As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Um reality show de opressão e humilhação

Imagem Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por José Geraldo Couto*

Não é de hoje que os vilões dos quadrinhos e do cinema exercem um fascínio maior que o dos heróis propriamente ditos. Sem querer fazer psicanálise de botequim, talvez se possa dizer sobre eles o que já se disse sobre os monstros dos contos infantis e dos filmes de terror: que encarnam pulsões, desejos e medos dos quais queremos nos livrar. Se a morte do monstro é um triunfo da civilização contra as forças do inconsciente, a vitória do herói sobre seu arqui-inimigo é um triunfo da ordem social vigente, uma restituição do status quo.

À luz dessa ideia, o surpreendente Coringa, de Todd Phillips, representa uma torção curiosa do esquema, não tanto por assumir o ponto de vista do vilão, mas por colocar em evidência que o mal não está nele, mas na própria divisão do mundo social em winners (vencedores) e losers (perdedores), num permanente reality show (ou comédia stand-up) de opressão e humilhação.

Não por acaso, o filme começa com a agressão do protagonista por um grupo de pivetes “chicanos”. Mais do que confirmar o ditado do roto e do rasgado, a cena em que oprimidos se fazem opressores reproduz o modo de funcionamento de uma sociedade insana.

A noção de insanidade, aliás, é uma das muitas sutilezas desse Coringa. A narrativa se constrói a partir do protagonista, acompanhando-o o tempo todo, mas se trata de um ponto de vista instável, em que o real e o imaginário se confundem, obrigando o espectador a revisões e correções constantes e mantendo-o na incerteza até o final, e mesmo depois.

Loucura contagiosa

A loucura do Coringa impregna a loucura do mundo, e é impregnada por esta. Na construção visual das cenas, o que é “real” e o que é delírio têm a mesma nitidez, a mesma densidade. Diferentemente da maioria dos filmes da franquia Batman, aqui o espaço físico não é estilizado: sua Gotham City é uma Nova York com um pouco mais de lixo e sujeira. É do nosso mundo que Coringa fala, ou, mais precisamente, da América neoliberal que exalta o empreendedorismo, cultua a celebridade, corta serviços sociais (incluindo a assistência psiquiátrica e os remédios do protagonista) e joga os excluídos na sarjeta ou no crime.

Falou-se do paralelo entre o filme de Todd Phillips e o Taxi Driver de Martin Scorsese, principalmente por causa da presença de Robert De Niro no elenco, no papel de um veterano comediante de sucesso, Murray Franklin.

Mas é com outro filme de Scorsese, O rei da comédia (1982), que Coringa conversa de modo mais íntimo. Se ali De Niro encarnava um bocó absoluto que sonhava em ser comediante como seu ídolo (encarnado por Jerry Lewis), chegando ao ponto de sequestrar este último para aparecer em seu programa de TV, aqui se opera uma inversão: ele é o ídolo, e Arthur Fleck, o Coringa em formação, mira-se no seu exemplo e quer aparecer em seu programa.

Os pontos de contato entre os dois filmes são inúmeros: como Rupert Pupkin (o bocó de O rei da comédia), Fleck mora com a mãe, delira com cenas de glória e aplausos, quer impressionar a mulher desejada e acaba impelido para o crime. A solidão, o ressentimento, a alienação, o delírio – e o crime – os aproxima também de Travis Bickle, o motorista de Taxi Driver.

Realismo social

Mais do que angariar a cumplicidade dos cinéfilos, essas conexões filiam Coringa a uma vertente cinematográfica de crítica social que teve nos anos 1970 um de seus momentos mais fortes nos Estados Unidos e que nas últimas décadas foi um tanto sufocada por uma acentuada infantilização das produções e do público. Que Todd Phillips tenha adentrado justamente a arena dos blockbusters de super-heróis para resgatar esse viés de realismo social é algo que torna seu filme ainda mais singular.

Talvez por isso Coringa esteja atingindo a rara condição de obra respeitada pela crítica e prestigiada pelo público. Leão de Ouro em Veneza e megassucesso de bilheteria são coisas que não costumam se conciliar.

Não mencionei até agora o nome do ator que encarna o Coringa. É que a atuação de Joaquin Phoenix mereceria um texto à parte, por sua extrema densidade e complexidade. Toda a aflição do personagem, em seus infinitos matizes, parece se expressar não apenas em seu riso amargo, mas em cada fibra de seu corpo magro, em cada movimento de sua dança ao mesmo tempo elegante e desengonçada. É um ator físico e intenso como De Niro em seus melhores momentos. Só a sua performance já valeria o filme.

*José Geraldo Couto é crítico de cinema, jornalista e tradutor.

Publicado originalmente no BLOG DO CINEMA

Coringa (Joker, EUA, 2019). Direção: Todd Phillips. Roteiro: Todd Phillips, Scott Silver. Elenco: Joaquin Phoenix, Robert De Niro, Zazie Beetz

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Salem Nasser Paulo Sérgio Pinheiro Boaventura de Sousa Santos José Raimundo Trindade João Lanari Bo Renato Dagnino Ladislau Dowbor Eliziário Andrade André Márcio Neves Soares Henry Burnett Ronaldo Tadeu de Souza João Feres Júnior João Adolfo Hansen Alexandre de Freitas Barbosa José Micaelson Lacerda Morais Walnice Nogueira Galvão Ronald León Núñez Marilia Pacheco Fiorillo Otaviano Helene Maria Rita Kehl Jean Marc Von Der Weid Francisco Fernandes Ladeira Luiz Costa Lima Sandra Bitencourt Fernando Nogueira da Costa Luiz Roberto Alves Manchetômetro Leda Maria Paulani Igor Felippe Santos Tales Ab'Sáber Armando Boito João Paulo Ayub Fonseca Celso Favaretto Heraldo Campos Paulo Nogueira Batista Jr Claudio Katz Chico Whitaker Juarez Guimarães Eugênio Bucci Mariarosaria Fabris Eleutério F. S. Prado Daniel Afonso da Silva Marcos Aurélio da Silva Luis Felipe Miguel Milton Pinheiro Antônio Sales Rios Neto Leonardo Avritzer Carla Teixeira Ricardo Antunes Luís Fernando Vitagliano Gilberto Lopes Samuel Kilsztajn Daniel Costa Ricardo Abramovay Anselm Jappe José Machado Moita Neto Denilson Cordeiro Celso Frederico Vinício Carrilho Martinez Remy José Fontana Antonio Martins Bruno Fabricio Alcebino da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Fábio Konder Comparato Julian Rodrigues Andrew Korybko Benicio Viero Schmidt Francisco Pereira de Farias Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Werneck Vianna Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Martins Mário Maestri Priscila Figueiredo Valério Arcary Michael Roberts Lorenzo Vitral Leonardo Boff João Carlos Loebens José Dirceu Paulo Fernandes Silveira Rubens Pinto Lyra Manuel Domingos Neto Yuri Martins-Fontes Dênis de Moraes Gabriel Cohn Anderson Alves Esteves Slavoj Žižek Ricardo Fabbrini Annateresa Fabris Luciano Nascimento Bernardo Ricupero Thomas Piketty Chico Alencar Eduardo Borges Alysson Leandro Mascaro Airton Paschoa Luiz Eduardo Soares Sergio Amadeu da Silveira Alexandre de Lima Castro Tranjan Gerson Almeida Luiz Carlos Bresser-Pereira Valerio Arcary Henri Acselrad Kátia Gerab Baggio Atilio A. Boron Lincoln Secco Ronald Rocha Elias Jabbour Marilena Chauí Ricardo Musse Bruno Machado Tarso Genro Tadeu Valadares Marjorie C. Marona André Singer José Luís Fiori Marcos Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jorge Branco Ari Marcelo Solon Osvaldo Coggiola Alexandre Aragão de Albuquerque Antonino Infranca Marcelo Guimarães Lima Roberto Noritomi Eugênio Trivinho Luiz Renato Martins João Sette Whitaker Ferreira Carlos Tautz Vladimir Safatle Michael Löwy Roberto Bueno Rafael R. Ioris Flávio R. Kothe José Costa Júnior Luiz Bernardo Pericás Luiz Marques Marcelo Módolo Berenice Bento Flávio Aguiar Daniel Brazil Caio Bugiato Paulo Capel Narvai José Geraldo Couto Afrânio Catani Bento Prado Jr. Jorge Luiz Souto Maior Fernão Pessoa Ramos Marcus Ianoni Jean Pierre Chauvin Dennis Oliveira Eleonora Albano Vanderlei Tenório Leonardo Sacramento Rodrigo de Faria João Carlos Salles Liszt Vieira Gilberto Maringoni Érico Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada