Expropriações

Imagem: Markus Spiske
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PEDRO MIGUEL CARDOSO*

O rumo seguido pela economia global é social e ecologicamente insustentável e a expropriação das grandes fortunas são medidas imperativas

Em meios de comunicação social internacional tem sido levantada uma questão – inevitável no quadro do regime do capital a que estamos submetidos: quem será o primeiro trilionário (1 trilião em inglês ou 1 trilhão em português do Brasil equivale a mil biliões em português de Portugal) da história? Jeff Bezos fundador da Amazon? Bill Gates fundador da Microsoft? E como não há mulheres nesta corrida da frente, algum outro super-rico? Entraremos a prazo na época dos trilionários! Façamos um breve diagnóstico desta problemática socioeconómica e apresentemos o óbvio tratamento. Há uma palavra que resume o problema e a solução: expropriações!

Os grandes capitalistas expropriam a sociedade e apropriam-se da natureza

Todas as fortunas são baseadas em mecanismos de expropriação à sociedade. Muitas vezes, literalmente um roubo! Usando práticas ilegais e de violência explícita. Seja no passado como na atualidade os exemplos são inúmeros. A expropriação e expulsão dos camponeses do campo, ações de saque colonial, o desvio de recursos públicos, etc. E depois temos as práticas que são legalizadas, o que não significa que sejam eticamente corretas, ou garantidas legalmente com destaque na atualidade para os salários injustos pagos à esmagadora maioria dos trabalhadores, para as dívidas com juros farfalhudos e para os famosos paraísos que são infernos fiscais – os recentes papéis de Pandora recordam-nos a dimensão do problema.

Há pessoas e conglomerados económico-financeiros com mais dinheiro que países inteiros e muitos milhões de pessoas que vivem na miséria. Segundo um estudo publicado em 2017 pela organização Oxfam, intitulado “uma economia para os 99%”, os 8 super-ricos têm tanta riqueza como as 3,6 mil milhões de pessoas mais pobres do mundo. Os super-ricos não precisam de jogar na lotaria, porque ganham a lotaria todas as semanas, podem comprar todos os bilhetes! E o que fazem por isso? Muito pouco! São como carrapatos gigantes presos ao corpo socioeconómico que sugam a riqueza produzida por milhões e milhões de pessoas e as ofertas da natureza.

A natureza é também apropriada e expropriada do comum pelo capital, a baixo custo e sem que os custos das externalidades negativas das atividades sejam pagos. Para a valorização e para os lucros do capital, o fluxo de mão de obra e recursos naturais baratos não pode parar. As emissões de gases com efeito de estufa, a poluição, a perda da biodiversidade, a degradação dos ecossistemas que resultam de muitas atividades são custos não pagos por quem enriquece com elas. Quem paga a fatura, em regra, são as comunidades, os Estados e as gerações futuras que viverão num planeta empobrecido.

Por que é que devem ser expropriados?

A primeira razão é que a acumulação capitalista, se não for travada, impõe determinações destrutivas para as pessoas e os ecossistemas. A lógica de competição entre os capitais impõe o crescer ou ser engolido. A produção capitalista não pode ser racional e sustentável porque apenas está ao serviço da valorização do capital, através dos mercados.

A segunda razão é que não há democracia, mesmo que meramente formal e restrita à esfera político-institucional (uma verdadeira democracia económica e social é incompatível com o capitalismo), que seja saudável com desigualdades assim. Os poderosos detentores das maiores fortunas têm capacidade para influenciar determinantemente os resultados das eleições, nomeadamente pelo controlo dos órgãos de comunicação social privados e também dos públicos. A corrupção, as portas giratórias e o financiamento político são outros mecanismos usados para controlar o Estado e condicionar a “democracia” liberal.

A terceira razão é evidente pelo que foi exposto acima: os capitalistas, sobretudo os grandes, expropriam e por isso devem ser expropriados. Se expropriam a sociedade e abusam da natureza é totalmente legítimo e justo que sejam expropriados. É apenas a sociedade a reaver o que lhe foi subtraído, retirado ou roubado.

Como devem ser expropriados?

A taxação das fortunas ou os impostos progressivos têm atualmente impacto limitado como forma de tratamento, devido aos mecanismos internacionais de fuga e proteção de fortunas. Por isso, a somar ao combate para acabar com esses estratagemas, é cada vez mais necessário trazer para a mesa das soluções, o uso formas de expropriação de bens imóveis que não possam sair do país. Além disso, a expropriação da banca, empresas energéticas e farmacêuticas nas mãos de privados são alavancas fundamentais para devolver aos Estados e aos povos capacidade de enfrentarem os difíceis desafios que têm pela frente. O cancelamento de dívidas ilegítimas e uma mudança radical na organização e funcionamento do sistema financeiro e monetário global são também necessidades de sobrevivência para a humanidade.

Resumindo: o rumo seguido pela economia global é social e ecologicamente insustentável e a expropriação das grandes fortunas são medidas não apenas justas – moral, económica e politicamente – mas também imperativas.

*Pedro Miguel Cardoso é pesquisador em economia política e ecológica.

Publicado originalmente no portal Brasil 247.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Adolfo Hansen Francisco Pereira de Farias Jean Pierre Chauvin José Luís Fiori Michael Roberts Marcelo Guimarães Lima Jorge Branco Marcelo Módolo Luiz Renato Martins Paulo Fernandes Silveira Fernão Pessoa Ramos Luiz Carlos Bresser-Pereira Otaviano Helene Rodrigo de Faria Yuri Martins-Fontes Leonardo Avritzer Caio Bugiato Elias Jabbour Everaldo de Oliveira Andrade Francisco de Oliveira Barros Júnior Tarso Genro Paulo Sérgio Pinheiro Milton Pinheiro Antonio Martins Eleutério F. S. Prado Renato Dagnino Marilena Chauí Tales Ab'Sáber José Dirceu Chico Alencar Osvaldo Coggiola Luciano Nascimento Kátia Gerab Baggio Bruno Fabricio Alcebino da Silva Anselm Jappe Valerio Arcary Antonino Infranca Slavoj Žižek Daniel Brazil Carlos Tautz Berenice Bento Salem Nasser Ricardo Abramovay Mariarosaria Fabris Ronald Rocha Eugênio Bucci João Carlos Salles Jorge Luiz Souto Maior Paulo Nogueira Batista Jr Vladimir Safatle Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Bernardo Pericás Airton Paschoa Valerio Arcary Eleonora Albano Rubens Pinto Lyra Igor Felippe Santos Alysson Leandro Mascaro Marcos Aurélio da Silva Luís Fernando Vitagliano André Márcio Neves Soares Eugênio Trivinho Luiz Werneck Vianna Eliziário Andrade Paulo Martins José Micaelson Lacerda Morais Gilberto Lopes Bento Prado Jr. Henri Acselrad José Raimundo Trindade Luis Felipe Miguel Paulo Capel Narvai Sandra Bitencourt Bruno Machado Claudio Katz Marilia Pacheco Fiorillo Ricardo Antunes Alexandre de Lima Castro Tranjan Vinício Carrilho Martinez Fernando Nogueira da Costa Michael Löwy Annateresa Fabris Mário Maestri Julian Rodrigues Lucas Fiaschetti Estevez Andrés del Río Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Armando Boito João Sette Whitaker Ferreira Ari Marcelo Solon Michel Goulart da Silva Ricardo Musse João Lanari Bo Luiz Eduardo Soares Ronald León Núñez Eduardo Borges José Costa Júnior Matheus Silveira de Souza Ladislau Dowbor Carla Teixeira Boaventura de Sousa Santos Priscila Figueiredo Celso Favaretto Daniel Afonso da Silva Jean Marc Von Der Weid Gilberto Maringoni Leonardo Boff Manchetômetro João Feres Júnior Ricardo Fabbrini Gerson Almeida Flávio Aguiar Walnice Nogueira Galvão Luiz Marques André Singer Remy José Fontana José Geraldo Couto Atilio A. Boron Liszt Vieira José Machado Moita Neto Dennis Oliveira Samuel Kilsztajn Manuel Domingos Neto João Carlos Loebens Maria Rita Kehl Daniel Costa Sergio Amadeu da Silveira Leonardo Sacramento Antônio Sales Rios Neto Francisco Fernandes Ladeira Heraldo Campos Luiz Roberto Alves Vanderlei Tenório Thomas Piketty Lincoln Secco Dênis de Moraes João Paulo Ayub Fonseca Benicio Viero Schmidt Rafael R. Ioris Juarez Guimarães Gabriel Cohn Lorenzo Vitral Érico Andrade Celso Frederico Marcus Ianoni Afrânio Catani Fábio Konder Comparato Henry Burnett Flávio R. Kothe Marcos Silva Marjorie C. Marona Bernardo Ricupero Tadeu Valadares Denilson Cordeiro Alexandre Aragão de Albuquerque Alexandre de Freitas Barbosa Andrew Korybko Leda Maria Paulani Chico Whitaker Ronaldo Tadeu de Souza

NOVAS PUBLICAÇÕES