As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Setembro amarelo

Imagem: Anastasia
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MICHEL GOULART DA SILVA*

O Setembro Amarelo está centrado na conscientização, ou seja, a despeito da importância, não garante a resolução de problemas mais profundos que afetam a saúde mental

Chegamos a mais um Setembro amarelo, em que a mídia e órgãos governamentais voltam maior atenção à prevenção de suicídios. Embora expresse a preocupação da sociedade com um tema fundamental para a saúde coletiva, essa campanha acaba tendo muitos limites. Não seria exagerado afirmar que ela carrega os mesmos problemas de qualquer ação de prevenção que se dá na sociedade capitalista.

O Setembro Amarelo está centrado na conscientização, ou seja, a despeito de sua importância, não garante a resolução de problemas mais profundos que afetam a saúde mental. Certamente é importante fazer com que as pessoas se sintam ouvidas e acolhidas, mas é um equívoco colocar isso no nível da vontade ou da escolha pessoal. Pelo contrário, o sofrimento psíquico não é algo que surge por acaso, como um problema individual causado por uma crise momentânea, mas produto da percepção de um deslocamento em relação ao vivenciar a sociedade e o estar no mundo.

Portanto, ainda que apontando para questões relevantes, ainda parece prevalecer uma certa percepção da saúde mental que “individualiza o fracasso, na forma de culpa”, fazendo com que se isole “a dimensão política, das determinações objetivas que atacam nossas formas de vida, redimensionando trabalho, linguagem e desejo, do sofrimento psíquico”.[i]

Essa percepção do suicídio como uma escolha ou uma vontade individual lembram a polêmica de Karl Marx em seu escrito de 1846 sobre o tema, quando critica a perspectiva dos socialistas utópicos. Para Marx, o número de suicídios deveria “ser considerado um sintoma da organização deficiente de nossa sociedade”, afinal, segundo ele, “na época da paralisação e das crises da indústria, em temporadas de encarecimento dos meios de vida e de invernos rigorosos, esse sintoma é sempre mais evidente e assume um caráter epidêmico”.[ii]

O suicídio é um ato que nunca se pode ter total certeza de quais são as suas causas. Depois da morte da pessoa, especula-se sobre os motivos que a teriam levado ao suicídio, normalmente procurando em questões imediatas um gatilho que a teria levado a esse extremo. Contudo, dificilmente se consegue chegar a uma plena compreensão das motivações. Na medida em que o senso comum considera o suicida alguém fraco e desprotegido, possivelmente a vítima opta por esconder a profundidade de seu sofrimento, não o demonstrando totalmente suas motivações, seja numa carta de despedida ou numa sessão de psicoterapia.

Sabe-se que o suicida de alguma forma perde suas esperanças em estar no mundo. O ato suicida parece ser uma escolha equivocada, afinal, segundo o senso comum, bastaria continuar lutando contra tudo e contra todos e desejar se erguer como uma Fênix. O problema dessa linguagem coach está no fato de que ignora as condições materiais a que essa pessoa foi submetida ao longo de sua vida. Um proletário filho de proletários certamente conviveu toda a vida com instabilidade financeira ou mesmo de moradia.

Possivelmente viveu uma série de problemas familiares, como o abandono e a violência, a despeito de ter convivido eventualmente com episódios de harmonia familiar. E, diante do futuro, sempre viu uma completa indefinição, onde a escola ou a universidade foram apresentados como a única solução para um futuro próspero. Mas a própria escola foi marcada por todas as dificuldades, a universidade não cumpre o que foi prometido e o emprego dos sonhos nunca chegou.

Essa é uma descrição talvez caricatural, e desconsidera sujeitos oriundos de outras classes sociais, mas os diversos elementos descrevem, pelo menos em partes, a vida da maior parte da população. Marx destacava que o capital não tem “a mínima consideração pela saúde e duração da vida do trabalhador, a menos que seja forçado pela sociedade a ter essa consideração”.[iii] Soma-se a isso uma realidade em que as relações pessoais são afetadas pelos problemas sociais e, portanto, paixões e amores acabam não encontrando a satisfação que se espera de uma vida em comum. O que se pode concluir é que o viver em sociedade é marcado por sofrimentos e desilusões e que, ao longo da nossa trajetória, precisamos desenvolver uma espécie de casca – ou uma couraça – para que consigamos estar nesse mundo tão cheio de tragédias.

Portanto, se uma pessoa chega ao limite de tentar tirar a própria vida, não significa apenas uma escolha ou ação pessoal, mas a expressão do esgotamento diante de uma realidade opressora, exploradora e cheia de dores e adoecimento. O suicídio muitas vezes está associado à depressão. Sabe-se que, diante da depressão, “o sujeito interpreta adversidades como sinal e permissão para a desistência. Os triunfos são sentidos como derrotas e as realizações, como sinais de insuficiência”.[iv]

Portanto, talvez o que se esteja precisando não é apenas de uma campanha centrada na ideia de “falar é a melhor solução”, slogan do Setembro Amarelo, mas da melhoria de políticas públicas referentes à saúde mental, voltadas para o conjunto da população e não apenas para os “doentes”. O que se precisa é de uma política cultural capaz de mostrar que a saúde mental não se resume apenas aos “loucos”, mas se materializar em ações que visam o conjunto da população, especialmente aquela afetada pela miséria social com a qual se confronta todos os dias.

Deve-se superar o capitalismo, garantindo um mundo melhor para todos, e, ainda que não se possa prometer na nova sociedade o fim do sofrimento e do mal-estar, que pelo menos se garanta a todos a sua diminuição e um acolhimento adequado em situações extremas.

*Michel Goulart da Silva é doutor em história pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e técnico-administrativo no Instituto Federal Catarinense (IFC).

Notas


[i] DUNKER, Christian. A hipótese depressiva. In: Neoliberalismo como gestão do sofrimento psíquico. São Paulo: Autêntica, 2021, p. 190.

[ii] MARX, Karl. Sobre o suicídio. São Paulo: Boitempo, 2006, p. 24.

[iii] MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2013, p. 342.

[iv] DUNKER, Christian. Reinvenção da intimidade: políticas do sofrimento cotidiano. São Paulo: Ubu, 2017, p. 225.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Renato Martins Kátia Gerab Baggio Gerson Almeida Milton Pinheiro Dennis Oliveira Henri Acselrad Michael Roberts Luiz Werneck Vianna André Singer Vanderlei Tenório Jorge Luiz Souto Maior Celso Favaretto Heraldo Campos Salem Nasser Jean Pierre Chauvin Walnice Nogueira Galvão Liszt Vieira Mariarosaria Fabris Francisco Pereira de Farias Fábio Konder Comparato Lucas Fiaschetti Estevez Osvaldo Coggiola Boaventura de Sousa Santos Ricardo Antunes Marcelo Módolo Michael Löwy Benicio Viero Schmidt Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eugênio Bucci Eduardo Borges Luiz Carlos Bresser-Pereira Gilberto Lopes Jean Marc Von Der Weid Paulo Sérgio Pinheiro Ronald Rocha Alexandre de Lima Castro Tranjan Caio Bugiato Luiz Eduardo Soares Antônio Sales Rios Neto Yuri Martins-Fontes Maria Rita Kehl Chico Whitaker Priscila Figueiredo Leonardo Sacramento Atilio A. Boron José Luís Fiori Julian Rodrigues Daniel Brazil Alysson Leandro Mascaro Celso Frederico Henry Burnett Eleonora Albano João Carlos Loebens Alexandre Aragão de Albuquerque Antonio Martins Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Marques Manchetômetro Rodrigo de Faria Luiz Roberto Alves Ricardo Musse Carla Teixeira Alexandre de Freitas Barbosa Carlos Tautz Airton Paschoa Bento Prado Jr. Vladimir Safatle Ronald León Núñez Gabriel Cohn Francisco de Oliveira Barros Júnior Manuel Domingos Neto Paulo Fernandes Silveira Armando Boito Valerio Arcary Paulo Martins João Paulo Ayub Fonseca José Micaelson Lacerda Morais Bernardo Ricupero Marcus Ianoni Renato Dagnino Gilberto Maringoni Luis Felipe Miguel Fernão Pessoa Ramos Annateresa Fabris José Costa Júnior João Lanari Bo Paulo Capel Narvai Bruno Machado João Adolfo Hansen João Carlos Salles Ladislau Dowbor Marcos Aurélio da Silva Paulo Nogueira Batista Jr José Dirceu Marilena Chauí Flávio R. Kothe Elias Jabbour Eleutério F. S. Prado Everaldo de Oliveira Andrade Fernando Nogueira da Costa Tales Ab'Sáber Anselm Jappe Sergio Amadeu da Silveira Leda Maria Paulani Eliziário Andrade Dênis de Moraes Valério Arcary José Machado Moita Neto Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Fabbrini Samuel Kilsztajn Ari Marcelo Solon Marjorie C. Marona Thomas Piketty Rafael R. Ioris Berenice Bento Chico Alencar João Sette Whitaker Ferreira Marcos Silva Sandra Bitencourt Afrânio Catani Antonino Infranca João Feres Júnior Luiz Bernardo Pericás Ricardo Abramovay Érico Andrade Remy José Fontana Denilson Cordeiro André Márcio Neves Soares Lincoln Secco Marilia Pacheco Fiorillo Otaviano Helene Eugênio Trivinho Leonardo Avritzer Luiz Costa Lima Jorge Branco Juarez Guimarães Daniel Costa Daniel Afonso da Silva Leonardo Boff Plínio de Arruda Sampaio Jr. Andrew Korybko José Raimundo Trindade Anderson Alves Esteves Vinício Carrilho Martinez Roberto Bueno Flávio Aguiar Mário Maestri Claudio Katz Slavoj Žižek Marcelo Guimarães Lima José Geraldo Couto Igor Felippe Santos Rubens Pinto Lyra Tadeu Valadares Luciano Nascimento Luís Fernando Vitagliano Tarso Genro Lorenzo Vitral Roberto Noritomi

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada