As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Velhos e novos carnavais

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RUBENS PINTO LYRA*

Carnavais ensejam protestos que se assemelham a atos de desobediência civil, de insubordinação e de resistência

“Carnaval, loucura santa\ desabrochar do corpo em rosa súbita,\ chama, cometa, gargalhada, riso puro\ o puro libertar-se da prisão\ que cada um carrega na sua liberdade,\ vigiada, medida, escriturada” (Carlos Drummond de Andrade, Amar se aprende amando).

O carnaval como válvula de escape e instrumento de controle social

Os velhos carnavais persistiram com todo o seu glamour na maioria das cidades brasileiras até o final da década de 1960, com desfile de blocos e de foliões nas suas principais artérias e bailes animadíssimos nos clubes, especialmente nos da “alta sociedade”. Era em uma época onde prevalecia a moral tradicional, ensinada nos colégios religiosos, em geral destinados aos mais remediados, onde se rezava todos os dias.

Esta moral inspirava-se no Catecismo da Doutrina Cristã do Papa Pio X, datado de 1904 e destinado especialmente para a juventude, tendo sido adotado até o final da década de 1950 pela Igreja Católica, no Brasil. Nele está dito que “merece o inferno (o sofrimento “sem nenhum alívio”, por toda a eternidade) quem tenha praticado um só pecado mortal.” Por exemplo, estaria sujeito a esse castigo – por infligir o Nono Mandamento – quem desejar, ainda que fugazmente, a mulher do próximo (1951, p. 15, 44 e 45).

Mas catecismos simulares continuaram em vigor em muitas instituições religiosas, até mesmo na década de oitenta, com padres e freiras alertando constantemente seus pupilos dos riscos de padecer eternamente, sob o jugo de Satanás, caso cometessem deslizes.

Nesse contexto, os carnavais propiciavam à juventude uma válvula de escape, ainda que limitada, face à rigidez moral dominante. Neles se podia desfrutar de momentos especiais de prazer, pelo que têm de contagiante a sua música e seu charme. E, sobretudo, por ensejarem mais liberdade para a aproximação com o sexo oposto, driblando-se, em meio aos confetes, serpentinas e lança-perfumes e a inescapável vigilância dos pais.

Contudo, nessa época de ouro dos carnavais de clube, a ampliação dos espaços de liberdade tinha limites no caráter familiar, e de classe, desses carnavais. Pais, filhos e namorados, mesmo de maior idade, iam “brincar” juntos, sob a vigilância dos primeiros.

Esse exemplo ilustra a onipresença do vínculo familiar na vida social, em uma sociedade, à época, ainda marcada pelas relações pré-capitalistas, até mesmo no mercado.

Esse tipo de vínculo se estendia ao mercado. Havia estabelecimentos nos quais certos clientes, por exemplo, médicos de família, não pagavam pelos seus serviços. O mesmo ocorria com os proprietários dessas lojas, para quem as consultas eram gratuitas. Como não podia deixar de ser, a modernização capitalista acarretou mudanças nos conceitos morais e nas práticas acima descritas.

Com efeito, já no remoto ano de 1848, Marx apontava, no Manifesto Comunista, mudanças que ocorriam nesse âmbito, com o advento do capitalismo, destacando que “a burguesia arrancou da relação familiar o seu comovente véu sentimental e reduziu-a uma simples relação de dinheiro”.

Assim, desde os anos 1980, os carnavais de rua tomam o lugar dos que ocorriam nos clubes, diluindo os vínculos familiares, mas conservando – através, por exemplo, dos blocos separados da massa com cordões de isolamento – o distanciamento entre as classes.

Mais recentemente, surgiram outros entretenimentos, como o programa Big Brother, que também contribuem para romper o “comovente véu sentimental” a que aludiu Marx. Os participantes deste reality show são escolhidos pelo critério da lucratividade, sendo os seus relacionamentos mediados por acirrada competição, vez que apenas o vencedor será aquinhoado com polpuda recompensa financeira (RAMOS: 2013).

Vê-se que as transformações da economia capitalista repercutem diretamente no conteúdo ético das relações sociais e na práxis que as concretiza. São, preponderantemente, determinadas pela força do mercado, que conduz à busca de status e de riqueza, E, mais recentemente, legitimada por teologias, como a da prosperidade, que os considera inequívocos sinais de proximidade com Deus.

Nesse novo contexto os festejos de Momo perdem, progressivamente, sua espontaneidade, solapada por injunções de natureza mercantil e política. Destarte, em 1935, durante o governo de Getúlio Vargas, se inicia a intervenção do Estado nos carnavais, com a obrigatoriedade dos registros das escolas e de samba e através de premiações oficiais. Da mesma forma: “gêneros musicais antes marginalizados eram convenientemente domesticados e passavam a gozar de status de trilha sonora ideal para a “festa da brasilidade”, submetida a uma orientação cívica e nacionalista” (LIRA: 2013, p.210).

Carlos Drummond de Andrade, nas suas poesias, também identificou o desvirtuamento das manifestações carnavalescas para favorecer o mercado: “Ah, sim, o sambista e sua escola, foliando para turistas, e a distinta\ Comissão Julgadora. Pontos! Mais Pontos! Quesitos, mais quesitos!\ Briga feia nessa programação oficial que garimpa e governa\ o Carnaval.\ Foliam para os outros. Não foliam pelo gosto, pela graça, pelo\ orgasmo de foliar (1987: p.157).

Já Frei Betto identifica no carnaval um veículo da sublimação dos antagonismos de classe, mediante “um grande ritual no qual ofertamos a Momo no altar da alegria, no panteão dos carros alegóricos, a nossa rebeldia travestida em festa, para gaúdio dos senhores do poder que, de cima de seus camarotes estouram champanha, felizes, porque o ritual sublima o confronto direto: o povão lá embaixo, disfarçado de reis e rainhas, enquanto lá em cima eles de fato reinam. Além de deter o controle sobre as almas, desfrutam dionisiacamente dos corpos desnudos” (BETTO:2008).

 

O carnaval como manifestação de contra-hegemonia

Uma visão mais ampla do carnaval, assim como das demais formas populares de entretenimento, mostra que eles também podem encarnar a de contra-hegemonia.

Os carnavais de clube foram substituídos, como vimos, pelos de rua, sendo os mais tradicionais os de Olinda e Salvador e os mais recentes, os de São Paulo e Belo Horizonte, cada vez mais impessoais e massificados. Sob a égide do capital “tudo que é sólido se dissolve no ar e tudo que é sagrado é profanado” (MARX: 1998, p. 8).

Atualmente, florescem, em muitos carnavais, práticas e valores que não se moldam por formas de relacionamento ditadas pelo mercado, prenunciando o advento de uma sociedade mais solidária que poderá, mais adiante, substituir as hodiernas, governadas pelo dinheiro. Nas cidades supramencionadas, revigoram-se antigos festejos de Momo, porém escoimados do moralismo que os caracterizavam.

Neles se resgatam relações mais livres e afetos mais verdadeiros, ensejando, sobretudo nos carnavais, que os foliões se divirtam e se confraternizem, sem o tacão da moralidade repressiva nem dos valores do mercado. São espaços onde o exercício da autonomia individual se combina com relações espontâneas de amizade e com genuínas afinidades artístico-culturais por parte daqueles que não podem participar da festa oficial. Mas isso não os leva a renunciar à condição de sujeitos dos festejos de Momo, pondo em cheque a hegemonia da lógica mercantil da indústria cultural.

Conforme destaca Viscardi et alli: “Qualquer semelhança com a disputa entre povo e a elite e as tentativas de demarcações hierárquicas, freqüentemente quebradas pelas classes com menor poderio econômico, não deve ser considerada como mera coincidência e sim como exemplos de uma luta no campo da cultura, a partir de forças contra-hegemônicas que se colocam em oposição ao cenário do carnaval reduzido à condição de mercadoria” (VISCARDI: 2013, p. 20).

Recentes e atuais carnavais, difundem valores contra-hegemônicos que alcançam dimensão política, transformando-se em palco de denúncias contra injustiças e cobrando a sua reparação. Desde a escravatura, os senhores de escravos sempre procuraram colocar limites a essa festa popular. Gil e Caetano compreenderam plenamente a sua dimensão libertária ao exaltar, em uma das suas composições, “o samba, pai do prazer, filho da dor, o grande poder transformador” (ALENCAR: 2019).

Disso é exemplo o samba enredo da Mangueira, campeã do carnaval carioca de 2019. Prestando comovente homenagem a Marielle, sua letra lembra que “tem sangue retinto pisado atrás do retrato emoldurado (SAMBA: 2019). Escolhendo como tema de seu desfile a denúncia dos falsos heróis da nacionalidade, exaltados na literatura oficial e na maioria dos livros didáticos, a Mangueira propiciou uma magnífica demonstração de contra-hegemonia, traduzida na íntima relação entre protesto, carnaval e democracia.

Nesse mesmo diapasão, em 2020, o enredo dessa escola contou a história de um Jesus de “rosto negro, sangue índio e corpo de mulher”. Criticando Jair Bolsonaro, sem mencionar o seu nome, o enredo em questão conclui dizendo que “ Não tem futuro sem partilha, nem existe Messias de arma na mão” (MANGUEIRA: 2020).

Carnavais, especialmente em momentos de crise, ensejam protestos que se assemelham a atos de desobediência civil, de insubordinação e de resistência. Quanto maior o descompasso entre os líderes institucionais e os anseios do homem comum, mais os cidadãos – no caso, os foliões e seus blocos – encontram nos festejos populares espaço para o exercício da liberdade de crítica, sem a censura dos governantes autoritários e de seus asseclas.

*Rubens Pinto Lyra é Professor Emérito da UFPB. Autor, entre outros livros, de Bolsonarismo: ideologia, psicologia, política e temas afins (CCTA/UFPB).

Referências


ALENCAR, Chico. Folia da resistência. Blog do Rubão. https://com.br

ANDRADE, Carlos Drummond. Amar se aprende amando. Rio de Janeiro: Record, 1987.

BETTO, Frei. Labirinto e Carnaval. São Paulo: Folha de S. Paulo, 5 fev. 2008.

MANGUEIRA faz crítica a Bolsonaro por falar em Messias de arma na mão. Folha de S. Paulo, 20. fev. 2020.

MARX, Karl. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Cortez Editora, 1998.

NETO, Lira. Getúlio: do governo provisório ao Estado Novo. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

PIO X. Catecismo da Doutrina Cristã. João Pessoa: Arquidiocese da Paraíba, 1951.

RAMOS, Aline. Especulações pré-BBB se tornam negócio lucrativo para famosos. Folha de S. Paulo: São Paulo, 10.1.2023.

SAMBA Enredo 2019: história para ninar gente grande. www.letras.mus.br.

VISCARDI et alli. Carnaval: entre a contradição de classe e o produto midiático espetacular. Estação Científica. Juiz de Fora, nº 9, janeiro-julho 2013.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Fernandes Silveira João Sette Whitaker Ferreira Marilia Pacheco Fiorillo Boaventura de Sousa Santos Benicio Viero Schmidt Valério Arcary Eugênio Bucci Chico Alencar Antonino Infranca Bruno Machado Renato Dagnino Dennis Oliveira Eduardo Borges Walnice Nogueira Galvão Lorenzo Vitral Fábio Konder Comparato Mário Maestri Tarso Genro José Geraldo Couto Jorge Branco Dênis de Moraes Antônio Sales Rios Neto Manuel Domingos Neto Ricardo Antunes Bernardo Ricupero Leda Maria Paulani Anselm Jappe Luiz Werneck Vianna Jorge Luiz Souto Maior José Micaelson Lacerda Morais João Lanari Bo Remy José Fontana Daniel Afonso da Silva Berenice Bento Tales Ab'Sáber Thomas Piketty Kátia Gerab Baggio Ricardo Musse Paulo Capel Narvai Sergio Amadeu da Silveira João Feres Júnior Chico Whitaker Vladimir Safatle Henry Burnett Lincoln Secco Marjorie C. Marona Rafael R. Ioris Alexandre Aragão de Albuquerque Gilberto Maringoni Flávio R. Kothe Eleutério F. S. Prado Marcelo Guimarães Lima Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Fabbrini João Adolfo Hansen Marcos Silva Leonardo Avritzer Flávio Aguiar Juarez Guimarães Michael Löwy Liszt Vieira Ricardo Abramovay Gabriel Cohn Érico Andrade Luiz Renato Martins Mariarosaria Fabris Celso Favaretto André Márcio Neves Soares Maria Rita Kehl Fernão Pessoa Ramos Vanderlei Tenório Manchetômetro Yuri Martins-Fontes Paulo Nogueira Batista Jr Michael Roberts Francisco de Oliveira Barros Júnior Fernando Nogueira da Costa Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Martins Luiz Roberto Alves André Singer Eugênio Trivinho Bruno Fabricio Alcebino da Silva Caio Bugiato Francisco Fernandes Ladeira Sandra Bitencourt Bento Prado Jr. Marilena Chauí João Carlos Salles Ronaldo Tadeu de Souza Armando Boito Andrew Korybko Marcelo Módolo Luiz Eduardo Soares Vinício Carrilho Martinez Tadeu Valadares Carla Teixeira Everaldo de Oliveira Andrade Igor Felippe Santos Eleonora Albano Jean Pierre Chauvin José Machado Moita Neto Marcus Ianoni Atilio A. Boron Milton Pinheiro Alysson Leandro Mascaro Leonardo Sacramento Ronald Rocha Gerson Almeida Carlos Tautz Paulo Sérgio Pinheiro Daniel Costa Alexandre de Freitas Barbosa Afrânio Catani Julian Rodrigues Valerio Arcary Roberto Noritomi Slavoj Žižek Leonardo Boff Ladislau Dowbor Daniel Brazil José Raimundo Trindade Heraldo Campos Claudio Katz João Paulo Ayub Fonseca Ari Marcelo Solon Otaviano Helene Annateresa Fabris Priscila Figueiredo Celso Frederico Salem Nasser Samuel Kilsztajn Luis Felipe Miguel Luiz Marques Airton Paschoa Luís Fernando Vitagliano Luiz Bernardo Pericás José Costa Júnior Gilberto Lopes Osvaldo Coggiola José Dirceu Plínio de Arruda Sampaio Jr. Elias Jabbour Luciano Nascimento Luiz Costa Lima Anderson Alves Esteves João Carlos Loebens Antonio Martins Rubens Pinto Lyra Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Marc Von Der Weid Henri Acselrad Francisco Pereira de Farias Roberto Bueno José Luís Fiori Rodrigo de Faria Eliziário Andrade Denilson Cordeiro Marcos Aurélio da Silva Ronald León Núñez

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada