As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Rupturas e desdobramentos da Semana de Arte Moderna

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Comentário sobre o livro de Maria Lúcia Fernandes no mês em que a Semana faz 104 anos

Ai, que preguicinha boa! Imagina ter que sair de uma gostosa rede para aprender a tocar um tal de alaúde (já viram um?). E sair escrevendo manifestos tão inteligentes quanto pretensiosos – com a quase absoluta certeza de que, a partir de então, nada mais haveria de ser como antes. Tempos velozes, futuristas.

Pensem na ousadia iconoclasta que provocou um bafão de dimensões épicas – em pleno Theatro Municipal de São Paulo. Sim, o “h” permanece lá até hoje (quem duvidar é só ir ao site oficial). O espetacular prédio (que mimetiza teatros parisienses) tornar-se-ia motivo de orgulho para os caipiras aristocratas/cafeicultores – futuros industriais de uma cidade que se expandia rapidamente. 

São Paulo possuía no início da década de 1920 algo como 600 mil habitantes, 2% de um universo de 30 milhões. Para efeito de comparação, entre os cerca dos atuais 203 milhões de brasileiros – 11,5 mi, quase 6%, moram em Sampa. Mais ou menos o dobro da atual população do Rio de Janeiro. Há um século, nossa então capital tinha 1,2 mi de habitantes. Era o epicentro político e cultural do país. Basicamente São Paulo era uma província pretensiosa que rapidamente estava a enriquecer seus fazendeiros em impressionante velocidade. 

Essa pequena digressão visa ressaltar o inusitado. Por que o Modernismo explode aqui em São Paulo e não no Rio de Janeiro – que houvera passado por uma grande reforma urbanística, conduzida por Pereira Passos, a qual demoliu cortiços, expulsou os pobres para longe do centro, abriu largas avenidas e muito mais (o modelo foi a radical reforma parisiense conduzida por Haussmann em fins do século XIX). Aliás, sempre me impressionou como o centro do Rio – e de Buenos Aires – nos lembram imediatamente Paris.

A Semana escandalosa ainda tem algo a nos dizer?

O sensaboroso Graça Aranha, então consagrado escritor, foi o padrinho da Semana de 1922. Nosso mestre Alfredo Bosi em seu canônico História Concisa conta que o jornalão dos Mesquita noticiou e saudou efusivamente o evento, destacando a importância do Municipal assistir espetáculos de representantes “das mais modernas correntes artísticas”.

Isso tudo é muito conhecido e estudado (ou não!) nos bancos escolares do ensino médio às pós-graduações. É inescapável a constatação de que o movimento modernista deu “régua e compasso” para parte significativamente não só da literatura como das artes como um todo. Do tropicalismo de Caetano ao teatro de Zé Celso: música, artes plásticas, arquitetura e até mesmo a indústria cultural. Há cem anos o modernismo é paradigma que nos estrutura e ajuda a construir nossa identidade como país. 

Todos esses temas e muitos outros estão presentes no mais recente livro da professoraMaria Lúcia Fernandes: Rupturas e desdobramentos – reverberações críticas da Semana de Arte Moderna, no publicado ano passado.

As 274 páginas trazem dez ensaios organizados em duas seções: i. A Semana e a busca da identidade brasileira; ii. Reverberações críticas da Semana. 

Eu tive o prazer (e o privilégio) de ser aluno de Maria Lúcia no curso de Letras na Universidade Federal de Viçosa, em meados dos anos 1990 – hoje Fernandes é professora livre docente na UNESP, em Araraquara.

Fernandes sustenta que a Semana não foi imprescindível para a constituição do Modernismo. Em ótima e sarcástica tirada, chega a classificar as apresentações no Municipal como um “happening dadaísta” (os mais jovens chamariam de lacração).

O que mais gostei foi que o conjunto de ensaios dialogam estruturalmente entre si. Na primeira metade do livro, Maria Lúcia trata fundamentalmente dos founding fathers, tantas vezes descritos como antagônicos, quando no fundo são dois polos de um mesmo movimento inicial.

Tímido, apolíneo, professor de classe média, Mário (impressionantemente erudito) é uma parte do “cânone”. Dionisíaco, espalhafatoso e burguês Oswald é outra. Maria Lúcia escreve sobre ambos.  

O homem que criou um herói sem nenhum caráter tinha a ambição intelectual de buscar “uma expressão estética brasileira” e “incorporar a fala impura de sua [nossa] gente”. 

Já o marido de Pagu, seu Oswald, engajou-se – assim como Patrícia – política e ideologicamente: ambos foram comunistas. Oswald de Andrade nos legou uma obra esteticamente experimentalista, “misturando poesia e prosa”. Manejou técnicas como recorte e colagem, trazendo elementos do futurismo europeu para nossa literatura.

Maria Lúcia,drummondianamente, não se afasta do tempo presente. Dá as mãos às mulheres, negros e indígenas ao tratar de autores e autoras contemporâneas como Cuti (Luiz Silva) escritor negro; Denilson Baniwa (artista indígena) e às poetas Angélica Freitas e Luiza Romão. Confesso que senti falta de uma reflexão sobre a produção contemporânea de autores LGBTI (ou que escrevam dando ênfase à diversidade sexual e de gênero).

À guisa de conclusão, diria que o livro é rigoroso – mas didático. Conversa com os especialistas, estudantes, jornalistas, mas pode ser degustado por todas as pessoas que curtem nossa literatura, ainda que talvez ainda seja mesmo um “galho secundário da portuguesa, por sua vez arbusto de segunda ordem no jardim das Musas”como o mestre dos magos, ícone mor, um paradigma vivo, a definiu azedamento há algumas décadas.

*Julian Rodrigues, jornalista e professor, ativista do movimento LGBTI e de Direitos Humanos, mestre em ciências humanas e sociais (UFABC) e doutorando em América Latina (Prolam/USP).

Referência


Maria Lúcia Outeiro Fernandes. Rupturas e desdobramentos – reverberações críticas da Semana de Arte Moderna (Pontes Editores). [https://amzn.to/3UsrGAt]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Adolfo Hansen Daniel Brazil Henry Burnett Luis Felipe Miguel Gilberto Lopes Luciano Nascimento Elias Jabbour André Singer Valério Arcary Vanderlei Tenório Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Renato Martins Bento Prado Jr. Luiz Roberto Alves Juarez Guimarães Samuel Kilsztajn Francisco Pereira de Farias Luiz Eduardo Soares Luiz Bernardo Pericás Afrânio Catani Paulo Capel Narvai Walnice Nogueira Galvão Heraldo Campos Luiz Costa Lima Mariarosaria Fabris Antônio Sales Rios Neto Alexandre de Freitas Barbosa Manchetômetro Vladimir Safatle Ronaldo Tadeu de Souza Rubens Pinto Lyra Flávio Aguiar José Luís Fiori Leonardo Boff Ronald León Núñez Denilson Cordeiro José Micaelson Lacerda Morais Celso Favaretto Paulo Sérgio Pinheiro Celso Frederico Chico Alencar Fernando Nogueira da Costa Marcus Ianoni Osvaldo Coggiola Ricardo Fabbrini Julian Rodrigues Dennis Oliveira Paulo Nogueira Batista Jr Eugênio Bucci Sandra Bitencourt Priscila Figueiredo Ricardo Antunes Eleonora Albano Jean Marc Von Der Weid Anderson Alves Esteves Alexandre de Lima Castro Tranjan Berenice Bento José Machado Moita Neto Marcelo Guimarães Lima José Dirceu Marilena Chauí Jorge Branco Leda Maria Paulani Gerson Almeida Alysson Leandro Mascaro Carlos Tautz André Márcio Neves Soares Francisco Fernandes Ladeira Milton Pinheiro Marcos Silva Carla Teixeira Andrew Korybko Kátia Gerab Baggio Marcos Aurélio da Silva Ricardo Abramovay Yuri Martins-Fontes Antonino Infranca Francisco de Oliveira Barros Júnior Antonio Martins Lincoln Secco Flávio R. Kothe Gilberto Maringoni Igor Felippe Santos Marilia Pacheco Fiorillo Claudio Katz Eleutério F. S. Prado Paulo Fernandes Silveira José Geraldo Couto Ari Marcelo Solon Otaviano Helene João Sette Whitaker Ferreira Renato Dagnino José Raimundo Trindade Annateresa Fabris João Lanari Bo Fernão Pessoa Ramos Leonardo Sacramento Tadeu Valadares Tarso Genro Liszt Vieira Ronald Rocha José Costa Júnior Érico Andrade Lucas Fiaschetti Estevez Henri Acselrad Rodrigo de Faria Fábio Konder Comparato Boaventura de Sousa Santos Roberto Bueno Anselm Jappe Michael Roberts Slavoj Žižek Dênis de Moraes Ladislau Dowbor Thomas Piketty Remy José Fontana Bernardo Ricupero Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Costa Ricardo Musse Luiz Marques Sergio Amadeu da Silveira Salem Nasser Valerio Arcary Eugênio Trivinho Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre Aragão de Albuquerque Airton Paschoa Vinício Carrilho Martinez Roberto Noritomi Daniel Afonso da Silva João Feres Júnior Everaldo de Oliveira Andrade Chico Whitaker João Carlos Loebens Eliziário Andrade Paulo Martins Jean Pierre Chauvin Rafael R. Ioris Leonardo Avritzer Manuel Domingos Neto João Carlos Salles Jorge Luiz Souto Maior Benicio Viero Schmidt Caio Bugiato Marcelo Módolo Lorenzo Vitral Bruno Machado Luís Fernando Vitagliano Michael Löwy Tales Ab'Sáber Armando Boito Mário Maestri Luiz Werneck Vianna João Paulo Ayub Fonseca Atilio A. Boron Maria Rita Kehl Eduardo Borges Gabriel Cohn Marjorie C. Marona

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada