As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Marte Um

Sonia Delaunay, Yellow Nude, 1908
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ COSTA JÚNIOR*

Comentário sobre o filme dirigido por Gabriel Martins

“Nina, você acha que o pai vai ficar bravo se eu não quiser mais jogar futebol?” Essa é a pergunta que Deivinho faz para a irmã, que dorme na cama de cima da beliche, numa noite insone e que dá forma e caminho para o filme Marte Um (Brasil, 2022, direção de Gabriel Martins) – há aqui spoilers, mas não muitos, nem decisivos. O questionamento do menino é despretensioso, mas esconde revoluções.

Depois de assistir a diversos vídeos de divulgação científica do físico Neil deGrasse Tyson, o menino passa a querer saber cada vez mais sobre astrofísica, e a nutrir expectativas e desejos, inclusive de compor futuras missões espaciais (a principal delas está descrita no título do filme) – uma possibilidade que já não deixa o futebol como caminho principal para as expectativas da vida.

Por outro lado, são grandes as esperanças do pai, trabalhador negro da classe média baixa, no talento futebolístico e no futuro do filho. Suas vivências e observações das dinâmicas sociais do seu país fazem com que ele saiba que esse talento pode oferecer alguma segurança material futura para Deivinho e para a família – e não pode ser desperdiçado.

A mãe da família é diarista e trabalha com serviços de limpeza de forma autônoma na região metropolitana de Belo Horizonte. As incertezas sobre o que pode ou não se efetivar na vida e no trabalho, além de desconsiderações constantes de sua cidadania e dignidade a aproximam de aflições e tensões psíquicas. Já Nina é Eunice, estudante de direito que se descobre numa relação homoafetiva e que pretende sair o quanto antes de casa para poder viver. Informada, ciosa de seus direitos e dignidades, sua vida envolve conflitos e expectativas entre os sonhos possíveis e impossíveis e as circunstâncias que o nosso mundo em transição oferece.

Mesmo com o centro do filme ocupado pelo impraticável sonho de Deivinho, todos dessa família nutrem expectativas sobre a realidade que, como vimos, podem não necessariamente ser as mesmas – mesmo para aqueles que estão próximos e que se amam mutuamente. Evidência disso é a pergunta do menino, que sabe que desconsiderar as expectativas do pai poderá gerar mágoas e frustrações.

Entre conservar caminhos já trilhados, seguros e que poderão manter e ampliar possibilidades, surgem novas aspirações, que envolvem progressos: seja a partir da ciência avançada ou da defesa da liberdade dos afetos, novos valores e expectativas entram em conflito com tentativas de segurança baseada em modelos existenciais antigos. Num país cujas circunstâncias tornam planos e interesses impraticáveis, as expectativas de Deivinho beiram a ficção científica.

Marte Um nos faz pensar nos motivos disso: há motivação, há informação, há coragem e há disciplina: o que distancia Deivinho da astrofísica? E da cidadania? E da dignidade? Só o futebol poderá aproximá-lo da plena consideração de sua humanidade? Tais conflitos também estão ali, algumas vezes num nível mais etéreo, mas não deixam de nos fazer pensar outra vez.

Nesse sentido, ao nos aproximar da vida dessas pessoas (e das nossas), seus conflitos, esperanças e histórias, Marte Um pode ser considerado um exercício do que a filósofa Martha Nussbaum chama de “cultivo da humanidade”. Trata-se de um conjunto de estímulos na formação humana que envolve o desenvolvimento de três competências, abordadas em Cultivating Humanity (1998): (i) a habilidade de um exame crítico de si mesmo e das próprias tradições e circunstâncias; (ii) a capacidade de nos vermos como seres humanos “vinculados aos demais seres humanos por laços de reconhecimento e preocupação mútua”; e (iii) uma forma de imaginação narrativa, que envolve a capacidade de pensar em como seria estar no lugar de outra pessoa, para entender o mundo do ponto de vista do outro.

Os conflitos de Deivinho na escolha entre o futebol e a astrofísica, as tensões envolvidas nas disputas entre diferentes valores e esperanças daquela família cheia de afetos, as duras escolhas que serão feitas em nome da possibilidade de convívio com o – agora – diferente, são situações que nos aproximam e nos lembram das nossas vidas cheias de conflitos, fragilidades e medos – e que nos humaniza.

Atualmente estamos cada vez mais envolvidos por afetos tristes e brutalizadores, situação na qual propostas políticas se ocupam de fomentá-los em busca da construção de uma sociedade autoritária e ressentida – na qual garantirão poder e controles. Talvez uma parte considerável desse objetivo já tenha sido efetivada. No entanto, ainda assusta e surpreende que visões dessa natureza angariem apoio democrático, mesmo nas diversidades e adversidades em que vivemos.

A brutalização da nossa convivialidade – seguida muitas vezes por desumanização – aponta para a necessidade de considerarmos o cultivo da humanidade à qual Nussbaum faz referência. Marte Um é, nesse contexto, um grande exercício desse cultivo e de humanização – nos fazendo pensar nas nossas próprias circunstâncias, nos laços que nos unem ou não e na possibilidade de caminhos e possibilidades para a existência. Há o receio, no entanto, de que já seja tarde – talvez essas questões já nem chamem tanto a atenção de alguns de nós, de tão brutalizados –num país cindido, com medo dos seus e do futuro.

*José Costa Júnior é professor de filosofia e ciências sociais no IFMG –Campus Ponte Nova

Referência


Marte Um
Brasil, 2022, 115 minutos
Direção: Gabriel Martins
Elenco: Cícero Lucas, Carlos Francisco, Camilla Damião, Rejane Faria, Robson Vieira

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco Fernandes Ladeira Milton Pinheiro Paulo Fernandes Silveira Everaldo de Oliveira Andrade Thomas Piketty Dênis de Moraes João Adolfo Hansen Daniel Afonso da Silva Vladimir Safatle José Costa Júnior Caio Bugiato José Luís Fiori Manuel Domingos Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gilberto Lopes Armando Boito Jean Pierre Chauvin Eliziário Andrade Liszt Vieira Antônio Sales Rios Neto Bento Prado Jr. Celso Frederico Daniel Brazil Antonio Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Marjorie C. Marona Rafael R. Ioris João Carlos Salles Benicio Viero Schmidt Sergio Amadeu da Silveira João Lanari Bo Daniel Costa Jorge Branco Salem Nasser Luiz Werneck Vianna João Sette Whitaker Ferreira Ronald León Núñez Fernando Nogueira da Costa Ricardo Antunes Luiz Bernardo Pericás Heraldo Campos Paulo Nogueira Batista Jr Valerio Arcary José Machado Moita Neto Leonardo Sacramento Andrew Korybko Anselm Jappe Luiz Marques Boaventura de Sousa Santos Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Renato Martins Gilberto Maringoni José Dirceu Vanderlei Tenório Lorenzo Vitral Ari Marcelo Solon Marcelo Módolo Otaviano Helene Tales Ab'Sáber Dennis Oliveira Chico Alencar Osvaldo Coggiola Leda Maria Paulani Elias Jabbour Marcus Ianoni Marilena Chauí Chico Whitaker Jean Marc Von Der Weid Juarez Guimarães Atilio A. Boron João Paulo Ayub Fonseca Walnice Nogueira Galvão Annateresa Fabris André Singer Berenice Bento Eleonora Albano Samuel Kilsztajn Luiz Costa Lima Maria Rita Kehl Flávio Aguiar Leonardo Boff Sandra Bitencourt Michael Roberts Gabriel Cohn Henry Burnett Renato Dagnino Marilia Pacheco Fiorillo Francisco Pereira de Farias Remy José Fontana José Micaelson Lacerda Morais José Raimundo Trindade Paulo Sérgio Pinheiro Tadeu Valadares Rubens Pinto Lyra Alexandre de Freitas Barbosa Mariarosaria Fabris Claudio Katz João Carlos Loebens Valério Arcary Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Carlos Bresser-Pereira Alysson Leandro Mascaro Luís Fernando Vitagliano Henri Acselrad Ricardo Abramovay Luciano Nascimento Marcos Aurélio da Silva Érico Andrade Paulo Capel Narvai Tarso Genro Afrânio Catani Denilson Cordeiro Ronald Rocha Luis Felipe Miguel Leonardo Avritzer Carlos Tautz Michael Löwy Anderson Alves Esteves Flávio R. Kothe Marcelo Guimarães Lima Rodrigo de Faria Carla Teixeira Roberto Noritomi Fernão Pessoa Ramos Kátia Gerab Baggio José Geraldo Couto Marcos Silva Celso Favaretto Igor Felippe Santos Ladislau Dowbor Eleutério F. S. Prado Priscila Figueiredo Lucas Fiaschetti Estevez Airton Paschoa Vinício Carrilho Martinez Francisco de Oliveira Barros Júnior Manchetômetro André Márcio Neves Soares Bernardo Ricupero Julian Rodrigues Eugênio Trivinho Slavoj Žižek Yuri Martins-Fontes Bruno Machado Ricardo Fabbrini Roberto Bueno Mário Maestri Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Eduardo Soares Lincoln Secco Gerson Almeida Eugênio Bucci Eduardo Borges Antonino Infranca João Feres Júnior Jorge Luiz Souto Maior Paulo Martins Ricardo Musse Fábio Konder Comparato Luiz Roberto Alves

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada