As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Subsídios do agronegócio

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FERNANDO NOGUEIRA DA COSTA*

Nota sobre a circulação monetário-financeira entre agronegócio e serviços urbano-industriais

A publicidade contínua na TV busca convencer à desinformada opinião pública brasileira o agronegócio ser tudo na economia brasileira. Ao buscar essa hegemonia, tenta o transformar em uma totalidade merecedora dos privilégios oferecidos pelas políticas públicas – agrícola, comercial, financeira, tributária, fundiária e tecnológica – do Estado brasileiro. Afinal, agro é pop…

O agronegócio exportador recebe incentivos fiscais no imposto de renda, não paga imposto de exportação e pouco paga de Imposto Territorial Rural (ITR). Beneficia-se da moeda nacional depreciada em favor de suas exportações e goza de subsídios no crédito rural. O Tesouro Nacional, isto é, todos os contribuintes, banca a equalização da taxa de juros: um subsídio governamental dado aos produtores rurais quando o governo cobre a diferença entre a taxa de juros praticada no mercado financeiro e a taxa efetivamente paga pelo produtor devedor.

O mito para justificar tudo isso seria a suposta transformação do comércio exterior em um completo dependente de commodities agrícolas. Por um lado, abstrai as exportações de petróleo e minerais, fora a de produtos manufaturados. Por outro, não destaca a grande responsabilidade pelo salto da exportação de US$ 48 bilhões em 1999 para US$ 334 bilhões em 2022 ter sido a demanda externa, em especial, a da China.

Aliás, vale destacar: entre 2003 e 2011, a média das variações anuais da exportação brasileira foi 18,6% aa com uma única queda em 2009; entre 2012 e 2020, essa média foi negativa (-1,7% aa), com altas apenas em 2017 e 2018. Os crescimentos dos anos de 2021 e 2022 foram excepcionais, respectivamente +34,2% e +19%, por conta da recuperação do fluxo dos negócios após a pandemia mundial.

Guilherme Delgado (Diplô, maio de 2023) conceitua o agronegócio como “um pacto de Economia Política, associando complexos agroindustriais integrados com a grande propriedade fundiária e o Estado planejador do lucro da produção e da valorização patrimonial, tendo em vista gerar resultados comerciais externos superavitários como meta primordial”.

O objetivo nacional é o superávit do balanço comercial cobrir o déficit da conta de serviços e renda enviados ao exterior. Por exemplo, em 2022, o déficit do balanço de transações correntes foi US$ 55,7 bilhões, apesar do superávit do balanço comercial em US$ 44,4 bilhões, devido ao pagamento ao exterior de US$ 40 bilhões em serviços e remessa de renda primária de US$ 64 bilhões, seja em investimento direto (US$ 42 bilhões), seja em investimento em carteira (US$ 21 bilhões). Lucros e dividendos remetidos para o exterior predominam: os de filiais para matrizes e os recebidos em carteira de ações.

É uma opção reducionista definir o agronegócio como o capitalismo agrário, assim como seria definir a “financeirização” como o capitalismo financeiro – e assim por diante. Nessa ótica, o capitalismo industrial teria perdido sua hegemonia e isso, de maneira pressuposta, seria um desastre sob o ponto de vista de geração de empregos produtivos e valor adicionado.

Deve-se compreender o funcionamento integrado do conjunto de subsistemas do sistema capitalista: agrícola, pecuário, industrial, mercantil e financeiro. Eles interagem, são interdependentes e não excludentes um do outro, seja em escala nacional, seja em nível global. Corporações multinacionais tendem a controlar o complexo de sistemas com componentes agrícola, industrial, mercantil, financeiro, tecnológico e ideológico.

O agronegócio não é apenas o complexo agroindustrial. É configurado por um complexo de redes interconectadas por governos, políticos, organizações financeiras multilaterais, redes de supermercados, bancos etc. O modelo de desenvolvimento possível para a economia brasileira não é, exclusivamente, o primário-exportador, “voltado para fora”.

A Fisiocracia à outrance é anacrônica. A etimologia do grego significa “governo da natureza”. Foi uma das primeiras teorias econômicas, desenvolvida por franceses do século XVIII na Era pré-industrial. Supunham a riqueza das nações ser derivada unicamente do valor de “terras agrícolas” ou do “desenvolvimento rural”.

Predomina ainda em muitas mentes ideológicas a ênfase fisiocrata no trabalho produtivo como a única fonte de riqueza nacional. Esse pensamento era contrastante como o Mercantilismo. Este focava na riqueza do Reino, no acúmulo de reservas em ouro através de saldo superavitário do balanço comercial.

O Mercantilismo pregava a regra de ouro do comércio: o valor dos produtos da sociedade seria criado por o vendedor vender seus produtos por mais dinheiro daquele preço pago originalmente. A força ideológica da corrente fisiocrática de pensamento econômico foi ter sido a primeira a defender o trabalho ser a única fonte de valor.

No entanto, para os fisiocratas, apenas o trabalho agrícola criava valor nos produtos com o apoio da natureza, semeando mais barato e colhendo mais caro. Todos os demais trabalhos não agrícolas seriam apêndices improdutivos. Comerciantes não produziam bens, apenas distribuíam os produzidos por proprietários agrícolas.

Pior, Karl Marx e seus discípulos adotaram a proposição do trabalho produtivo como um dogma. Na verdade, segundo o esquema marxista, o capital “produtivo” não se opõe ao “improdutivo”, mas sim ao capital no processo de circulação.

O capital produtivo organiza, diretamente, o processo de criação de bens e serviços. O capital no processo de circulação organiza a compra e a venda, ou seja, a transferência do direito de propriedade sobre os produtos. O trabalho assalariado, caso seja empregado nessa circulação, não cria valor, apesar de ser explorado?!

Ao serem utilizados para a transferência do direito de propriedade privada, todos os trabalhadores empregados, entre outras “atividades terciárias”, no comércio (compra e venda), no governo (administração pública) e no sistema financeiro (pagamentos, financiamentos e gestão do dinheiro) seriam “improdutivos”? Evidentemente, este é um adjetivo inadequado, porque pode ser confundido como “inúteis”. Ora, eles possibilitam a alavancagem financeira geradores de maior escala de empregos e a realização das vendas com valor adicionado superior aos gastos intermediários.

Em todo o mundo, houve mudança da população das áreas rurais para as urbanas e consequente aumento da proporção de habitantes em cidades. Até 2050, cerca de 64% do mundo em desenvolvimento e 86% do mundo desenvolvido serão considerados urbanizados. O grau de urbanização do Brasil já alcançou este último patamar.

No ano de 1940, apenas 32% da população brasileira vivia em cidades. O censo demográfico de 1970 registrou a ultrapassagem da população urbana sobre a rural.

O processo de urbanização no Brasil se desenvolveu, principalmente, na segunda metade do século XX, a partir do processo de industrialização. Este foi fator de atração para o deslocamento da população da área rural em direção à área urbana. Houve também fatores de repulsão para essa migração campo-cidade, por exemplo, a concentração fundiária sem reforma agrária e a mecanização do campo.

Esse êxodo rural foi sintomático da mudança de um modelo agrário-exportador para um modelo urbano-industrial. O Sistema de Contas Nacionais do IBGE registrou já em 1947 os Serviços (55,7% do PIB) terem superado a Agropecuária (21,4%) e a Indústria (26%). Entre eles, os Financeiros foram contabilizados com 3,3%. Em 1989, a Agropecuária tinha caído para 9,8% e a Indústria Geral aumentado para 46,3% – seu auge aconteceu em 1985 com 48%. Os Serviços Financeiros, neste ano de regime de alta inflação, chegaram a 26,4%!

Em 2022, seu valor adicionado foi contabilizado em apenas 7,5%. Na verdade, o sistema financeiro não agrega, mas sim circula (e se apropria de) valor adicionado em outras atividades. Propicia o carregamento e a proteção da riqueza financeira acumulada por trabalhadores e capitalistas. Ao cumprir essa missão social de gestão do dinheiro viabiliza uma mobilidade social caso se cumpra o planejamento da vida financeira.

A urbanização costuma ser vista como negativa quando há deslocamento de moradores para subúrbios periféricos sem infraestrutura. O desenvolvimento da infraestrutura, com o planejamento estatal em lugar da autoconstrução sem presença do governo local, propicia a redução das despesas com transporte e aumenta as oportunidades de emprego, educacionais, habitacionais e de locomoção.

O crescimento econômico pode não ser regular se for baseado em pequeno número de grandes negócios e dependente de milhares de micro empreendimentos. A falta de acesso a serviços financeiros e de assessoria empresarial, a dificuldade de obtenção de crédito para abrir um negócio e a falta de habilidades empreendedoras são barreiras para novas gerações terem acesso a oportunidades profissionais e empreendedoras.

O investimento em capital humano (capacidade pessoal de ganho), para os jovens terem acesso a uma educação de qualidade, é fundamental. Em conjunto com infraestrutura, para o agronegócio e os serviços urbano-industriais, propicia superar as barreiras.

*Fernando Nogueira da Costa é professor titular do Instituto de Economia da Unicamp. Autor, entre outros livros, de Brasil dos bancos (EDUSP).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Afrânio Catani Flávio R. Kothe Henri Acselrad Luís Fernando Vitagliano Boaventura de Sousa Santos Julian Rodrigues Luis Felipe Miguel José Machado Moita Neto Valério Arcary Ronald Rocha Lincoln Secco Benicio Viero Schmidt Ricardo Fabbrini Fernão Pessoa Ramos Marcos Silva José Dirceu Ricardo Antunes Sandra Bitencourt Milton Pinheiro José Geraldo Couto Antonio Martins Eduardo Borges Daniel Costa João Carlos Loebens Fernando Nogueira da Costa Antônio Sales Rios Neto Luiz Marques João Carlos Salles Remy José Fontana João Paulo Ayub Fonseca Alexandre de Lima Castro Tranjan Yuri Martins-Fontes Chico Whitaker Walnice Nogueira Galvão Vinício Carrilho Martinez Berenice Bento Lorenzo Vitral José Raimundo Trindade Francisco de Oliveira Barros Júnior João Feres Júnior Bernardo Ricupero Daniel Brazil Lucas Fiaschetti Estevez Thomas Piketty Eliziário Andrade Anselm Jappe Paulo Capel Narvai Luiz Roberto Alves Ricardo Abramovay Francisco Pereira de Farias Slavoj Žižek Fábio Konder Comparato Elias Jabbour Mário Maestri Dênis de Moraes Luiz Eduardo Soares Eleonora Albano Otaviano Helene Ronaldo Tadeu de Souza Maria Rita Kehl Roberto Bueno Flávio Aguiar Leonardo Avritzer Carlos Tautz João Adolfo Hansen Michael Löwy Sergio Amadeu da Silveira Kátia Gerab Baggio Rafael R. Ioris Osvaldo Coggiola Luiz Werneck Vianna Marcos Aurélio da Silva Ari Marcelo Solon Priscila Figueiredo Ricardo Musse Armando Boito Gilberto Lopes Andrew Korybko Salem Nasser Jorge Luiz Souto Maior Dennis Oliveira Carla Teixeira Alexandre Aragão de Albuquerque Renato Dagnino Marcelo Guimarães Lima Mariarosaria Fabris Paulo Fernandes Silveira Daniel Afonso da Silva Eleutério F. S. Prado Denilson Cordeiro Valerio Arcary Érico Andrade Celso Frederico Marcus Ianoni Atilio A. Boron José Micaelson Lacerda Morais Marilena Chauí Tales Ab'Sáber Vladimir Safatle Alysson Leandro Mascaro Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Bernardo Pericás Rubens Pinto Lyra Alexandre de Freitas Barbosa Caio Bugiato Samuel Kilsztajn Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Sérgio Pinheiro Tadeu Valadares Ronald León Núñez Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilia Pacheco Fiorillo Claudio Katz Jean Pierre Chauvin José Costa Júnior Antonino Infranca Anderson Alves Esteves Manchetômetro Ladislau Dowbor João Lanari Bo Manuel Domingos Neto Juarez Guimarães João Sette Whitaker Ferreira Leda Maria Paulani Gabriel Cohn Jean Marc Von Der Weid Luciano Nascimento Gerson Almeida Igor Felippe Santos Chico Alencar Airton Paschoa Annateresa Fabris Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Boff Rodrigo de Faria Vanderlei Tenório Eugênio Bucci Tarso Genro Luiz Renato Martins Michael Roberts Bruno Machado Heraldo Campos Eugênio Trivinho José Luís Fiori Liszt Vieira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Costa Lima André Márcio Neves Soares Bento Prado Jr. Henry Burnett Celso Favaretto Jorge Branco Gilberto Maringoni Marjorie C. Marona Leonardo Sacramento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Roberto Noritomi André Singer Marcelo Módolo Paulo Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada