As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A avalanche bolsonarista

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VALERIO ARCARY*

Podemos vencer. Sem negacionismo, com sangue frio, a hora é de luta até o fim

“Reconhece a queda, mas não desanima.\ Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima (Paulo Vanzolini).

Os resultados de domingo deixaram a maioria do povo de esquerda alarmado. A frustração é um sentimento amargo. Há muita ansiedade, e até angústia entre nós. Algo compreensível, porque foi gerada pelas pesquisas a expectativa de vitória no primeiro turno. Hora de lamber as feridas. Hora de sangue frio. Lula conquistou 48,43% dos válidos. Faltou, somente 1,57% para decidir no primeiro turno. Essa foi a informação mais importante que saiu das urnas.

Mas, não foi só isso: uma “avalanche” reacionária surpreendeu. Análises realistas alertaram que nada estava decidido, e poderíamos ter um segundo turno. Tudo vai depender de uma linha tática lúcida e de uma disposição revolucionária de luta do ativismo. A negociação de apoios de Simone Tebet e Ciro Gomes é legítima. Mas três perigos principais ameaçam a vitória dia 30 de outubro. O “já ganhou” ou o “já perdeu”, no lugar do chamado à luta. A redução da campanha à “romantização do passado”, no lugar do compromisso solene com propostas concretas para o futuro. O perigo do “giro ao centro”, no lugar de uma polarização implacável contra Jair Bolsonaro e o perigo fascista.

A votação de Bolsonaro foi muito maior que a previsão das pesquisas, ao alcançar 51 milhões de votos, e vencer no estado de São Paulo; a eleição de Cláudio Castro no Rio de Janeiro ocorreu em primeiro turno; Tarcísio de Freitas passou para o segundo turno na condição de favorito em São Paulo, e Onix Lorenzoni no Rio Grande do Sul; a ala neofascista da extrema direita elegeu Mourão, Damaris, e o astronauta para o Senado; Sergio Moro e Deltan Dallagnol venceram no Paraná, Ricardo Salles e Eduardo Pazuello são campeões de votos, e o partido bolsonarista elegeu 99 deputados federais.

As eleições gerais confirmaram, também, que o peso de Lula é muito maior que o peso da esquerda, mesmo considerando os aliados de partidos burgueses que chamaram ao voto. Aqueles que defenderam Bolsonaro ganharam em nove estados no primeiro turno (AC, DF, GO, MG, MT, PR, RJ, RO e TO). Os candidatos a governador que apoiaram Lula venceram em seis (AP, CE, MA, PA, PI, RN). Este desfecho vai pesar, também. Sim, seis milhões de votos são uma diferença imponente, mas nada está garantido. Sejamos sérios. O perigo é “real e imediato”. Qualquer subestimação de Jair Bolsonaro será um erro fatal. Diminuir a gravidade da disputa seria insensato. Domingo sinalizou que há incerteza.

Bolsonaro foi beneficiado por um arrastão de voto útil das outras candidaturas, nos últimos dois dias antes de domingo, ainda que menor que em 2018. O bolsonarismo revelou, mais uma vez, que tem implantação social na massa da burguesia e na classe média e capilaridade nacional, em especial, nas pequenas cidades, no centro-oeste e no sul onde o peso do agronegócio é maior. A votação de Jair Bolsonaro foi muito mais ampla que a corrente neofascista no sudeste e até no nordeste, ainda que sua hegemonia seja no Brasil “profundo”.

Confirmou audiência popular em setores organizados pelas Igrejas neopentecostais na extrema-periferia das grandes cidades, em especial, no Rio de Janeiro. A extrema direita recolhe o rancor social dos estratos médios, mas alimenta e responde, ideologicamente, aos profundos preconceitos machistas, racistas, homofóbicos que permanecem intactos.

Mesmo depois da catástrofe sanitária da pandemia, depois da explosão da miséria com dezenas de milhares condenados à fome, depois do aumento da desigualdade social com os salários em queda, ininterruptamente, nos últimos quatro anos, depois de serem batidos todos recordes de queimadas na Amazônia, depois das ameaças golpistas, enfim, a tragédia inteira. O sete de setembro já tinha revelado nas ruas a força social de choque ultrarreacionária do bolsonarismo.

A lição que ficou deste primeiro turno é que o país permanece fraturado, social e politicamente. O neofascismo é um movimento político de massas, e não vai deixar de nos atormentar, se Lula vencer as eleições. Devemos ser conscientes que Jair Bolsonaro representa a ameaça de uma derrota histórica: a desmoralização de uma geração. Uma ventania fria soprou neste domingo, mas permanece no ar o perigo de um “inverno siberiano”.

Nem já perdeu, nem já ganhou. O pessimismo zangado não ajuda. O otimismo de autoengano não ajuda. Militância é máximo ativismo, não quietismo passivo. É decisivo acreditar que, se lutarmos até o fim, podemos vencer. A força moral da militância de esquerda e do ativismo dos movimentos sociais pode fazer a diferença. Estes últimos seis anos não foram em vão. Lula venceu no Nordeste e na maioria das grandes regiões metropolitanas: São Paulo, Porto Alegre, Salvador, Belo Horizonte, Belém. Só perdemos no Rio de Janeiro e em Brasília.

Lula conquistou o voto da imensa maioria dos mais pobres, das mulheres, da juventude e do Nordeste. A abstenção de 20% esteve na média das últimas eleições. Parece improvável que venha a diminuir. A redução de votos brancos e nulos já foi muito significativa, talvez até aumente. Mas ainda há possibilidade de disputa entre os trabalhadores, sindicalmente, organizados que ganham entre dois e cinco salários mínimos, e são muitos milhões.

Lula e o comando da Frente não devem reduzir a campanha à nostalgia do passado. Precisamos apresentar propostas de mudança concretas da vida. Elevação do salário mínimo, obras públicas para que haja milhões de empregos, fortalecimento do SUS, ampliação das cotas raciais na educação e nos serviços públicos, revisão da reforma trabalhista, revogação do teto dos gastos, impostos sobre as grandes fortunas, elevação da isenção do imposto de renda, desmatamento zero, defesa das reservas da população indígena, direitos das mulheres e da população LGBTQIA+. Não ceder à pressão para o giro ao centro.

Podemos vencer. Sem negacionismo, com sangue frio, a hora é de luta até o fim. Menos de quatro semanas são um intervalo para ocupar as ruas do país, abrir o diálogo nos locais de trabalho, conversar nos bairros, disputar a família alargada, mobilizar o ativismo e conquistar a vitória.

*Valério Arcary é professor aposentado do IFSP. Autor, entre outros livros, de Ninguém disse que seria fácil (Boitempo).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Airton Paschoa Ronaldo Tadeu de Souza André Márcio Neves Soares Luiz Roberto Alves Dênis de Moraes Plínio de Arruda Sampaio Jr. Liszt Vieira Marcus Ianoni Alexandre Aragão de Albuquerque Vladimir Safatle Gilberto Lopes Thomas Piketty Annateresa Fabris Daniel Brazil Tadeu Valadares Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Fabbrini Luis Felipe Miguel Otaviano Helene Walnice Nogueira Galvão Flávio Aguiar João Carlos Salles Vinício Carrilho Martinez Ricardo Antunes Jean Marc Von Der Weid Ari Marcelo Solon José Costa Júnior Manchetômetro Daniel Costa Eugênio Trivinho Gerson Almeida Igor Felippe Santos Valerio Arcary Everaldo de Oliveira Andrade Antonio Martins Luiz Werneck Vianna Fernando Nogueira da Costa Michael Roberts Elias Jabbour Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Musse Celso Frederico Francisco Fernandes Ladeira Luiz Marques Marcelo Módolo Antonino Infranca Slavoj Žižek Luiz Bernardo Pericás Benicio Viero Schmidt Alexandre de Lima Castro Tranjan Lorenzo Vitral Ronald Rocha Eleutério F. S. Prado Michael Löwy Osvaldo Coggiola Andrew Korybko Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Fernandes Silveira Gabriel Cohn Eugênio Bucci Henri Acselrad Maria Rita Kehl Francisco Pereira de Farias José Luís Fiori Yuri Martins-Fontes Jorge Branco Tarso Genro Antônio Sales Rios Neto Leonardo Avritzer Heraldo Campos Marcos Aurélio da Silva Alysson Leandro Mascaro José Machado Moita Neto João Sette Whitaker Ferreira Berenice Bento Chico Alencar José Raimundo Trindade Paulo Sérgio Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Boaventura de Sousa Santos Luís Fernando Vitagliano Eleonora Albano Leonardo Boff Lincoln Secco Milton Pinheiro Leda Maria Paulani Bruno Machado Daniel Afonso da Silva Carla Teixeira Ladislau Dowbor Carlos Tautz João Paulo Ayub Fonseca Ronald León Núñez Luciano Nascimento Mário Maestri Luiz Renato Martins Caio Bugiato Juarez Guimarães Jorge Luiz Souto Maior Marilena Chauí Afrânio Catani Chico Whitaker Eduardo Borges Luiz Costa Lima Leonardo Sacramento José Geraldo Couto Fábio Konder Comparato Rodrigo de Faria João Lanari Bo André Singer Anderson Alves Esteves José Dirceu Tales Ab'Sáber Denilson Cordeiro Bento Prado Jr. Paulo Capel Narvai Marjorie C. Marona Flávio R. Kothe Anselm Jappe Gilberto Maringoni Vanderlei Tenório Roberto Bueno Paulo Martins Marcos Silva Manuel Domingos Neto João Carlos Loebens Bernardo Ricupero Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ricardo Abramovay Mariarosaria Fabris Érico Andrade Claudio Katz Luiz Eduardo Soares Celso Favaretto Armando Boito Remy José Fontana Dennis Oliveira Marcelo Guimarães Lima Valério Arcary Henry Burnett Kátia Gerab Baggio Salem Nasser João Adolfo Hansen Rubens Pinto Lyra Roberto Noritomi Sandra Bitencourt Luiz Carlos Bresser-Pereira Julian Rodrigues Jean Pierre Chauvin José Micaelson Lacerda Morais Alexandre de Freitas Barbosa Fernão Pessoa Ramos João Feres Júnior Sergio Amadeu da Silveira Samuel Kilsztajn Rafael R. Ioris Atilio A. Boron Eliziário Andrade Renato Dagnino Priscila Figueiredo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada