As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Pré-sal da bacia de Santos

Faixa fixada nas proximidades do Mercado Municipal de Pescados de Ubatuba. Foto: Heraldo Campos.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HERALDO CAMPOS*

A importância da gestão compartilhada dos royalties do petróleo e do gás natural

Outro dia, andando pelo Mercado Municipal de Pescados de Ubatuba, cidade com forte vocação turística do Litoral Norte do Estado de São Paulo, na procura de um peixe de mar para a mistura do almoço de casa, acabei voltando de mãos abanando.

Na busca de um peixe das proximidades dessa região marítima e não de outros lugares distantes, uma vez que, segundo informação local, mais de 70% dos pescados que são comercializados nos boxes vêm de outras praças de abastecimento, me deparei com um cartaz fixado numa das colunas do Mercado e depois com uma faixa fixada nas suas proximidades.

Essa faixa, com o logotipo do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), informa sobre audiência pública da atividade de produção e escoamento de petróleo e gás natural do polo pré-sal da bacia de Santos – etapa 4 do empreendedor Petrobras, a ser realizada no município de Caraguatatuba dia 30 de maio de 2023.

Na direção para acesso www.comunicabaciadesantos.com.br existente nessa faixa, para os quatro municípios que constituem o Litoral Norte paulista, Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba, a informação diz o seguinte: “A Petrobras fornecerá transporte gratuito aos interessados em participar das Audiências Públicas, que residam nos municípios acima, até os locais dos eventos. Oportunamente serão publicadas informações sobre locais e horários do transporte”.

Para o projeto etapa 4, está prevista a instalação e a operação de 13 unidades de produção, localizadas em distância mínima de 171 km da costa do litoral dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, em águas com profundidade acima de 1.745 m. Essas unidades serão responsáveis por produzir petróleo e gás em 13 projetos de Desenvolvimento da Produção (Dps)”.

“O tripé educação-saúde-saneamento é um direito da população. Os valores existentes na “Declaração Universal dos Direitos Humanos” da Organização das Nações Unidas (ONU), proclamada pela sua Assembleia Geral, em Paris, no dia 10 de dezembro de 1948, ressaltam e reforçam esse direito”.

“Apesar de, aparentemente, o Brasil estar iniciando na administração dos fundos soberanos entende-se que eles poderiam ser direcionados para a melhoria do cotidiano da vida da população e dar início à diminuição do grande déficit nessa área fundamental para o bem-estar das pessoas, muitas vezes desassistidas de um serviço público de qualidade”.

“Nos anos 80 do século passado, algumas prefeituras do território brasileiro adotaram o “Orçamento Participativo”, como mecanismo de possibilitar a participação dos munícipes nas discussões e nas deliberações na busca da melhor forma de aplicar os investimentos pelos administradores locais. Quem sabe se essa experiência do “Orçamento Participativo” de participação popular direta não poderia voltar a ser de novo uma prática política, visando a adequada aplicação dos recursos econômicos gerados pelos fundos soberanos provenientes dos royalties do petróleo e do gás natural”.[1]

Em 31 de janeiro de 2022, o portal G1 informava a seguinte situação para os quatro municípios do litoral norte do estado de São Paulo:[2] “Em 2020, foram repassados o total de R$ 463.251.112,43 para o Litoral Norte. No ano passado, a soma foi de R$ 548.924.857,78. Entre as quatro cidades, foi Ilhabela a que mais recebeu. Confira abaixo quanto cada cidade recebeu em 2021, de acordo com dados da ANP: (i) Ilhabela – R$ 296.547.618,11; (ii) São Sebastião – R$ 134.805.117,66; (iii) Caraguatatuba – R$ 105.249.008,63; (iv) Ubatuba – R$ 12.323.113,38”.

Nessa mesma matéria, o portal G1 prosseguia com esse esclarecimento sobre o cálculo dos royalties:

“O cálculo é feito com base em um estudo cartográfico que analisa os municípios com fronteira com os campos de produção. A fatia em dinheiro depende dessa proporção territorial. A partilha é feia a partir de um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O instituto traça um ângulo para cada poço em alto mar e reflete seu caminho até o continente, observando os municípios impactados”.

Para encerrar, entende-se que certas coisas do chamado “mundo globalizado” como, por exemplo, os pescados, terminam por fazer dessa importante fonte de proteínas um prato sem gosto, insosso, de tanto que rodam debaixo do gelo, de um lugar para outro, até chegarem ao prato do consumidor. E, cá entre nós, nem os chefes de cozinha “bonitões”, que vira e mexe aparecem na televisão dando receitas culinárias, consertam uma mercadoria de qualidade comprometida.

Será que uma cooperativa de pescadores não poderia melhorar essa oferta e, ao mesmo tempo, dar segurança para essa categoria de trabalhadores do setor? E, em paralelo, espelhando essa ideia do cooperativismo, um tipo de consórcio entre os municípios, não seria um caminho interessante para a gestão compartilhada dos royalties do petróleo e do gás natural e, consequentemente, do fundo soberano?

Seria interessante, inclusive, passar a resolver de forma compartilhada, um problema crônico comum a esses municípios, que é do saneamento básico e a coleta de lixo, também degradadores da qualidade desse pescado e da vida das pessoas. O mar não é o mesmo?

“A falta de cooperação é um protesto contra a falta de consciência e participação involuntária no mal” (Mahatma Gandhi).

*Heraldo Campos, geólogo, é pós-doutorado pelo Departamento de Hidráulica e Saneamento da Escola de Engenharia de São Carlos-USP.

Notas


[1] https://aterraeredonda.com.br/fundos-soberanos-e-qualidade-de-vida/

[2]https://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/noticia/2022/01/31/cidades-do-litoral-norte-de-sp-recebem-r-548-milhoes-em-distribuicao-de-royalties-do-petroleo-em-2021.ghtml


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ronald León Núñez Anselm Jappe Roberto Noritomi Gilberto Maringoni Slavoj Žižek Luiz Eduardo Soares Remy José Fontana Denilson Cordeiro Juarez Guimarães Ricardo Fabbrini Dennis Oliveira Luiz Marques Heraldo Campos Renato Dagnino Jean Pierre Chauvin Paulo Capel Narvai Kátia Gerab Baggio Andrew Korybko Luiz Werneck Vianna Paulo Nogueira Batista Jr Eleonora Albano André Singer Alexandre de Lima Castro Tranjan Celso Frederico Rubens Pinto Lyra Leonardo Avritzer Sergio Amadeu da Silveira Lucas Fiaschetti Estevez Caio Bugiato Antonino Infranca Marjorie C. Marona Alexandre Aragão de Albuquerque Marcus Ianoni Carlos Tautz Jorge Luiz Souto Maior Vanderlei Tenório André Márcio Neves Soares Julian Rodrigues Benicio Viero Schmidt Luis Felipe Miguel João Lanari Bo Berenice Bento Yuri Martins-Fontes Airton Paschoa João Feres Júnior Flávio R. Kothe Eduardo Borges Thomas Piketty Ari Marcelo Solon Chico Alencar Daniel Brazil Paulo Martins João Adolfo Hansen Ricardo Musse Eleutério F. S. Prado João Carlos Salles Lincoln Secco Gilberto Lopes Salem Nasser Vladimir Safatle Flávio Aguiar Gabriel Cohn Luciano Nascimento Leonardo Sacramento Maria Rita Kehl Annateresa Fabris Marilena Chauí Claudio Katz Bento Prado Jr. Samuel Kilsztajn Afrânio Catani Paulo Fernandes Silveira Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcelo Guimarães Lima José Luís Fiori Fábio Konder Comparato Rodrigo de Faria José Dirceu Lorenzo Vitral Eugênio Bucci José Machado Moita Neto Valerio Arcary Paulo Sérgio Pinheiro Jean Marc Von Der Weid Roberto Bueno Antonio Martins Carla Teixeira Milton Pinheiro Eliziário Andrade Henri Acselrad Jorge Branco Igor Felippe Santos Manuel Domingos Neto Tarso Genro Luís Fernando Vitagliano Henry Burnett Ronald Rocha Sandra Bitencourt Osvaldo Coggiola Marcos Silva José Geraldo Couto Manchetômetro Celso Favaretto Luiz Bernardo Pericás Rafael R. Ioris Atilio A. Boron Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tales Ab'Sáber João Carlos Loebens Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Costa Mário Maestri Leda Maria Paulani Francisco de Oliveira Barros Júnior Érico Andrade Michael Löwy Fernão Pessoa Ramos Luiz Roberto Alves Dênis de Moraes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Valério Arcary Leonardo Boff Ricardo Abramovay José Costa Júnior Ladislau Dowbor Elias Jabbour Walnice Nogueira Galvão João Sette Whitaker Ferreira Luiz Costa Lima Priscila Figueiredo Michael Roberts Francisco Pereira de Farias Anderson Alves Esteves Fernando Nogueira da Costa Mariarosaria Fabris Chico Whitaker Antônio Sales Rios Neto José Micaelson Lacerda Morais Boaventura de Sousa Santos Liszt Vieira Tadeu Valadares Daniel Afonso da Silva Marcelo Módolo Eugênio Trivinho José Raimundo Trindade Alysson Leandro Mascaro Vinício Carrilho Martinez Luiz Renato Martins Bernardo Ricupero Gerson Almeida Otaviano Helene Ricardo Antunes Armando Boito Marilia Pacheco Fiorillo Everaldo de Oliveira Andrade Bruno Machado Marcos Aurélio da Silva Ronaldo Tadeu de Souza João Paulo Ayub Fonseca Francisco Fernandes Ladeira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada