A Terra é esférica

Imagem: Harrison [Hagan] Schmitt
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FELIPE A. P. L. COSTA

Vista do espaço, a Terra parece uma bolinha de gude azul.

Vista do espaço, a Terra parece ter a forma de uma esfera perfeita. A mesma impressão nós temos diante do Sol e da Lua, assim como diante de imagens dos demais planetas do Sistema Solar ou mesmo de alguns dos seus satélites.

A depender da distância, a imagem da Terra nos faz pensar em uma bolinha de gude azul[1] – ver a imagem que acompanha este artigo. O predomínio da coloração azulada tem a ver com o fato de que os oceanos cobrem a maior parte (~71%) da superfície terrestre.[2]

Forma e tamanho da Terra.

Especulações a respeito da forma do planeta são antigas. Os gregos, por exemplo, com base em observações da sombra da Terra sobre a Lua durante os eclipses, já pressupunham que o planeta fosse uma gigantesca esfera. E o mais impressionante: os gregos eram capazes de calcular as dimensões de tal esfera.

Foi o que fez Eratóstenes de Cirene (276-194 aC) [3].

O filósofo e astrônomo grego desenvolveu um método de cálculo com o qual obteve uma estimativa bastante precisa para a circunferência da Terra – 250 mil estádios, ou 46.250 km [4].

Eis o comentário de Singh (2006, p. 20-1):

“Na biblioteca [de Alexandria] Eratóstenes ficou sabendo da existência de um poço com notáveis propriedades, situado perto da cidade de Siena, no sul do Egito, perto da atual Assuã. A cada ano, ao meio-dia de 21 de junho, o dia do solstício de verão, o Sol brilhava diretamente dentro do poço e iluminava tudo até o fundo. Eratóstenes percebeu que, naquele dia em especial, o Sol deveria estar diretamente acima, algo que nunca acontecia em Alexandria, que ficava a varias centenas de quilômetros ao norte de Siena. Hoje sabemos que Siena fica perto do Trópico de Câncer, a latitude mais ao norte em que o Sol pode aparecer bem no zênite”.

Ciente de que a curvatura da Terra era o motivo de o Sol não brilhar do mesmo modo acima de Siena e Alexandria ao mesmo tempo, Eratóstenes imaginou se não poderia usar isso para medir a circunferência da Terra. Ele não pensou no problema do mesmo modo como pensaríamos, já que sua interpretação da geometria e sua anotação eram diferentes, mas aqui esta uma explicação moderna de sua abordagem. [Considere] como os raios paralelos da luz do Sol atingiam a Terra ao meio-dia de 21 de junho. No mesmo momento em que a luz do Sol mergulhava verticalmente no fundo do poço em Siena, Eratóstenes fincou uma vareta verticalmente no solo de Alexandria e mediu o ângulo entre a vareta e os raios do Sol. E o que é crucial para o problema é que este ângulo equivale ao ângulo entre duas linhas radiais traçadas de Alexandria e Siena até o centro da Terra. Ele mediu o ângulo como sendo de 7,2°.

Agora imagine alguém em Siena que decida caminhar numa linha reta até Alexandria, e depois continua andando até dar a volta ao mundo e retornar a Siena. Ao dar uma volta completa em torno da Terra, ela descreveria um círculo completo cobrindo 360°. Assim, se o ângulo entre Siena e Alexandria é de apenas 7,2°, então a distância entre Siena e Alexandria representa 7,2/360 ou 1/50 da circunferência da Terra. O resto do cálculo é simples. Erastóstenes mediu a distância entre as duas cidades, que se revelou de 5.000 estádios. Se isso representa 1/50 da circunferência da Terra então a circunferência total deve ser de 250.000 estádios.

O mesmo método seria usado depois para calcular outras grandezas astronômicas, como as distâncias Terra-Sol e Terra-Lua [5].

2 – “Eu vi a Terra! Ela é tão bonita.”

O primeiro ser humano a ver a Terra como uma esfera gigantesca foi o cosmonauta soviético Yuri [Alekseyevich] Gagarin (1934-1968).

Em 12/4/1961, a bordo da espaçonave Vostok 1 e orbitando a Terra a uma altitude média de 322 km [6], Gagarin deu uma única volta em torno do planeta.

O voo durou tão somente 108 minutos [7], mas foi o suficiente para transformar o episódio em um feito épico e histórico.

Enquanto orbitava, além de pronunciar um ‘discurso oficial’ endereçado à humanidade como um todo, Gagarin disse aos colegas soviéticos: “Eu vejo a Terra! Ela é tão bonita” [8].

3 – Esferoide oblato.

Ocorre que a Terra não é perfeitamente esférica. Medições rigorosas indicam que o raio equatorial (6.378 km) é ligeiramente maior que o raio polar (6.357 km) [9]. Diz-se então que o globo terrestre é um esferoide – i.e., um objeto aproximadamente esférico.

Esse desvio talvez fosse uma surpresa para os gregos, mas não para quem o previu e explicou: o matemático e naturalista inglês Isaac Newton (1643-1727) [10].

Nas palavras de Nussenzveig (2013, p. 249):

Newton calculou o efeito da rotação da Terra sobre sua forma: na ausência de rotação, ou seja, somente sob o efeito a gravidade, os planetas deveriam ter forma esférica; entretanto, as ‘forças centrífugas’ produzidas pela rotação levam a um achatamento nos polos e alargamento no equador, conduzindo a uma forma de esferoide oblato […] [11].

Segundo o cálculo de Newton, o diâmetro polar da Terra deve estar para o equatorial como 229/230, levando a uma elipticidade de 1/230 [12].

4- A gravidade e a forma dos corpos celestes.

Mas, afinal, por que a Terra, o Sol, a Lua e tantos outros corpos celestes são esféricos?

A resposta tem a ver com o seguinte: todo e qualquer objeto astronômico cujo diâmetro esteja acima de um determinado valor mínimo tende a se tornar esférico pelo simples motivo de que a sua forma passa a ser moldada pela gravidade.

Nas palavras de Luminet (1996, p. 53-4):

“A Terra é efetivamente quase esférica porque é um objeto astronômico e, como tal, sua forma é governada pela gravitação. Em termos muito gerais, todas as formas no universo são governadas pelas quatro forças fundamentais. Entre essas formas fundamentais, há duas interações nucleares que regem a estrutura dos núcleos atômicos – ainda que não seja esse o nosso propósito hoje – o eletromagnetismo e a gravidade.

Um bom exemplo de corpos bastante maciços, mas não a ponto de impedir que, ao mesmo tempo, atuem as forças eletromagnéticas e as forças gravitacionais, é o dos asteroides e dos núcleos de cometas. Esses objetos podem ter entre alguns quilômetros e algumas centenas de quilômetros de diâmetro e têm formas completamente bizarras, tão variadas quanto as dos seixos que encontramos em uma praia: não têm uma forma esférica, porque não são esculpidos pela gravitação. De fato, pode-se demonstrar que a gravitação só se torna a força organizadora dominante a partir de corpos que têm diâmetros da ordem de 500 quilômetros. É a razão pela qual todos os corpos do sistema solar, de mais de 500 quilômetros de diâmetro – quer dizer, todos os planetas e a maioria dos satélites dos planetas – têm formas esféricas. Por quê? Porque é a própria natureza da gravitação que o impõe. A força de gravitação atrai cada partícula material de um corpo para o que chamamos de centro de massa (ou centro de gravidade) do corpo [13]. Ela age da mesma maneira em todas as direções, com uma intensidade que depende apenas da massa das partículas e de sua distância do centro. Então, se um corpo é homogêneo, a gravitação o ‘esculpe’ inevitavelmente segundo uma forma esférica. Isso vale para os planetas e a fortiori para as estrelas, que são bem mais maciças.”

Coda

Em resumo: (1) A Terra é esférica porque é um objeto astronômico suficientemente grande (> 500 km de diâmetro), a ponto de ter a sua forma governada pela gravidade. Ao se tornar a força dominante, a gravidade tende a fazer com que os corpos celestes assumam uma forma esférica. (2) Mas a Terra não é uma esfera perfeita. O desvio (imperceptível em uma fotografia – ver a figura que acompanha este artigo) é resultado do movimento de rotação do planeta. Gerada por tal movimento, a força centrífuga tende a fazer com que o acúmulo de matéria seja um pouco maior ao longo do eixo equatorial do planeta.

*Felipe A. P. L. Costa é biólogo. Autor, entre outros, livros, de O evolucionista voador & outros inventores da biologia moderna.

O presente artigo foi extraído e adaptado do livro A força do conhecimento & outros ensaios: Um convite à ciência (no prelo).

Referências


Boorstin, DJ. 1989 [1983]. Os descobridores. RJ, Civilização.

Boyer, CB & Merzbach, UC. 2012 [2011]. História da matemática, 3ª ed. SP, Blucher.

Comins, NF & Kaufmann, WJ, III. 2010 [2008]. Descobrindo o Universo, 8ª ed. Porto Alegre, Bookman.

Christie, T. 2015. Calendrical confusion or just when did Newton die? The Renaissance Mathematicus, em 20/3/2015. [O blogue do autor está aqui.]

Garrison, T. 2010 [2006]. Fundamentos de oceanografia, 4ª ed. SP, Cengage.

Luzum, B & mais  11. 2011. The IAU 2009 system of astronomical constants: the report of the IAU working group on numerical standards for Fundamental Astronomy. Celestial Mechanics and Dynamical Astronomy 100: 293-304.

Nussenzveig, HM. 2013. Curso de física básica, v. 1: Mecânica, 5ª ed. SP, Blucher.

Ronan, CA. 1987 [1983]. História ilustrada da ciência, v. 1: Das origens à Grécia. RJ, J Zahar.

Sagan, C. 1996 [1994]. Pálido ponto azul. SP, Companhia das Letras.

Singh, S. 2006 [2004]. Big Bang. RJ, Record.

Stephenson FR; Morrison LV & Hohenkerk CY. 2016. Measurement of the Earth’s rotation: 720 BC to AD 2015. Proceedings of the Royal Society A 472: 20160404 (http://dx.doi.org/10.1098/rspa.2016.0404).

Notas


[1] Bola ou Bolinha de Gude Azul (ing., The Blue Marble) foi como ficou conhecida uma das primeiras imagens coloridas da Terra. Datada de 7/12/1972, a fotografia foi tirada pelo geólogo e astronauta estadunidense Harrison [Hagan] Schmitt (nascido em 1935). (Há uma imagem fotográfica anterior, datada de 1967. Mas foi tirada por um satélite e é relativamente pouco conhecida – ver aqui.) Schmitt foi um dos três integrantes da Apollo 17 (7-19/12/1972), a última missão tripulada a pousar na Lua.

[2] O restante da superfície terrestre (29%) exibe outras colorações, sobretudo tons esverdeados (florestas fechadas), amarronzados (desertos, áreas desflorestadas ou de vegetação rarefeita) ou esbranquiçados (calotas polares e topos de montanhas, ameaçados hoje por um acelerado processo de derretimento). Uma combinação de propriedades físicas e químicas dá à água dos oceanos a sua coloração azulada – ver Garrison (2010).

[3] Sobre a relevância histórica da obra de Eratóstenes, ver Ronan (1987) e Boyer & Merzbach (2012).

[4] Na Grécia Antiga, estádio era a distância padrão (185 m) em que eram disputadas as corridas. O resultado obtido por Eratóstenes (46.250 km) é uma ligeira superestimativa do valor adotado hoje para a circunferência equatorial do planeta. Vejamos. O comprimento da circunferência (C) mede 2πr, onde π é uma constante e r é o raio. Fazendo π = 3,14 e r = 6,378 x 106 m (ver nota 8), obtemos C = 4,0054 x 107 m (ou 40.054 km), o equivalente a 87% do valor obtido pelo filósofo grego.

[5] Assim como os gregos, os navegadores europeus que chegaram ao Novo Mundo, como Cristóvão Colombo (1451-1506) e Pedro Álvares Cabral (1467-1520), estavam cientes de que vivemos em um planeta esférico. Nas palavras de Boorstin (1989, p. 214): “Nessa altura [1484], os europeus instruídos já não tinham nenhuma dúvida quanto à esfericidade do planeta”. O desacordo residia no valor das dimensões. O modelo de globo terrestre adotado por Colombo, por exemplo, era significativamente menor que o previsto pelos cálculos de Eratóstenes. Razão pela qual a sua viagem ao Novo Mundo demorou mais do que o previsto.

[6] Orbitando tão perto do planeta, Gagarin não chegou a ver a Terra como uma bolinha de gude azul. Quando Schmitt tirou a sua famosa fotografia (ver nota 1), a Apollo 17 estava a cerca de 45 mil km de distância da Terra. À medida que nos afastamos ainda mais, a imagem do planeta muda e evoca outras analogias e metáforas. No início de fevereiro de 1990, por exemplo, a sonda espacial Voyager I (lançada em 5/9/1977) estava a cerca de 6 bilhões km da Terra. E seguia se afastando para fora do Sistema Solar. A essa distância, o nosso planeta é praticamente imperceptível em uma imagem fotográfica – torna-se um cisco em meio a um pano de fundo polvilhado por inúmeros outros ciscos ou um pálido ponto azul (ing., pale blue dot), para usar a expressão literária adotada por Sagan (1996).

[7] Para uma recriação em tempo real do voo de Gagarin, incluindo imagens e trechos do áudio original, ver o filme First orbit (2011), de Christopher Riley.

[8] Para detalhes, ver aqui e aqui.

[9] Raio equatorial: ~6,37814 x 106 m (Luzum et al. 2011). A velocidade de rotação atual da Terra é de 1.670 km/h. Em 24 horas, portanto, um ponto fixo sobre o equador descreve uma circunferência de 40.080 km de comprimento (= 24 h x 1.670 km/h). Vale ressaltar que à medida que a rotação diminui, o comprimento do dia aumenta – para detalhes, ver Comins & Kaufmann (2010). A velocidade de rotação já foi maior, o que implica dizer que o comprimento do dia terrestre já foi menor do que é hoje. Estima-se que o dia esteja a ganhar 1,8 ms (milésimo de segundo) a cada século (Stephenson et al. 2016).

[10] Para uma discussão sobre os anos de nascimento e morte de Newton, ver Christie (2015).

[11] Esferoide oblato é aquele cujo eixo equatorial é maior que o eixo polar. Quando o eixo polar é maior, diz-se que o esferoide é prolato.

[12] Ainda Nussenzveig (2013, p. 249): “As determinações experimentais mais recentes dão uma elipticidade de ≈1/297.”

[13] Para detalhes técnicos, ver Comins & Kaufmann (2010) e Nussenzveig (2013).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Avritzer Eugênio Trivinho Luiz Marques Daniel Brazil Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Antunes Carla Teixeira Walnice Nogueira Galvão Afrânio Catani Mariarosaria Fabris Rodrigo de Faria Igor Felippe Santos Antonino Infranca Osvaldo Coggiola Marcus Ianoni Paulo Fernandes Silveira Tales Ab'Sáber José Dirceu Paulo Martins Gilberto Lopes Marilia Pacheco Fiorillo José Costa Júnior Ari Marcelo Solon Tadeu Valadares Fábio Konder Comparato Michael Roberts Gabriel Cohn Paulo Sérgio Pinheiro Alysson Leandro Mascaro André Singer Jean Pierre Chauvin Armando Boito José Luís Fiori Leonardo Boff Alexandre de Oliveira Torres Carrasco João Paulo Ayub Fonseca João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Musse Ricardo Fabbrini Flávio Aguiar Luiz Eduardo Soares Dennis Oliveira Luiz Roberto Alves Elias Jabbour Marcos Silva Antônio Sales Rios Neto Rafael R. Ioris Samuel Kilsztajn Leonardo Sacramento Flávio R. Kothe Kátia Gerab Baggio Gilberto Maringoni Luís Fernando Vitagliano Henri Acselrad Valerio Arcary Eliziário Andrade Marjorie C. Marona Daniel Afonso da Silva Michel Goulart da Silva Chico Whitaker João Carlos Salles Ronald Rocha Annateresa Fabris Luis Felipe Miguel Marilena Chauí Liszt Vieira Celso Favaretto José Raimundo Trindade Caio Bugiato Luiz Werneck Vianna Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcelo Guimarães Lima Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tarso Genro Maria Rita Kehl Valerio Arcary Michael Löwy Paulo Capel Narvai Boaventura de Sousa Santos Remy José Fontana Fernão Pessoa Ramos Bento Prado Jr. Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Nogueira Batista Jr Ronaldo Tadeu de Souza Antonio Martins Jorge Luiz Souto Maior Renato Dagnino Francisco Pereira de Farias João Lanari Bo Airton Paschoa Carlos Tautz Érico Andrade Benicio Viero Schmidt Dênis de Moraes Andrew Korybko José Machado Moita Neto Otaviano Helene Eleonora Albano Marcelo Módolo Everaldo de Oliveira Andrade Celso Frederico Manuel Domingos Neto Luiz Bernardo Pericás Denilson Cordeiro Lorenzo Vitral Rubens Pinto Lyra Priscila Figueiredo Gerson Almeida Francisco Fernandes Ladeira Matheus Silveira de Souza Vladimir Safatle Luiz Carlos Bresser-Pereira Chico Alencar Eugênio Bucci Bruno Machado Manchetômetro Anselm Jappe Heraldo Campos Juarez Guimarães Sandra Bitencourt Jean Marc Von Der Weid José Micaelson Lacerda Morais Slavoj Žižek Thomas Piketty Alexandre de Freitas Barbosa Berenice Bento André Márcio Neves Soares Daniel Costa Yuri Martins-Fontes Milton Pinheiro Eduardo Borges Alexandre Aragão de Albuquerque Marcos Aurélio da Silva Bernardo Ricupero Ricardo Abramovay José Geraldo Couto Julian Rodrigues Vinício Carrilho Martinez Andrés del Río Lincoln Secco Luiz Renato Martins Fernando Nogueira da Costa Claudio Katz Jorge Branco Atilio A. Boron Mário Maestri João Carlos Loebens Henry Burnett Sergio Amadeu da Silveira João Feres Júnior Leda Maria Paulani Eleutério F. S. Prado Luciano Nascimento Ladislau Dowbor Vanderlei Tenório João Adolfo Hansen Salem Nasser Ronald León Núñez

NOVAS PUBLICAÇÕES