As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Um equívoco infantil

Gustav Klimt, Morte e Vida, c.1911.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PRISCILA FIGUEIREDO*

A morte tinha roído, ou melhor, depurado, a alma desse parente até o miolo, até o seu fundo bom e gentil

Quando eu tinha uns seis, sete anos, por alguma contingência conhecia o sentido da palavra “refinado”, mas não o de “finado”. Então, quando nessa idade soube de sua existência, achei que ela significava a mesma coisa que a primeira, de modo que o feriado de Finados veio a ser para mim o “feriado de mortos finados”, ou “feriado de mortos refinados”, daqueles que tinham sido delicados em vida (muito mais tarde é que eu saberia que o primeiro adjetivo poderia também ser variação do segundo, mas isso certamente não acontecia no sintagma em questão).

E lembro que houve vezes em que, para mostrar o quanto estava consciente de que o substantivo decisivo tinha sido ocultado, pois vagamente devia pensar que isso se devesse a algum decoro, economia, ou à força do hábito, eu explicitava a estrutura toda: “Vamos viajar nesse feriado de mortos finados, mamãe?”. Ela parecia admirada, supondo talvez uma espécie de obstinação na clareza, que me fazia repetir com significantes diferentes, um com função pleonástica, a mesma ideia.

Ocorre que naquela época, quando se levavam mais a sério essa e outras datas, muitos eram os que viajavam para ir homenagear os familiares enterrados nas cidades de origem, ou então reservavam especialmente a manhã, metodicamente nublada e fria, ou garoenta de São Paulo, para essas visitas fúnebres. Era nítido como, na rua em que eu morava, quase todos estavam ocupados com isso no dia. O que me fazia supor um número inverossímil de defuntos com passado de boas maneiras, fineza, amabilidade e mesmo bondade, o maior refinamento entre todos.

Eu formava umas hipóteses: ah é porque, como dizem, “morreu, virou santo”, ou ninguém se lembra mais das grosserias que cometeram quando tinham energia. Ou porque, nessa condição, todos ficam inofensivos, portanto mais delicados. Passam por um refino. Eu sabia, por exemplo, que entre os túmulos percorridos havia o de um parente que tinha empesteado a vida de todos a seu redor, só lhes trazendo infelicidade e sentimento de derrota; no entanto sabia também que cometera atos de muita generosidade, especialmente com desconhecidos. “No fundo, era uma boa pessoa”, concluíam todo ano, depois de terem recordado, na volta para casa, uma fileira de maldades. Então meu pensamento ganhava uma nova nuance: a morte tinha roído, ou melhor, depurado, a alma desse parente até o miolo, até o seu fundo bom e gentil; por isso que o visitavam.

Acho que por uns dois anos, no mesmo período, eu ainda fazia cogitações dessa natureza, até que fui entrando na compreensão coletiva do sentido da data, que passou a ser tão-somente o dia dos que se finaram, dos que tiveram um fim, aquele mesmo que todos teríamos (era uma verdade apenas muito teórica para mim, mas antes eu a ignorava por completo); o dia dos mortos puramente substantivos, não qualificados nem selecionados, dos amenos aos ossos mais duros de roer em vida. Operava-se um nivelamento, e isso tirava certo encanto da coisa. Era estranho pensar que, qualquer que tivesse sido a natureza espiritual da pessoa, ela entrava numa vala geral chamada “finados”.

O desengano, no entanto, competia em mim com a concepção católica que hierarquiza as almas, cuja localização – se no inferno, no purgatório ou paraíso – indica o grau de sua virtude passada. Mas então por que peregrinar até os cemitérios se o que contava da pessoa não estava lá? Devia ser, uma hora eu ponderava e me aquietava, porque havia a promessa, bíblica – na qual as crianças viam mais motivo de terror que de alegria –, de que todos os sepultados se levantariam numa hora tremenda, e para que isso acontecesse era necessário zelar por aqueles restos, nem que fosse por milênios. Então seriam convocados e voltariam a ser carne, e a carne refeita puxaria a alma de volta para si. Isso no fim dos tempos, isto é, quando os tempos é que seriam os novos finados.

*Priscila Figueiredo é professora de literatura brasileira na USP. Autora, entre outros livros, de Mateus (poemas) (Bem te vi). [https://amzn.to/3tZK60f]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Sandra Bitencourt Chico Alencar Daniel Brazil Antônio Sales Rios Neto Marcus Ianoni Annateresa Fabris Luiz Bernardo Pericás João Carlos Salles Gilberto Maringoni Samuel Kilsztajn Francisco Pereira de Farias Boaventura de Sousa Santos Eleutério F. S. Prado Eduardo Borges João Feres Júnior João Lanari Bo Paulo Sérgio Pinheiro Michael Roberts Ari Marcelo Solon Walnice Nogueira Galvão Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Eduardo Soares Paulo Capel Narvai Afrânio Catani Carla Teixeira Antonio Martins Rafael R. Ioris Francisco Fernandes Ladeira Eugênio Bucci Juarez Guimarães André Márcio Neves Soares João Adolfo Hansen Ronald Rocha Jorge Branco Airton Paschoa Henri Acselrad Valério Arcary Fernando Nogueira da Costa Armando Boito Osvaldo Coggiola Eleonora Albano Fernão Pessoa Ramos Paulo Fernandes Silveira Paulo Martins Lincoln Secco José Luís Fiori Marilia Pacheco Fiorillo Slavoj Žižek Roberto Noritomi Antonino Infranca Milton Pinheiro Leda Maria Paulani Benicio Viero Schmidt Julian Rodrigues Ronald León Núñez Fábio Konder Comparato Michael Löwy Tarso Genro Ladislau Dowbor Gilberto Lopes Priscila Figueiredo Marcos Silva Luiz Marques Luís Fernando Vitagliano João Carlos Loebens Marjorie C. Marona José Raimundo Trindade Denilson Cordeiro Alexandre de Freitas Barbosa Dennis Oliveira Andrew Korybko Lorenzo Vitral Manchetômetro Maria Rita Kehl Érico Andrade Marcelo Módolo Daniel Afonso da Silva José Dirceu Mariarosaria Fabris Luis Felipe Miguel Leonardo Boff Claudio Katz Jean Marc Von Der Weid Roberto Bueno Luiz Costa Lima Marilena Chauí Heraldo Campos Remy José Fontana Daniel Costa Everaldo de Oliveira Andrade José Geraldo Couto Kátia Gerab Baggio Luiz Roberto Alves Gabriel Cohn Jean Pierre Chauvin André Singer Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Nogueira Batista Jr Alexandre Aragão de Albuquerque João Sette Whitaker Ferreira Mário Maestri Yuri Martins-Fontes Vinício Carrilho Martinez Bruno Machado Henry Burnett Anselm Jappe Salem Nasser Gerson Almeida Marcos Aurélio da Silva Ricardo Fabbrini Igor Felippe Santos Elias Jabbour Flávio Aguiar Berenice Bento José Machado Moita Neto Eliziário Andrade Valerio Arcary Anderson Alves Esteves Leonardo Avritzer Eugênio Trivinho Ricardo Abramovay Atilio A. Boron Chico Whitaker Thomas Piketty Vladimir Safatle Tales Ab'Sáber Alysson Leandro Mascaro Rubens Pinto Lyra Alexandre de Lima Castro Tranjan Celso Frederico José Costa Júnior Jorge Luiz Souto Maior Ronaldo Tadeu de Souza Vanderlei Tenório Liszt Vieira Manuel Domingos Neto Francisco de Oliveira Barros Júnior Carlos Tautz Luiz Renato Martins Bento Prado Jr. João Paulo Ayub Fonseca Dênis de Moraes Leonardo Sacramento Ricardo Musse Bernardo Ricupero Tadeu Valadares Lucas Fiaschetti Estevez Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Antunes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Celso Favaretto Otaviano Helene Rodrigo de Faria Marcelo Guimarães Lima Luiz Werneck Vianna Renato Dagnino José Micaelson Lacerda Morais Flávio R. Kothe Caio Bugiato Luciano Nascimento

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada