A cena brasileira – XXX

Imagem: Catherine Sheila
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENÍCIO VIERO SCHMIDT*

Comentário sobre acontecimentos recentes

A pós-graduação brasileira encontra-se, novamente, em perigo. Além do desinvestimento recorde havido (CAPES, CNPq e FNDCT), a direção da CAPES age abertamente em favor do ensino a distância, ao nível da pós-graduação; bem como pressiona pelo reconhecimento de cursos novos, sem a devida e criteriosa avaliação. Isto levou à renúncia de três coordenadores de áreas seguida dos consultores por eles chamados para a avaliação. Atualmente são mais de 40 áreas entre ciências exatas, da vida e humanas.

Ressalte-se, para ilustração, que o ensino superior privado – com forte presença da atividade virtual por meio dos polos de ensino a distância – já abrange cerca de 80% das matrículas existentes. De outro lado, como atestam pesquisadores renomados, alguma áreas (como física experimental) exigem ensino presencial, dadas suas características laboratoriais. Registre-se, ainda, o elevado número de bolsas de estudo cortadas pela atual administração.

A interferência do Judiciário, agora se manifesta novamente “liberando” o processo das avaliações dos cursos, mas mantendo a suspensão da publicação dos resultados. Ou seja, desde que os resultados sejam mantidos em segredo. Fere-se frontalmente o princípio de publicidade e de igualdade de acesso aos critérios de avaliação e suas consequências. Mais um desastre institucional, apontando para o desprezo das autoridades federais para com a educação superior. É fundamental que a área científica leve ao Judiciário o modo de se fazer avaliação científica entre pares: se os parâmetros normativos macro são feitos desde o início da avaliação, o processo de avaliação é dinâmico e exige incorporação de aprimoramento proposto e consensuado em grandes seminários intermediários de cada área com todos os coordenadores de cursos de pós-graduação. A avaliação faz parte de toda a política nacional de pós-graduação.

A PEC dos precatórios foi aprovada pelo Senado. Volta à Câmara para detalhes de operação. Além do calote, está garantido o Auxilio Brasil até o final de 2022, estendendo recursos ao governo em cerca de R$ 106 bilhões de reais. O Auxílio Brasil foi disciplinado para impedir o crescimento do número de beneficiários, a partir de 2022. Como foi criado por Medida Provisória, necessita de aprovação das duas Casas do Congresso até 7 de dezembro para ter validade. O Senado, na prática, solidifica a existência de fila de espera (hoje 1,4 milhão) para os próximos anos, dada a inexistência previsível de recursos ao já aventado (R$ 80 bilhões). O Auxilio passará a ser pago ainda este mês a 17,4 milhões de beneficiários.

As emendas orçamentárias do relator e sua destinação secreta abrem nova área de confronto entre os parlamentares sequiosos de recursos politicamente manobráveis em função das próximas eleições e o STF; cujo plenário ratificou (8 x 2) a liminar da ministra Rosa Weber em função da plena publicidade de origem e do destino das emendas (R$ 16 bilhões) sob controle do relator. Isto é, em última instância, sob o controle de Arthur Lira e Rodrigo Pacheco, presidentes da Câmara e do Senado. Os dois líderes estão manipulando as opiniões, com base na pretensa impossibilidade de identificação dos portadores destes verdadeiros cheques ao portador. Prometem, outrossim, maiores esclarecimentos daqui para o futuro. Cerca de R$ 8 bilhões de emendas do relator não foram ainda empenhadas, esperando posição do STF sobre liberação ainda em 2021.

O Senado aprovou a condução de André Mendonça ao STF. Frente ao Senado ele defendeu a laicidade do Estado. Em entrevista posterior, publicamente defendeu sua ascensão como um “salto do evangelismo”. Suas posições serão de alinhamento tácito à Presidência da República e certamente um fato nada alvissareiro para os defensores da laicidade e do estado democrático de direito.

Tecnicamente, com dois trimestres de crescimento econômico negativo, estamos em recessão. Além das dificuldades enfrentadas pela indústria (câmbio, falta de insumos, problemas logísticos, etc.) chama a atenção o decréscimo do setor agropecuário (-8,0% no trimestre). Questões ambientais são alegadamente as grandes responsáveis pela debacle conjuntural. O meio ambiente cobra seu preço, enquanto as pressões sobre as commodities brasileiras no exterior aumentam pelas origens de produtos obtidos com a devastação das florestas.

Lula, com boa performance midiática, vai amealhando apoios na opinião de vários segmentos. O diálogo com Alckmin, de destino partidário ainda incerto, vai alimentando projeções de vitória com a possível composição, ainda em primeiro turno. Dado, aliás, confirmado por algumas das pesquisas em circulação.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB e consultor da Empower Consult. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eliziário Andrade Juarez Guimarães André Singer Denilson Cordeiro Marcos Aurélio da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Antônio Sales Rios Neto Valerio Arcary Chico Alencar José Geraldo Couto Ricardo Abramovay Daniel Costa Kátia Gerab Baggio Luiz Bernardo Pericás Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Sérgio Pinheiro Luís Fernando Vitagliano Ricardo Fabbrini Leonardo Sacramento Otaviano Helene Vanderlei Tenório Paulo Fernandes Silveira Heraldo Campos Walnice Nogueira Galvão Afrânio Catani Bruno Fabricio Alcebino da Silva Michel Goulart da Silva Antonino Infranca Paulo Capel Narvai Atilio A. Boron Érico Andrade João Carlos Loebens Ronald Rocha Vinício Carrilho Martinez Daniel Brazil Celso Frederico Gabriel Cohn João Paulo Ayub Fonseca Caio Bugiato Rafael R. Ioris Fernão Pessoa Ramos Boaventura de Sousa Santos Alexandre Aragão de Albuquerque Berenice Bento João Lanari Bo Jorge Luiz Souto Maior Alysson Leandro Mascaro Armando Boito Thomas Piketty Francisco Fernandes Ladeira Henri Acselrad Marilena Chauí Lorenzo Vitral Anselm Jappe Remy José Fontana José Dirceu Julian Rodrigues Luciano Nascimento Manuel Domingos Neto Jean Marc Von Der Weid Francisco Pereira de Farias Bruno Machado Mário Maestri Matheus Silveira de Souza Michael Löwy Anderson Alves Esteves Gilberto Lopes André Márcio Neves Soares José Machado Moita Neto João Carlos Salles Slavoj Žižek Jorge Branco Luiz Marques Dennis Oliveira Ricardo Antunes Flávio R. Kothe Tarso Genro Luiz Eduardo Soares Andrew Korybko Marcelo Módolo Valerio Arcary Claudio Katz Luis Felipe Miguel Leonardo Avritzer Lincoln Secco Renato Dagnino Alexandre de Lima Castro Tranjan Ladislau Dowbor Eleutério F. S. Prado Milton Pinheiro Airton Paschoa Michael Roberts Antonio Martins Leda Maria Paulani Tadeu Valadares Eugênio Trivinho Annateresa Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Igor Felippe Santos Marjorie C. Marona Samuel Kilsztajn Priscila Figueiredo Daniel Afonso da Silva Rubens Pinto Lyra Marilia Pacheco Fiorillo João Feres Júnior Ricardo Musse Bento Prado Jr. Benicio Viero Schmidt Liszt Vieira Ronald León Núñez Ari Marcelo Solon Jean Pierre Chauvin Sergio Amadeu da Silveira Luiz Werneck Vianna José Micaelson Lacerda Morais Ronaldo Tadeu de Souza Fernando Nogueira da Costa Eduardo Borges Marcos Silva Marcelo Guimarães Lima Tales Ab'Sáber Yuri Martins-Fontes José Luís Fiori Henry Burnett Chico Whitaker Paulo Martins Fábio Konder Comparato Salem Nasser Luiz Renato Martins Alexandre de Freitas Barbosa João Sette Whitaker Ferreira Andrés del Río Gerson Almeida Sandra Bitencourt Marcus Ianoni Francisco de Oliveira Barros Júnior Gilberto Maringoni Osvaldo Coggiola José Costa Júnior Flávio Aguiar Celso Favaretto Leonardo Boff Luiz Roberto Alves Lucas Fiaschetti Estevez Dênis de Moraes Manchetômetro Paulo Nogueira Batista Jr Eugênio Bucci Rodrigo de Faria João Adolfo Hansen Carla Teixeira José Raimundo Trindade Maria Rita Kehl Mariarosaria Fabris Elias Jabbour Eleonora Albano Vladimir Safatle Carlos Tautz Bernardo Ricupero

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada