Reconquistar a classe trabalhadora

Dora Longo Bahia. Revoluções (projeto para calendário), 2016 Acrílica, caneta à base de água e aquarela sobre papel (12 peças) 23 x 30.5 cm cada
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BERNIE SANDERS*

Se o partido Democrata quer evitar a perda de milhões de votos no futuro, ele deve ser firme e atender às famílias da classe trabalhadora dos EUA

80 milhões de americanos votaram em Joe Biden. Com estes votos contra a intolerância de Donald Trump o mundo pode, coletivamente, suspirar aliviado. O resultado das eleições, porém, revelou também algo que deve ser motivo de preocupação. Trump recebeu em 2020 em torno de 11 milhões de votos a mais do que em 2016, aumentando seu apoio em diversas comunidades em dificuldade – onde o desemprego e a pobreza são altos, o cuidado com a saúde e das crianças é inadequado, e as pessoas mais sofrem.

Para um presidente que mente o tempo todo, a mentira mais grotesca de Donald Trump talvez seja a de que ele, e sua administração, são amigos da classe trabalhadora de nosso país.

A verdade é que Trump colocou mais bilionários em sua administração do que qualquer presidente na história; ele nomeou membros veementemente anti-trabalhistas para o Conselho Nacional de Relações Trabalhistas (NLRB) e ofereceu grandiosas isenções fiscais para os muito ricos e para as grandes corporações, enquanto propunha cortes massivos à educação, à moradia e aos programas de alimentação. Trump tentou retirar o plano de saúde de quase 32 milhões de pessoas e produziu orçamentos que demandaram dezenas de bilhões em cortes no Medicare, no Medicaid e na previdência social.

Mesmo assim, um certo segmento da classe trabalhadora de nosso país ainda acredita que Donald Trump está em seu lado.

Por quê?

No momento em que milhões de Americanos vivem no medo e na ansiedade, perderam seus empregos por causa de acordos comerciais injustos e não tiveram aumento salarial real em 47 anos, seus apoiadores o viam como um cara durão e um “guerreiro”. Ele parece estar lutando contra quase todos, todos os dias.

Ele se autodeclarou um inimigo do “pântano”, atacando não apenas os Democratas, mas também os Republicanos que não estavam 100% de acordo com ele e, inclusive, membros de sua própria administração, quem declarou pertencer ao “Estado profundo”. Ele ataca líderes dos países que foram nossos aliados de longa data, assim como governadores, prefeitos e nosso judiciário independente. Ele investe contra a mídia como um “inimigo do povo” e é impiedoso em seus ataques intermináveis contra a comunidade imigrante, contra mulheres que assumem sua voz, contra a comunidade Afro-Americana, a comunidade gay, muçulmanos e manifestantes.

Ele se vale do racismo, da xenofobia e da paranoia para convencer uma vasta parcela da população Americana de que ele se preocupa com suas necessidades, quando nada poderia estar mais longe da verdade. Seu único interesse, desde o primeiro dia, foi Donald Trump.

Joe Biden será declarado presidente no dia 20 de Janeiro, e Nancy Pelosi será a porta-voz do Congresso. Dependendo do que acontecer nas eleições especiais da Georgia, qual partido controlará o Senado ainda é algo incerto.

Mas uma coisa é clara. Se o partido Democrata quer evitar a perda de milhões de votos no futuro, ele deve ser firme e atender às famílias da classe trabalhadora de nosso país que, hoje, enfrentam a maior situação de desespero econômico desde a Grande Depressão. Os Democratas devem mostrar, em palavras e ações, quão fraudulento é o partido Republicano quando ele afirma ser o partido das famílias dos trabalhadores.

E, para fazer isso, os Democratas devem ter a coragem de enfrentar os poderosos interesses especiais que têm estado, há décadas, em guerra contra a classe trabalhadora deste país. Estou falando de Wall Street, da indústria farmacêutica, da indústria de combustíveis fósseis, do complexo militar-industrial, do complexo industrial dos presídios privados e muitas outras organizações lucrativas que continuam a explorar seus empregados.

Se o partido Democrata não consegue demonstrar que se levantará contra essas instituições poderosas e que lutará agressivamente em defesa das famílias dos trabalhadores deste país – sejam elas Negras, Brancas, Latinas, Asiático-Americanas ou Nativo-Americanas – iremos abrir o caminho para que outro líder autoritário de direita seja eleito em 2025. E este presidente pode ser ainda pior do que Trump.

Joe Biden concorreu à presidência com uma forte agenda a favor da classe trabalhadora. Agora, devemos lutar para que ela seja posta em ação e opor vigorosamente aqueles que se colocarem em seu caminho.

Which Side Are You On? Foi uma canção folk escrita por Florence Reece, a esposa de um organizador do Sindicato dos Mineradores quando este entrou em greve em Kentucky em 1931. Os Democratas devem deixar absolutamente claro em que lado estão.

Um lado é a favor do fim dos salários que, de tão baixos, deixam as pessoas passando fome, e defende o aumento do salário mínimo pra 15 dólares por hora. O outro não.

Um lado é a favor da expansão dos sindicatos. O outro não.

Um lado é a favor da criação de milhões de empregos bem-remunerados através do combate à mudança climática e da reconstrução de nossa infraestrutura em colapso. O outro não.

Um lado é a favor da expansão da assistência médica. O outro não.

Um lado é a favor da redução do custo de medicamentos prescritos. O outro não.

Um lado é a favor de licenças familiares e médicas remuneradas. O outro não.

Um lado é a favor da universalização do acesso à pre-escola para todas as crianças de três e quatro anos na América. O outro não.

Um lado é a favor da expansão da seguridade social. O outro não.

Um lado é a favor de tornar as faculdades e universidades públicas livres de mensalidade para famílias de trabalhadores, e da eliminação das dívidas estudantis. O outro não.

Um lado é a favor do fim de um sistema de justiça criminal falido e racista, e de investir na educação e no emprego para os jovens. O outro não.

Um lado é a favor da reforma e da transformação de nosso sistema de imigração em algo justo e humano. O outro não.

A tarefa dos Democratas durante os primeiros 100 dias da administração de Biden é deixar absolutamente claro em qual lado estão, e quem está do outro lado. Isso não apenas é uma boa política pública para fortalecer nosso país. É como vencer eleições no futuro.

*Bernie Sanders é senador do Congresso norte-americano pelo estado de Vermont.

Tradução: Daniel Pavan.

 

 

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Luís Fiori Dênis de Moraes Marcelo Módolo Flávio R. Kothe Denilson Cordeiro Valerio Arcary Juarez Guimarães João Feres Júnior Luiz Werneck Vianna Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre Aragão de Albuquerque Annateresa Fabris Érico Andrade Eliziário Andrade Eugênio Trivinho João Lanari Bo André Singer Leda Maria Paulani Armando Boito Ricardo Abramovay Daniel Costa Luiz Carlos Bresser-Pereira Yuri Martins-Fontes Luiz Renato Martins Lorenzo Vitral Ricardo Fabbrini Osvaldo Coggiola Michael Löwy Maria Rita Kehl Renato Dagnino Eleutério F. S. Prado Anselm Jappe Alysson Leandro Mascaro Caio Bugiato Gerson Almeida Luciano Nascimento Milton Pinheiro Bruno Machado Valerio Arcary Liszt Vieira Andrés del Río Bernardo Ricupero Paulo Sérgio Pinheiro José Dirceu Airton Paschoa Sergio Amadeu da Silveira Francisco Fernandes Ladeira Walnice Nogueira Galvão Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcelo Guimarães Lima Francisco Pereira de Farias Luiz Eduardo Soares Mário Maestri Marilia Pacheco Fiorillo Eleonora Albano Gabriel Cohn Matheus Silveira de Souza Manuel Domingos Neto Tadeu Valadares Berenice Bento Samuel Kilsztajn Paulo Fernandes Silveira Marcus Ianoni Marcos Aurélio da Silva Fernão Pessoa Ramos Fábio Konder Comparato Remy José Fontana Marilena Chauí Henri Acselrad Leonardo Avritzer João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Antunes Leonardo Boff João Carlos Salles Jean Pierre Chauvin Ricardo Musse Ladislau Dowbor Paulo Nogueira Batista Jr Igor Felippe Santos Flávio Aguiar Sandra Bitencourt Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jorge Luiz Souto Maior Vladimir Safatle Ari Marcelo Solon João Carlos Loebens Kátia Gerab Baggio Heraldo Campos Benicio Viero Schmidt Ronald Rocha Lucas Fiaschetti Estevez Tales Ab'Sáber Fernando Nogueira da Costa Rodrigo de Faria Gilberto Lopes Antonio Martins Manchetômetro Luís Fernando Vitagliano Eugênio Bucci Chico Alencar Daniel Brazil Claudio Katz Carlos Tautz Jorge Branco Luiz Roberto Alves Henry Burnett Michel Goulart da Silva Antonino Infranca José Costa Júnior Marjorie C. Marona Julian Rodrigues João Sette Whitaker Ferreira Bento Prado Jr. Paulo Martins José Machado Moita Neto Paulo Capel Narvai Priscila Figueiredo Anderson Alves Esteves Everaldo de Oliveira Andrade Atilio A. Boron José Geraldo Couto Mariarosaria Fabris Alexandre de Lima Castro Tranjan André Márcio Neves Soares Gilberto Maringoni Rubens Pinto Lyra Afrânio Catani Andrew Korybko Eduardo Borges Michael Roberts Salem Nasser Bruno Fabricio Alcebino da Silva Elias Jabbour Celso Frederico Luis Felipe Miguel Ronald León Núñez Leonardo Sacramento Rafael R. Ioris Chico Whitaker Vanderlei Tenório José Raimundo Trindade João Adolfo Hansen Antônio Sales Rios Neto Marcos Silva Luiz Bernardo Pericás Tarso Genro Dennis Oliveira Ronaldo Tadeu de Souza Jean Marc Von Der Weid Otaviano Helene Boaventura de Sousa Santos Slavoj Žižek José Micaelson Lacerda Morais Celso Favaretto Vinício Carrilho Martinez Lincoln Secco Thomas Piketty Carla Teixeira Luiz Marques Daniel Afonso da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada