nacional entre 1997 e 2018 foi repassado ao sistema financeiro o equivalente a R$ 5,1 trilhões dos 22 Orçamentos Anuais da União do período (ver https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Economia-Politica/Ainda-o-superavit-primario/7/43255). Da mesma forma os gastos financeiros do Estado brasileiro abocanha a maior parcela do orçamento da União (em 2018 40,66% ou R$ 1,065 trilhão) (ver https://auditoriacidada.org.br/wp-content/uploads/2019/02/grafico-2018.pdf).

A aparente contradição aqui presente é que a lógica deficitária do Estado que, pelo discurso dominante, se relaciona ao tamanho dos gastos públicos, porém a realidade é que a parcela orçamentária destinada aos gastos primários (sociais) é crescentemente diminuída e a parcela dos gastos destinados às despesas financeiras permanece crescente. É somente aparentemente contraditório por conta de que a paulatina redução das políticas sociais dentro do orçamento fiscal é condição para uma massa crescente de valores transferidos do orçamento fiscal para os gastos financeiros (divida pública).

B) O segundo elemento de ideia força do neoliberalismo é o discurso do “territorialismo” e a noção de que políticas de desenvolvimento devam ser somente pontuais e locais, como negação a políticas nacionais e de afirmação de capacidades soberanas de desenvolvimento. Aspecto que reforça a disputa interna a cada nação pelo fluxo de investimento, minando, muitas vezes, a capacidade fiscal local em favorecimento aos capitais empresariais e desorganizando às relações federativas. No atual ciclo neoliberal de condição autoritária, observa-se a perda da própria soberania geopolítica, estabelecido com a concessão de parte do território nacional para os agentes econômicos externos e outros Estados, como no caso da cessão da Base de Alcântara para o império estadunidense.

C) Imposição pela OMC (Organização Mundial do Comércio) de normas tarifárias e para-tarifárias que sufragam os “princípios da concorrência, abertura comercial e flexibilidade cambial” desiguais e fortemente assimétricos, diminuindo a capacidade de negociação dos países periféricos e reforçando os circuitos comerciais norte-norte. A diminuição de barreiras tarifárias associadas a acordos multilaterais realizados no âmbito da OMC e à proliferação de acordos regionais favoreceu a globalização de processos produtivos, reforçando formas de subcontratação e a crescente externalização produtiva em diversos setores.

D) Elevação dos desequilíbrios financeiros e comerciais. A financeirização se processa tanto pelo reforço do caráter rentista da estrutura econômica, compreendendo a expansão da massa de capital fictício no sistema de crédito, como pela flexibilidade cambial e liberalização da conta de capital com consequente instabilidade das transações correntes e balanço de pagamentos das economias periféricas e, nos últimos anos das próprias economias centrais.

E) Desmonte das políticas sociais, flexibilização dos mercados de trabalho e destruição da seguridade social, componentes necessários à expansão sem freios do Exército Industrial de Reserva e ao estabelecimento da ideologia liberal-conservadora (“cada um por si, Deus por todos”). No Brasil já temos 41 milhões de pessoas que são desempregas e subempregadas constituindo parte desta enorme massa de pessoas não servíveis ao capitalismo.

F) No novo ciclo neoliberal (2016 / ?) a lógica destrutiva do sistema nacional de produção industrial se acirra, combinando-se um modelo mais regressivo da economia  e aprofundando a base primário exportadora, de tal modo que hoje todos os principais produtos exportados pelo país são produtos básicos, tais como o minério de ferro, óleos e produtos de soja. Do mesmo modo se destrói a base reprodutiva do capital com níveis tecnológicos mais complexos, como fizeram com a venda e desmonte da indústria aeronáutica (Embraer) e, ainda mais contundente, a privatização do sistema energético nacional, tanto no processo de destruição da Petrobrás e desnacionalização do Pré-sal, assim como a privatização da Eletrobrás.

Os golpes de estado ocorridos não somente no Brasil, mas em toda a América Latina se baseia na perda das múltiplas soberanias: da soberania tecnológica, da soberania financeira, da soberania geopolítica, da soberania pela cidadania. Será a perda da soberania nacional, enquanto condição de capacidade de exercício de poder nacional autônomo, que envolve aqueles quatro tipos de soberanias, que está em jogo na atual disputa entre a sociedade brasileira, que deve se organizar em torno de um projeto de nação, e as forças conservadoras e fascistas que se organizam em torno de um projeto de neocolonização brasileira e de completa subordinação aos interesses do poder de império estadunidense. 

O passo seguinte é a nossa reação e a construção de um projeto de nação!

*José Raimundo Trindade é professor da Universidade Federal do Pará e do Programa de Pós-graduação em Economia

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Sandra Bitencourt Celso Favaretto Érico Andrade Chico Alencar Berenice Bento José Raimundo Trindade Paulo Nogueira Batista Jr Andrew Korybko Kátia Gerab Baggio Caio Bugiato João Sette Whitaker Ferreira Eugênio Trivinho Valério Arcary Airton Paschoa Juarez Guimarães Daniel Costa Bruno Fabricio Alcebino da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Eugênio Bucci Tarso Genro Claudio Katz Valerio Arcary Roberto Bueno Fernando Nogueira da Costa Dennis Oliveira Priscila Figueiredo Lucas Fiaschetti Estevez Elias Jabbour Henri Acselrad Michael Löwy Fábio Konder Comparato Luiz Carlos Bresser-Pereira Luciano Nascimento Alysson Leandro Mascaro Ronaldo Tadeu de Souza Leonardo Avritzer José Micaelson Lacerda Morais Liszt Vieira Annateresa Fabris Paulo Capel Narvai Denilson Cordeiro Ari Marcelo Solon Gilberto Maringoni Marcos Aurélio da Silva Paulo Fernandes Silveira Milton Pinheiro Marcelo Guimarães Lima Otaviano Helene Luiz Bernardo Pericás João Adolfo Hansen Manchetômetro Antônio Sales Rios Neto Walnice Nogueira Galvão João Feres Júnior Francisco Fernandes Ladeira Manuel Domingos Neto Slavoj Žižek Marcelo Módolo Boaventura de Sousa Santos Luís Fernando Vitagliano Remy José Fontana Flávio R. Kothe Celso Frederico Jean Marc Von Der Weid Tadeu Valadares Paulo Martins Bruno Machado Mariarosaria Fabris André Singer Rafael R. Ioris Leonardo Boff João Carlos Loebens Flávio Aguiar João Carlos Salles Chico Whitaker Vinício Carrilho Martinez Marcos Silva Roberto Noritomi Ladislau Dowbor Eleutério F. S. Prado Alexandre Aragão de Albuquerque José Machado Moita Neto Eduardo Borges Renato Dagnino Marcus Ianoni Leda Maria Paulani Salem Nasser José Luís Fiori Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Sérgio Pinheiro Julian Rodrigues Jorge Luiz Souto Maior Carlos Tautz Gilberto Lopes Luiz Roberto Alves Rubens Pinto Lyra Osvaldo Coggiola Jorge Branco José Dirceu Tales Ab'Sáber João Lanari Bo Eleonora Albano Marilena Chauí Maria Rita Kehl Ricardo Antunes Samuel Kilsztajn Ricardo Fabbrini Rodrigo de Faria Jean Pierre Chauvin Fernão Pessoa Ramos Antonio Martins Mário Maestri Carla Teixeira Yuri Martins-Fontes Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Eduardo Soares Atilio A. Boron Vladimir Safatle Benicio Viero Schmidt Alexandre de Lima Castro Tranjan Gerson Almeida Daniel Afonso da Silva Henry Burnett Francisco Pereira de Farias Luis Felipe Miguel Luiz Costa Lima Bento Prado Jr. Lorenzo Vitral Ricardo Abramovay Daniel Brazil Plínio de Arruda Sampaio Jr. Igor Felippe Santos José Costa Júnior Gabriel Cohn Eliziário Andrade Ricardo Musse Heraldo Campos Antonino Infranca Anselm Jappe Anderson Alves Esteves Ronald Rocha Afrânio Catani Vanderlei Tenório Michael Roberts Bernardo Ricupero Ronald León Núñez Luiz Werneck Vianna Armando Boito Marilia Pacheco Fiorillo João Paulo Ayub Fonseca Dênis de Moraes Thomas Piketty Marjorie C. Marona Leonardo Sacramento Luiz Renato Martins André Márcio Neves Soares Sergio Amadeu da Silveira Lincoln Secco Luiz Marques José Geraldo Couto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada