Raiva nacionalista

Imagem: Lukas Hartmann
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDREW KORYBKO*

A Polônia e a Ucrânia mergulharam numa crise política de grandes proporções e sem previsão de fim

A revelação do primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki à mídia local, na quarta-feira passada, de que seu país tinha parado de fornecer armas à Ucrânia para se armar, mostrou o quanto os laços bilaterais despencaram na última semana. Varsóvia ampliou unilateralmente as restrições às importações agrícolas de seu vizinho do leste após a expiração do acordo da Comissão Europeia em 15 de setembro, a fim de proteger seus agricultores, o que levou Kiev a reclamar junto à OMC na última segunda-feira.

Mais tarde, no mesmo dia, o porta-voz do governo polonês, Piotr Muller, sugeriu que Varsóvia poderia deixar sua ajuda aos refugiados ucranianos expirar na próxima primavera, em vez de estendê-la, sugerindo assim uma disposição de expandir sua disputa comercial para outras dimensões. Se isso acontecer, os mais de um milhão e meio de ucranianos que residem temporariamente na Polônia terão que voltar para casa ou ir para outro lugar, como a Alemanha, por exemplo. Na terça-feira, tudo se transformou numa crise política de grandes proporções.

O ministro polonês de assuntos europeus, Szymon Szynkowski vel Sek, advertiu de forma ameaçadora: “As ações da Ucrânia não nos impressionam… mas causam uma certa impressão na opinião pública polonesa. Isso pode ser visto nas pesquisas, no nível de apoio público à continuidade do apoio à Ucrânia. E isso prejudica a própria Ucrânia. Gostaríamos de continuar apoiando a Ucrânia, mas, para que isso seja possível, precisamos ter o apoio dos poloneses nessa questão. Se não o tivermos, será difícil continuarmos apoiando a Ucrânia da mesma forma que temos feito até agora”.

Volodymyr Zelensky, então, explorou seu púlpito global na Assembleia Geral das Nações Unidas para propagar o seguinte: “Estamos trabalhando para garantir a estabilidade alimentar. E espero que muitos de vocês se juntem a nós nesse esforço. Lançamos um corredor temporário de exportação marítima a partir de nossos portos. E estamos trabalhando arduamente para preservar as rotas terrestres para a exportação de grãos. E é alarmante ver como algumas pessoas na Europa, alguns de nossos amigos na Europa, estão jogando fora a solidariedade em meio a um teatro político – fazendo um suspense com os grãos. Eles podem parecer desempenhar seu próprio papel, mas, na verdade, estão ajudando a preparar o palco para um ator de Moscou”.

A resposta do presidente polonês Andrzej Duda, que ele compartilhou com os repórteres, mostrou o quanto ele ficou ofendido: “A Ucrânia está se comportando como uma pessoa que está se afogando e se agarra a tudo o que pode… mas temos o direito de nos defender dos danos que estão sendo causados a nós. Uma pessoa que está se afogando é extremamente perigosa, ela pode puxar você para as profundezas…  e simplesmente afogar o socorrista. Devemos agir para nos proteger do mal que está sendo causado a nós, porque se a pessoa que está se afogando… nos afogar, ela não receberá ajuda. Portanto, temos que cuidar de nossos interesses e faremos isso de forma eficaz e decisiva”.

Foi nesse contexto que a Polônia convocou urgentemente o embaixador ucraniano na quarta-feira, e, mais tarde nesse dia, Morawiecki revelaria que a Polônia não mais enviará armas para Kiev. Antes da reclamação da Ucrânia à OMC sobre a Polônia, que foi o que deu início a essa rápida sequência de eventos, as tensões já estavam em ebulição há algum tempo, pois a contraofensiva fracassada os tirou da ilusão mútua de uma vitória aparentemente inevitável sobre a Rússia.

Essas nações vizinhas, então, naturalmente começaram a se desentender, pois todo o leque de suas diferenças preexistentes foi exacerbado e rapidamente remodelou as relações bilaterais. A disputa comercial foi apenas a ponta do iceberg, mas mostrou que cada lado estava começando a priorizar seus interesses nacionais contraditórios em detrimento dos interesses políticos compartilhados. Isso sinalizou para suas sociedades que agora era novamente aceitável atacar o outro com raiva nacionalista em vez de se concentrar apenas na Rússia.

No entanto, tudo isso poderia ter sido evitado se a Ucrânia demonstrasse alguma gatidão à Polônia por tudo o que Varsóvia fez por ela nos últimos 19 meses e não reclamasse à OMC sobre a questão dos grãos. Pior ainda foi Zelensky ter quebrado o tabu de acusar seu colega polonês, que lidera um dos Estados mais russofóbicos da história, de supostamente estar cumprindo as ordens geopolíticas da Rússia. Ele cruzou uma linha vermelha e agora não há como voltar à confiança mútua ilusória que havia antes.

Espera-se que os laços entre a Polônia e a Ucrânia caiam ainda mais nas próximas semanas, à medida que a primeira se aproxima das próximas eleições, em 15 de outubro, que o partido governista “Lei e Justiça” (PiS) espera vencer, fazendo com que tudo gire em torno da segurança nacional. Isso explica por que eles cortaram as remessas de armas para a Ucrânia em resposta à insinuação ridícula de Valodymyr Zelensky sobre a Polônia ser um fantoche russo, e é possível que mais medidas significativas como essas sejam tomadas em breve para lembrar à Ucrânia que ela está em dívida com a Polônia para sua sobrevivência.

Com esses cálculos em mente, é possível prever com segurança que os laços entre a Polônia e a Ucrânia provavelmente continuarão diminuindo até meados de outubro, no mínimo. Depois disso, eles poderão se recuperar caso a mais recente campanha de mídia da opositora “Plataforma Cívica” (PO) consiga conquistar um número suficiente de eleitores rurais contra o PiS. Será uma batalha difícil para eles, e o PiS poderá formar um governo de coalizão com o partido anti-establishment Confederação se eles não forem totalmente derrotados, portanto, o retorno do PO ao poder não está garantido.

Sendo assim, há uma chance crível de que os laços entre a Polônia e a Ucrânia caiam ainda mais no próximo ano, especialmente se o PiS for forçado a formar um governo de coalizão com a Confederação. A Polônia passou a se ressentir de Volodymyr Zelensky nos últimos meses, enquanto a Ucrânia foi consistentemente contra o papel de liderança da Polônia na guerra por procuração da OTAN contra a Rússia por meio da Ucrânia, o que poderia levar a uma combinação devastadora para Kiev. Numa situação como essa, tudo pode piorar muito, e num ritmo ainda mais rápido.

Na ausência da vitória do PO nas urnas no próximo mês, a única outra variável que poderia realisticamente compensar esse cenário seria Kiev voltar atrás em sua ameaça de processo na OMC e Volodymyr Zelensky finalmente demonstrar gratidão sincera em público por tudo o que a Polônia fez pela Ucrânia. No entanto, ninguém deve ter esperanças quanto a isso, já que ele deve tentar a reeleição na próxima primavera e pode se preocupar com o fato de que voltar atrás em sua nova política assertiva em relação à Polônia pode fazer com que ele perca o voto nacionalista.

Ambas as partes estão, portanto, num dilema em que cada uma delas acredita que tem mais a ganhar quanto aos interesses nacionais e políticos aumentando as tensões do que sendo a primeira a diminuí-las. Assim, um ciclo autossustentável está em processo de formação, o que corre o risco de levar a uma deterioração tão drástica de seus laços que a situação desanimadora atual poderá ser vista com bons olhos em breve. Isso é especialmente verdade se a Polônia passar a exercer mais abertamente sua hegemonia crescente sobre a Ucrânia Ocidental num futuro próximo.

Para ser claro, a sequência de eventos mencionada acima é o pior cenário possível e, portanto, não é tão provável, mas também não pode ser descartada, já que poucos previram o quanto os laços entre a Polônia e a Ucrânia cairiam há apenas alguns meses. É inegável que as relações polonesas-ucranianas entraram num período de incerteza que pode durar algum tempo, portanto, ambos fariam bem em preparar suas sociedades para a possibilidade de tensões contínuas para que possam se adaptar de forma mais eficaz a essa realidade geoestratégica emergente.

*Andrew Korybko é mestre em Relações Internacionais pelo Instituto Estadual de Relações Internacionais de Moscou. Autor do livro Guerras híbridas: das revoluções coloridas aos golpes (Expressão Popular). [https://amzn.to/46lAD1d]

Tradução: Fernando Lima das Neves.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Renato Dagnino Luiz Werneck Vianna Luiz Marques Carlos Tautz Rodrigo de Faria Eugênio Trivinho Ronald Rocha João Sette Whitaker Ferreira Lincoln Secco Michel Goulart da Silva Gilberto Lopes Benicio Viero Schmidt Tadeu Valadares Leonardo Boff Vanderlei Tenório Igor Felippe Santos João Carlos Loebens Otaviano Helene Francisco Fernandes Ladeira Flávio Aguiar Henri Acselrad Bernardo Ricupero Lucas Fiaschetti Estevez Jean Pierre Chauvin João Paulo Ayub Fonseca Milton Pinheiro Jorge Branco Walnice Nogueira Galvão Julian Rodrigues Paulo Fernandes Silveira Jorge Luiz Souto Maior Daniel Afonso da Silva Samuel Kilsztajn José Costa Júnior Priscila Figueiredo Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eleutério F. S. Prado Manuel Domingos Neto José Micaelson Lacerda Morais Leonardo Avritzer Marcus Ianoni Eduardo Borges Sandra Bitencourt Denilson Cordeiro Rubens Pinto Lyra Francisco Pereira de Farias José Raimundo Trindade Luiz Bernardo Pericás Afrânio Catani Marcos Silva Henry Burnett Eliziário Andrade Andrés del Río Tales Ab'Sáber Marcelo Módolo Bento Prado Jr. Alexandre de Lima Castro Tranjan Bruno Fabricio Alcebino da Silva Matheus Silveira de Souza André Singer Anselm Jappe Vinício Carrilho Martinez Mariarosaria Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Salem Nasser Luiz Renato Martins Alysson Leandro Mascaro João Carlos Salles Remy José Fontana Vladimir Safatle Antonio Martins Fernão Pessoa Ramos Eleonora Albano Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Sacramento Ricardo Abramovay Juarez Guimarães Érico Andrade Michael Roberts André Márcio Neves Soares José Luís Fiori Ricardo Fabbrini Dênis de Moraes Thomas Piketty Jean Marc Von Der Weid Ricardo Antunes Ronald León Núñez Luís Fernando Vitagliano João Adolfo Hansen Dennis Oliveira Flávio R. Kothe Ricardo Musse Osvaldo Coggiola Ladislau Dowbor Sergio Amadeu da Silveira Heraldo Campos Armando Boito Luciano Nascimento Tarso Genro Luiz Roberto Alves Slavoj Žižek Bruno Machado Gilberto Maringoni Andrew Korybko Elias Jabbour Claudio Katz Daniel Brazil Boaventura de Sousa Santos Paulo Martins Antônio Sales Rios Neto Fábio Konder Comparato Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Sérgio Pinheiro Luis Felipe Miguel Marcelo Guimarães Lima Lorenzo Vitral Marilena Chauí Paulo Capel Narvai Mário Maestri Airton Paschoa Chico Alencar Daniel Costa Alexandre Aragão de Albuquerque Celso Frederico José Dirceu Marjorie C. Marona Liszt Vieira Luiz Eduardo Soares Berenice Bento Fernando Nogueira da Costa Yuri Martins-Fontes Atilio A. Boron Rafael R. Ioris Celso Favaretto Chico Whitaker Manchetômetro Eugênio Bucci José Machado Moita Neto Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Marcos Aurélio da Silva Ari Marcelo Solon Annateresa Fabris Antonino Infranca Maria Rita Kehl João Lanari Bo José Geraldo Couto Leda Maria Paulani Ronaldo Tadeu de Souza Gabriel Cohn Caio Bugiato Michael Löwy Carla Teixeira Valerio Arcary Kátia Gerab Baggio Alexandre de Freitas Barbosa João Feres Júnior Valerio Arcary Gerson Almeida Paulo Nogueira Batista Jr Francisco de Oliveira Barros Júnior

NOVAS PUBLICAÇÕES